Pântano Central

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Pix.gif Pântano Central *
Welterbe.svg
Patrimônio Mundial da UNESCO

Iraq marshes 1994.jpg
Mapade 1994 dos pântanos mesopotâmicos com recursos de drenagem
País  Iraque
Critérios iii,v,ix,x
Referência 1481-002 en fr es
Região** Ahwar de Iraque meridional
Coordenadas 31° 05′ 07″ N, 47° 03′ 15″ L
Histórico de inscrição
Inscrição 2016  (40.ª sessão)
Extensão 62435 ha
* Nome como inscrito na lista do Patrimônio Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

O Pântano Central ou Qurna (em árabe: أهوار القرنة) foi um grande complexo de zonas úmidas no Iraque que faziam parte do sistema Tigre-Eufrates, juntamente com os pântanos Hawizeh e Hammar. Anteriormente, cobrindo uma área de cerca de 3000 quilômetros quadrados, eles foram quase que completamente drenados após a revolta de 1991, que ocorreu no Iraque e tem inundado novamente nos últimos anos.

Características[editar | editar código-fonte]

O Pântano Central se estende entre a Nassíria, Al-'Uzair (Túmulo de Ezra) e Al-Qurnah e é principalmente alimentados pelo Rio Tigre e o seu afuentes (o Shatt al-Muminah e Majar al-Kabir). Eles foram drenados pelo (parcialmente artificial) Canal da Prosperidade, e o Rio Glória. O Pântano Central de foi caracterizado por altos qasab juncos, mas incluiu muitos lagos de água doce, dos quais os maiores foram os Haur az-Zikri e Umm al-Binni (literalmente "mãe de binni", sendo este último uma espécie de barbel.)[1] Os pântanos são importantes para reprodução de populações de cana-de-mato Basra e pardilheira, juntamente com várias outras espécies de aves. [2] Temia-se que o Anhingidae Levante (Anhinga rufa chantrei), uma subespécie da Anhingidae África, e a subespécie maxwelli de lontra de pele lisa tinha desaparecido totalmente, mas pequenas e ameaçadas populações ainda existems de ambos.[3][4] Receia-se que o rato Bandicota Bunn da cauda curta (Nesokia bunnii, syn. Erythronesokia bunnii), que só tinha sido descrita a partir de amostras obtidas no Pântano Central, está extinto.[5]

A área foi anteriormente preenchido pelo Pântano Árabes ou Ma'dan, que serviam búfalos com a vegetação natural e servindo também para o cultivo de arroz.

Drenagem[editar | editar código-fonte]

No início da década de 1980, foi evidente que os projetos de irrigação já estavam afetando os níveis de água nos pântanos.[6] No início da década de 1990, o governo do Iraque realizou uma série de grandes projetos de drenagem, pelo menos em parte, em retribuição à eventos de 1991 e revoltas, e para evitar que a área fosse utilizada como refúgio por milícias. O fluxo em direção ao sul dos afluente do Tigre foram bloqueados por grandes aterros e transpostos para o Al-Amarah ou Canal da Glória, resultando na perda de dois terços dos Pântanos Centrais já em 1993.[2] Mais um canal, o Canal da Prosperidade, foi construído para evitar qualquer excesso no pântano do canal principal do Tigre como ele correu em direção ao sul de Qalat Saleh.[1] Pelo final da década de 1990, o Pântano Central tinha se tornado completamente desidratado, sofrendo mais um dano grave das três principais áreas de Pântano . Em 2000, o Programa ambiental das Nações Unidas estima que 90% dos pântano tenha desaparecido.

Re-alagamento[editar | editar código-fonte]

Após a invasão dos EUA ao Iraque em 2003, aterros e obras de drenagem foram danificados e abertos, e os pântanos começaram a alagar novamente. O Pântano Central mostrou pouca recuperação, ao longo de 2003, mas no início de 2004, uma colcha de retalhos de lagos tinha aparecido em áreas do norte; haviam inundações em áreas do sul, que tinham sido previamente secas desde o início da década de 1990.[7] Tem ocorrido uma recolonização natural da vegetação do pântano e o retorno de algumas espécies de peixes e aves, embora a recuperação do Pântanos Centrais tem sido muito mais lento comparado ao Pântanos Huwaizah e Hammar; as seções das zonas húmidas mais severamente danificadas ainda não mostram quaisquer sinal de regeneração.[8] Acredita-se que o rato banticota Bunn da cauda curta tenham sido extintos.

Referências

  1. a b As Características Físicas dos Pântanos da Mesopotâmia, edenagain.org
  2. a b Central de Pântanos, birdlife.org Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "birdlife" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  3. Abed, J. M. (2007). Estado de Aves aquáticas em Restaurada Sul do Iraque Pântanos. Marsh Boletim 2(1): 64-79.
  4. Scott, Derek A. (ed.). A Directory of Wetlands in the Middle East. [S.l.: s.n.] ISBN 2-8317-0270-4 
  5. Spencer, M. The Marsh Arabs Revisited Arquivado em 2009-01-07 no Wayback Machine. Saudi Aramco World, April 1982
  6. Iraq Marshlands Restoration Program[ligação inativa], iraqmarshes.org, p.6