Pampilhosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Pampilhosa (desambiguação).
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
 Portugal Pampilhosa  
—  Freguesia  —
Estação Ferroviária de Pampilhosa
Estação Ferroviária de Pampilhosa
Brasão de armas de Pampilhosa
Brasão de armas
Localização no concelho de Mealhada
Localização no concelho de Mealhada
Pampilhosa está localizado em: Portugal Continental
Pampilhosa
Localização de Pampilhosa em Portugal
Coordenadas 40° 20' 14" N 8° 26' 8" O
País  Portugal
Concelho MLD.png Mealhada
Administração
 - Tipo Junta de freguesia
 - Presidente Vítor Manuel Alves de Matos (PS)
Área
 - Total 13,60 km²
População (2011)
 - Total 4 098
    • Densidade 301,3 hab./km²
Código postal 3050-442 Pampilhosa
Orago Santa Marinha
Sítio www.jf-pampilhosa.pt

Pampilhosa (por vezes dita Pampilhosa do Botão) é uma freguesia portuguesa pertencente ao concelho da Mealhada, com 13,60 km² de área[1] e uma população de 4 098 habitantes (2011).[2] Tem uma densidade populacional de 301,3 hab/km².

Foi integrada no concelho da Mealhada a 31 de Dezembro de 1853, por desanexação do concelho de Coimbra.

É um importante centro ferroviário e conserva ainda hoje a sua estação ferroviária, de grande importância a nível nacional, onde se cruzam as linhas do Norte (entre Lisboa e Porto), da Beira Alta (entre a Pampilhosa e Vilar Formoso) e o ramal da Figueira da Foz (entre a Pampilhosa e esta última cidade, via Cantanhede).

Foi importante na indústria cerâmica no início do século XX, mas a indústria do barro extinguiu-se quase por completo e das outrora grandes fábricas do início do século, hoje subsistem apenas ruínas.

A maior parte da sua população é proveniente de outros lugares, pois desde o inicio do século XX, fruto do entroncamento das linhas de comboios, da empresa Caminho-de-ferro da Beira Alta, e da empresa Caminhos-de-ferro Portugueses, registou-se um exponencial crescimento populacional. Ficou a dever-se há instalação de Industrias na zona; industrias cerâmicas, químicas, transformadoras de madeiras, pois a necessidade de mão-de-obra foi enorme, assim como a procura de emprego.

Em 1947 houve a fusão das duas companhias (como se dizia na época).

Em tempos a estação da Pampilhosa foi a segunda mais importante do país.

Depois de 1974, progressivamente todas as antigas indústrias se extinguiram, no entanto um novo parque industrial foi construído a partir de 1997, noutro local e noutros ramos industriais e comerciais.

A Locomotiva BA61 a vapor dos anos 20, única no mundo está na Pampilhosa.

Festas populares: Santa Marinha (padroeira), São João, S. Joaquim, Senhora do Lombo e Santo António.

História[editar | editar código-fonte]

O documento mais antigo que testemunha a existência de Pampilhosa é datado de 1117 e refere a doação desta "vila" ao Mosteiro de Lorvão, por parte dos seus donos, Gonçalo Randulfo e seu filho Telo Gonçalves. As terras da Pampilhosa ficaram assim foreiras daquele Mosteiro até à extinção das Ordens Religiosas.

A descrição feita no documento de doação, revela pormenores que indiciam que a "villa" de Pampilhosa, já teria uma longa existência: vinhas, pomares, casas, currais, terras desbravadas e incultas, pedras móveis ou imóveis, fontes dos montes, campos de regadio, moinhos e até uma Torre.

Para melhor recebimento das rendas e dos foros de oitava, de que alguns lavradores se eximiam, as freiras do Mosteiro resolveram, em determinada época, mandar construir um edifício celeiro em Pampilhosa. Estes tributos eram pagos em cereais (trigo, milho e centeio), azeite e vinho. Depois da extinção das Ordens Religiosas este celeiro foi adquirido pelo vizinho que a confrontava, um "sangrador-barbeiro".

Este conjunto de edificações, classificadas como do século XVI, é hoje conhecida por Casa Rural Quinhentista.

Em finais do século XIX e começos do século XX, era propriedade da importante família dos Melo. Segundo a tradição, era a casa que mais azeite recolhia entre o Douro e o Mondego, ou noutra versão, entre o Vouga e o Mondego. Este património foi adquirido pelo Rancho Folclórico e Grupo Etnográfico da Pampilhosa em 1984 e vem sendo recuperado à medida do apoio das Entidades Oficiais, nomeadamente, da Câmara Municipal de Mealhada. Até meados do século XIX, a Pampilhosa foi sempre um pequeno núcleo rural.

O seu desenvolvimento surge a partir da construção das linhas de caminho de ferro, especialmente da linha da Beira Alta, com a criação do importante entroncamento na Pampilhosa. Seguiu-se a instalação de fábricas de cerâmica, de indústrias de serração, oficinas de olaria, de tanoaria e de ferreiros, fornos de cal e outras actividades (resina, sarro e borras de vinho, adubos, repicagem de limas, etc.).

A 9 de Julho de 1985 a Pampilhosa é elevada à categoria de Vila.

Fonte:Dr. Machado Lopes

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Pampilhosa (1864 – 2011) [3]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
572 648 1.023 1.064 1.576 1.719 2.326 2.837 3.241 2.966 2.936 3.798 3.516 4.218 4.098

Localidades da Freguesia[editar | editar código-fonte]

Alguns lugares da freguesia:

  • Pampilhosa do Botão
  • Canedo
  • Lagarteira
  • Póvoa
  • Entroncamento

Património[editar | editar código-fonte]

  • Casa Rural Quinhentista (Museu do Porco)* e Museu do Etnográfico da Pampilhosa)
  • Igreja Matriz
  • Vila Rosa
  • Capela da Vera Cruz (ruínas)
  • Capela de Nossa Senhora do Lombo
  • Capela da Lagarteira
  • Sucursal da antiga Fábrica de Cerâmica das Devesas e ruínas de outras antigas fábricas de cerâmica

* Único no Mundo[carece de fontes?]

Referências

  1. Instituto Geográfico Português (2013). «Áreas das freguesias, municípios e distritos/ilhas da CAOP 2013» (XLS-ZIP). Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2013. Direção-Geral do Território. Consultado em 28 de novembro de 2013 
  2. INE (2012). «Quadros de apuramento por freguesia» (XLS-ZIP). Censos 2011 (resultados definitivos). Tabelas anexas à publicação oficial; informação no separador "Q101_CENTRO". Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 27 de julho de 2013 
  3. [Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes ]