Otto Alencar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o matemático, veja Otto de Alencar.
Otto Alencar
Senador pela Bahia Bahia
Período 1º de fevereiro de 2015
até a atualidade
48º Governador da Bahia Bahia
Período 5 de abril de 2002
até 31 dezembro de 2002
Antecessor(a) César Borges
Sucessor(a) Paulo Souto
Vice-Governador da Bahia Bahia
Período De 1° de janeiro de 1999
até 5 de abril de 2002
De 1º de janeiro de 2011
até 31 de dezembro de 2014
Deputado Estadual da Bahia Bahia
Período 1° de fevereiro de 1987
até 31 de dezembro de 1998
Secretário de Estado de Saúde da Bahia Bahia
Período 1990 até 1994
Vida
Nascimento 28 de agosto de 1947 (69 anos)
Nacionalidade  brasileiro
Dados pessoais
Alma mater Universidade Federal da Bahia
Partido PSD
Profissão Médico e Professor

Otto Roberto Mendonça de Alencar (Ruy Barbosa, 28 de agosto de 1947) é um político, médico e ex-professor brasileiro, casado com Márcia Eumar Félix Santos de Alencar. Tem três filhos. Foi o 48º Governador do Estado da Bahia, foi vice-governador e atualmente é Senador pelo Partido Social Democrático (PSD).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Otto Alencar nasceu no município baiano de Ruy Barbosa, na Chapada Diamantina. Filho de Vilobaldo Rocha de Alencar e Josenita Mendonça de Alencar, foi educado em conformidade com os costumes do interior. Em Ruy Barbosa, estudou em colégio público até o ginásio. Aos 11 anos, decidiu se tornar médico após ver o seu avô ser atropelado e morto em sua frente. Para seguir a sua vocação, Otto teve que se mudar para Salvador, onde cursou o segundo grau, no Colégio Dois de Julho.[carece de fontes?]

Formação acadêmica[editar | editar código-fonte]

Otto Alencar prestou vestibular para Medicina pela Universidade Federal da Bahia, onde se formou em 1972. Fez residência médica no Hospital Getúlio Vargas, na Bahia, especialização em prótese do quadril no Hospital das Clínicas de São Paulo e fez curso de medicina do Trabalho e Saúde Ocupacional na UCSAL. Sua carreira como médico começou em 1973, quando tornou-se médico da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab). Durante sua carreira também foi chefe do serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Getúlio Vargas, médico do trabalho do Centro Industrial de Aratu e Professor Assistente da Faculdade de Medicina da UFBA, além de ter trabalhado no Hospital Santo Antônio[1]

Vida pública[editar | editar código-fonte]

A vida pública de Otto Alencar teve início em 1985 ao se candidatar a vice-prefeito de Salvador, na chapa de Edvaldo Brito. Em 1986, foi eleito pela primeira vez para a Assembleia Legislativa como deputado estadual constituinte, pelo PTB. Foi eleito deputado estadual em 1990]e 1994, pelo PL, sendo o mais votado nas duas eleições. Entre 1990 e 1994, assumiu a Secretaria Estadual da Saúde, quando foi inaugurado a Maternidade Albert Sabin, no bairro de Cajazeiras, em Salvador.

Governador e secretário[editar | editar código-fonte]

Em 2002, Otto foi governador da Bahia de abril a dezembro daquele ano, após a renúncia de César Borges que foi disputar a eleição para o Senado Federal. Em 2003, foi secretário da Indústria, Comércio e Mineração até 8 de outubro de 2004, quando assumiu o cargo de conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios até 30 de março de 2010. Foi eleito vice-governador da Bahia na chapa de Jaques Wagner em outubro de 2010, e em janeiro do ano seguinte assumiu a Secretaria Estadual de Infraestrutura, até 28 de março de 2014. Neste cargo, foi eleito pelos deputados da Assembleia Legislativa o melhor secretário do governo por duas vezes, em 2011 e 2012.

PSD e Eleições 2014[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2011, Otto Alencar ajudou a fundar o Partido Social Democrático (PSD), junto com o então prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. Atualmente, Otto é presidente do PSD na Bahia, e foi o candidato pela legenda ao cargo de Senador, nas eleições de 2014, na coligação "Pra Bahia mudar mais" (PT/PP/PSD/PDT/PR/PCdoB/PTB/PMN) que também lançou e elegeu o candidato a governador Rui Costa (PT) e seu vice João Leão (PP).

Apesar de ter dificuldades nas pesquisas eleitorais inicialmente, conseguiu obter 55,88% dos votos que representaram 3.341.111 votos, vencendo Geddel Vieira Lima (PMDB) e também Eliana Calmon (PSB).[2]

Impeachment Dilma Rousseff[editar | editar código-fonte]

Em 2016, votou contra o impeachment da então Presidente Dilma Rousseff.[3]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Biografia». Otto Alencar. Consultado em 30 de setembro de 2016. 
  2. «Geddel lidera disputa equilibrada com Otto Alencar pelo Senado». Correio 24 horas. Consultado em 30 de setembro de 2016. 
  3. Líria Jade (31 de agosto de 2016). «Impeachment: saiba como votou cada senador no julgamento de Dilma». Agência Brasil. EBC. Consultado em 30 de setembro de 2016.