Padrão Sagan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Padrão Sagan é um aforismo que diz que "alegações extraordinárias requerem evidências extraordinárias".[1][2]

Lógica[editar | editar código-fonte]

Uma alegação extraordinária é uma alegação que não é embasada pelas evidências disponíveis, ou por evidências comuns. O apoio para essa alegação deve portanto vir de alguma evidência nova observada, ou um novo reconhecimento de evidências existentes, que seja extraordinário.

História[editar | editar código-fonte]

O aforismo foi popularizado pelo astrônomo Carl Sagan em seu programa de televisão dos anos 1980 'Cosmos.[3] Dois artigos de 1978, um no U.S. News & World Report e outro por Koneru Ramakrishna Rao no Journal of Parapsychology ambos citam o físico Philip Abelson, então editor do Science, usando a mesma frase.[4][5]

Outros propuseram ideias muito parecidas, redigidas de forma diferente. Théodore Flournoy, em 1899, propôs o princípio de que "o peso da evidência para uma alegação extraordinária deve ser proporcional à sua estranheza",[6] atribuindo a ideia a Laplace. Ele cita Laplace como dizendo, em 1814, que "nós devemos examinar [fenômenos aparentemente inexplicáveis] com uma atenção tanto mais minuciosa quanto mais difíceis de admitir eles aparentemente sejam."[7] Em 1808, Thomas Jefferson também disse: "Mil fenômenos se apresentam todos os dias sem que possamos explicá-los, mas onde fatos sejam sugeridos, levantando uma analogia com as leis da natureza tais como hoje as conhecemos, a veracidade deles precisa de provas proporcionais à sua dificuldade."[8] Em "Sobre o Extraordinário: Uma Tentativa de Clarificação" (1978), o sociólogo Marcelo Truzzi disse: "uma alegação extraordinária requer uma prova extraordinária."[9]

Em 2004, o ciclista Lance Armstrong usou a frase "Alegações extraordinárias requerem evidências extraordinárias" para desacreditar acusações de doping feitas contra ele pelo jornalista David Walsh.[10] Depois, Armstrong foi perguntado: "O que há de especial em você que faz com que provas normais sejam insuficientes para derrubá-lo? Para assassinos, não procuramos provas extraordinárias, procuramos por provas. Mas você diz que elas precisam ser extraordinárias. Por quê?".[11] Armstrong posteriormente confessou o doping em 2013.[12]

Críticas ao aforismo[editar | editar código-fonte]

O aforismo tem sido criticado tanto pelo seu apoio aparente à "ortodoxia" ao aumentar o padrão de evidências necessário para alegações que estão fora do atual consenso como por introduzir subjetividade e ambiguidade em determinar o que merece receber a classificação de "alegação extraordinária". David Deming escreve: "A ciência não contempla dois tipos de evidência. O mau uso da ideia de que alegações extraordinárias requerem evidências extraordinárias para reprimir a inovação e manter a ortodoxia deveria ser evitado uma vez que pode inevitavelmente atrasar a meta científica de estabelecer um conhecimento confiável."[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Marc Kaufman, First Contact: Scientific Breakthroughs in the Hunt for Life Beyond Earth, Simon and Schuster, p. 124.
  2. a b Deming, David (1 de dezembro de 2016). «Do Extraordinary Claims Require Extraordinary Evidence?». Philosophia. 44 (4): 1319–1331. PMC 6099700Acessível livremente. PMID 30158736. doi:10.1007/s11406-016-9779-7 
  3. Sagan, Carl (14 de dezembro de 1980). «Encyclopaedia Galactica». Cosmos: A Personal Voyage. Episódio 12. No minuto 01:24. PBS 
  4. «A Stepchild of Science Starts to Win Friends». U.S. News & World Report. 31 de julho de 1978. pp. 41–42. Consultado em 14 de outubro de 2017. Philip H. Abelson, editor of the authoritative journal Science, agrees that parapsychological research has improved markedly, but he is dubious about the results. "These extraordinary claims require extraordinary evidence," he contends. 
  5. Rao, K.R., 1978, Psi: Its place in nature. Journal of Parapsychology vol 42.
  6. Flournoy, Théodore (1899). Des Indes à la planète Mars: étude sur un cas de somnambulisme avec glossolalie. [S.l.]: Slatkine. pp. 344–345. ISBN 9782051004992 *Flournoy, Théodore (2007). From India to the Planet Mars: A Study of a Case of Somnambulism. [S.l.]: Cosimo, Inc. pp. 369–370. ISBN 9781602063570 
  7. Laplace, Pierre-Simon de (1825). Essai philosophique sur les Probabilités (em francês) 5th ed. [S.l.: s.n.] pp. 134–135. Consultado em 6 de julho de 2019 
  8. Berkes, Anna (14 de novembro de 2008). «Who is the liar now?». monticello.org. Thomas Jefferson Foundation. Consultado em 29 de outubro de 2016  Letter to Daniel Salmon on 15 February 1808 discussing the nature and origin of meteorites. U.S. Library of Congress image
  9. Marcello Truzzi, "On the Extraordinary: An Attempt at Clarification", Zetetic Scholar, Vol. 1, No. 1, p. 11, 1978.
  10. Fotheringham, William (24 de agosto de 2012). «Lance Armstrong shying away from a fight is an extraordinary moment - William Fotheringham» – via www.theguardian.com 
  11. Chappell, Matt. «The State Of Doping In Sport In 2015, By David Walsh». AskMen 
  12. Carter, Chelsea J. «Lance Armstrong facing lifetime ban, loss of titles». CNN