Pálio (cobertura)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura o símbolo utilizado pelo Papa e pelos arcebispos metropolitas, veja Pálio.
Disambig grey.svg Nota: Se procura Pálio (automóvel), veja Fiat Palio.
Procissão com Santíssimo Sacramento sob o pálio

Pálio (do latim pallium: capa ou manto, cobertura e este do verbo palliare: cobrir, vindo do grego Πάλλω: mover ligeiramente) é uma espécie de sobre-céu ou dossel portátil, feito de um quadrilongo de pano de seda, com abas pendentes e franjadas, e sustentado por varas, para ser levado à mão e que serve para cobrir, como sinal de distinção e honra, nos cortejos e procissões solenes, a pessoa ou objeto que mais se pretende honrar.[1][2]

As varas do pálio são sustentadas pelos paliários (palliales).

Uso[editar | editar código-fonte]

O Pálio é usado, principalmente, nas procissões religiosas para cobrir o Santíssimo Sacramento ou a imagem do Senhor Morto.[1] No uso litúrgico, o pálio, assim como a umbela, pode ser de qualquer uma das cores litúrgicas (branco, vermelho, verde, roxo, rosa, preto, dourado e prateado), de acordo com as rubricas do dia.

Nas cortes é usado para cobrir os imperadores, reis e príncipes, nas ocasiões de paradas.

Referências

  1. a b Tinhorao, Jose Ramos; Tinhorão, José Ramos (2000). As festas no Brasil colonial. [S.l.]: Editora 34. ISBN 9788573261653 
  2. Brum, Asher; Quintanilha, Rafael (31 de dezembro de 2016). «Corpus Christi: a procissão como forma de ocupar a cidade». Ponto Urbe. Revista do núcleo de antropologia urbana da USP (19). ISSN 1981-3341. doi:10.4000/pontourbe.3335 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pálio (cobertura)