Pé de Cão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou seção foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde setembro de 2016). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Abril de 2011). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Pé de Cão é uma aldeia localizada na freguesia da Olaia, concelho de Torres Novas, distrito de Santarém.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Pé de Cão é um povoamento bastante antigo. A localidade de Pé de Cão vem referida no censo de 1520. De acordo com as "Memórias Paroquiais de 1758", por informação do padre Manuel Alves Fragoso, cura da freguesia nessa altura, consta que o lugar teria cerca de vinte vizinhos, contando com uma ermida (então já em ruínas) mandada construir em 1611 pelo almotacé-mor do reino, proprietário da Quinta do Alfeijoal. Esta quinta existe ainda hoje, situando-se uma parte das suas terras de cultivo na várzea da ribeira do Alfeijoal (também designada no local por ribeira de Pé de Cão ou Ribeira Velha). Existiam 177 habitantes, em 118 casas, de acordo com os censos de 1991.

Toponímia[editar | editar código-fonte]

O nome desta aldeia é um pouco estranho e quase sempre espanta quem o ouve pela primeira vez. Contam-se duas histórias sobre a origem de Pé de Cão. Segundo uns, o lugar seria uma quinta com vinhas e pinhais guardada por um cão muito grande. O dono vivia numa outra quinta, em Vargos. Alguém perguntou por ele, um dia, na sua residência, e responderam-lhe que ele estava ao pé do cão. Daí terá vindo o nome. Outros, dizem que costumavam passar por aqui contrabandistas e que, para marcarem encontro, deixaram no lugar a pata de um cão. E pé de cão ficou. A verdade é que não se conhece e embora haja quem não goste do nome e o quisesse ver mudado, o povo não quer.

Paisagem da terra[editar | editar código-fonte]

Pé de Cão é um lugar que fica num outeiro.

Património[editar | editar código-fonte]

A aldeia tem diversas construções antigas:

  • Quinta do Alfeijoal, que já existia no século XVI;
  • Casa dos Engenheiros, construída em 1906 (hoje utilizado por uma comunidade religiosa);
  • Capela (1862), construída pelo senhor Manuel Mendes, o pai de D. Manuel Mendes da Conceição Santos. O púlpito do interior é de talha dourada e pintada, assente em pedra decorada, foi construído em 1863 pelo arquitecto Bernardino José de Paiva. O altar-mor é de madeira pintada e dourada e tem uma imagem de Nossa Senhora da Conceição.
  • A escola da aldeia data de 1916. O registo mais antigo que existe desta, data de 1931 e encontra-se num livro de Correspondência Expedida. De 1935 existe também um ofício que prova a data da sua construção.
  • Associação Recreativa de Pé de Cão, do Povo e para o Povo.
  • Festas do Divino Espírito Santo, uma festa que junta a tradição do tabuleiros de 7 em 7 anos.

Pessoas importantes[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Artur Gonçalves, Memórias de Torres Novas, Novos Subsídios para a sua História, 1937
  • Memórias da Escola e sua Construção, 1994