Palestina de Goiás

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Palestina.
Município de Palestina de Goiás
"Terra Santa"
Bandeira de Palestina de Goiás
Brasão indisponível
Bandeira Brasão indisponível
Hino
Aniversário 30 de dezembro
Fundação 12 de novembro de 1968
Gentílico palestinense
Lema Deus acima de tudo
Prefeito(a) Valdivino Rodrigues Borges (PSDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Palestina de Goiás
Localização de Palestina de Goiás em Goiás
Palestina de Goiás está localizado em: Brasil
Palestina de Goiás
Localização de Palestina de Goiás no Brasil
16° 43' 58" S 51° 31' 58" O16° 43' 58" S 51° 31' 58" O
Unidade federativa Goiás
Mesorregião Sul Goiano IBGE/2008 [1]
Microrregião Sudoeste de Goiás IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Ivolândia, Caiapônia, Arenópolis
Distância até a capital 295 km
Características geográficas
Área 1 320,683 km² [2]
População 3 382 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 2,56 hab./km²
Altitude 741 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,739 elevado PNUD/2000 [4]
PIB R$ 35 183,244 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 10 600,56 IBGE/2008[5]

Palestina de Goiás é um município brasileiro do estado de Goiás.

História[editar | editar código-fonte]

Decorria o ano de 1929, o pequeno fazendeiro Mamédio José Silvério, que morava próximo ao Córrego Ribeirão, doou uma área de aproximadamente 5 (cinco) alqueires (24 hectares), para a Igreja Presbiteriana Central de Jataí, com a finalidade de ser ali instalada uma capela e uma escola, no local que ainda hoje pertence a aquela entidade.

No ano de 1935 a Igreja Presbiteriana fundou um núcleo então comandado pelo Reverendo Ashman Salley de nacionalidade Norte Americana, que foi sucedido pelo Rev. Robert Lodwick, o qual permaneceu a frente da Igreja até por volta do ano de 1945, quando transferiu a administração ao Rev Raimundo Pitman, quem, efetivamente, levou avante os trabalhos evangélicos e educacionais.

Por volta do ano de 1945 foi construído um campo de aviação ao lado da Igreja, trabalho esse feito pelos poucos moradores da região para que pudessem receber a visita de um médico que a Igreja Presbiteriana, mensalmente, trazia de Rio Verde para cuidar de seus fiéis e alunos da escola que mantinha (Instituto Presbiteriano Samuel Graham).

A antiga igreja já não comportava seus seguidores, estando ainda, depauperada pela ação do tempo, assim no ano de 1948, sob o comando do Rev. Raimundo Pitman, foi edificada uma nova, maior e com melhores acomodações. Neste mesmo ano, os morados da região, Mamédio Joaquim de Bastos, José Francisco de Souza e Risiel Neves de Almeida se associaram com a finalidade de manter uma professora na escola da Igreja Presbiteriana que nesta época já contava com cerca de 35 alunos, quando contrataram a jovem Dalma Gomes Monteiro originária da cidade de Santa Helena de Goiás.

Como a escola e a igreja iam muito bem, os pais de alunos e alguns fieis começaram a edificar pequenas casas no terreno pertencente a igreja, no que foram proibidos pela Missão Brasil Central que gerenciava a Igreja. Em razão dessa proibição o Sr. João Carlos de Bastos, conhecido como "João Jaraguá", que havia herdado de seu sogro Mamédio José Silvério, uma área de terras onde hoje localiza-se a parte Oeste da cidade de Palestina de Goiás, fez um loteamento contendo 480 lotes e os vendeu a preços simbólicos aos interessados, surgindo assim o povoado.

Os lotes foram ocupados rapidamente, quando o Rev. Raimundo Pitman viu a necessidade de se dar um nome ao Povoado, assim, convocou um plebiscito entre os moradores do local, que apresentaram várias sugestões de nome, por fim dois foram os escolhidos para disputar o plebiscito: Palestina e Jerusalém, que submetidos a votação popular o primeiro (Palestina) sagrou-se campeão com 84 votos a favor e 36 contra.

O Povoado situava dentro da área territorial do Município de Caiapônia e dele dependia econômica, financeira e politicamente. No ano de 1962, Mamédio Joaquim de Bastos foi eleito Vereador pelo Município de Caiapônia como representante do povoado de Palestina, iniciou-se um ardoroso trabalho para elevá-lo a condição de DISTRITO.

Mamédio Joaquim de Bastos também foi eleito Vice-Prefeito de Caiapônia, na chapa encabeçada por Bertoldo Francisco de Abreu, para o período de 31.01.1970 à 31.01.1973.

Pela Lei Estadual nº 7.188, de 12 de novembro de 1968 (publicada no Diário Oficial do Estado em 04.12.1968), o Povoado de Palestina foi elevado a categoria de DISTRITO.

Anos passaram e Palestina crescia especialmente sob a influencia da Pecuária de corte, através de vários fazendeiros que se instalaram no Distrito, dentre eles, Antonio Maximo de Oliveira, Guilhermino Moraes de Faria, Joaquim Moraes dos Santos e outros.

Antonio Maximo de Oliveira, conhecido por Tonicão, mantinha estreito relacionamento com políticos da época; dois filhos de Caiapônia eram Deputados Federais, Jarmund Nasser e Antonio Rezende Monteiro que conseguiu junto ao Governador do Estado da época, Dr. Otavio Lage de Siqueira, a construção de uma Escola no Distrito, que denominou-se Escola Estadual "Lúcia Ana de Bastos", onde hoje funciona o "Centro de Apoio ao Estudante".

A escola foi inaugurada com 240 alunos transferidos da escola da Igreja Presbiteriana que assumiu os 10 professores e 02 porteiros serventes.

O mesmo Fazendeiro, Antonio Maximo de Oliveira, conseguiu outra escola para o Distrito, atual Escola Estadual Ana Algemira do Prado.

Posteriormente, no ano de 1985 foi deflagrada a luta pela emancipação política do DISTRITO. Problemas políticos atrasaram a emancipação que só veio acontecer no dia 30 de dezembro de 1987, através da Lei Estadual nº 10.404 (publicada no Diário Oficial do Estado no dia 31.12.1987), oportunidade que foi necessário acrescentar ao nome da cidade as palavras "DE GOIÁS", visando diferencia-la de outra também Palestina já emancipada e localizada no Estado de São Paulo.

O Município de Palestina de Goiás foi instalado em 01.01.1989, com a posse do primeiro prefeito eleito, Carlos Alberto de Moraes, filho de família tradicional, que teve como vice-prefeito, Lourival Francisco de Souza e seu mandato foi de 1989 a 1992.

Joaquim Moraes dos Santos, que havia sido prefeito de Caiapônia, sucedeu seu sobrinho-neto e governou o município de 1993 a 1996 e teve como vice-prefeito, Benvindo Rodrigues da Silva.

Carlos André Moraes de Araújo criado desde a tenra idade por Joaquim Moraes dos Santos foi seu sucessor e seu mandato deu-se de 1997 a 2000 e seu vice-prefeito foi Abiçai Ferreira de Andrade.

Valdivino Rodrigues Borges que era Policial Militar e havia chegado a pouco na cidade, governou o Município de 2001 a 2008, por dois mandatos seguidos e em ambos teve como vice-prefeito o Sr. Luiz Benjamin da Silva que já havia exercido 3 mandatos de vereador, seguidamente.

Eduardo Talvani de Lima Couto, advogado militante em Caiapônia e região, com grandes vinculos na cidade, sagrou-se eleito no pleito de 2008 e está a governar o Município até o ano de 2012, tem como vice-prefeito, Daniel Paulo Coelho, filho de tradicional família ligada ao comércio (supermercado Coelho).

Palestina de Goiás no decorrer do ano de 2009, visivelmente demonstrou um grande salto de melhoria na qualidade de vida de seus habitantes.

Foi inaugurado o sistema de telefonia celular (CLARO), uma reivindicação antiga dos palestinenses e, hoje, também está operando na cidade a empresa VIVO.

A atual administração disponibilizou internet gratuita para toda cidade e fazendas que distam até 10 quilômetros do centro da cidade, além de quatro canais de televisão do Estado (TV Anhanguera, Brasil Central, Record e Serra Dourada).

Recentemente também foi inaugurada a emissora de rádio comunitária "Terra Santa FM", que transmite em 104,9.

No ano (2009) Palestina viu inaugurar sua primeira Casa Lotérica (Coelho da Sorte) que além de oferecer os tradicionais jogos explorados pela Caixa Econômica Federal ainda funciona como um Posto de Serviço Bancário da CEF.

A NOVA Praça Central, com um belo projeto arquitetônico oferece lazer, Cultura (palco para eventos), e fonte luminosa.

No final de 2009, pela primeira vez, após 21 anos de emancipação política, os palestinenses puderam comemorar o NATAL com uma bela decoração nas principais ruas e avenidas da cidade e também o aniversário da cidade, no dia 30 de dezembro, com um lindo show na Nova Praça Central e uma jamais vista queima de fogos, fato que vem se repetindo todos os anos.

No ano de 2010 foi inaugurado o Estádio Municipal do Caiapó (Silvestre José Leite), um grande investimento em prol do esporte e da cultura. Construído as margens da GO-221 (entre Palestina e Iporá) era um sonho de mais de 20 anos da comunidade que vive e trabalha na Região do Caiapó.

A Secretaria Municipal do Bem Estar Social está desenvolvendo uma grande trabalho social em prol das pessoas da 3a. Idade, com a criação do Grupo Conviver, que reúne pessoas maiores de 55 anos para diversas atividades conjuntas, além de vários cursos profissionalizantes como bordados e crochês (infantil e adulto), cabelo e maquiagem, beleza e estética e telemática.

O comércio de Palestina deu um grande salto com a abertura da economia proporcionada pela atual administração da cidade que tem como política a melhor distribuição de riquezas contra uma economia concentrada das gestões anteriores.

O início da construção da Pequena Central Hidrelétrica - PCH Tamboril - no Rio Bonito na divisa dos municípios de Palestina e Arenópolis também contribuirá para melhorar a receita municipal com a arrecadação de impostos gerados durante a construção da obra (ISSQN) quanto pelo ICMS apos a conclusão, tendo como fato gerador a energia produzida dentro do território do município, já que a Casa de Máquina da Usina ficará dentro do município de Palestina.

Outra grande obra que está sendo edificada no município é um armazém geral para armazenamento de grãos produzidos no município. Uma obra privada que requer um vultoso investimento e que gerará dezenas de empregos diretos e centenas indiretos, além de proporcionar comodidade aos agricultores do município que, atualmente, já conta com mais de 15 mil hectares de área plantada em diversas culturas, soja, milho, sorgo, etc.

Religião[editar | editar código-fonte]




Circle frame.svg

Religiões em Palestina de Goiás (2010)[6]

  Protestantismo (45.74%)
  Catolicismo Romano (41.94%)
  Sem religião (12.04%)
  Outras religiões (0.28%)

Segundo o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2010 45,95% da população do município era evangélica, 41,94% eram católicos romanos, 12,04% não tinha religião, e 0,28% eram de outras religiões.[7]

Protestantismo[editar | editar código-fonte]

Palestina é um dos dois municípios de Goiás em que o Protestantismo foi maior que o Catolicismo Romano no Censo de 2010, juntamente com Cristianópolis.[8]

Detre as denominações protestantes em Palestina de Goiás, a maioria da população é pentecostal, cerca de 34,02%. Os presbiterianos constituem 10,2%, um herança da história da formação da cidade em torno da missão presbiteriana na região e 1,48% não possuem denominação.[7]

As Assembleias de Deus são o maior grupo pentecostal, com 29,78% da população, seguida pela Igreja Pentecostal Deus é Amor com 2,13% e Congregação Cristã no Brasil com 1,15%.[7]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Sua população estimada em 2010 foi de 3.371 habitantes.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  6. (http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=521565&idtema=91&search=goias%7Cpalestina-de-goias%7Ccenso-demografico-2010:-resultados-da-amostra-religiao-)
  7. a b c «Censo 2010: Religião em Palestina de Goiás». Consultado em 14 de junho de 2016. 
  8. «Censo 2010: Religião em Cristianópolis». Consultado em 14 de junho de 2016. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Goiás é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.