Palácio Avenida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Palácio Avenida decorado para as festividades natalinas em Curitiba
Palácio Avenida

O Palácio Avenida é um dos mais importantes edifícios históricos de Curitiba, capital do estado brasileiro do Paraná. Está localizado no centro da cidade, na confluência da Avenida Luiz Xavier com a travessa Oliveira Bello.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A edificação, datada de 1929, foi erguida pelo imigrante e comerciante sírio-libanês Feres Merhy, com projeto arquitetônico original de Valentim Freitas, Bernardino Assumpção Oliveira e Bortolo Bergonse.

Ao longo de sua história, o imponente complexo de cerca de 18 mil metros quadrados abrigou cafés (como o folclórico Bar Guairacá) e o Cine Avenida, uma das primeiras salas de exibição da capital paranaense[1].

No final da década de 1980 o local estava abandonado e atingiu seu ponto de maior degradação estrutural. Apenas sua fachada remanescia relativamente intacta. Apos a aquisição do prédio, pelo banco Bamerindus, foi recuperado e reaberto em 5 de março 1991[2] para ser a sua sede principal. Com a venda do banco para o multinacional Hong Kong and Shanghai Banking Corporation, tornou-se a sede nacional do HSBC Bank Brasil.

Em 2016, quando foi confirmada a venda do HSBC, com toda a sua estrutura comercial, para o Banco Brasileiro de Descontos S.A., o edifício passou a ser sede regional desta instituição.[3][4]

O complexo é atualmente um misto de agência bancária e espaço cultural, contando com o Teatro Avenida, com capacidade para 250 espectadores[1].

Desde 1991, é tradicionalmente realizado nas janelas do Palácio Avenida um espetáculo natalino com coral de crianças e músicas típicas. Tal espetáculo se tornou bastante representativo das festividades de fim-de-ano em Curitiba e é conhecido em todo o Brasil, recebendo intenso afluxo de turistas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b MENDONÇA, 1991, p46.
  2. MENDONÇA, 1991, p45.
  3. (2015-08-03) "Bradesco compra operações do HSBC no Brasil por R$ 17,6 bilhões" (em pt-BR). Economia.
  4. "Bradesco decide manter estrutura do HSBC em Curitiba" (em pt-BR). Gazeta do Povo.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MENDONÇA, Maria L. N. Linha Vermelha; pegadas da memória. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, 1991. 56p