Pabllo Vittar

Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Pabllo Vittar
Vittar durante uma entrevista em 2021.
Nascimento Phabullo Rodrigues da Silva
1 de novembro de 1993 (27 anos)
São Luís, Maranhão, Brasil
Estatura 1,87 m
Ocupação
Período de atividade 2015–presente
Prêmios Lista completa
Carreira musical
Gênero(s)
Instrumento(s) vocal
Gravadora(s)
Página oficial
pabllovittar.com.br

Phabullo Rodrigues da Silva (São Luís, 1 de novembro de 1993), conhecido por seu nome artístico Pabllo Vittar, é um cantor e drag queen brasileiro.[nota 1] Por causa de seu sucesso sem precedentes como um artista musical drag queen, Vittar tem sido creditado por influenciar o interesse do público sobre outros artistas musicais que também são drag queens, além de artistas trans e travestis. Ele também é conhecido por seu ativismo em prol dos direitos das pessoas LGBT, pelo qual, em 2019, a revista Time o incluiu em sua lista dos Líderes da Próxima Geração. Vittar foi citado pela Forbes como "a drag queen mais popular do mundo".

Nascido em São Luís e criado em cidades do interior do Maranhão e do Pará, Vittar teve seu gosto pela música influenciado pela mãe e passou a se interessar pela arte das drag queens na adolescência. Suas primeiras apresentações profissionais aconteceram numa casa noturna de Uberlândia, Minas Gerais, e ele ganhou atenção na internet após o lançamento da canção "Open Bar", em outubro de 2015. Em dezembro do mesmo ano, foi lançado seu primeiro extended play (EP), também intitulado Open Bar. No ano seguinte, passou a integrar o elenco do programa Amor & Sexo, da TV Globo, fazendo números musicais na atração durante duas temporadas. Em 2017, Vittar conseguiu maior reconhecimento ao lançar seu álbum de estreia Vai Passar Mal, que foi certificado com platina pela Pro-Música Brasil (PMB) e gerou singles como "Todo Dia", "K.O." e "Corpo Sensual". Seu segundo e terceiro álbuns de estúdio, Não Para Não (2018) e 111 (2020) foram certificados com platina pela PMB.

Referido como um "emblema de fluidez de gênero", Vittar faz aparições públicas com e sem a sua caracterização artística e expressou sua preferência pelo tratamento no pronome feminino quando está "de drag", mas também demonstrou indiferença em relação aos pronomes específicos de gênero usados ​​para se dirigir a ele. Sua música é geralmente uma mistura de pop com gêneros variados, incluindo estilos musicais que ele cresceu ouvindo, como tecnomelody, arrocha e forró.

Início da vida e carreira

Phabullo Rodrigues da Silva nasceu em 1 de novembro de 1993[4][5] em São Luís, Maranhão.[6] Ele é filho da técnica de enfermagem Verônica Rodrigues e tem duas irmãs, sendo que uma delas, Phamella, é sua gêmea.[6][7] Vittar nunca conheceu seu pai biológico, que abandonou Verônica ainda grávida.[8] Ele passou parte da infância vivendo em cidades do interior do Maranhão, como Santa Inês, depois passou a infância toda em Santa Izabel do Pará, no Pará.[9][10] Vittar frequentou aulas de balé clássico e jazz durante a infância.[11] Ele disse ter sido vítima de bullying em seus anos escolares, por causa de sua voz aguda e gestos delicados.[12][13] Ao relembrar sua infância, Vittar disse que sempre teve a "noção de que era diferente e que não ia seguir os caminhos que um homem que nasceu com genitália masculina tinha que seguir: casar, ter filhos [...] Sabia que ia fazer alguma coisa no mundo para deixar minha marca."[14]

No início da adolescência, Vittar voltou para o Maranhão, vivendo na cidade de Caxias. Na época, começou a cantar em festas e junto ao coral de uma Igreja Presbiteriana, além de se apresentar no Pop, um programa regional de Caxias, onde fez covers de canções de diversos artistas.[15][16][17] Com 16 anos de idade, mudou-se para Indaiatuba, São Paulo, para tentar começar uma carreira artística. Vittar, no entanto, não obteve sucesso e acabou trabalhando em lanchonetes de fast food, salões de beleza e como operador de telemarketing.[18][19] Foi com essa idade que ele se assumiu gay para sua mãe, e "nem surpresa ela ficou. Sempre me apoiou – aliás, a família inteira, minhas irmãs também", relatou o cantor em entrevista à Marie Claire.[18] Dois anos depois, mudou-se com sua família para Uberlândia, Minas Gerais.[18] Lá, Vittar foi aprovado para o curso de Design de Interiores da Universidade Federal de Uberlândia, que posteriormente descontinuou, devido a sua agenda de shows, que havia aumentado.[20][21] No final de 2011, ele começou a publicar covers em um canal pessoal no YouTube.[22]

Vittar disse que sempre foi fascinado pelo "universo feminino" e passou a se interessar pela arte das drag queens quando foi apresentado ao reality show RuPaul's Drag Race por um namorado.[3][13] Quando assistiu ao programa, Vittar aprendeu que os artistas drag poderiam ser mais versáteis do que pensava: "Foi uma surpresa, não conhecia esse lado da arte drag. Fiquei apaixonada! Falei: eu posso ser isso aí. Foi uma libertação. Quando estou estressada, me monto e externalizo coisas que não consigo falar, mas que posso transmitir por meio da maquiagem e da produção."[13] Ele se "montou" pela primeira vez aos 17 anos para divulgar a festa de uma amiga, entregando panfletos na porta de uma boate em Uberlândia;[13] "...fui na farmácia, comprei um lápis, um batom e umas extensões tão baratas que acabaram virando um dread só".[23] Vittar aprendeu a se maquiar assistindo a tutoriais no YouTube[16] e participou de concursos de beleza antes de iniciar sua carreira musical.[2] Vittar costumava cantar nas festas das quais participava na Universidade Federal de Uberlândia[6] e começou a atuar profissionalmente como drag queen e cantor na casa noturna Belgrano, dos produtores Ian Hayashi e Leocádio Rezende, localizada em Uberlândia.[16][24]

Carreira

2015–17: Open Bar, Amor & Sexo e Vai Passar Mal

Vittar em show da Open Bar Tour em Brasília, junho de 2016

Vittar estava mantendo contato através das redes sociais com Pedro D'Eyrot, um dos integrantes do Bonde do Rolê, que apresentou seus vídeos ao produtor Rodrigo Gorky, também integrante do grupo.[21] Em uma visita à Belgrano, Gorky pediu a Hayashi e Rezende para que o apresentassem a Vittar, que conhecia apenas pela internet.[24][25] Gorky sugeriu a Vittar que gravassem uma releitura em português da canção "Lean On", do grupo Major Lazer, que foi intitulada "Open Bar" e lançada em outubro de 2015.[8][13] O videoclipe da canção, gravado na casa de um amigo de Vittar com um orçamento de 600 reais, atingiu a marca de um milhão de visualizações no YouTube em menos de quatro meses.[13][24] Em dezembro de 2015, ele lançou o extended play (EP) Open Bar. Além da faixa-título, o EP apresenta outras quatro faixas que são versões em português de canções gravadas por artistas como Beyoncé e Rihanna.[26] Com exceção de "Open Bar", que foi autorizada por um dos autores de "Lean On", Diplo, todas as canções do EP e seus videoclipes foram posteriormente retirados das plataformas digitais por questões de direitos autorais.[27] Um remix de "Open Bar" foi posteriormente incluído em seu álbum Vai Passar Mal: Remixes (2017).[28] Logo após o lançamento do EP, Vittar deu início à sua primeira série de shows, Open Bar Tour, que se estendeu por 2016 e totalizou 120 apresentações.[21][24] Vittar acabou chamando a atenção dos produtores do programa Amor & Sexo, da TV Globo, que o convidaram para integrar a banda do programa em 2016.[13] Ele esteve no elenco da atração durante a nona e décima temporadas e deixou o programa para se dedicar a seus projetos musicais.[29]

Em janeiro de 2017, Vittar lançou seu álbum de estreia, Vai Passar Mal. O disco possui uma sonoridade diversificada, incorporando elementos de música pop, eletrônica e gêneros brasileiros, como tecnomelody, forró, arrocha e funk carioca.[30][31] Luccas Oliveira, do jornal O Globo, escreveu sobre o álbum: "...em geral, suas faixas curtas e bem produzidas, com letras que exalam a autoestima e a afirmação de Pabllo, fazem do disco de estreia da drag queen um belo cartão de visitas — feito sob medida para o público que ela atinge."[31] Em 2019, Vai Passar Mal foi certificado com platina pela Pro-Música Brasil (PMB).[32] "Nêga" foi lançada como carro-chefe do disco,[33] seguida por "Todo Dia", uma colaboração com o rapper Rico Dalasam lançada em 20 de janeiro de 2017.[34] A última ganhou atenção durante o Carnaval daquele ano,[8][13] o que levou Vittar a se apresentar no Carnaval de Salvador.[20] Seis meses após o lançamento, "Todo Dia" e seu videoclipe foram retirados das plataformas digitais devido a uma notificação extrajudicial de Dalasam para questionar acordo de direitos autorais.[35]

Vittar em show da turnê Vai Passar Mal, dezembro de 2017

O terceiro e quarto singles do álbum, "K.O." e "Corpo Sensual" alcançaram o top 70 da parada Hot 100 Airplay, da Billboard Brasil,[36] e tiveram êxito nas plataformas de streaming; "K.O." atingiu o topo do ranking do Deezer e "Corpo Sensual" culminou a tabela do Spotify no Brasil.[8][37] Em janeiro de 2018, o videoclipe de ambas as faixas havia ultrapassado a marca de 200 milhões de visualizações no YouTube.[38] "Então Vai" e "Indestrutível" também foram lançadas como singles de Vai Passar Mal.[39] O figurino usado pelo artista no videoclipe de "Indestrutível" foi leiloado com o intuito de arrecadar fundos para a Casa 1, projeto em São Paulo que acolhe pessoas LGBT em situação de risco.[40] Em fevereiro de 2017, Vittar deu início à sua segunda série de shows, Vai Passar Mal Tour.[41]

Em maio de 2017, Lia Clark lançou um remix de sua canção "Tome Curtindo" numa colaboração com Vittar.[42] Em junho, ele se juntou a outros artistas para lançar a canção "Filhos do Arco-Íris", cujos lucros beneficiaram as pesquisas da amfAR.[43] A canção "Sua Cara", que apresenta vocais de Anitta e Vittar, foi lançada como segundo single do extended play (EP) Know No Better, do grupo norte-americano Major Lazer, em julho.[44] "Sua Cara" atingiu o pico de número 49 no Hot 100 Airplay da Billboard Brasil,[45] chegou ao top dez em Portugal[46] e apareceu no top 30 de charts da Billboard norte-americana, como o Dance/Electronic Songs e World Digital Songs.[47][48] Seu videoclipe foi filmado na parte Marroquina do Deserto do Saara e se tornou um sucesso instantâneo; na época de seu lançamento, ele foi o sexto videoclipe mais visto em suas primeiras 24 horas e também o mais rápido a atingir um milhão de likes no YouTube.[49][50] Em agosto, Vittar assinou um contrato de dois álbuns com a gravadora Sony Music e lançou uma colaboração com a cantora Preta Gil, intitulada "Decote".[51][52] Em setembro, apresentou-se no palco Sunset da sétima edição do festival Rock in Rio, além de ter participado do show da cantora norte-americana Fergie no palco principal.[30] Em dezembro, Vittar lançou Vai Passar Mal: Remixes, uma compilação que contêm novas versões das canções de seu álbum de estreia.[28] No mesmo mês, a cantora britânica Charli XCX lançou a canção "I Got It" numa colaboração com Vittar, Brooke Candy e CupcakKe.[53] A MTV Portugal citou Vittar como uma das principais "revelações musicais" de 2017.[54]

2018: Não Para Não

Em janeiro de 2018, Vittar apareceu como artista convidado em três canções: "Paraíso", de Lucas Lucco,[55] "Joga Bunda", de Aretuza Lovi,[56] e "Eu Te Avisei", de Alice Caymmi.[57] No mesmo mês, Vittar lançou um documentário sobre sua vida e carreira em parceria com o serviço de streaming da Apple Music.[58][59] O documentário também gerou um extended play (EP) que contém três canções lançadas anteriormente em versões ao vivo.[60] Em abril, Vittar lançou a canção "Hasta la Vista" em colaboração com Luan Santana e Simone & Simaria, resultado da campanha Coca-Cola Fan Feat..[61] No dia 1 de maio, ele estreou seu programa Prazer, Pabllo Vittar no Multishow.[62] Além de performances musicais, a atração também apresentou entrevistas feitas por Vittar durante um total de cinco episódios.[63] O programa foi indicado ao Rose d'Or Awards e ao PromaxBDA Latin America Awards nas categorias Entretenimento e Promoção Entretenimento/Música/Variedade, respectivamente.[64][65] O programa perdeu na categoria do Rose d'Or e ganhou um troféu de prata na do PromaxBDA.[65][66] Entre junho e setembro, Vittar apareceu como artista convidado numa série de parcerias, incluindo "Não Esqueço", do projeto Niara,[67] "Come e Baza", da cantora angolana Titica,[68] "Caliente", da cantora argentina Lali,[69] e "Energia (Parte 2)", do duo norte-americano Sofi Tukker.[70]

Vittar em apresentação da Não Para Não Tour, novembro de 2018

No dia 4 de outubro de 2018, Vittar lançou seu segundo álbum de estúdio, Não Para Não. O crítico musical Mauro Ferreira, do G1, disse que "O que era espontâneo em Vai passar Mal parece estrategicamente calculado em Não Para Não", mas acrescentou que isso "jamais tira os méritos do álbum, bem produzido e hábil na confecção de um pop brasileiro com conexões com a cena internacional."[71] No entanto, outros críticos sentiram que Não Para Não não tem a mesma "espontaneidade" de seu álbum de estreia.[72] O álbum provou ser um sucesso comercial; ele foi certificado com platina pela Pro-Música Brasil (PMB)[32] e Vittar bateu um recorde no Spotify Brasil quando todas as faixas do álbum se incluíram no top 50 das canções mais populares da plataforma, incluindo quatro no top dez.[73] "Problema Seu" foi lançada como carro-chefe do álbum, seguida por "Disk Me", "Seu Crime" e "Buzina".[74][75][76] Em novembro, ele deu início à sua terceira turnê, Não Para Não Tour, com uma apresentação em São Paulo.[77] A turnê teve datas em outros países da América Latina e também da Europa, como México e Inglaterra.[78] Em junho de 2019, Vittar iniciou a sua quarta turnê NPN Pride Tour, uma extensão da Não Para Não Tour, com datas em paradas do orgulho LGBTQ dos Estados Unidos e Canadá.[79]

Em 7 de novembro de 2018, Vittar lançou o videoclipe de "Highlight", canção-tema da série de animação da Netflix Super Drags, que foi lançada nas plataformas de streaming no dia 9 do mesmo mês. A série traz a participação de Vittar dublando a personagem Goldiva.[80] A série foi cancelada pela Netflix após apenas uma temporada e cinco episódios exibidos.[81] Em dezembro de 2018, Vittar foi o vencedor da categoria Música do prêmio Brasileiros do Ano, criado pela revista IstoÉ.[82]

2019–2020: 111

Vittar em fevereiro de 2020

Em abril de 2019, o canal de Vittar no YouTube atingiu 1 bilhão de visualizações, somando todos os vídeos publicados.[83] Nos dias 13 e 14 de abril, ele fez aparições nos shows de Major Lazer e Sofi Tukker, respectivamente, no festival de música Coachella.[84] Em maio, Vittar lançou a sua segunda coletânea, Não Para Não: Remixes, que contém novas versões das canções de seu segundo álbum de estúdio.[85] Em junho de 2019, ele apareceu como artista convidado nos singles "Garupa", da cantora Luísa Sonza,[86] e "Amarelo", do rapper Emicida ao lado da cantora Majur.[87] No dia 18 de junho, Vittar se apresentou na festa em homenagem ao aniversário da Rainha Elizabeth II do Reino Unido na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, cujo tema foi "igualdade e inclusão" em comemoração ao mês do orgulho LGBT e em memória à Rebelião de Stonewall.[88][89]

Em maio de 2019, Vittar anunciou os preparativos para o lançamento de seu terceiro álbum de estúdio. O álbum foi dividido em duas partes, lançadas em datas diferentes.[90] Uma colaboração com Charli XCX, "Flash Pose" foi lançada como primeiro single do projeto em julho de 2019.[91][92] A parceria com o vocalista da banda Psirico Márcio Victor "Parabéns" foi lançada como segundo single do álbum em outubro.[93] A primeira parte do álbum 111 – uma referência à sua data de nascimento, 1 de novembro – foi lançada em formato de EP no dia 31 de outubro.[94] "Amor de Que" se tornou o terceiro single de 111 em dezembro.[95]

As colaborações "Clima Quente", com Jerry Smith, e "Tímida", com a cantora mexicana Thalía, também precederam o lançamento de 111. O álbum teve seu lançamento adiantado por conta do vazamento das canções inéditas na internet e foi liberado em 25 de março de 2020.[96] 111 foi certificado com platina pela PMB.[32] Em novembro de 2020, Vittar lançou a versão deluxe do álbum 111, que contém remixes das faixas incluídas na versão original do álbum e novas colaborações, bem como duas novas faixas. "Bandida", com participação de Pocah, tornou-se o primeiro single do álbum.[97] Em dezembro, Luísa Sonza lançou "Modo Turbo" numa colaboração com Vittar e Anitta.[98]

2021–presente: Batidão Tropical

Vittar em fevereiro de 2021.

Em junho de 2021, Vittar lançou seu quarto álbum de estúdio, Batidão Tropical, descrito por ele como uma forma de "exaltar realmente a [sua] origem, a [sua] cultura, o Maranhão, o Pará e todas as adjacências que consomem essa cultura."[99] Seis das nove canções do álbum são regravações dos repertórios de bandas de calypso, tecnobrega e forró que marcaram a infância e adolescência de Vittar. Mauro Ferreira, do G1, descreveu Batidão Tropical como o álbum mais "coeso" da carreira de Vittar e disse que as regravações apresentam uma "roupagem pop contemporânea com o cuidado de preservar a arquitetura original" das canções.[100]

Em 13 de agosto de 2021, o cantor Johnny Hooker lançou uma versão da canção "Flutua" com Vittar e com a cantora Majur.[101]

Características artísticas

Estilo musical e voz

Descrito como um artista pop, Vittar transita entre diversos estilos.[102][103] Seu álbum de estreia, Vai Passar Mal mistura o pop com elementos de música eletrônica e gêneros brasileiros como tecnomelody, arrocha, funk carioca e forró.[30][31] Os críticos de música notaram que seu segundo álbum de estúdio, Não Para Não, seguiu a mesma fórmula de Vai Passar Mal. O álbum também explora a música pop com influências de diversos gêneros musicais, tanto brasileiros como mundiais.[71][104] Vittar comentou sobre o álbum dizendo: "[...] eu morava em Santa Izabel do Pará e ouvia cúmbia, carimbó, tecnobrega e guitarrada. No Maranhão, ouvia o axé e os pagodes baianos. [...] A Pabllo Vittar está todinha nesse álbum, não tenho como ir contra as minhas origens."[105] Em geral, sua música explora temas como o amor, autoestima e festas.[31][104]

Vittar possui um tipo vocal classificado como contratenor.[30][106] Professor de canto da Universidade do Estado de Minas Gerais, Sérgio Anders disse que o contratenor caracteriza-se por "uma voz infantilizada num homem adulto, e isso ocorre por questões hormonais." Anders analisou seu estilo vocal dizendo que "Pabllo tem dois tipos como cantora. Nas músicas dela mesma, vai muito além de sua tessitura. Já as músicas mais graves, geralmente covers, me agradam mais. Quando a vi cantar Whitney Houston foi maravilhoso."[106] Shannon Sims, do The New York Times, descreveu sua voz como um "soprano nasal".[107] Quando ascendeu à fama em 2017, Vittar recebeu algumas críticas por sua dificuldade em "segurar o fôlego" para cantar e dançar ao mesmo tempo durante performances ao vivo, o que Chico Barney, do Universo Online, descreveu como "detalhes técnicos... pedestres".[108] Em Representações Artísticas e Políticas da Drag Queen Pabllo Vittar na Mídia, Danilo Pedrazza diz que a voz de Vittar representa uma "ruptura de padrões", e a descreve como ambígua dentro dos padrões de cisgeneridade.[109]

Influências

Rihanna
RuPaul
Beyoncé
Rihanna (esquerda), RuPaul (centro) e Beyoncé (direita) são três das principais influências do artista.

Por influência de sua mãe, Vittar cresceu ouvindo artistas como Aretha Franklin, Donna Summer, Whitney Houston e Tina Turner.[6][110] Ele imitava essas cantoras na infância, "quando nem sonhava em ser drag ainda".[110] A música de Gilberto Gil, Ney Matogrosso, Elis Regina, Alcione e Caetano Veloso também foi apresentada a ele na infância.[16][110] Vittar passou a se interessar pela arte das drag queens quando conheceu o reality show RuPaul's Drag Race e cita RuPaul como uma influência importante: "todas as drags desse mundo têm que agradecer a RuPaul pela visibilidade que temos hoje."[13][111] Alguns participantes do reality show RuPaul's Drag Race também são referência para ele, que citou April Carrion e Naomi Smalls como algumas das competidoras que o inspiram.[111][112]

No início de sua carreira, Vittar usava o sobrenome Knowles como parte de seu nome artístico, uma referência à cantora Beyoncé.[15] Outra referência relevante em sua carreira é Rihanna.[113] Em seu álbum de estreia, Vai Passar Mal, o artista teve influência direta de Lana Del Rey, Allie X e dos álbuns Anti, de Rihanna, e Lemonade, de Beyoncé.[1] Vittar disse se inspirar no grupo Major Lazer e na cantora Anitta, artistas com os quais gravou a canção "Sua Cara".[113] Vittar também citou Kanye West, Britney Spears e Lady Gaga como fontes de inspiração.[16][114] Sua música e performances também tiveram grande influência de grupos como Banda Batidão e Companhia do Calypso.[111][115][116] Vittar disse que estava ouvindo diversos artistas para se "inspirar" quando produzia seu álbum de estreia, citando como exemplos Liniker e Elza Soares.[2] A modelo Bella Hadid o influencia visualmente, principalmente sua maquiagem e estilo.[117]

Imagem pública

Vittar é considerado um ícone gay[118] e foi citado por Shannon Sims, do The New York Times, como um "emblema de fluidez de gênero".[107] Vittar falou sobre sua percepção pública dizendo que "Acho que sou um exemplo sim. Quando era pequeno não tinha ninguém para me espelhar. Não tinha alguém na TV que eu olhava e falava: ‘Eu posso ser isso’. Tinha o Ney [Matogrosso], mas ele era uma divindade, muito distante de mim."[110] Sérgio Martins, da Veja, notou que Vittar "faz as poses de Madonna em Vogue, dá os trinados agudos de Beyoncé e Whitney Houston e rebola como dançarina de funk. [...] É uma catártica liberação para todos os que a veem no palco — adultos e adolescentes, gays e héteros."[119] A revista Paper o descreveu como "uma das figuras queer mais emblemáticas do mundo".[118]

Vittar explicou, em diversas entrevistas, que não é uma mulher trans:[3][24][120] "Eu sou um homem gay, que também é uma drag queen e que se veste, se comporta e se inspira no que ama, muito distante dessa barreira de "menino x menina", pois ela simplesmente não existe."[121] No entanto, a respeito de sua sexualidade, ele também afirmou: "Fico com mulheres, homens héteros, homens gays… Gosto de corpos."[122] O nome Pabllo é uma "versão artística" de seu nome de batismo, Phabullo, enquanto Vittar é uma "criação própria".[123][124] Vittar não pensou em adotar um nome artístico considerado feminino e até mesmo questionou o porquê de Pabllo ser considerado um nome exclusivamente masculino.[125] O cantor falou sobre a questão:

"Nunca senti a necessidade de optar por um nome feminino porque, quando decidi fazer drag, queria passar verdade através da minha arte, música, do que acho que sou. [O nome] Pabllo me representa de uma forma que você não tem noção. Acho que, se eu tivesse um nome feminino, não ia passar tanta verdade. Não gosto de me trancar em uma caixa. Gosto de ser afeminada, de ser isso aqui, de sair na rua às vezes de boné. Gosto de ser o que quiser ser".[14]

Vittar prefere ser chamado no feminino quando está "de drag" e também afirmou não se importar com os pronomes específicos de gênero que as pessoas usam para se dirigir a ele,[3][18][118] dizendo:

"Eu acho que gênero não importa, pra mim. Se você escrever "ele", vou achar incrível, se escrever "ela", também vou achar demais. Mas, quando estou de drag… eu não fico na frente do espelho duas horas me maquiando para a pessoa me chamar de ele, né? Fica chamando de “ela”! Ela é bonita, ela é cantora, ela é draaaaaag! Eu gosto de ser chamada no feminino."[1]

Vittar afirmou que se sente mais confiante e desinibido quando está com a maquiagem, peruca e figurinos que usa para se apresentar, e se considera mais "tímido" sem a caracterização de drag queen, que descreveu como "a extensão do que eu tenho dentro de mim."[126][127] Ele leva até três horas para "virar Pabllo Vittar" e, fora do palco, não costuma usar maquiagem ou peruca.[8][12][128] Vittar, que tem 1,87 m de altura, geralmente veste botas de salto alto que o deixam com mais de 2 metros no palco.[119] A moda tem um papel importante em seu trabalho.[129] Vittar descreveu seu estilo como "street" ("urbano") e disse que "o importante, pra mim, é minhas roupas serem confortáveis."[130] A colunista de moda Lilian Pacce o chamou de "fashionista".[131][132]

Vittar durante uma entrevista no talk-show Lady Night em 2017

Vittar é consistentemente creditado por impulsionar a inclusão de artistas drag queen, trans e travestis no cenário da música popular do Brasil.[133][134][135][136] O site G1 chamou o fenômeno de "Efeito Pabllo Vittar".[134] Em março de 2018, a Billboard disse que "um coletivo de drag queens — com Vittar na vanguarda — está ajudando a mudar a aceitação da comunidade LGBTQ no Brasil, usando música e performance como seus meios. [...] Com seu trabalho revolucionário, sensibilidade camp e estética drag feroz, esta nova geração de artistas está usando sua visibilidade sem precedentes para confrontar o machismo profundamente enraizado do Brasil."[133] Tony Goes, da Folha de S.Paulo, sugeriu que Vittar deixou de ser um artista de nicho e atingiu o mercado mainstream por seguir "à risca a fórmula consagrada por divas internacionais como Britney Spears ou Rihanna: entregou-se nas mãos de produtores experientes, que compõem sucessos de refrões pegajosos para ela." Goes também disse que "Sua mensagem política está em sua própria imagem, não tanto nas músicas", acrescentando ainda que Vittar, em 2017, estava "em vias de se tornar o mais popular artista queer brasileiro desde Ney Matogrosso."[137]

Em um artigo para a Forbes, em 2020, Chris Malone disse que "[...] em apenas três anos, Vittar construiu seu próprio império musical e cultural que transcende fronteiras e estereótipos, unindo fãs de música nas Américas e, sem dúvida, tornando-se a drag queen mais popular do mundo no processo. Tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil, as drag queens são geralmente vistas como fontes de entretenimento superficial, em vez de artistas que trabalham duro com profunda dedicação ao seu ofício; aquelas que embarcam em uma carreira musical muitas vezes se tornam motivo de riso. [...] A confiança descarada de Vittar em face a um presidente “orgulhosamente” homofóbico e sua relutância em mudar sua estética com base no mundo ao seu redor a tornaram uma líder para a juventude LGBTQ+ em todo o mundo."[138]

Em 2017, a revista Joyce Pascowitch elegeu Vittar "A Pessoa do Ano".[110][139] No mesmo ano, foi a quinta personalidade mais buscada no Google Brasil.[140] Em 2018, tornou-se a segunda celebridade mais buscada no Google Brasil.[141] Vittar não só é o artista drag queen mais popular do mundo nas redes sociais[142][143] como também figurou no ranking Social 50, da Billboard, onde atingiu a trigésima terceira colocação em outubro de 2017.[144][145] Comentando sobre os posicionamentos políticos de Vittar, Dom Phillips, do The Guardian, referiu-se a ele como um "símbolo de resistência".[103] À Vice, Vittar falou sobre sua função política enquanto um artista com grande reconhecimento entre o público LGBTQ e feminino: "Acho que é necessário [se posicionar] [...] Não é só subir no palco, rebolar e ir embora. O buraco é mais embaixo."[146] Em 2019, a revista Time incluiu Vittar em sua lista dos "Líderes da Próxima Geração". Vittar foi escolhido por usar sua popularidade "para exigir igualdade para a comunidade LGBT no Brasil e além".[147] Após atingir o estrelato, Vittar se tornou um alvo constante de notícias falsas que são disseminadas nas redes sociais. Emiliano Urbim, dO Globo, referiu-se ao cantor como "um ímã de fake news na cultura pop" e sugeriu que a intolerância é um dos principais motivos pelos quais as notícias falsas envolvendo Vittar viralizam com facilidade.[148] Uma das notícias falsas dizia que Vittar teria seu rosto estampado nas cédulas de cinquenta reais.[149] Ele ironizou essa notícia no videoclipe de "Seu Crime", que mostra notas de "100 Vittars" sendo jogadas ao ar.[149]

Em 2018, a revista IstoÉ Gente o incluiu em sua lista de votação para eleger as "Mulheres mais Sexy do Ano".[150] O ocorrido levantou algumas discussões, uma vez que Vittar não é uma mulher trans e diz "passear entre o universo masculino e o feminino".[3][151] Em 2020, ele foi eleito Homem do Ano pela edição brasileira da GQ.[152] Vittar se inspirou na personagem de desenho animado Jessica Rabbit em seu ensaio para a edição de abril/2019 da revista Gay Times, que se tornou a mais vendida da história da publicação.[153] Vittar também se inspirou em outros personagens de desenhos animados e sitcoms para tatuar seu corpo, como The Powerpuff Girls[11] e Lisa Simpson.[154]

Publicidade

Vittar costuma associar sua imagem a marcas que estejam abertas a causas e à diversidade.[155] Em 2016, ele estrelou a campanha de esmaltes e batons Louca Por Cores, da marca de cosméticos Avon.[156] Em setembro de 2017, Vittar promoveu as marcas Avon e Trident em seu videoclipe de "Corpo Sensual", além do Ministério da Saúde, com o intuito de aumentar a conscientização acerca do uso de preservativos.[157] Em dezembro de 2017, a Coca-Cola lançou a campanha Coca-Cola Fan Feat. e passou a estampar o rosto de diversos artistas nas latas do refrigerante.[158] A campanha gerou uma votação através de seu site e Vittar foi um dos três artistas mais votados, gravando uma canção com os outros dois escolhidos.[61] Vittar também associou sua imagem a marcas e empresas como Itaú, TNT Energy Drink, Niely Cosméticos, Chilli Beans, Adidas, Apple Music e C&A.[155][159][160] Em abril de 2018, foi um dos artistas a estrelar a campanha da coleção primavera/verão 2019 da Coca-Cola Jeans.[161] Em 2019, Vittar promoveu a marca de biscoitos Club Social no videoclipe de "Buzina"[162] e se tornou embaixador da Calvin Klein.[163]

Em junho de 2020, ele participou de uma campanha global da Calvin Klein em comemoração ao mês do orgulho LGBT.[164] Em 2020, a EA Games adicionou Vittar à lista de celebridades que podem ser escolhidas como personagem no jogo The Sims 4.[165]

Discografia

Filmografia

Cinema

Ano Título Personagem Notas Ref.
2017 Oitavo Ele mesmo Curta-metragem [166]
2018 Crô em Família [167]
2020 Emicida: AmarElo Documentário [168]

Televisão

Ano Título Personagem Notas Ref.
2016–2017 Amor & Sexo Vocalista 2 Temporadas
2017 A Força do Querer Ele mesmo Episódio: "5 de outubro de 2017" [169]
Vai que Cola Ele mesmo Episódio: "Você Decide" [170]
2018 Prazer, Pabllo Vittar Apresentador [171]
O Outro Lado do Paraíso Ele mesmo Episódio: "11 de maio de 2018" [172]
Super Drags Goldiva Temporada 1 [173]
Vai Anitta Ele mesmo Temporada 1
2019 Autênticas Ele mesmo Temporada 2 [174]
Queen of Drags Jurado convidado Temporada 1 [175]
2020–presente Soltos em Floripa Ele mesmo [176]
2021 MTV Millennial Awards Apresentador MTV Millennial Awards 2021 [177]
Queen Stars [178]

Internet

Ano Título Personagem Notas Ref.
2016 Vlog da Pabllo Ele mesmo Web-documentário [179]
2018 Up Next: Pabllo Vittar Ele mesmo Web-documentário [58]
2019 Pabllo Vittar: A Trajetória da Artista! Ele mesmo Web-documentário
Whindersson Nunes: Próxima Parada Ele mesmo Episódio 3: Nova Iorque - Filadélfia [180]

Turnês

Promocionais

Blocos carnavalescos

  • Bloco da Pabllo (2019-2020)

Prêmios e indicações

Durante sua carreira, Vittar venceu diversos prêmios, incluindo um Prêmio Multishow de Música Brasileira,[181] dois Troféu APCA,[182] um Melhores do Ano,[108] um Capricho Awards,[183] dois MTV Millennial Awards Brasil[184][185] e dois MTV Europe Music Awards.[186][187] Vittar também foi indicado a um Grammy Latino através de sua colaboração com Major Lazer e Anitta em "Sua Cara".[188]

Notas

  1. Em diversas ocasiões, Vittar afirmou não se importar com os pronomes específicos de gênero (ele/ela) que as pessoas usam para se dirigir a ele.[1][2] Em uma entrevista ao portal Imirante, Vittar afirmou não ser uma mulher trans quando respondeu sobre sua decisão em se tornar drag queen: "Sou um menino gay afeminado! [...] foi super fácil [me transformar em drag], sempre gostei de passear entre o universo masculino e o feminino, nunca vi uma barreira entre os dois, então até hoje tenho isso comigo, não tenho uma linha entre um e outro, passeio pelos dois lados sempre."[3] Ver mais detalhes na seção "Imagem pública".

Bibliografia

Referências

  1. a b c Torres, Leonardo (12 de janeiro de 2017). «Pabllo Vittar fala sobre álbum novo, parceria com Diplo, clipes e início da produção do próximo disco». POPLine. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2018 
  2. a b c Laranja, Ricardo (22 de dezembro de 2015). «Pabllo Vittar: "Estou aqui para desconstruir gêneros"». medium.com. Consultado em 3 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2018 
  3. a b c d e Cutrim, Liliane (8 de março de 2017). «"Sempre fui extremamente feminina", declara Pabllo Vittar». Imirante. Consultado em 25 de junho de 2017. Cópia arquivada em 8 de março de 2017 
  4. «Conar diz que Pabllo Vittar 'optou por não se defender' em caso sobre clipe de 'Parabéns'». G1. 23 de janeiro de 2020. Consultado em 17 de fevereiro de 2020. Em maio, a representação foi arquivada, após 'a Ambev informar estarem erradas as informações disponíveis na internet, juntando documento de Pabllo, no qual sua data de nascimento remonta a 1993'. 
  5. «Comprovante de Situação Cadastral no CPF». Receita Federal do Brasil. Consultado em 17 de fevereiro de 2020 
  6. a b c d Tavares, Bárbara (25 de julho de 2019). «Pabllo Vittar: "Meu sonho é ter uma drag queen presidente do Brasil"». Globo.com. Marie Claire. Consultado em 30 de julho de 2019 
  7. «Biografia - Pabllo Vittar». pabllovittar.com.br. Consultado em 30 de julho de 2019 
  8. a b c d e Gonçalves do Carmo, Sidney (6 de agosto de 2017). «Como um garoto que cresceu sofrendo bullying no MA se tornou Pabllo Vittar». Folha de S.Paulo. UOL HOST. Consultado em 5 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2018 
  9. «Relembre a carreira de Pabllo Vittar em dez hits». Imirante. 1 de dezembro de 2018 
  10. Querino, Rangel (4 de dezembro de 2017). «"Nunca me proibiu de fazer as coisas que viam antinatural", diz Pabllo Vittar sobre sua mãe no Caldeirão do Huck». Brasil Online. Observatório Gay. Consultado em 5 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2018 
  11. a b Anderson, Samuel (25 de julho de 2019). «The Life and Times of Pabllo Vittar». V Magazine. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  12. a b Astuto, Bruno (1 de agosto de 2017). «Pabllo Vittar evita rótulos sobre sua sexualidade e diz: "Meu negócio é transitar"». Época. Consultado em 12 de agosto de 2017 
  13. a b c d e f g h i Finco, Nina (27 de fevereiro de 2017). «Pabllo Vittar: tem drag no samba». Época. Consultado em 5 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2017 
  14. a b «'Se eu tivesse um nome feminino, não ia passar tanta verdade', diz Pabllo Vittar». UOL HOST. Folha de S.Paulo. 9 de agosto de 2017. Consultado em 8 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2018 
  15. a b «Pabllo Vittar: a trajetória do garoto pobre que fazia show em troca de pizza ao estrelato». Globo.com. Extra. 29 de outubro de 2017. Consultado em 6 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2018 
  16. a b c d e Flores, Felipe (2 de dezembro de 2015). «A noite da diva: na balada com Pabllo Vittar». Vice Media. Vice. Consultado em 7 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2018 
  17. «Antes da fama, Pabllo Vittar manda bem cantando hits de Michael Jackson». UOL HOST. Brasil Online. 20 de outubro de 2017. Consultado em 7 de dezembro de 2018 
  18. a b c d «"Contei para minha mãe que era gay aos 15 e nem surpresa ela ficou"». Globo.com. Marie Claire. 30 de outubro de 2017. Consultado em 19 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2018 
  19. «Pabllo Vittar lembra trabalho em telemarketing: "Arrumei até boy"». Universo Online. 25 de agosto de 2017. Consultado em 13 de dezembro de 2018 
  20. a b «Cantora do Amor & Sexo, Pabllo Vittar também é estudante de Design de Interiores». Globo.com. Extra. 26 de fevereiro de 2017. Consultado em 5 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2018 
  21. a b c Monteiro, Carolina (18 de dezembro de 2015). «Sucesso com 'Open Bar', Pabllo Vittar se apresenta em Uberlândia». Correio de Uberlândia. Consultado em 3 de fevereiro de 2016 
  22. «Pabllo Knowles - YouTube». YouTube. Consultado em 7 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2018 
  23. Vieira, Bianka (16 de fevereiro de 2017). «Ninguém tomba Pabllo Vittar». UOL HOST. Trip. Consultado em 5 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2018 
  24. a b c d e Essinger, Silvio (27 de janeiro de 2017). «Pabllo Vittar: "Para dar close, a gente vai até num vulcão em erupção"». Globo.com. O Globo. Consultado em 10 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2018 
  25. Milena Coppi, Silvio Essinger (1 de agosto de 2017). «Saiba quem é Pabllo Vittar, artista que canta com Anitta na faixa 'Sua Cara'». O Globo. Globo.com. Consultado em 5 de dezembro de 2018 
  26. Alcântara, Fabiano (3 de dezembro de 2015). «Drag Pabllo Vittar lança EP com versões de Ellie Goulding, Rihanna e Beyoncé». Vírgula. Consultado em 6 de dezembro de 2018 
  27. «Vídeos da Pabllo Vittar são tirados do ar por violação de direitos autorais». Nosso Amor Existe. 19 de maio de 2016. Consultado em 8 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2018 
  28. a b Ferreira, Mauro (8 de dezembro de 2017). «Disco de remixes coroa ano vitorioso de Pabllo Vittar e traz single de 2015». Globo.com. G1. Consultado em 8 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2018 
  29. «No auge, Pabllo Vittar abandona elenco do "Amor & Sexo"». RD1. 24 de maio de 2018 
  30. a b c d Dias, Tiago (18 de setembro de 2017). «Após arrasar com a Cidade do Rock, Pabllo Vittar quer voltar em 2019». UOL HOST. Brasil Online. Consultado em 6 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2018 
  31. a b c d Oliveira, Luccas (27 de janeiro de 2017). «Crítica: Disco de Pabllo Vittar é um cartão de visitar feito sob medida para seu público». O Globo. Globo.com. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  32. a b c «Certificados de Pabllo Vittar». Pro-Música Brasil. Consultado em 15 de maio de 2020 
  33. Covre, Giulia (19 de novembro de 2016). «Saiu! Vem ver a Pabllo Vittar arrasando no clipe de "Nêga"!». Papel Pop. Consultado em 2 de agosto de 2017 
  34. Torres, Leonardo (20 de janeiro de 2017). «Pabllo Vittar estreia clipe de 'Todo Dia' com Rico Dalasam». POPLine. Consultado em 9 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2017 
  35. Nogueira, Amanda (1 de agosto de 2017). «Disputa tira hit 'Todo Dia', com Pabllo e Dalasam, das plataformas digitais». UOL HOST. Folha de S.Paulo. Consultado em 21 de abril de 2018. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2018 
  36. «Billboard Brasil: 8 de Janeiro de 2018». Billboard Brasil. Consultado em 23 de abril de 2018 
  37. «Pabllo Vittar - Spotify Chart History». Kworb. Consultado em 7 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2018 
  38. Oliveira, Leonan (12 de janeiro de 2018). «Pabllo Vittar comemora 200 milhões de visualizações em videoclipe». Show Livre. R7. Consultado em 7 de dezembro de 2018 
  39. Rishty, David (2 de fevereiro de 2018). «Watch Pabllo Vittar & Diplo Make Out in Steamy 'Então Vai' Music Video». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 8 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2018 
  40. «Pabllo Vittar: figurino da cantora no clipe de 'Indestrutível' será leiloado para ajudar projeto LGBT». Globo.com. G1. 11 de abril de 2018. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  41. «Pabllo Vittar anuncia show no Wood's Curitiba». Bem Paraná. 6 de julho de 2017. Consultado em 8 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2018 
  42. «Tome Curtindo (Brabo Remix) [feat. Pabllo Vittar] (Single, Explicit) de Lia Clark». Napster. Vivo Música. Consultado em 8 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2018 
  43. Nunes, Caian (11 de junho de 2017). «Sandy, Pabllo Vittar, Preta Gil e outros artistas se juntam em "Filhos do Arco-Íris"». POPLine. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  44. «Sua Cara (feat. Anitta & Pabllo Vittar) by Major Lazer, Anitta & Pabllo Vittar on Apple Music». Apple Inc. iTunes. Consultado em 8 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2018 
  45. «Major Lazer, Anitta e Pabllo Vittar – Sua Cara (Brasil Hot 100 Airplay)». Billboard Brasil. Consultado em 5 de setembro de 2017 
  46. «Major Lazer, Anitta e Pabllo Vittar – Sua Cara (Associação Fonográfica Portuguesa)». Associação Fonográfica Portuguesa. Consultado em 8 de outubro de 2017 
  47. «Major Lazer, Anitta e Pabllo Vittar – Sua Cara (World Digital Songs)» (em inglês). World Digital Songs. Consultado em 10 de agosto de 2017 
  48. «Major Lazer, Anitta e Pabllo Vittar – Sua Cara (Dance/Electronic Songs)» (em inglês). Dance/Electronic Songs. Consultado em 9 de agosto de 2017 
  49. «Clipe com Anitta e Pabllo Vittar tem a melhor estreia desde 'Hello', de Adele, no YouTube». O Estado de S. Paulo. Grupo Estado. 31 de julho de 2017. Consultado em 8 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2018 
  50. «Anitta e Pabllo Vittar batem recorde de likes com Major Lazer no YouTube». Billboard Brasil. 31 de julho de 2017. Consultado em 31 de julho de 2017. Arquivado do original em 1 de agosto de 2017 
  51. «Decote (feat. Pabllo Vittar) - Single de Preta Gil no Apple Music». Apple Inc. iTunes. Consultado em 8 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2018 
  52. Carmo, Sidney (9 de agosto de 2017). «Pabllo Vittar fecha contrato para lançar dois álbuns com Sony». UOL HOST. Folha de S. Paulo. Consultado em 12 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2018 
  53. Geffen, Sasha (13 de dezembro de 2017). «Charli XCX unveils new song "I Got It" featuring Brooke Candy, CupcakKe, and Pabllo Vittar». The Fader (em inglês). Andy Cohn. Consultado em 8 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2017 
  54. «As 10 maiores revelações musicais de 2017». MTV Portugal. 27 de dezembro de 2017. Consultado em 7 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2018 
  55. «Paraíso (feat. Pabllo Vittar) - Single de Lucas Lucco & Pabllo Vittar no Apple Music». Apple Inc. iTunes. Consultado em 8 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2018 
  56. «Joga Bunda (feat. Pabllo Vittar & Gloria Groove) - Single de Aretuza Lovi, Pabllo Vittar e Gloria Groove no Apple Music». Apple Inc. iTunes 
  57. «Eu Te Avisei (feat. Pabllo Vittar) de Alice Caymmi no Apple Music». Apple Inc. iTunes 
  58. a b Redação (9 de janeiro de 2018). «Pabllo Vittar participa de documentário da Apple Music». Grupo Estado. O Estado de S. Paulo. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2018 
  59. «Up Next: Pabllo Vittar no Apple Music». Apple Inc. iTunes. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2018 
  60. «Up Next Session: Pabllo Vittar de Pabllo Vittar no Apple Music». Apple Inc. iTunes. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2018 
  61. a b «É fan feat que vocês querem? No dia 2 de maio, Multishow transmite show com Pabllo Vittar, Luan Santana e Simone & Simaria». Globo.com. Multishow. 30 de abril de 2018. Consultado em 8 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 2 de maio de 2018 
  62. «Bloco da Pabllo no Carnaval de 2019 terá participação de Lali» 
  63. «Pabllo Vittar estreia como apresentadora no Multishow». Correio 24 Horas. 1 de maio de 2018. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 17 de junho de 2018 
  64. Padiglione, Cristina (12 de julho de 2018). «Programa de Pabllo Vittar, pelo Multishow, é finalista ao Rose d'Or Awards». UOL HOST. Folha de S.Paulo. Consultado em 13 de julho de 2018 
  65. a b Alencar, Natalí (28 de novembro de 2018). «PREMIADOS NO PROMAXBDA LATIN AMERICA 2018». Prodview. Consultado em 22 de janeiro de 2019 
  66. Knox, David (15 de setembro de 2018). «Rose d'Or Awards 2018: winners» (em inglês). TV Tonight. Consultado em 22 de janeiro de 2019 
  67. «Não Esqueço (feat. Pabllo Vittar) - Single de Niara no Apple Music». Apple Inc. iTunes 
  68. «Come e Baza (feat. Pabllo Vittar) de Titica no Apple Music». iTunes. Apple Inc. 
  69. Coletti, Caio (10 de agosto de 2018). «Pabllo Vittar arrisca versos em espanhol em parceria com Lali na música "Caliente"». UOL HOST. Universo Online. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  70. «Energia (Parte 2) - Single de Sofi Tukker & Pabllo Vittar no iTunes». iTunes. 14 de setembro de 2018. Consultado em 14 de setembro de 2018 
  71. a b Ferreira, Mauro (5 de outubro de 2018). «Pabllo Vittar exacerba busca incessante pelo sucesso na sintética batida pop do álbum 'Não Para Não'». Globo.com. G1 
  72. Braulio Lorentz, Cauê Muraro (5 de outubro de 2018). «Pabllo Vittar, Haikaiss e MC Livinho representam bem o pop brasileiro no G1 Ouviu». G1 
  73. Della Negra, Guilherme (9 de outubro de 2018). «Pabllo Vittar bate recorde com seu novo álbum, Não Para Não». E! Online. Consultado em 30 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2018 
  74. Sabbaga, Julia (5 de outubro de 2018). «Pabllo Vittar divulga segundo álbum, Não Para Não, e clipe de "Disk Me"». Omelete. Consultado em 8 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2018 
  75. «Seu Crime - Single». iTunes. Consultado em 4 de fevereiro de 2019 
  76. «Buzina (Remixes) - Single». iTunes. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  77. Matos, Amanda. «Pabllo Vittar no Cine Joia - Cine Joia - Guia da Semana». Guia da Semana. Consultado em 8 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2018 
  78. «Pabllo Vittar começa em junho primeira turnê da carreira pelos EUA». Uai. 15 de maio de 2019 
  79. «// are u ready ✨». Instagram. 27 de março de 2019. Consultado em 29 de março de 2019 
  80. Portilho, Osmar (7 de novembro de 2018). «Pabllo Vittar lança clipe de "Highlight" com animação das "Super Drags"». UOL HOST. Universo Online. Consultado em 8 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2018 
  81. Fábio de Souza Gomes (22 de dezembro de 2018). «Super Drags é cancelada pela Netflix, segundo site». Omelete. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  82. «"Queria agradecer a quem acreditou numa criança viada nordestina", diz Pabllo Vittar». IstoÉ. 3 de dezembro de 2018. Consultado em 7 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2018 
  83. Nunes, Caian (9 de abril de 2019). «Pabllo Vittar conquista 1 bilhão de visualizações em seu canal no YouTube». POPLine. Consultado em 9 de abril de 2019 
  84. «Pabllo Vittar canta em dois dias seguidos no Coachella». Rolling Stone Brasil. 15 de abril de 2019. Consultado em 15 de abril de 2019 
  85. Nunes, Caian (10 de maio de 2019). «Escute aos remixes do álbum "Não Para Não", de Pabllo Vittar». POPLine. Consultado em 10 de maio de 2019 
  86. «Garupa - Single». iTunes. Consultado em 14 de junho de 2019 
  87. «Emicida lança 'AmarElo' com participação de Pabllo Vittar e Majur, além de trecho com voz de Belchior». G1. Globo.com. 25 de junho de 2019 
  88. «'Vai ter viado na ONU, sim', diz Pabllo Vittar após show em Nova York». O Globo. Globo.com. 19 de junho de 2019. Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 19 de junho de 2019 
  89. «Pabllo Vittar se apresenta na sede da ONU em festa em homenagem à rainha». Editora Abril. Veja. 18 de junho de 2019. Consultado em 19 de junho de 2019 
  90. «Pabllo Vittar segue os passos de Anitta na carreira internacional com edição do álbum trilíngue '111'». G1. 14 de maio de 2019 
  91. Nunes, Caian (15 de julho de 2019). «"Flash Pose": Confira capa, teaser e detalhes do novo single de Pabllo Vittar com Charli XCX». POPLine. Consultado em 16 de julho de 2019 
  92. Megarry, Daniel (16 de julho de 2019). «Pabllo Vittar and Charli XCX announce new single Flash Pose». Gay Times (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2019 
  93. «Pabllo Vittar lança brega-funk em parceria com Márcio Victor, do Psirico». Diário de Pernambuco. 18 de outubro de 2019 
  94. «Pabllo Vittar lança EP trilíngue '111'; confira». Correio Braziliense. 1 de novembro de 2019. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  95. «Assista ao novo clipe de Pabllo Vittar, Amor de Que». UOL. 4 de dezembro de 2019 
  96. «Pabllo Vittar lança seu novo álbum '111'». UOL 
  97. «Pabllo Vittar revela capa, faixas e convidados da edição deluxe do álbum 111». G1 
  98. «Clipe que junta Sonza, Anitta e Vittar tem superprodução». Terra. 22 de dezembro de 2020 
  99. «Pabllo Vittar exalta tecnobrega e forró em Batidão Tropical: "é a minha vida ali em música"». G1 
  100. Ferreira, Mauro (25 de junho de 2021). «Pabllo Vittar aposta na segurança ao revitalizar o tecnobrega no coeso álbum 'Batidão tropical'». G1 
  101. Ferreira, Mauro (13 de agosto de 2021). «Johnny Hooker lança single com versão de 'Flutua' com Majur e Pabllo Vittar». G1. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  102. Codinha, Alessandra (27 de novembro de 2018). «What Pabllo Vittar, Pop Superstar, Means to Brazil (and the Rest of Us) Right Now». Vogue. Condé Nast. Consultado em 3 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2018 
  103. a b Phillips, Dom (21 de outubro de 2017). «Brazil's LGBT pop sensation: 'I want to give them strength'» (em inglês). The Guardian. Consultado em 24 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2017 
  104. a b Goes, Tony (5 de outubro de 2018). «Pabllo Vittar faz política mesmo cantando sobre amor e festa». Folha de S.Paulo 
  105. Manhães, Eduardo (4 de outubro de 2018). «Pabllo Vittar lança seu segundo álbum e garante que haters não tiram seu sono». Globo.com. O Globo. Consultado em 7 de dezembro de 2018 
  106. a b Peixoto, Mariana (8 de janeiro de 2018). «Pabllo Vittar canta bem? Professores de canto avaliam voz da drag queen». uai.com.br. Consultado em 23 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2018 
  107. a b Sims, Shannon (7 de outubro de 2017). «Transgender Brazilians Embrace Hit Soap Opera: 'Now You Can See Us.'». The New York Times Company. The New York Times. Consultado em 3 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2017 
  108. a b Barney, Chico (11 de dezembro de 2017). «Quem não gosta de "K.O.", de Pabllo Vittar, é porque não entendeu». UOL HOST. entretenimento.uol.com.br. Consultado em 15 de dezembro de 2017 
  109. Pedrazza (2019) pg. 116
  110. a b c d e Joyce Pascowitch (15 de dezembro de 2017). «"2017 foi meu sim", diz Pabllo Vittar, capa da revista J.P. de dezembro. Alguém tem dúvida?». UOL HOST. Glamurama. Consultado em 22 de dezembro de 2017 
  111. a b c Andrade, Felipe (4 de maio de 2017). «Entrevista: Pabllo Vittar fala sobre carreira, cenário indie e RuPaul's Drag Race». Indie Pop. Consultado em 7 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2018 
  112. «Entrevista: em clima de Open Bar, Pabllo Vittar mostra que veio pra ficar». MTV Brasil. 28 de janeiro de 2016. Consultado em 7 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2018 
  113. a b Fagundes, Caca. «Pabllo Vittar fala ao G1 sobre amizade com Anitta e sonho de parceria com Rihanna». Globo.com. G1 
  114. Hahne, Stephanie (12 de julho de 2019). «Pabllo Vittar lista os cinco discos que mudaram sua vida para o TIDAL». Tenho Mais Discos Que Amigos. Consultado em 30 de julho de 2019 
  115. César, Cristian (2 de fevereiro de 2018). «Pabllo Vittar: A mistura de culturas». Acesso Cultural. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2018 
  116. Zalc, Caio (19 de setembro de 2017). «Seu amor nos pegou». Universo AA. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  117. Carasco, Daniela (20 de julho de 2017). «Pabllo Vittar revela as 5 divas que a inspiram». UOL HOST. Universa. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  118. a b c Love Michael, Michael (16 de julho de 2018). «Charli XCX Interviews Brazilian Pop Star Pabllo Vittar». Paper Communications (em inglês). Paper. Consultado em 9 de maio de 2019. Cópia arquivada em 9 de maio de 2019 
  119. a b Martins, Sérgio (17 de junho de 2017). «A ascensão do pop trans de Pabllo Vittar». Editora Abril. Veja. Consultado em 16 de dezembro de 2017 
  120. Bezerra, Flávia (11 de agosto de 2017). «Pabllo Vittar: "Sou um menino gay. Não sou trans e não faria cirurgia de redesignação sexual"». Globo.com. Glamour. Consultado em 16 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2017 
  121. Judar, Cristina. «Modo Turbo: Drag queen mais popular do planeta, Pabllo cresceu sem ver-se representada na TV e celebra espaços que ocupa». UOL. Consultado em 24 de janeiro de 2021 
  122. Villardo, Ronald (24 de junho de 2021). «'Sou um menino gay que se veste de drag. Não posso ocupar o espaço das trans', diz Pabllo Vittar, que lança 'Batidão tropical'». O Globo 
  123. «Ressuscita! Conheça Pabllo Vittar em 10 curiosidades». Brasil Online. UOL HOST. 17 de maio de 2017. Consultado em 6 de dezembro de 2018 
  124. «Blog da Galera: 11 curiosidades sobre a cantora Pabllo Vittar». Editora Abril. Capricho. 10 de julho de 2017. Consultado em 13 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2018 
  125. «Pabllo Vittar - Parte 1 (Conexão Repórter 27/08/2018)». Conexão Repórter. YouTube. 28 de agosto de 2018. Consultado em 7 de julho de 2019 
  126. Pereira, Fabiane (2 de abril de 2019). «Papo de Música com Pabllo Vittar: "Eu tenho fé no país e boto fé nas próximas gerações"». Papo de Música. YouTube. Consultado em 13 de maio de 2019 
  127. «Brazilian Based Bombshell Pabllo Vittar Fights Hate With Love». Galore Magazine. 2 de julho de 2019. Consultado em 7 de julho de 2019 
  128. Aguiar, Aurora (8 de junho de 2018). «Pabllo Vittar surge desmontada, de shortinho e pernas de fora». R7. diversao.r7.com. Consultado em 14 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2018 
  129. Daw, Stephen (27 de fevereiro de 2019). «6 Times Pabllo Vittar Stunned Fans in Music Video Performances: Watch». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 27 de junho de 2019. Cópia arquivada em 20 de junho de 2019 
  130. Tancredi, Thamires (19 de janeiro de 2018). «Entrevista! Como Pabllo Vittar se tornou um ícone pop questionando rótulos e preconceitos». GaúchaZH. ClicRBS. Consultado em 9 de maio de 2019. Cópia arquivada em 27 de junho de 2019 
  131. Pacce, Lilian (9 de novembro de 2018). «Stylist de Pabllo Vittar fala sobre o estilo da nova era dela!». lilianpacce.com.br. Consultado em 9 de maio de 2019. Cópia arquivada em 9 de maio de 2019 
  132. Pacce, Lilian (30 de novembro de 2018). «7 tendências com Pabllo Vittar». lilianpacce.com.br. Consultado em 9 de maio de 2019 
  133. a b Assunção, Muri (2 de março de 2018). «Inside Brazil's Drag Revolution: How New Queens Are Changing A Homophobic Culture». Prometheus Global Media. Billboard. Consultado em 3 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 16 de março de 2018 
  134. a b Ortega, Rodrigo (15 de janeiro de 2018). «Efeito Pabllo Vittar: Após estouro da cantora, veja 10 artistas drags, trans e travestis que são apostas para 2018». G1. Globo.com. Consultado em 17 de janeiro de 2018 
  135. «No embalo de Pabllo Vittar, novas divas invadem a cena musical brasileira». Extra. 18 de novembro de 2017. Consultado em 4 de janeiro de 2018 
  136. Love Michael, Michael (8 de outubro de 2018). «Brazilian Icon Pabllo Vittar Talks New Album, "Não Para Não"». Paper Communications (em inglês). Paper. Consultado em 9 de maio de 2019. Cópia arquivada em 9 de maio de 2019 
  137. Goes, Tony (28 de agosto de 2017). «Por que Pabllo Vittar faz mais sucesso do que Liniker?». UOL HOST. Folha de S.Paulo. Consultado em 23 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2018 
  138. Malone, Chris (30 de abril de 2020). «Pabllo Vittar's Multilingual Music Is, Above All, A Gift To Her Fans». Forbes (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Cópia arquivada em 2 de maio de 2020. [...] in just three years, Pabllo Vittar has built her own musical and cultural empire that transcends borders and boxes, uniting music fans across the Americas and arguably becoming the world’s most popular drag queen in the process. In both the U.S. and Brazil, drag queens are by and large seen as sources of superficial entertainment rather than hardworking artists with deep dedications to their craft; those who do embark on a music career are often laughed back out of it. [...] Her unabashed confidence in the face of a “proudly” homophobic president and unwillingness to change her aesthetics based on the world around her has made her a leader for LGBTQ+ youth around the world 
  139. «"A Pessoa do Ano": Pabllo Vittar estampa capa da revista Joyce Pascowitch». POPLine 
  140. Medeiros, Kavad (13 de dezembro de 2017). «Anitta e Pabllo Vittar aparecem entre os termos mais buscados no Google em 2017». POPLine. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  141. Pinheiro, Felipe (12 de dezembro de 2018). «De Stallone a Pabllo Vittar: os famosos mais buscados no Google em 2018». UOL HOST. Universo Online. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2018 
  142. Valenti, Lauren (27 de novembro de 2018). «Watch Brazilian Pop Star Pabllo Vittar Do Her Spectacular 15-Minute Drag Transformation». Condé Nast. Vogue. Consultado em 3 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2018 
  143. «Pabllo Vittar se torna a artista drag mais seguida do mundo nas redes sociais». Glamour. 12 de maio de 2021 
  144. «Chart Search - Billboard (Pabllo Vittar)». Billboard.biz. Consultado em 3 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2018 
  145. Anater, Rubens (1 de novembro de 2017). «Confira 10 dos maiores momentos de Pabllo Vittar em 2017». O Estado de S. Paulo. Consultado em 23 de janeiro de 2018 
  146. Eiras, Yuri (4 de outubro de 2018). «Pabllo Vittar: "Um artista não quer seus fãs morrendo e apanhando"». Vice Media. Vice. Consultado em 8 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2018 
  147. R. Chow, Andrew (10 de outubro de 2019). «How This Brazilian Drag Queen Is Taking the Pop World By Storm—And Fighting for LGBTQ Rights Along the Way». Time. Consultado em 10 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2019 
  148. Urbim, Emiliano (1 de abril de 2018). «Pabllo Vittar, um imã de fake news na cultura pop». Globo.com. O Globo. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 1 de abril de 2018 
  149. a b «Em novo clipe, Pabllo Vittar brinca com fake news a seu respeito». O Estado de S. Paulo. 4 de fevereiro de 2019. Consultado em 10 de maio de 2019. Cópia arquivada em 7 de fevereiro de 2019 
  150. «Mulher mais sexy: Pabllo Vittar - 13ª colocada». Terra Networks. IstoÉ. 5 de dezembro de 2018. Consultado em 13 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2018 
  151. Nascimento, Victor (6 de novembro de 2018). «Pabllo Vittar é candidata a mulher mais sexy do ano e tem muita gente confusa». BuzzFeed. Consultado em 13 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2018 
  152. Valle, Eduardo do (3 de dezembro de 2020). «Pabllo Vittar leva o Men Of The Year». GQ 
  153. «'Eu seria um completo desastre', diz Pabllo Vittar sobre participar do 'RuPaul's Drag Race'». Globo.com. O Globo. 30 de abril de 2019. Consultado em 2 de maio de 2019. Cópia arquivada em 2 de maio de 2019 
  154. «Pabllo Vittar tatua personagem de Os Simpsons». E!. 5 de janeiro de 2018 
  155. a b Penteado, Claudia (29 de novembro de 2017). «Drag queen Pabllo Vittar ajuda empresas a ampliar diálogo jovem». PropMark. Consultado em 23 de janeiro de 2018 
  156. «Drag Queen Pabllo Vittar estrela campanha da Avon». O Estado de S. Paulo. 26 de abril de 2016. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  157. Querino, Rangel (11 de setembro de 2017). «Bola da vez, Pabllo Vittar se torna a preferida das marcas». BOL. Observatório Gay. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  158. Grunewald, Gabriel (1 de dezembro de 2017). «Pabllo Vittar estampa rótulo da Coca "Bem na sua cara"». Editora Abril. Exame. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  159. «10 parcerias de Pabllo Vittar que você precisa conhecer». AOL. HuffPost Brasil. 6 de setembro de 2017. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2017 
  160. «C&A; e Pabllo Vittar». C&A. Consultado em 9 de maio de 2019. Cópia arquivada em 17 de março de 2018 
  161. «Pabllo Vittar estrela campanha de verão 2019 da Coca-Cola Jeans: "Um sonho"». Globo.com. Vogue. 17 de abril de 2018. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2018 
  162. «Club Social faz product placement em novo clipe de Pabllo Vittar». PropMark. 26 de fevereiro de 2019 
  163. «Pabllo Vittar aparece de surpresa no Coachella, canta 'Sua Cara' e vira embaixadora da Calvin Klein». Folha de S. Paulo. 14 de abril de 2019 
  164. «Pabllo Vittar é a nova garota propaganda da Calvin Klein em campanha LGBT». Terra. 15 de maio de 2020 
  165. «Pabllo Vittar vira personagem de The Sims 4 - você pode assistir ao show dela no game». Rolling Stone. 12 de março de 2020 
  166. Redação Glamour (7 de dezembro de 2017). «Marquezine, Juliana Paes e Pabllo Vittar aparecem se arrumando para festa em quarto de hotel; assista». Globo.com. Glamour. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  167. «Crô em Família: Elenco, atores, equipe técnica, produção - AdoroCinema (ver lista completa)». AdoroCinema. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  168. Trojaike, Laísa (18 de novembro de 2020). «Emicida faz manifesto no documentário AmarElo - É Tudo Pra Ontem; veja o trailer». Canaltech. Consultado em 26 de maio de 2021 
  169. «Pabllo Vittar realiza sonho de criança fazendo ponta em "A Força do Querer"». Universo Online. 4 de outubro de 2017. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  170. «Episódio 200 de 'Vai Que Cola' será estilo 'Você Decide'». Jornal do Commercio. 21 de novembro de 2017. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  171. «Pabllo Vittar estreia programa no Multishow: 'Vou mostrar quem eu sou de verdade'». Extra. 30 de abril de 2018. Consultado em 26 de maio de 2021 
  172. «Pabllo Vittar grava participação em novela e é tietada por Mayana Neiva». Universo Online. 5 de maio de 2018. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  173. «Pabllo Vittar dubla protagonista de 'Super drags', animação da Netflix». Correio Braziliense. 29 de agosto de 2018. Consultado em 26 de maio de 2021 
  174. Medeiros, Kavad (6 de agosto de 2019). «"Autênticas": pre-estreia de documentário no GNT com Pabllo Vittar, Luísa Sonza, Lexa e Lellê acontece na Casa do POPline». POPline. Consultado em 26 de maio de 2021 
  175. «Pabllo Vittar é jurada especial de Queen of Drags, seriado da TV alemã». Universo Online. 29 de novembro de 2019. Consultado em 26 de maio de 2021 
  176. Vieira, Nathan (10 de março de 2020). «Amazon Prime Video anuncia novo reality show "Soltos em Floripa"». Canaltech. Consultado em 26 de maio de 2021 
  177. Nunes, Caian (1 de setembro de 2021). «Pabllo Vittar e Rafael Portugal são apresentadores do MTV MIAW 2021». POPline. Consultado em 1 de setembro de 2021 
  178. Ribeiro, Henrique (1 de julho de 2021). «Queen Stars | Pabllo Vittar e Luísa Sonza ganham programa na HBO Max». Omelete. Consultado em 2 de julho de 2021 
  179. «Drag Queen Pabllo Vittar lança vlog e fala sobre estrelar campanha da Avon: "é um avanço"». Papel Pop. Consultado em 4 de agosto de 2017 
  180. «Série de Whindersson Nunes inaugura Youtube Originals no Brasil». Jovem Pan. 25 de setembro de 2019. Consultado em 26 de maio de 2021 
  181. «Conheça os vencedores do Prêmio Multishow 2017». Globo.com. Multishow. 24 de outubro de 2017. Consultado em 13 de dezembro de 2018 
  182. Nunes, Caian (12 de dezembro de 2017). «Pabllo Vittar ganha categoria de revelação na premiação da Associação Paulista dos Críticos de Arte». POPLine. Consultado em 13 de dezembro de 2018 
  183. «Saiu a lista de vencedores do CAPRICHO Awards 2017!». Editora Abril. Capricho. 12 de abril de 2018. Consultado em 13 de dezembro de 2018 
  184. Portilho, Osmar (4 de julho de 2019). «MTV MIAW 2019: Veja lista completa de vencedores». UOL HOST. Universo Online. Consultado em 7 de julho de 2019. Cópia arquivada em 5 de julho de 2019 
  185. «MTV MIAW 2020 premia Manu Gavassi, Anitta e Pabllo Vittar, veja lista de vencedores». G1 
  186. «Inédito! Pabllo Vittar é a primeira drag do mundo a ganhar o EMA: "resultado de muito trabalho e de muita luta"». Vogue. Globo.com. 3 de novembro de 2019. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  187. «MTV EMA 2020: BTS domina premiação e Pabllo Vittar vence categoria pelo 2º ano consecutivo». G1. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  188. «NOMINADOS 19a Entrega Anual del Latin GRAMMY». The Latin Academy of Recording Arts & Sciences, Inc. Consultado em 3 de dezembro de 2018 

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons