Pacote de maternidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pacote sendo aberto por um casal finlandês
Uma futura mãe recebe o pacote
Partes do pacote de 2014

O pacote de maternidade (em finlandês: äitiyspakkaus; em sueco: moderskapsförpackning) é um conjunto de itens para o cuidado de bebês distribuído pela Kela, instituição responsável pela seguridade social na Finlândia. Todos os pais, gestantes ou famílias adotando filhos, recebem vários itens para recém-nascidos, como roupas, fraldas e roupa de cama. Começou a ser dado em 1938 às famílias de baixa renda e, desde 1949, é distribuído a todas as famílias finlandesas, desde que visitem um médico ou clínica de pré-natal. Após uma reportagem da BBC em 2013, a ideia do pacote de maternidade ganhou popularidade em outros países. Alguns desses países, como Argentina e África do Sul, introduziram o pacote em fase experimental.

História[editar | editar código-fonte]

O pacote começou a ser distribuído em 1938 às famílias de baixa renda na Finlândia com objetivo de diminuir a mortalidade infantil e lidar com a redução de natalidade no país. A partir de 1949, o pacote começou a ser distribuído para todas as gestantes, independente da renda, que visitassem médico ou clínica pré-natal antes do quarto mês da gestação.[1][2][3] Mamadeiras eram dadas no início, mas deixadas de serem distribuídas depois, como incentivo à amamentação.[4]

O pacote[editar | editar código-fonte]

Contém itens como roupas com cores neutras, roupa de cama, colchão, entre outros produtos de cuidado infantil como escova de dentes e tesoura para unhas. O pacote, além de conter vários itens para o cuidado do bebê, também se transforma em um berço, que também pode ser usada pelos recém-nascidos durante os primeiros dias,[1][5] apesar de não ser recomendado.[6] Os itens incluídos no pacote maternidade são revisados todos os anos.[2] Ao invés do pacote, as famílias finlandesas podem escolher pelo benefício pago diretamente pela Kela. 95% das famílias decidem escolher o pacote com o primeiro filho, e um terço escolhem o benefício pago pela Kela para os filhos subsequentes.[2]

Em outros países[editar | editar código-fonte]

A publicação da BBC em 2013 popularizou o conceito do pacote maternidade que existe na Finlândia.[1][7] Desde então, o pacote vem sendo experimentado em outros países, como Argentina,[8][9] África do Sul,[10] Austrália,[10] e o Canadá.[10][11] Houve um experimento na Escócia em 2017.[12] Em estados americanos, como Alasca, Texas, Nova Jérsei começaram a oferecer caixas com produtos para bebês aos seus residentes.[6][10][13]

O casal real britânico Catarina e Guilherme receberam um pacote como um presente da Finlândia em 2013. O casal real sueco Daniel e Vitória também receberam um pacote como presente em 2012.[14] Em 2014, a empresa finlandesa Finnish Baby Box foi fundada por três pais finlandeses com o propósito de popularizar o pacote em outros países. O pacote teve que ser adaptado a diferentes países, como os pacotes enviados à Austrália, onde macacões acolchoados não são necessários devido a temperatura do país.[10][15]

Referências

  1. a b c Helena, Lee (4 de Junho de 2013). «Bebês dormem em caixa de papelão na Finlândia». BBC News. Consultado em 24 de Julho de 2018. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2018 
  2. a b c «80 anos viabilizando a igualdade para as crianças na Finlândia». Ministério das Relações Exteriores da Finlândia. This is FINLAND. Março de 2018. Consultado em 5 de Agosto de 2018. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2018 
  3. «History of the maternity grant» (em inglês). Kela. Consultado em 5 de Agosto de 2018. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2018 
  4. «A simple cardboard box helped Finland reduce infant mortality» (em inglês). UPI. 4 de Junho de 2013. Consultado em 24 de Julho de 2018. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2018 
  5. Eli Rosenberg (10 de Julho de 2016). «Por que os recém-nascidos da Finlândia dormem em berços de papelão?». UOL Notícias. Consultado em 24 de Julho de 2018. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2018 
  6. a b Peachman, Rachel Rabkin (24 de Maio de 2017). «Put Your Baby in a Box? Experts Advise Caution» (em inglês). New York Times. Consultado em 5 de Agosto de 2018 
  7. «The strange case of babies sleeping in boxes» (em inglês). BBC. 30 de Janeiro de 2015. Consultado em 5 de Agosto de 2018. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2018 
  8. «Qué es el plan Qunita que anunció hoy la presidenta Cristina Kirchner» (em espanhol). LA NACION. 16 de Julho de 2015. Consultado em 5 de Agosto de 2018. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2018 
  9. Bio, Demian (17 de Fevereiro de 2016). «The Scandal Around Baby Crib Handouts, Or 'The Qunita Plan,' Explained» (em inglês). The Bubble. Consultado em 5 de Agosto de 2018. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2018 
  10. a b c d e Barford, Vanessa (4 de Abril de 2016). «Por que bebês de várias partes do mundo estão dormindo em caixas de papelão?». BBC. Consultado em 5 de Agosto de 2018. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2018 
  11. Buncombe, Andrew (25 de Janeiro de 2016). «Baby box: Canada is adopting of one of Finland's smartest ideas» (em inglês). The Independent. Consultado em 5 de Agosto de 2018. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2018 
  12. Stone, Jon (15 de Outubro de 2016). «Every baby born in Scotland will get a free box of useful things from 2017» (em inglês). The Independent. Consultado em 5 de Agosto de 2018. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2018 
  13. «Finnish Baby Box Inspires around the World» (em inglês). Embaixada da Finlândia em Washington, D.C. 2 de Julho de 2017. Consultado em 5 de Agosto de 2018. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2018 
  14. «Finnish state sends baby box to British Prince William and Kate» (em inglês). Reuters. 3 de Julho de 2013. Consultado em 5 de Agosto de 2018. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2018 
  15. Tamminen, Tuomo (Fevereiro de 2016). «Três homens e uma caixa para bebês». Ministério da Relações Exteriores da Finlândia. This is FINLAND. Consultado em 5 de Agosto de 2018. Cópia arquivada em 15 de Agosto de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]