Paço dos Negros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Pequena aldeia no Concelho de Almeirim, freguesia de Fazendas de Almeirim, distrito de Santarém bem no coração do Ribatejo.

D. Manuel I no ano de 1512, mandou reconstruir um paço na margem direita da Ribeira de Muge, um pouco a montante de Santo António da Raposa. O Paço era pequeno, não lhe faltavam porém comodidades. Era designado por Paço Real da Ribeira de Muge e servia de pousada aquando das caçadas e montarias da família real. Mais tarde, e como os servidores eram pretos (escravos) o Paço começou a ser designado por Paço dos Negros. Daí o nome da aldeia que cresceu ao seu redor.

Possuía um pátio central composto por uma capela e residência real, cemitério, azenha, residência para servos, pomar, horta e manada de gado. Foi sede de almoxarifado.

Atualmente ainda se pode contemplar o pórtico, a capela, a azenha e parte da cerca que circunda todo o complexo.

Zona arqueológica de importância crescente. Foi descoberta uma ponte romana da via Scalabis/Ebora. Toda esta zona, principalmente a que fazia parte do Paço Real da Ribeira de Muge, incluindo o pomar zona de pastagem de gado, está em processo de classificação de Interesse Municipal, pela importância histórica e arqueológica que remontam até à época romana.

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.