Ozonoterapia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pessoa recebendo ozonoterapia intravenosa

Ozonoterapia é uma forma de medicina alternativa que alega aumentar a quantidade de oxigênio no corpo introduzindo ozônio. É baseada em pseudociência e é considerada perigosa para a saúde, sem benefícios verificáveis.[1] Várias técnicas têm sido sugeridas, com supostos benefícios incluindo o tratamento de câncer, AIDS e esclerose múltipla, dentre outros. Uma visão geral da história e prática da ozonoterapia foi publicada no "Journal of Natural Science, Biology and Medicine" em 2011.[2]

A ozonoterapia é vendida como tratamento alternativo para várias doenças. A partir de 1991, a Food and Drug Administration processou e mandou para a prisão várias pessoas que se apresentavam como médicos e vendiam produtos ozonoterápicos como tratamento médico ou por operar clínicas médicas usando a ozonoterapia para curar doenças.[3][4] Atividades semelhantes resultaram em prisões em outros países.[5][6] Pelo menos 10 mortes já foram relacionadas à ozonoterapia ou à sua ineficácia. Houve investigação em nove casos, e em oito foi descoberto que os praticantes haviam usado credenciais falsas.[7]

Usos propostos[editar | editar código-fonte]

A ozonoterapia consiste na introdução de ozônio no organismo através de vários métodos, geralmente envolvendo a mistura com gases e líquidos antes da injeção por via vaginal, retal, intramuscular, subcutânea ou intravenosa. O ozônio também pode ser introduzido por meio da auto-hemoterapia, na qual o sangue é retirado do paciente, exposto ao ozônio e posteriormente reinjetado.[8]

A terapia tem sido proposta para o tratamento de várias doenças, incluindo câncer, AIDS, esclerose múltipla, artrite, doenças cardíacas, doença de Alzheimer e doença de Lyme, embora a evidência para essas aplicações seja limitada. Teorias sobre a capacidade do ozônio de matar células tumorais com oxigênio não têm base científica confiável.[8] Para o tratamento do HIV/AIDS, embora o ozônio desative partículas virais fora do corpo, não há evidência de benefício para os pacientes vivos.[9]

A agência americana FDA declarou em 1976 (e reiterou sua posição em 2006) que, quando inalado, o ozônio é um gás tóxico que não tem aplicação médica segura demonstrada, embora essas declarações tratem principalmente do potencial de o gás causar inflamação e edema pulmonar. Além disso, para que o ozônio seja eficaz como germicida, ele deve estar presente em concentrações muito maiores do que as que podem ser seguramente toleradas por humanos ou outros animais.[10] Estudos de revisão mais recentes destacaram que diferentes vias de administração podem resultar em diferentes perfis terapêuticos e de efeitos colaterais,[11] ainda que até o momento não tenha sido feita uma meta-análise estatisticamente robusta da pesquisa disponível até o momento.

Tem-se sugerido o uso do ozônio para odontologia, mas as evidências existentes não apoiam seu uso.[12][13] Alguns estudos de revisão sugerem o ozônio como possível tratamento para hérnia de disco[14] e neuropatia diabética.[15]

Há certa controvérsia sobre o uso por atletas na tentativa de aumentar o desempenho. Embora o uso em si não seja permitido, ele pode ser misturado com substâncias proibidas para administração antes da injeção.[16]

Segurança[editar | editar código-fonte]

A principal preocupação relacionada à ozonoterapia gira em torno da segurança da ozonização do sangue. Está bem estabelecido que, quando inalado por mamíferos, o ozônio reage com compostos nos tecidos que revestem os pulmões e desencadeia uma cascata de efeitos patológicos, incluindo edema pulmonar.[11] Saul Green argumentou que, como o ozônio tem a capacidade de oxidar compostos orgânicos em um ambiente atmosférico, ele também deve oxidar os componentes do sangue e os tecidos humanos endógenos.[17] Sabe-se que o ozônio é tóxico se inalado em níveis elevados, mas não se inalado em dose única e níveis menores.[18] Os proponentes sugerem que seus efeitos dependem do tecido, embora isso ainda seja debatido.[11][19]

As complicações graves relatadas pelo uso dessa terapia incluem o desenvolvimento de hepatite e também incluem cinco mortes relatadas,[20] além de uma amputação.[21] Há certa preocupação sobre a possível associação com ataques cardíacos após a auto-hemoterapia,[22] embora esta associação também tenha sido contestada.[23]

História[editar | editar código-fonte]

Em 1856, apenas 16 anos após sua descoberta, o ozônio foi usado pela primeira vez em um estabelecimento de saúde para desinfetar salas de operação e esterilizar instrumentos cirúrgicos.[24] No final do século 19, o uso de ozônio para desinfetar a água potável de bactérias e vírus estava bem estabelecido na Europa continental.[24][25]

Em 1892, a revista The Lancet publicou um artigo descrevendo a administração do ozônio para o tratamento da tuberculose.[26] Durante a Primeira Guerra Mundial, o ozônio foi testado no Hospital Militar da Rainha Alexandra, em Londres, como um possível desinfetante para feridas. O gás foi aplicado diretamente às feridas por até 15 minutos. Isso resultou em danos tanto às células bacterianas quanto ao tecido humano. Outras técnicas de sanitização, como irrigação com antissépticos, acabaram sendo preferidas.[27][28]

Em abril de 2016 a Food and Drug Administration proibiu o uso medicinal de ozônio "[e]m qualquer condição médica para a qual não haja prova de segurança e eficácia", afirmando que o ozônio é um gás tóxico, sem aplicação médica conhecida, mesmo como terapia auxiliar, e também desaconselha seu uso como germicida.[1]

No Brasil, o Ministério da Saúde inclui a ozonioterapia dentre as práticas integrativas e complementares que são custeadas pelo Sistema Único de Saúde.[29]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Código de Regulamentos Federais Título 21 Sec. 801,415 Nível máximo aceitável de ozônio (site da FDA)
  2. «Ozone therapy: A clinical review». Journal of Natural Science, Biology, and Medicine. 2. PMC 3312702Acessível livremente. PMID 22470237. doi:10.4103/0976-9668.82319 
  3. «Judge Won`t Reduce Bail For Ozone Therapy Advocate» 
  4. Whitlock C (2001). MediScams : how to spot and avoid health care scams, medical frauds, and quackery from the local physician to the major health care providers and drug manufacturers. [S.l.: s.n.] ISBN 9781580631808 
  5. «Ozone Therapy Lands Kampala Doctor in Trouble» 
  6. «Woman who sought Thai "Ozone Therapy" dies» 
  7. Ozone Therapy (o site do The Harm)
  8. a b «Oxygen Therapy» [ligação inativa] 
  9. «Oxygenation Therapy: Unproven Treatments for Cancer and AIDS» 
  10. «Code of Federal Regulations, Title 21 Vol 8 section 801.415» 
  11. a b c «Ozone: A Multifaceted Molecule with Unexpected Therapeutic Activity». Current Medicinal Chemistry. 23. PMID 26687830. doi:10.2174/0929867323666151221150420 
  12. «The application of ozone in dentistry: a systematic review of literature». Journal of Dentistry. 36. PMID 18166260. doi:10.1016/j.jdent.2007.11.008 
  13. «Postoperative interventions to reduce inflammatory complications after third molar surgery: review of the current evidence». Australian Dental Journal. 62. PMID 28498604. doi:10.1111/adj.12526 
  14. «A metaanalysis of the effectiveness and safety of ozone treatments for herniated lumbar discs». Journal of Vascular and Interventional Radiology. 21. PMID 20188591. doi:10.1016/j.jvir.2009.12.393 
  15. «Therapeutic relevance of ozone therapy in degenerative diseases: Focus on diabetes and spinal pain». Journal of Cellular Physiology. 233. PMID 28594115. doi:10.1002/jcp.26044 
  16. «Belgian Court Continuing Investigation Of Ozone-therapy Doctor». Cycling News 
  17. «Oxygenation therapy: Unproven treatments for Cancer and AIDS». Quackwatch 
  18. «The ozone paradox: ozone is a strong oxidant as well as a medical drug». Medicinal Research Reviews. 29. PMID 19260079. doi:10.1002/med.20150 
  19. «Validity of Oxygen-Ozone Therapy as Integrated Medication Form in Chronic Inflammatory Diseases». Cardiovascular & Hematological Disorders Drug Targets. 15. PMID 26126818. doi:10.2174/1871529x1502151209114642 
  20. «A primer of complementary and alternative medicine commonly used by cancer patients». The Medical Journal of Australia. 174. PMID 11245510  [citation requires membership to industry magazine]
  21. «Homem tem perna amputada após tratamento com ozônio em clínica no DF». G1. Consultado em 12 de março de 2019 
  22. «Myocardial Infarction after Ozone Therapy: Is Ozone Therapy Dr. Jekyll or Mr. Hyde?». Cardiology. 132. PMID 26139204. doi:10.1159/000431078 
  23. «Ozone Therapy and Its Use in Medicine». Cardiology. 134. PMID 26919490. doi:10.1159/000443604 
  24. a b Enciclopédia de Tecnologia Química; Barnes & Noble 1968 vol.   1 pp.   82–83
  25. «[Study of the ozonization of drinking water containing pathogenic bacteria and viruses]». Gigiena I Sanitariia. 29. PMID 14235449 
  26. «The Internal Administration of Ozone in the Treatment of Phthisis». Lancet. 140. doi:10.1016/S0140-6736(01)92422-5 
  27. «A Killer of a Cure». Distillations. 3 
  28. «The Surgical Uses of Ozone». Lancet. 188. doi:10.1016/S0140-6736(01)31717-8 
  29. Minas, Estado de (12 de março de 2018). «Agora, SUS passa a oferecer 29 tratamentos alternativos». Estado de Minas. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]