Ostracoda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaOstracodos
Ostracod.JPG
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Subfilo: Crustacea
Classe: Ostracoda
Ordens
Entomostraca

Archaeocopida (extinta)

Leperditicopida (extinta)

Palaeocopida (extinta)

Podocopida

Platycopida

Myodocopida

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Ostracoda

Ostracoda é uma classe de pequenos crustáceos, com comprimento variando de 0,1mm a 32mm, que possuem como característica marcante uma concha bivalve composta, na maioria dos casos, por quitina e carbonato de cálcio. Permite, assim, a proteção ao ambiente externo.[1] São animais com abundante registro fóssil (maior dentre os artrópodes), que remete a cerca de 485 milhões de anos atrás, passando por momentos difíceis da vida na Terra, como as cinco grandes extinções em massa do Fanerozoico.[2] Podem ser encontrados em águas marinhas, como nas regiões profundas do oceano, e também em águas doces, habitando o tanque úmido de bromélias tropicais por exemplo[3]. Os ostracodos são componentes fundamentais para os ecossistemas, habitam tanto a epifauna, infauna e coluna d'água. Se alimentam de detritos orgânicos, plantas, algas e alguns outros animais, como jovens anelídeos.[4]Existem aproximadamente 33000 espécies fósseis e vivas nesta classe, porém certamente existem mais a serem descritas. Estima-se que as espécies vivas sejam em torno de 10000 a 15000.[5]


Morfologia e Plano Corpóreo[editar | editar código-fonte]

As espécies da fauna atual de Ostracoda apresentam tamanho que varia de 0,1 mm a 32 mm (como, por exemplo, o Gigantocypris).[6] Contudo, considerando um indivíduo adulto, a maioria dos ostracodos medem entre 0,4 mm e 1 mm de comprimento.

Carapaça[editar | editar código-fonte]

Estes micros crustáceos apresentam uma carapaça bivalve, articulada dorsalmente, que recobre todo o corpo (cabeça e tronco) do organismo. A carapaça pode apresentar diversas ornamentações, poros e variações na forma e é fechada por musculatura adutora com fibras transversais localizada na região central das valvas.[7] É composta de quitina e apresenta impregnações de carbonato de cálcio na maioria das espécies. Na região dorsal, há uma faixa de cutícula não calcificada que dá origem a uma linha de dobradiça distinta.[8]Sua carapaça pode, por vezes, lembrar as carapaças dos representantes da ordem Diplostraca, crustáceos da classe Branchiopoda. Contudo há algumas diferenças visíveis entre os grupos a serem listadas a seguir:

  • Enquanto as subordens Laevicaudata, Spinicaudata e Cyclestherida, pertencentes à ordem Diplostraca, apresentam linhas concêntricas de crescimento nas suas valvas (de maneira muito similar aos moluscos bivalves), o mesmo não ocorre com ostracodos. Isso se deve a diferenças no processo da muda desses organismos. Ostracodos descartam o esqueleto das valvas a cada muda realizada. Já as espécies de Laevicaudata, Spinicaudata e Cyclestherida, simplesmente adicionam material à carapaça preexistente, formando as linhas de crescimento conforme o material novo é depositado.[9]
  • Indivíduos da subordem Cladocera, pertencente à ordem Diplostraca, apresentam uma carapaça que nunca é articulada, mas apenas dobrada dorsalmente, enquanto a carapaça de ostracodos é articulada.[7] Ainda, cladóceros não têm seu corpo todo recobertos pela carapaça, mantendo sua cabeça descoberta.[7]
  • Diplóstracos e ostracodos apresentam diferenças significativas em relação aos seus apêndices e a segmentação do corpo.[7]

Tagmose[editar | editar código-fonte]

Ostracodos apresentam uma cabeça, um tronco e um télson, apresentando furca (ou forquilha caudal). Não há distinção clara entre tórax e abdômen, que pode ser interpretada como um evento de fusão de ambos[7] ou de perda do abdômen[9]. O tronco é reduzido, quando comparado ao de outros crustáceos, e não demonstra evidências de segmentação externa, apesar de ser possível a visualização dos 11 somitos pós-cefálicos em alguns táxons.

Apêndices[editar | editar código-fonte]

Ostracoda é o grupo de crustáceos com menor número de apêndices. Na cabeça, apresentam-se quatro ou cinco pares de apêndices bem desenvolvidos e, no tronco, um a três pares, sendo o terceiro par chamado de órgão copulador por portar os gonóporos.[7] As maxilas (apêndices cefálicos) e os apêndices do tronco podem se encontrar modificados para auxiliar na locomoção, na alimentação ou na limpeza das valvas.[8]

Iconografia zoológica mostrando os apêndices e corpo de um ostracodo
Iconografia zoológica mostrando os apêndices e corpo de um ostracodo

Sistema Sensorial[editar | editar código-fonte]

A presença de cerdas sensoriais nos apêndices e na própria carapaça contribui na maior parte da percepção do ambiente pelos ostracodos. Além da existência de cerdas sensoriais, está presente, na maioria dos ostracodos, um olho naupliar (ou naupliano) simples mediano, geralmente chamado de “olho maxilopodiano”. Nas espécies de Myodocopa, aparecem olhos compostos sésseis ligeiramente pedunculados.[8]

Sistema Circulatório[editar | editar código-fonte]

Apenas na ordem Myodocopa apresentam-se vasos sanguíneos e um coração. Nas demais ordens, a circulação da hemolinfa ocorre entre as paredes valvares.

Trocas gasosas[editar | editar código-fonte]

Em ostracodos, as brânquias estão ausentes na maioria das espécies, limitando as trocas gasosas ao processo de difusão entre os tecidos e o meio. A partir da movimentação dos apêndices para locomoção e/ou alimentação, geram-se fluxos de água internamente à carapaça do animal, facilitando as trocas gasosas.[8]

Excreção[editar | editar código-fonte]

Os órgãos excretores podem se apresentar como glândulas maxilares, estruturas grandes que repousam entre as paredes valvares, ou antenais, presentes apenas em algumas espécies de Ostracoda. A maioria dos ostracodos apresenta apenas um tipo de glândula excretora, mas alguns poucos apresentam ambos.[7]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Há três modos distintos de reprodução dentro do grupo Ostracoda. Estes podem ser: exclusivamente sexuado, exclusivamente partenogenético ou misto. A maioria dos ostracodos se reproduzem sexuadamente, contudo, algumas espécies não-marinhas (todas pertencentes à subclasse Podocopa), apresentam indícios de realizarem partenogênese. Em minoria, verifica-se que algumas espécies apresentam populações com ambos os modos reprodutivos, mas sem que ambos ocorram concomitantemente.[5]

Reprodução sexuada[editar | editar código-fonte]

Os ostracodos são, em sua maioria, animais dioicos que apresentam fecundação interna com transferência direta de gametas. Os dutos espermáticos dos machos se abrem em dois pênis esclerotizados localizados ventralmente no terceiro par de apêndices do tronco. Os gonóporos femininos se localizam no último par de apêndices do tronco em região ventral.

Durante a cópula de algumas espécies de Ostracoda, o macho utiliza as segundas antenas ou o primeiro par de pernas para imobilizar dorsalmente a fêmea. Os pênis são inseridos nos gonóporos femininos e os espermatozoides são transferidos à fêmea.

Partenogênese[editar | editar código-fonte]

A partenogênese, em ostracodos, parece estar atrelada à ocorrência em habitats efêmeros de água doce.[8] Em representantes não-marinhos da subclasse Podocopa, especialmente em Cypridoidea, infere-se que algumas espécies sejam capazes de se reproduzir por partenogênese, uma vez que machos destas espécies nunca foram encontrados. Dentre as espécies europeias da família Cyprididae, machos são desconhecidos em 80% dos casos.[10]

Misto[editar | editar código-fonte]

Alguns registros demonstram que certas espécies são capazes de alternar entre os modos sexuado e partenogenético.  Eucyphs virens, por exemplo, é uma espécie de Cypridoidea que apresenta partenogênese geográfica, ou seja, seu modo reprodutivo varia conforme sua distribuição espacial. Populações de E. virens encontradas em lagoas temporárias pela Europa apresentavam partenogênese, enquanto em certos locais na Espanha, sul da França e Silícia se reproduziam sexuadamente.

Oviposição e incubação[editar | editar código-fonte]

Na maioria das espécies, as fêmeas ovipõem, mas algumas espécies incubam os ovos internamente às suas valvas. A oviposição se dá tanto livremente na água quanto associada a algas ou rochas, podendo ser depositados ovos isolados ou agrupamentos dos mesmos. A incubação dos ovos se dá em uma expansão posterior da carapaça da fêmea, podendo conter até 85 crias em alguns taxa. Alguns taxa de Podocopida incubam ovos e juvenis até que realizem a segunda ou terceira, podendo haver crias em diferentes estágios de desenvolvimento dentro da câmara incubadora.[10]

Alguns ostracodos que habitam corpos temporários de água doce produzem ovos de resistência[10][8], que podem permanecer em estado latente por meses ou anos até que o ambiente se torne favorável novamente.[11]

Aspectos ecológicos dos Ostracodos[editar | editar código-fonte]

Lepomis macrochirus, um predador dos ostracodos

Os ostracodos possuem distribuição diversa, podendo habitar ecossistemas aquáticos, ambientes dulcícolas e marinhos onde possuem grande abundância em bentos, apesar de algumas espécies serem excelentes nadadores, e habitam o interior de plantas emersas e submersas, mas podem habitar até mesmo ambientes semi-terrestres ou terrestres, em que comumente são associados a musgos;[9] vale lembrar que esses crustáceos possuem adaptações morfofisiológicas a ambientes hostis, como aqueles que têm falta de água. Possuem diferentes hábitos alimentares, podendo ser carnívoros, herbívoros, filtradores, se alimentando de outros pequenos crustáceos, peixes, anelídeos, representantes vegetais, partículas orgânicas suspensas e detritos. Todavia, esses animais são predados por peixes, invertebrados planctônicos ou bentônicos e por algumas aves aquáticas.[12]

Bioluminescência de um Ostracodo.
Bioluminescência da Vargula hilgendorfii

Bioluminescência[editar | editar código-fonte]

Algumas espécies de ostracodos também contribuem para a luminescência dos mares emitindo uma brilhante luz azul.[13] O mecanismo químico para esse fenômeno se baseia na proteína luciferina. Na presença de oxigênio e da enzima luciferinase, essa molécula sofre oxidação e acaba por emitir luz. Este processo ocorre em glândulas e pode tanto culminar no acúmulo destes fatores na carapaça como na secreção para a água. Ocorre majoritariamente nos períodos noturnos e está muitas vezes relacionado a uma corte sexual entre os indivíduos, que pode envolver outros comportamentos, como movimentos ascendentes em espiral e uma pulsação sincronizada entre grupos de animais próximos[14]. A bioluminescência também pode ser útil para evitar a predação. No caso da Vargula sp., quando atacada por um peixe planctívoro, produz uma luminosa nuvem com cerca de alguns centímetros. Mantida por alguns instantes, que duram de segundos a minutos, essa coluna de luz pode incomodar o predador a ponto de ele evadir o local, ou até mesmo atrair um peixe maior que acaba por espantá-lo.

Registro Fóssil[editar | editar código-fonte]

Exemplar de um Fóssil de ostracoda
Exemplar fóssil de Leperditia baltica

Os primeiros fósseis dos Ostracoda foram reconhecidos em rochas do Período Ordoviciano, cerca de 485 a 443 milhões de anos atrás. Com sua carapaça de calcita, estes animais apresentam um alto potencial de conservação, e combinado com a sua grande diversidade e ampla distribuição nos habitats aquáticos, se tornaram os artrópodes mais preservados no registro fóssil. Esta abundância faz com que os ostracodos sejam uma ferramenta útil aos paleontólogos, tanto na estratigrafia como na reconstituição de paleoambientes (indicadores de profundidade, temperatura e salinidade).[15]

A descoberta de um fóssil da espécie Colymbosathon ecplecticos, em uma rocha de 425 milhões de anos na Grã-Bretanha, anunciou o órgão reprodutor masculino mais antigo já descrito. A morte do crustáceo bivalve foi provocada por cinzas provenientes de uma erupção vulcânica, que preservou o animal e suas partes moles. A reconstituição 3-D do fóssil revelou detalhes das brânquias, cerdas nos membros articulados e dos órgãos reprodutores.[16]

Paleoecologia[editar | editar código-fonte]

Além de serem muito abundantes e apresentarem uma concha mineralizada, ostracodos apresentam alta sensibilidade a variações do meio, o que os torna marcadores muito úteis, no registro paleontológico, para indicar variações ambientais ao longo do tempo. Estas variações podem ser tanto de natureza abiótica (como salinidade, temperatura, turbidez, turbulência, profundidade, entre outros) como de natureza biótica (interações intra e interespecíficas ou características intrínsecas aos indivíduos, como a capacidade de mobilidade e a taxa reprodutiva) e se expressam na forma de variações na abundância das espécies, nas distribuições espaciais destas e na morfologia de suas conchas[17].

Carapaças de Ostracoda com nódulos nas valvas

A formação de nódulos e o grau de reticulação das conchas são exemplos de modificações morfológicas das conchas. Estas modificações podem ter causas genotípicas (sendo utilizadas como critérios taxonômicos)[18] ou fenotípicas (com formação induzida pelas condições do meio).[17] As modificações de causa genotípica constituem um elemento confiável para fins sistemáticos e filogenéticos[18], enquanto as fenotípicas constituem potenciais indicadores paleoambientais.

Em ostracoda, os nódulos fenotípicos se devem à incapacidade dos indivíduos de regular a pressão osmótica eficientemente durante a ecdise em ambientes com salinidade variável. No processo de muda, os indivíduos deixam de apresentar a epicutícula como barreira entre o organismo e o meio. Dependendo da espécie em questão, os nódulos serão formados devido a altas ou baixas concentrações de sais no ambiente. Em Cyprideis torosa, a formação de nódulos é interpretada como resposta a um ambiente que se apresenta hiposmótico em relação ao organismo.[19] Durante a ecdise, há entrada de água no corpo hiperosmótico do ostracoda, aumentando sua pressão interna e criando protuberâncias na carapaça que, ao enrijecer após a muda, tornarão-se nódulos. Assim, para Cypideis torosa, um aumento no número de nódulos da concha se dá por diminuição da concentração de sais no ambiente. Já em Theriosynoecum kirtlingtonense, a origem do nódulo é uma resposta ao aumento da salinidade, sendo consequência da maior atividade do sistema excretor do organismo[20]. Assim, indivíduos de valvas lisas seriam oriundos de corpos de água doce enquanto os de valvas com nódulos demonstrariam incrementos na salinidade do meio. Há, ainda, autores que relatam a formação de nódulos como processo resultante de deficiência nutricional.

Conhecendo-se a origem das características de origem fenotípica, é possível a reconstrução das condições ambientais de épocas passadas a partir de registros fósseis.[20]

Taxonomia e Características dos grupos[editar | editar código-fonte]

A classe Ostracoda, dentre as diversas propostas taxonômicas e filogenéticas do grupo, pode ser divida em quatro grandes ordens [21]que apresentarão diferenças tanto morfológicas como de hábitos de vida e ocorrência no ambiente. Além das espécies viventes, estão presentes nestes grupos numerosas espécies fósseis, aproximadamente 50% do número total descrito.[22]

No que diz respeito a origem dos ostracodos, os mais antigos encontrados em depósitos do Ordoviciano (448 a 443 Ma) que se tem conhecimento eram marinhos e provavelmente bentônicos. Lá já estavam presentes as principais linhagens destes crustáceos, sendo que a sua origem filogenética ainda permanece obscura. Dados morfológicos e moleculares sugerem que está classe não constitui um grupo monofilético, e que, provavelmente, a atual subclasse Myodocopa(composta pelas ordens Myodocopida e Halocyprida) surgiu depois da subclasse Podocopa (Platycopida e Podocopida).[23]

Membros da classe Ostracoda

Os Myodocopa[editar | editar código-fonte]

Os Myocopoda, uma subclasse dos ostracodos, são majoritariamente marinhos e incluem formas bentônicas, pelágicas e necto bentônicas(que vivem próximas ao fundo do mar ou lago), habitando desde profundezas abissais a superfície do corpo d'água. O hábito alimentar deste grupo é tão variável quanto a sua distribuição. Encontram-se espécies  predadoras, detritívoras e filtradoras. As predadoras atacam e consomem presas vivas, como por exemplo copépodes pelágicos. As detritívoras usam as mandíbulas para suspender partículas do fundo e o batimento de brânquias para conduzir o alimento, que será capturado pela maxila. As espécies filtradoras se utilizam de um arranjo de cerdas da maxílula e, com o quinto apêndice, conseguem extrair partículas da corrente de água gerada pelo mesmo mecanismo de batimento.[23]

Apresentam as seguintes ordens:

Halocyprida Dana, 1853[editar | editar código-fonte]

A ordem Halocyprida agrega a maioria dos ostracodos planctônicos. São característicos pela ausência de olhos evidentes e por apresentarem a antena 2 como membro mais desenvolvido, a qual o musculoso protopodito ocupa metade da carapaça e prove a força para a natação via o exopodito.[24] O sétimo par de apêndices é vestigial e ocupa apenas dois segmentos. O último destes pares apresenta duas setas, uma longa e outra curta, que permanecem em um movimento constante e provavelmente funcionam para manter a superfície interna da carapaça limpa.

Myodocopida Sars, 1866[editar | editar código-fonte]

A ordem Myodocopida também apresenta seres planctônicos, porém não é a maioria [25]. Possuem um olho lateral composto bem desenvolvido ou, em algumas espécies famosas como do gênero Gigantocypris, o olho é naupliar e central. Os apêndices corpóreos e ornamentações da carapaça são simétricos e, diferentemente dos Halocyprida, o sétimo par de membros é multi segmentado e carrega um conjunto de cerdas.

Os Podocopa[editar | editar código-fonte]

Esta subclasse apresenta as ordens mais diversas de ostracodos, com espécies habitando virtualmente todos os ambientes aquáticos, sendo eles marinhos, de água doce ou salobro. Os representantes, no que diz respeito aos hábitos de vida, são igualmente diversos como os Myocopoda, apresentando mecanismos de captura de alimento semelhantes. Na morfologia é possível observar duas principais diferenças: o endopodito da segunda antena é mais longo, enquanto nos Myocopoda é o exopodito. No sétimo par de apêndice o presente grupo possui uma grande variedade de formas, mas nunca em um formato cilíndrico, como é típico no outro. As ordens deste grupo são:[23]

Exemplares de ostracodos do sudeste dos Estados Unidos do Cretáceo

Platycopida Sars, 1866[editar | editar código-fonte]

A ordem Platycopida é constituída majoritariamente por ostracodos diminutos, com menos de 1 mm. As valvas destes são assimétricas, sendo a direita maior e que acaba circundando a esquerda ao longo de toda a sua margem. Seus apêndices (6 pares) mostram adaptação a uma vida bentônica e escavadora, não sendo capazes de nadar. Uma característica muito utilizada pelos taxonomistas para diferenciar os integrantes deste grupo dos Podocopideos é a presença de feixes de cerdas na maxila 1 e mandíbula.[26]

Podocopida Sars, 1866[editar | editar código-fonte]

Grupo dos ostracodos que apresenta maior número de espécies, incluindo todas as que habitam ambientes de águas interiores, tanto salgadas como doces, e outras tantas que são encontradas no mar e zonas estuarinas. Assim como nos Myodocopida, a antena 2 auxilia na locomoção e é frequente a presença de seis grandes cerdas no endopodito, comumente chamadas de cerdas natatórias. Elas são reduzidas nos grupos bentônicos e intersticiais, visto a pouca capacidade de natação no ambiente. As espécies continentais que vivem em áreas de água temporária possuem uma estratégia interessante para contornar este problema: produzem ovos de resistência que podem ficar meses e até anos em estado latente, até que o ambiente se torne novamente favorável.[11]


Representantes brasileiros[editar | editar código-fonte]

Listar os representantes de Ostracoda na fauna brasileira ainda é algo incerto, que está sendo trabalhado, já que existem poucos especialistas brasileiros a identificação desses crustáceos é relativamente mais difícil, pois não existem chaves de identificação para isso. Muitos ecossistemas onde habitam ainda não foram estudados, como riachos, lagoas temporárias, ambientes terrestres, além disso, sabe-se pouco a respeito de aspectos da biologia de vários representantes das espécies ostracodos. Porém, de acordo com estudos recentes, no Brasil, são conhecidas 117 espécies representantes de 37 gêneros. Em territórios brasileiros, como nos pantanais da região centro-oeste, podemos encontrar espécies das famílias Cyprididae, Candonidae, Limnocytheridae e Darwinulidae. Há uma preocupação em explorar melhor os representantes de Ostracoda na fauna brasileira, por conta disso em projetos como  SISBIOTA/CNPq/Fundação Araucária estão sendo elaborando checklists desses crustáceos em território brasileiro, assim como um atlas de identificação que conta com informações a respeito da biologia geral dos ostracodos.[27]

Referências

  1. Brandão, S. N.; Angel, M.V.; Karanovic, I.; Perrier, V.; Meidla, T. «World Ostracoda Database». www.marinespecies.org. Consultado em 17 de abril de 2019 
  2. Idem [1]
  3. Pereira, Elise Vargas (15 de agosto de 2013). «Taxonomia e ocorrência das espécies do gênero bromelícola Elpidium (Crustacea: Ostracoda) em áreas de mata atlântica no estado de Santa Catarina, Brasil» 
  4. «Ostracod Research at the Lake Biwa Museum, Robin J. Smith». www.biwahaku.jp. Consultado em 18 de abril de 2019 
  5. «Catalogue of Life - 2019 Annual Checklist : Árvore Taxonômica». www.catalogueoflife.org. Consultado em 18 de abril de 2019 
  6. «Ostracoda – Microfósseis Calcários». Consultado em 25 de junho de 2019 
  7. a b c d e f g Brusca,Gary J. / Brusca,Richard C., Invertebrados - 2ª Ed. 2007 (Cód: 1573795). Ed. Guanabara Koogan. [S.l.: s.n.] 
  8. a b c d e f Ruppert, E.E.; Fox, R.S. & Barnes, R.D. 2005. Zoologia dos Invertebrados. 7ª ed. Editora Roca, São Paulo. 1145 p. [S.l.: s.n.] 
  9. a b c "bmw", "ahl", "kjo", "ahl" (12 de junho de 1995). «Introduction to Ostracoda». Berkeley University. Consultado em 24 de junho de 2019 
  10. a b c «The Ostracoda: Applications in Quaternary Research - Holmes - 2002 - Geophysical Monograph Series - Wiley Online Library». agupubs.onlinelibrary.wiley.com (em inglês). doi:10.1029/gm131. Consultado em 25 de junho de 2019 
  11. a b Baltanás, Ángel, Mesquita-Joanes, Francesc (30 de junho de 2015). «00 RvtaIDE@_Podocopida» (PDF). Revista IDE@ - SEA. Consultado em 24 de junho de 2019 
  12. Smith, Alison J.; Delorme, L. Denis (1 de janeiro de 2010). Thorp, James H.; Covich, Alan P., eds. «Chapter 19 - Ostracoda». San Diego: Academic Press: 725–771. ISBN 9780123748553 
  13. Herring, Peter J. (1 de outubro de 1985). «Bioluminescence in the Crustacea». Journal of Crustacean Biology (em inglês). 5 (4): 557–573. ISSN 0278-0372. doi:10.2307/1548235 
  14. Robin James Smith. «Amazing Facts About Ostracods». www.biwahaku.jp. Consultado em 24 de junho de 2019 
  15. Robin James Smith. «Amazing Facts About Ostracods». www.biwahaku.jp. Consultado em 29 de abril de 2019 
  16. Siveter, D. J. (5 de dezembro de 2003). «An Ostracode Crustacean with Soft Parts from the Lower Silurian». Science. 302 (5651): 1749–1751. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.1091376 
  17. a b Ballent, Sara; Carignano, Ana Paula (10 de junho de 2009). «Microfósiles (Foraminifera, Ostracoda) y su respuesta a las variaciones paleoambientales: Un ejemplo en la Formación Allen (Cretácico Superior), Cuenca Neuquina, Argentina». Ameghiniana. 46 (2): 307–320. ISSN 0002-7014. Consultado em 23 de junho de 2019 
  18. a b Bergue, Cristianini Trescastro (30 de junho de 2015). «Agulhas e pincéis: as relações entre a paleontologia e a neontologia no estudo dos ostracodoTexto grandes (Crustacea: Ostracoda)». Terrae Didatica. 6 (1). 9 páginas. ISSN 1980-4407. doi:10.20396/td.v6i1.8637479 
  19. van Harten, Dick (2000). «Variable noding in Cyprideis torosa (Ostracoda, Crustacea): an overview, experimental results and a model from Catastrophe Theory». Dordrecht: Springer Netherlands: 131–139. ISBN 9789048154999 
  20. a b do Carmo, Dermeval Aparecido; Whatley, Robin C.; Timberlake, Simon (1 de abril de 1999). «Variable noding and palaeoecology of a Middle Jurassic limnocytherid ostracod: implications for modern brackish water taxa». Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology. 148 (1): 23–35. ISSN 0031-0182. doi:10.1016/S0031-0182(98)00173-4 
  21. «An Updated Classification of the Recent Crustacea. Science Series, Volume 39. By Joel W  Martin and , George E  Davis. Los Angeles (California): Natural History Museum of Los Angeles County. $20.00 (paper). ix + 124 p; no index. ISSN: 1–891276–27–1. 2001.». The Quarterly Review of Biology. 77 (3): 333–333. 2002-09. ISSN 0033-5770. doi:10.1086/345208. Consultado em 23 de junho de 2019  Verifique data em: |data= (ajuda)
  22. «World Ostracoda Database». www.marinespecies.org. Consultado em 24 de junho de 2019 
  23. a b c Horne, David J. (21 de junho de 2017). «Key Events in the Ecological Radiation of the Ostracoda». The Paleontological Society Papers (em inglês). 9: 181–202. ISSN 1089-3326. doi:10.1017/S1089332600002205. Consultado em 24 de junho de 2019 
  24. «An Atlas of Southern Ocean Planktonic Ostracods by Kasia Blachowiak-Samolyk and Martin Angel - What is an Ostracod?». deep.iopan.gda.pl. Consultado em 24 de junho de 2019 
  25. idem [10]
  26. Baltanás, Ángel, Mesquita-Joanes, Francesc (30 de junho de 2015). «00 RvtaIDE@_Platycopida» (PDF). Revista IDE@-SEA. Consultado em 24 de junho de 2019 
  27. Martens, Koen; Roche, Kennedy Francis; Higuti, Janet; Martens, Koen; Roche, Kennedy Francis; Higuti, Janet (05/2017). «Checklist de ostrácodes (Crustacea, Ostracoda) dulcícolas do Pantanal Sul Mato-grossense, Brasil». Iheringia. Série Zoologia. 107. ISSN 0073-4721. doi:10.1590/1678-4766e2017114  line feed character character in |primeiro2= at position 8 (ajuda); Verifique data em: |data= (ajuda)