Palácio Episcopal de São Luís

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Palácio Episcopal de São Luís
Tipo Religioso
Estilo dominante Neoclássico
Construção 1627
Função inicial Colégio jesuíta
Proprietário atual Arquidiocese de São Luís
Função atual Sede de despachos do arcebispo/Museu de Arte Sacra
Geografia
País  Brasil
Cidade São Luís,  Maranhão
Localidade Praça Pedro II

O Palácio Episcopal de São Luís do Maranhão localiza-se na Praça Pedro II, no centro da cidade, ao lado da Catedral de Nossa Senhora da Vitória. Com origens no século XVII, é um importante monumento no centro histórico da cidade, declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

História[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, o local do palácio foi ocupado pelo Colégio de Nossa Senhora da Luz, edificado pela Companhia de Jesus a partir de 1627. O conjunto do colégio e igreja jesuíta foi sendo ampliado, ao longo do século XVII, pela ação de figuras notáveis, como os padres António Vieira e João Felipe Bettendorf. As obras foram finalizadas no último quartel daquele século.

Conjunto formado pela Igreja da Sé e Palácio Episcopal, onde fica o Museu de Arte Sacra

A história dos jesuítas no Maranhão foi interrompida em 1759, quando ocorreu a expulsão dos jesuítas do Brasil Colônia. A igreja da Companhia passou a Sé Catedral de São Luís e o edifício do colégio foi transformado no paço dos bispos. Em meados do século XIX, o palácio estava em estado de ruína e passou por várias reformas, ganhando a aparência neoclássica que possui atualmente. Destaca-se no centro da fachada o portal em pedra de lioz, com o brasão da diocese. Com a criação do Arquidiocese de São Luís, em 1922, o palácio passou a ser despacho dos arcebispos da cidade.

A partir de 2014, o segundo pavimento do Palácio Episcopal passou a abrigar o Museu de Arte Sacra, buscando apresentar o processo histórico de colonização e ocupação do território maranhense, iniciado no século XVII, com um acervo de objetos de arte sacra e arte jesuíta.

Ver também[editar | editar código-fonte]


Referências[editar | editar código-fonte]