Oscarito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Julho de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Oscarito
Oscarito (1928)
Nome completo Oscar Lorenzo Jacinto de la Inmaculada Concepción Teresa Díaz
Nascimento 16 de agosto de 1906
Málaga, Espanha
Nacionalidade brasileiro
Morte 4 de agosto de 1970 (63 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Ocupação ator
Cônjuge Margot Louro

Oscarito, pseudônimo de Oscar Lorenzo Jacinto de la Inmaculada Concepción Teresa Díaz (Málaga, 16 de agosto de 1906Rio de Janeiro, 4 de agosto de 1970) foi um ator hispano-brasileiro, considerado um dos mais populares cômicos do Brasil. Ficou famoso pela dupla que fez com Grande Otelo, em comédias dirigidas por Carlos Manga e Watson Macedo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Genésio Arruda e Oscarito em 1934

Nasceu em uma família circense, vindo para o Brasil com um ano de idade, mas somente naturalizou-se em 1949.

Estreou no circo aos cinco anos de idade, e ali aprendeu a tocar violino, sendo ainda palhaço, trapezista, acrobata e ator.

Estreou no teatro de revista em 1932, na peça Calma, Gegê, que satirizava o ditador Getúlio Vargas, de quem se tornaria amigo. No cinema, estreou em Noites Cariocas, de 1935, embora tenha figurado num filme anterior, e foi nessa arte que ganhou enorme popularidade no país. Fez parceria com Grande Otelo em diversos filmes de chanchada.

Seu nome, no Brasil, era paralelo para os maiores humoristas do cinema, como Charles Chaplin ou Cantinflas.

Foi casado com Margot Louro, com quem teve dois filhos. Na manhã de 15 de julho de 1970, sentiu-se mal, devido a um AVC, e foi internado, já em coma, vindo a morrer em 4 de agosto.[1] Seu corpo foi velado no salão nobre da Assembleia Legislativa da Guanabara, com a presença de mais de duas mil pessoas.[2] O enterro levou cerca de quinhentas pessoas ao Cemitério São João Batista.[2]

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Em 1960.
Em 1932.

Referências

  1. «Oscarito está desenganado». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (29 234). 8 páginas. 28 de julho de 1970. ISSN 1516-2931 
  2. a b «500 no adeus a Oscarito». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (29 242). 13 páginas. 6 de agosto de 1970. ISSN 1516-2931 
  3. Cinemateca Brasileira, Aviso aos navegantes [em linha]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Oscarito
Ícone de esboço Este artigo sobre um ator ou atriz de cinema é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.