Oto (mitologia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Oto, na mitologia grega, foi o filho de Posídon e Ifimedia, irmão de Efialtes, como ele, um Aloída. Ambos tentaram escalar o Olimpo e foram mortos pela áudacia.

Aloeu e Triopas eram filhos de Posídon e Cânace,[1] filha de Éolo e Enarete.[2] Triopas, rei da Tessália, foi o pai de Ifimedia.[1]

Ifimedia casou-se com seu tio Aloeu, [1] e seduziu Posídon, indo todos os dias à praia, até que este lhe deu os filhos Oto e Efialtes.[1] Os aloídas se tornaram gigantes, e tentaram conquistar o Olimpo.[1]

Uma versão diferente e racionalizada da história é contada por Diodoro Sículo. Após Butes, filho de Bóreas, ter ocupado a ilha de Strongylê (Naxos) com um grupo de piratas trácios,[3] por falta de mulheres, eles atacaram a Tessália e raptaram um grupo de devotas de Dionísio quando elas estavam celebrando orgias.[4] Butes tornou-se louco e se matou, como castigo de Dionísio,[5] e o novo rei, Agassemenus, tomou por esposa Pancratis, filha de Aloeu e Ifimedia,[6] e deu Ifimedia como esposa a seu amigo e tenente.[7] Aloeu enviou seus filhos Oto e Efialtes, que derrotaram os trácios em batalha,[8] tornando-se, mais tarde, reis da ilha; quando os dois brigaram entre si e se mataram, receberam dos nativos as honras de herois.[9]

Árvore genealógica[editar | editar código-fonte]

Baseada em Pseudo-Apolodoro, com filha de Aloeu baseada em Diodoro Sículo (linhas pontilhadas):

Éolo
Enarete
Posidão
Cânace
Triopas
Aloeu
Ifimedia
Oto
Efialtes
Pancratis

Referências

  1. a b c d e Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 1.7.4
  2. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 1.7.3
  3. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro V, 50.3
  4. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro V, 50.4
  5. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro V, 50.5
  6. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro V, 50.6
  7. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro V, 50.7
  8. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro V, 51.1
  9. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro V, 51.2