Pênis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrows 2.svg
Foi proposta a fusão deste artigo ou se(c)ção com Pénis humano. Pode-se discutir o procedimento aqui. (desde agosto de 2016)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Pénis humano.
Pênis
Male anatomy pt.svg
Latim penis
Gray assunto #262 1247
Vascularização artéria dorsal do pênis, artéria profunda do pênis, artéria do bulbo uretral
Drenagem venosa veias dorsais do pênis
Inervação nervo dorsal do pênis
Drenagem linfática linfonodos inguinais superficiais
Precursor tubérculo genital, dobras urogenitais
MeSH Penis

O pênis (português brasileiro) ou pénis (português europeu) (do latim penis, "pincel"), também conhecido como falo e fálus,[1] é o órgão sexual dos indivíduos do sexo masculino, dentre os vertebrados ou invertebrados que possuem órgãos sexuais.[2] No ser humano, seu formato é cilíndrico, sendo formado por dois tipos de tecidos (dois corpos cavernosos e um corpo esponjoso)[3] e, em sua extremidade, observa-se uma fenda, que é a terminação da uretra, canal este que escoa o esperma e a urina. É, portanto, um órgão que atua em duas funções: na reprodução e na excreção.[4]

Anatomia e estruturas do pênis.
Na medicina tradicional chinesa, é acreditado que o pénis de cervo possui importantes propriedades terapéuticas.[5][6] Farmácia chinesa em Yokohama, Japão por ¥100,000.

O termo "pênis" se aplica a muitos órgãos análogos de diversos animais, mas não a todos. Por exemplo, o órgão intromitente da maioria dos cefalópodes é o hectocotylus, um tentáculo especializado, e as aranhas macho usam seus pedipalpos. Mesmo dentro dos vertebrados existem variantes morfológicas com terminologia específica, tais como os hemipenes.

Na maioria das espécies de animais em que há um órgão que poderia razoavelmente ser descrito como um pênis, a função é apenas a transmissão do esperma à fêmea, mas nos mamíferos placentários o pênis suporta a parte distal da uretra, que descarrega tanto urina, durante a micção, quanto serve para realizar a cópula.[7]

Em diferentes animais

Vertebrados

Pássaros

Mallard with visible pseudo-penis (croped).jpg

Muitas aves machos (por exemplo, galos e perus) têm uma cloaca (também presente na fêmea), mas não um pênis. Entre as espécies de pássaros com pênis estão os paleognathos[8] e os Anatidae (Patos, gansos e cisnes).[9] Um pênis de pássaro é diferente na estrutura do pênis do mamífero, sendo uma expansão erétil da parede cloacal e sendo erguido pela linfa, não sangue.[10] É geralmente parcialmente emplumado e em algumas espécies apresenta espinhos e filamentos, e em estado flácido ondula dentro da cloaca. O pato do lago tem o maior pénis em relação ao tamanho de corpo, entre todos os vertebrados; Enquanto geralmente cerca de metade do tamanho do corpo (20 & nbsp; cm), um espécime com um pênis de 42,5 cm de comprimento é documentado.

Enquanto a maioria das aves masculinas não têm genitália externa, as aves aquáticas masculinas (Anatidae) têm um falo. A maioria dos pássaros se acasalam com os machos equilibrando-se sobre as fêmeas e tocando as cloacas em um "beijo cloacal"; Isso torna muito difícil a coerção sexual. O falo que as aves aquáticas masculinas evoluíram para fora de seus corpos (em uma bobina no sentido horário) e auxilia na inseminação de fêmeas sem sua cooperação.[11] A evolução masculina de aves aquáticas de um falo para copular vigorosamente com fêmeas levou a contra-adaptações em fêmeas na forma de estruturas vaginais chamadas sacos sem saída e bobinas no sentido horário. Estas estruturas tornam mais difícil para os machos para atingir a intromissão. As bobinas no sentido horário são significativas porque o falo macho se afasta de seu corpo em uma espiral no sentido anti-horário; Portanto, uma estrutura vaginal no sentido horário impediria a copulação forçada. Estudos têm mostrado que quanto mais longo é o falo masculino, mais elaboradas são as estruturas vaginais.[11]

o pato do lago notável por possuir, em relação ao comprimento do corpo, o maior pênis de todos os vertebrados; O pênis, que normalmente é enrolado em estado flácido, pode atingir cerca do mesmo comprimento que o próprio animal quando totalmente ereto, mas é mais comumente cerca de metade do comprimento do pássaro.[12][13] É teorizado que o tamanho notável de seus penis com pontas eriçadas pode ter evoluído em resposta à pressão competitiva nestas aves, altamente promíscuas, removendo o esperma de acasalamentos anteriores na forma de um pincel escova.

Emus macho e fêmea são semelhantes em aparência,[14] embora o pênis do macho possa se tornar visível quando defeca.[15]

O tinamou masculino tem um pênis em forma de saca-rolhas, semelhante ao dos ratites e ao hemipenis de alguns répteis. As fêmeas têm um pequeno órgão fálico na cloaca que se torna maior durante a época de reprodução.[16]

Mamíferos

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pênis

Como com qualquer outro atributo corporal, o comprimento e o perímetro do pênis podem ser altamente variáveis entre mamíferos de diferentes espécies.[17][18]

Um osso chamado o pénis está presente na maioria dos mamíferos, mas ausente em humanos, bovinos e cavalos.

Em mamíferos o pênis é dividido em três partes:[19]

As estruturas internas do pênis consistem principalmente de tecido cavernoso, que é uma coleção de sinusóides sangüíneos sinusoidais separados por folhas de tecido trabecular. Alguns mamíferos têm um monte de tecido erétil em relação ao tecido conjuntivo, por exemplo cavalos. Por causa disso, um pênis de cavalo pode ampliar mais do que um pênis de touro. A uretra está no lado ventral do corpo do pênis. Como regra geral, o pênis de um mamífero é proporcional ao seu tamanho corporal, mas isso varia muito entre as espécies  – , mesmo entre as próximas. Por exemplo, o pênis ereto de um adulto gorilla tem aproximadamente 4 cm (1 6 in) de comprimento; Um adulto chimpanzé, significativamente menor (em tamanho corporal) do que um gorila, tem um tamanho de pênis cerca do dobro do gorila. Em comparação, o pênis humano é maior que o de qualquer outro primata, tanto em proporção ao tamanho do corpo quanto em termos absolutos.[20]

Ungulados com pé (Artiodactyla)

Os pênis de ungulados de dedos pares são curvos em forma de S quando não eretos.[21]

Quando se acasalam, a ponta do pénis de um antílope é a primeira parte a tocar a fêmea.[22] O pénis do antílope tem aproximadamente 5 polegadas de comprimento, tem a forma de uma picareta.[23] A frente da glândula do pênis de um antílope é relativamente plana, enquanto a parte de trás é relativamente grossa.[24] O macho usualmente ejacula imediatamente após a penetração.[25][26]

O pênis de um dromedário é coberta por uma bainha peniana triangular que se abre para trás,[27] e possui de cerca de 60 cm (24 in) de comprimento.[28][29] Os camelmen ajudam frequentemente o macho a entrar em seu pênis na vulva feminina, embora o macho seja considerado capaz de fazê-lo sozinho. Tempo de copulação varia de 7 a 35 minutos, com média de 11-15 minutos.[30][31]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pênis

Touros tem um pénis fibro-elástico. Dada à pequena quantidade de tecido erétil, há pouco alargamento após a ereção. O pênis é bastante rígido quando não erecto, e torna-se ainda mais rígida durante a ereção. A protrusão não é afetada muito pela ereção, mas mais pelo relaxamento do músculo do pênis retractor e endireitamento de sinal de flexura[32][33][34]


Humanos
Ver artigo principal: Pénis humano
Outros mamíferos

O pênis dos hiracóides é complexo e distinto do outro gênero de hyrax. Ele tem um apêndice curto e fino dentro de um pênis tipo glande e mede mais do que 6 centímetros (2 4 in) quando ereto. Adicionalmente, observou-se que o hyrax do arbusto também tem uma maior distância entre o ânus ea abertura prepucial em comparação com outros hyraxes.[35]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pênis

Um elefante adulto tem o pênis mais largo que o de qualquer outro animal.[36] O pênis de um elefante pode atingir um comprimento de 100 cm (39 in) e um diâmetro de 16 cm (6 in) na base. É em forma de S quando totalmente ereto e tem um orifício U [uretral externo (macho)] em forma de Y.[37] O pênis de um elefante é muito móvel, sendo capaz de se mover independentemente da pelve do macho.[38]

Em tamanduás gigantes, o pênis (retraído) e os testículos estão localizados internamente entre o reto ea bexiga urinária.[39]

Quando o armadillo masculino (Chaetophractus villosus) está sexualmente excitado, a determinação da espécies é mais fácil. Seu pênis pode ser tão longo quanto 35 milímetros (1 4 in), e geralmente permanece completamente retirado dentro de um receptáculo de pele.[40] Cientistas que realizam estudos sobre os músculos do pênis do C. Villosus revelaram que o comprimento do órgão sexual nessa espécie apresenta variabilidade. Durante as horas de vigília, ele permanece escondido por baixo de um receptáculo de pele, até ficar erecta e projeta-se para fora em uma direção rostral. Durante sua fase de sono de onda lenta, a protrusão do pênis faz alguns movimentos muito complexos. O pênis durante esta fase não fica ereto, mas permanece fora de seu receptáculo. Durante o sono paradoxal, não ocorrem ereções, e os músculos do pênis compartilham as características do resto do corpo.[41]

A maioria dos marsupiais, com exceção das duas maiores espécies de cangurus e os Notoryctidaes[42] (assumindo que estes últimos sejam verdadeiramente marsupiais), tem pênis bifurcado, separado em duas colunas, de modo que o orgão, nessas espécies tem duas extremidades correspondentes às duas vaginas das fêmeas.[43]

Équidnas macho possuem um pênis de quatro cabeças.[44] Durante o acasalamento, as cabeças de um lado "desligar" e não crescem em tamanho; Os outros dois são usados para liberar o sêmen no trato reprodutivo de duas ramificações da fêmea. As cabeças utilizadas são trocadas cada vez que o mamífero copula.[45] Quando não em uso, o pênis é retraído dentro de um saco prepucial na cloaca. O pénis do echidna masculino é longo quando ereto, e seu eixo é coberto com espinhos penianos.[46] The penis is nearly a quarter of his body length when erect.[47] Cada lado do pênis, bilateralmente simétrico, tipo roseta, de quatro cabeças, semelhante ao dos répteis, tem 7 centímetros (2 8 in) em comprimento, e é utilizado alternadamente, com a outra metade sendo desligada entre ejaculações.[48][49]

Monotremados e Notoryctidaes são os únicos mamíferos em que o pênis está localizado dentro da cloaca.[50][51]


Ver também

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 302.
  2. Janet Leonard; Alex Cordoba-Aguilar R (18 June 2010). The Evolution of Primary Sexual Characters in Animals. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-971703-3. Consultado em 20 July 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  3. Aula de Anatomia. «Sistema Genital Masculino - Pênis». Consultado em 10 de janeiro de 2012 
  4. InfoEscola. «Pênis - Anatomia do Sistema Reprodutor Masculino». Consultado em 10 de janeiro de 2012 
  5. Charles Stafford (1 June 2006). The Roads of Chinese Childhood: Learning and Identification in Angang. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-02656-7  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. Richards, John F (2006). The Unending Frontier: An Environmental History of the Early Modern World. Volume 1 of California World History Library. [S.l.]: University of California Press. p. 99. ISBN 0-520-24678-0 
  7. Marvalee H. Wake (15 September 1992). Hyman's Comparative Vertebrate Anatomy. [S.l.]: University of Chicago Press. p. 583. ISBN 978-0-226-87013-7. Consultado em 23 July 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  8. Julian Lombardi (1998). Comparative Vertebrate Reproduction. [S.l.]: Springer. ISBN 978-0-7923-8336-9. Consultado em 5 December 2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  9. MobileReference (15 December 2009). The Illustrated Encyclopedia of European Birds: An Essential Guide to Birds of Europe. [S.l.]: MobileReference. ISBN 978-1-60501-557-6. Consultado em 5 December 2012  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda) [ligação inativa]
  10. Frank B. Gill (6 October 2006). Ornithology. [S.l.]: Macmillan. pp. 414–. ISBN 978-0-7167-4983-7. Consultado em 5 December 2012  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  11. a b Brennan, P. L. R. et al. Coevolution of male and female genital morphology in waterfowl. PloS one 2, e418 (2007).
  12. McCracken, Kevin G. (2000). «The 20-cm Spiny Penis of the Argentine Lake Duck (Oxyura vittata (PDF). The Auk. 117 (3): 820–825. doi:10.2307/4089612 
  13. McCracken, Kevin G.; Wilson, Robert E.; McCracken, Pamela J.; Johnson, Kevin P. (2001). «Sexual selection: Are ducks impressed by drakes' display?» (PDF). Nature. 413: 128. doi:10.1038/35093160 
  14. Eastman, p. 23.
  15. Coddington and Cockburn, p. 366.
  16. Cabot, J.; Carboneras, C.; Folch, A.; de Juanca, E.; Llimona, F.; Matheu, E. (1992). «Tinamiformes». In: del Hoyo, J. Handbook of the Birds of the World. I: Ostrich to Ducks. Barcelona, Spain: Lynx Edicions 
  17. Tim Birkhead (2000). Promiscuity: An Evolutionary History of Sperm Competition. [S.l.]: Harvard University Press. p. 102. ISBN 978-0-674-00666-9. Consultado em 23 July 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  18. Virginia Douglass Hayssen; Ari Van Tienhoven (1993). Asdell's Patterns of Mammalian Reproduction: A Compendium of Species-Specific Data. [S.l.]: Cornell University Press. ISBN 978-0-8014-1753-5. Consultado em 23 July 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  19. Reece, William O. (2009). Functional Anatomy and Physiology of Domestic Animals. [S.l.]: John Wiley and Sons. ISBN 978-0-8138-1451-3 
  20. Sue Taylor Parker; Karin Enstam Jaffe (2008). Darwin's Legacy: Scenarios in Human Evolution. [S.l.]: AltaMira Press. p. 121. ISBN 978-0-7591-0316-0. Consultado em 23 July 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  21. Uwe Gille (2008). urinary and sexual apparatus, urogenital Apparatus. In: F.-V. Salomon and others (eds.): Anatomy for veterinary medicine. [S.l.: s.n.] pp. 368–403. ISBN 978-3-8304-1075-1 
  22. John A. Byers (1997). American Pronghorn: Social Adaptations and the Ghosts of Predators Past. [S.l.]: University of Chicago Press. ISBN 978-0-226-08699-6. Consultado em 23 July 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  23. John A. Byers (30 June 2009). Built for Speed: A Year in the Life of Pronghorn. [S.l.]: Harvard University Press. ISBN 978-0-674-02913-2. Consultado em 23 July 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  24. Bart W. O'Gara; James D. Yoakum (2004). Pronghorn: ecology and management. [S.l.]: University Press of Colorado. ISBN 978-0-87081-757-1. Consultado em 23 July 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  25. John A. Byers (1997). American Pronghorn: Social Adaptations and the Ghosts of Predators Past. [S.l.]: University of Chicago Press. ISBN 978-0-226-08699-6. Consultado em 15 July 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  26. John A. Byers (30 June 2009). Built for Speed: A Year in the Life of Pronghorn. [S.l.]: Harvard University Press. ISBN 978-0-674-02913-2. Consultado em 15 July 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  27. R. Yagil (1985). The desert camel: comparative physiological adaptation. [S.l.]: Karger. ISBN 978-3-8055-4065-0. Consultado em 5 September 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  28. Kohler-Rollefson, I. U. (12 April 1991). «Camelus dromedarius» (PDF). The American Society of Mammalogists. Mammalian Species (375): 1–8. doi:10.2307/3504297  Verifique data em: |data= (ajuda)
  29. Malie Marie Sophie Smuts; Abraham Johannes Bezuidenhout (1987). Anatomy of the dromedary. [S.l.]: Clarendon Press. ISBN 978-0-19-857188-9. Consultado em 11 June 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  30. Mukasa-Mugerwa, E. The Camel (Camelus dromedarius): A Bibliographical Review. [S.l.: s.n.] p. 20. Consultado em 8 de novembro de 2013 
  31. Nomadic Peoples. [S.l.]: Commission on Nomadic Peoples. 1992. Consultado em 11 June 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  32. Sarkar, A. (2003). Sexual Behaviour In Animals. [S.l.]: Discovery Publishing House. ISBN 978-81-7141-746-9 
  33. William O. Reece (4 de março de 2009). Functional Anatomy and Physiology of Domestic Animals. [S.l.]: John Wiley & Sons. ISBN 9780813814513 
  34. Modern Livestock and Poultry Production - James R. Gillespie, Frank B. Flanders. [S.l.]: Books.google.com. Consultado em 2 de dezembro de 2012 
  35. Barry, R.E.; Shoshani, J. (2000). «Heterohyrax brucei». Mammalian Species. 645: 1–7. doi:10.1644/1545-1410(2000)645<0001:hb>2.0.co;2 
  36. Giustina, Anthony (31 December 2005). Sex World Records. [S.l.]: Lulu.com. p. 152. ISBN 978-1-4116-6774-7. Consultado em 3 October 2012  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  37. Shoshani, p. 80.
  38. Murray E. Fowler; Susan K. Mikota (2 October 2006). Biology, Medicine, and Surgery of Elephants. [S.l.]: John Wiley & Sons. pp. 353–. ISBN 978-0-8138-0676-1. Consultado em 4 May 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  39. Naugher, K. B. (2004). «Anteaters (Myrmecophagidae)». In: Hutchins, M.; Kleiman, D. G; Geist, V.; McDade, M. С. Grzimek's Animal Life Encyclopedia. 13 2nd ed. [S.l.]: Gale. pp. 171–79. ISBN 0-7876-7750-7 
  40. "New data on armadillos (Xenarthra: Dasypodidae) for Central Patagonia, Argentina." Agustin M. Abba, et al.
  41. Affanni, J. M.; Cervino, C. O.; Marcos, H. J. A. (2001). «Absence of penile erections during paradoxical sleep. Peculiar penile events during wakefulness and slow wave sleep in the armadillo». Journal of Sleep Research. 10 (3): 219–228. doi:10.1046/j.1365-2869.2001.00259.x. PMID 11696075 
  42. On the Habits and Affinities of the New Australian Mammal, Notoryctes typhlops. E. D. Cope. The American Naturalist. Vol. 26, No. 302 (Feb., 1892), pp. 121-128
  43. Renfree, Marilyn; Hugh Tyndale-Biscoe (30 de janeiro de 1987). Reproductive Physiology of Marsupials. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 9780521337922. Consultado em 5 May 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  44. Michael L. Augee; Brett A. Gooden; Anne Musser (January 2006). Echidna: Extraordinary Egg-laying Mammal. [S.l.]: Csiro Publishing. ISBN 978-0-643-09204-4. Consultado em 23 July 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  45. Shultz, N. (26 October 2007). «Exhibitionist spiny anteater reveals bizarre penis». New Scientist. Consultado em 27 October 2006  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  46. Larry Vogelnest; Rupert Woods (18 August 2008). Medicine of Australian Mammals. [S.l.]: Csiro Publishing. ISBN 978-0-643-09928-9. Consultado em 23 July 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  47. Mammalogy. [S.l.]: Jones & Bartlett Learning. 21 April 2011. pp. 389–. ISBN 978-0-7637-6299-5. Consultado em 5 May 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  48. Augee, Gooden and Musser, p. 81.
  49. Johnston, S.D.; Smith, B.; Pyne, M.; Stenzel, D.; Holt, W.V. (2007). «One-Sided Ejaculation of Echidna Sperm Bundles (Tachyglossus aculeatus)». Am. Nat. 170: E000. doi:10.1086/522847. PMID 18171162 
  50. Gadow, H. On the systematic position of Notoryctes typhlops. Proc. Zool. Soc. London 1892, 361–370 (1892).
  51. Riedelsheimer, B., Unterberger, P., Künzle, H. and U. Welsch. 2007. Histological study of the cloacal region and associated structures in the hedgehog tenrec Echinops telfairi. Mammalian Biology 72(6): 330-341.

Bibliografia

Cavalos

Marsupiais

Outros animais