Banco Pan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de PanAmericano)
Ir para: navegação, pesquisa
Banco Pan
Banco Pan S/A
Slogan Todos os tipos de crédito para a sua vida
Tipo Banco
Cotação BM&F Bovespa: BPAN4 - R$ 1,54 (Em 01/12/2015)
Indústria Setor bancário.
Gênero Instituição financeira de Capital aberto.
Fundação 1969 (como Real Sul S/A)
1990 (como Banco PanAmericano)
15 de maio de 2013 (3 anos) (como Banco Pan)
1963(como Baú Financeira)
(Banco multiplo)
Fundador(es) Silvio Santos
Sede São Paulo,SP
Áreas servidas Brasil
Proprietário(s) Silvio Santos (1969-2011)
Caixa Econômica Federal (desde 2010)
BTG Pactual (2011-)
Presidente José Luiz Acar
Empregados 976 (2013)
Produtos Crédito direto ao consumidor
Financiamento à empresas
Parentesco BTG Pactual
Caixa Econômica Federal
Subsidiárias Baú da Felicidade
Acionistas BTG Pactual (51%)
CEF - Caixa Econômica Federal (49%)
Valor
de mercado
R$ 3,6 bi (2014)
Lucro - 44,3 mi (3T 2015)
- 7,8 mi (2014)
Antecessora(s) Real Sul S/A
Baú Financeira
Banco PanAmericano
Página oficial www.bancopan.com.br

Banco Pan (até 15 de maio de 2013 era chamado de Banco PanAmericano[1] ) é um banco brasileiro, com sede em São Paulo, fundado por Senor Abravanel, mais conhecido como Silvio Santos, controlado de 1990 até 2011 pelo Grupo Silvio Santos[2] . Seu foco é o financiamento ao varejo, financiamento de veículos, cartões de crédito, empréstimo pessoal e consignado, muito embora haja uma nova campanha de expansão de produtos que fortalecerá a atuação do banco no setor imobiliário e de adquirência por meio de aquisições de empresas com a Brazilian Mortgages e Brazilian Securities (Que irão compor à nova marca Pan na sua casa). Presente em todas as capitais e principais cidades brasileiras e em seus mais de 28 mil parceiros comerciais, tem como essência "Melhorar a vida das pessoas através do crédito".

Histórico[editar | editar código-fonte]

O Grupo Silvio Santos assumiu o controle acionário da Real Sul S/A, em 21 de fevereiro de 1969, uma empresa que atuava no mercado desde 1963 em São Caetano do Sul, e transformou-se na Baú Financeira S/A.

Em 1990, autorizado para atuar como banco múltiplo passou a ser denominado Banco PanAmericano S/A.

Em dezembro de 2009 a Caixa Econômica Federal (CEF) pagou R$ 739,2 milhões para adquirir parte do banco PanAmericano. O banco estatal, por meio da Caixa Participações S.A. (Caixapar), adquiriu pouco mais de um terço do capital total da instituição financeira. A Caixa comprou 49% das ações preferenciais mais 20,69% das ações preferenciais do PanAmericano. Considerando os dois tipos de ações, a Caixapar passou a deter 35,54% do capital total do banco.[3]

Fraude contábil de 2010[editar | editar código-fonte]

No dia 8 de novembro de 2010, Silvio Santos. Proprietário do Grupo Silvio Santos, anuncia empréstimo de 2,5 bilhões de reais para cobrir uma fraude contábil nos caixas do banco PanAmericano. O empréstimo, por Fundo Garantidor de Crédito e garantido por bens do patrimônio empresarial do Grupo Silvio Santos, foi necessário para restabelecer o pleno equilíbrio patrimonial porque o banco continuou contabilizando carteiras de crédito que já foram vendidas para outras instituições financeiras, falsificando assim o patrimônio.[4] [5]

Venda para o grupo BTG Pactual[editar | editar código-fonte]

Em 29 de janeiro de 2011, o jornal Folha de S. Paulo anunciou que o rombo que o banco tinha era de 4,1 bilhões de reais (1,6 bilhões de reais a mais do que anunciado anteriormente). Em tal situação, Sílvio Santos vendeu o Banco PanAmericano S/A para o grupo BTG Pactual. O empresário não receberia nenhum valor em troca, já que o grupo BTG Pactual assumiu toda a dívida acumulada. Sílvio Santos disse ainda que as demais empresas do Grupo Silvio Santos não estão mais à venda[6] . Contrariando essa afirmação, em 31 de julho de 2011, a Magazine Luiza adquire o Baú da Felicidade.

Surge a marca Banco Pan (2013-Atualmente)[editar | editar código-fonte]

Em 15 de maio de 2013, o nome do banco muda para Banco Pan[7] , que segundo a diretoria, foi uma mudança estratégica a fim agilizar os processos e aumentar a eficiência do banco, a divulgação da marca ocorre na final do Campeonato Paulista de futebol em uma decisão entre Corinthians e Santos quando o novo logo aparece estampado nas camisetas do alvinegro paulista, que foi campeão naquele dia.[8]

No quarto trimestre de 2013 o prejuízo liquido do banco aumentou para R$182,9 milhões, número maior que os 38,4 milhões das perdas no mesmo período de 2012. Esse resultado foi impactado principalmente pela adesão ao Refis, programa de negociação de débitos fiscais.[9]

Já em março de 2014 foi noticiado que os acionistas do banco (BTG Pactual e Caixa Econômica Federal) irão realizar juntos uma injeção de capital da ordem de R$ 1,5 bi, para fortalecer a estrutura patrimonial do banco e ficar em condições de utilizar os mais de 2 bilhões de reais em isenções fiscais que o banco possui em seu patrimônio, com essa injeção o índice de basileia do banco irá se elevar permitindo o aumento da carteira de crédito. Sobre este ponto, o banco possui acordos operacionais de cessão de crédito sem coobrigação, o que o permite operar com níveis baixos deste indicador.[10]

No primeiro trimestre de 2014 o resultado do banco foi negativo em 78,6 milhões de reais em função da decisão estratégica de ceder um menor volume de cessão de crédito sem coobrigação.[11] O aporte a ser realizado pelos acionistas do banco foi aprovado pelo conselho em uma operação que injetará aproximadamente 3 bilhões de reais somados os valores de BTG e Caixapar, além da emissão de mais papéis do banco para a bolsa de valores.[12] O banco fez também a mudança de seu ticker de negociação na Bovespa, tendo suas ações preferenciais BPNM4 alteradas para BPAN4 como parte da operação de reestruturação da marca.[13] Essas mudanças fizeram com que a agencia classificadora de risco Standard & Poor's retirasse a observação negativa do banco, mantendo a sua classificação global como BB/B com perspectiva estável.[14] Apesar dessas mudanças o banco apresentou resultado consolidado negativo em 70,4 milhões no segundo trimestre e 69,7 milhões no terceiro.[15] [16] Já no quarto trimestre o banco viu o seu resultado negativo ser revertido graças a venda da Pan Seguros e da Pan Corretora para seus acionistas controladores, o BTG Pactual e a Caixa, o negocio foi estruturado de forma que o Pan pudesse utilizar a estrutura da unidade de seguros mesmo não tendo mais o controle acionário das empresas. Essa operação fez o resultado do banco no final de 2014 evoluir para um lucro de 226,5 milhões de reais.[17]

Com os desdobramentos da crise econômica que se abateu sobre o Brasil em 2015,[18] o Banco Pan fechou o primeiro trimestre do ano com um prejuízo liquido de 73,5 milhões, continuando a sua trajetória aumento das carteiras de crédito.[19] A partir do segundo trimestre de 2015 o banco passa a adotar uma postura mais agressiva na cessão de credito a outras instituições a fim de melhorar sua performance financeira, isso se reflete no resultado positivo do segundo trimestre, onde o banco teve um lucro de 3,6 milhões e já no terceiro trimestre o lucro evoluiu para 44,3 milhões.[20] Segundo o presidente da instituição José Luis Acar, diante das incertezas futuras do mercado de crédido, o banco optou por manter uma carteira reduzida de crédito, concentrando seus esforços no lucro obtido com a cessão dos contratos a outras instituições. Em 30 de novembro de 2015, o então presidente do BTG Pactual, André Esteves renunciou a todos os seus cargos no BTG e nas instituições ligadas ao banco de investimentos que incluía a cadeira de vice presidente do conselho administrativo do Banco Pan,[21] dias antes ele foi preso em um dos desdobramentos da Operação Lava-Jato conduzida pela policia federal, visando investigar irregularidades nos contratos firmados pela Petrobras. Em nota o Banco Pan esclareceu que mesmo com a renuncia de um de seus conselheiros, o banco possui uma exposição de crédito quase nula com as empresas envolvidas na operação Lava Jato.

Referências

  1. «Panamericano passa a se chamar Banco Pan e muda logotipo». uol economia. 15 de maio de 2013. Consultado em 26 de outubro de 2015. 
  2. http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2011/01/31/com-rombo-de-r-4-bi-silvio-santos-vende-banco-panamericano-ao-btg-pactual.jhtm
  3. «Agencia Brasil: Caixa Econômica compra 35,5% do Banco PanAmericano por cerca de R$ 740 milhões». agenciabrasil.ebc.com.br. Consultado em 20 de novembro de 2010. 
  4. «Folha.com - Mercado - Caixa promete ajuda na recuperação do PanAmericano - 19/11/2010». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 20 de novembro de 2010. 
  5. «Agência Brasil: Banco PanAmericano recebe aporte de R$ 2,5 bilhões do Fundo Garantidor de Crédito». agenciabrasil.ebc.com.br. Consultado em 20 de novembro de 2010. 
  6. Folha de S. Paulo (29/1/2011). «Silvio Santos aceita vender o PanAmericano». Consultado em 29/1/2011. 
  7. Panamericano muda identidade visual e vira Banco Pan, G1. Vistiado em 22/05/2013.
  8. http://www.corinthians.com.br/site/noticias/2013/05/17/19h23-id19088-com-banco-pan-corinthians-fecha-patrocinio-pontual-para-a-final-do-paulista.shtml
  9. «Adesão ao Refis teve resultado positivo de R$ 29,2 milhões e impacto negativo de R$ 175,2 milhões». iG economia. 18 de fevereiro de 2014. Consultado em 26 de outubro de 2015. 
  10. «Banco Pan vai receber 1,5 bilhão dos sócios BTG e Caixa». Exame.com. 5 de abril de 2014. Consultado em 26 de outubro de 2015. 
  11. «Banco Pan registra prejuízo de R$78,6 mi no 1º trimestre». Exame.comdata=6 de maio de 2014. Consultado em 26 de outubro de 2015. 
  12. «Conselho do Banco PAN aprova até R$3 bi em operações de aumento de capital». Reuters Brasil. 13 de junho de 2014. Consultado em 26 de outubro de 2015. 
  13. Paula Barra (1 de agosto de 2014). «Recomendações, novela entre Gávea e Fleury e mais 3 small caps no radar - InfoMoney». InfoMoney. Consultado em 26 de outubro de 2015.  |acessadoem= e |acessodata= redundantes (Ajuda)
  14. . ultimoinstante http://www.ultimoinstante.com.br/pt/noticias_20140701/setores_bancos/850938/Samp;P-remove-observa%C3%A7%C3%A3o-negativa-do-rating-do-Banco-Pan.htm#axzz39DGtNpgn. Consultado em 26 de outubro de 2015.  Falta o |titulo= (Ajuda)
  15. «Banco Pan tem prejuízo líquido de R$ 70,35 milhões». Monitor digital. 6 de agosto de 2014. Consultado em 26 de outubro de 2015. 
  16. «Banco Pan tem prejuízo de R$ 70,4 milhões no segundo trimestre». Valor Econômico. 5 de agosto de 2014. Consultado em 26 de outubro de 2015. 
  17. «Banco Pan reverte prejuízo e lucra R$ 226,5 milhões no 4º trimestre». Valor Econômico. Consultado em 2015-12-01. 
  18. «Crise econômica no Brasil - Correio de Uberlândia Online». www.correiodeuberlandia.com.br. Consultado em 2015-12-01. 
  19. «Banco Pan tem prejuízo de R$ 73,5 milhões no 1º trimestre | EXAME.com». Exame. Consultado em 2015-12-01. 
  20. «Banco Pan tem lucro líquido consolidado de R$ 44,3 milhões no 3º tri». Valor Econômico. Consultado em 2015-12-01. 
  21. «Esteves renuncia à vice-presidência de conselho do Banco Pan | EXAME.com». Exame. Consultado em 2015-12-01. 

Ligaçôes externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um banco ou instituição financeira é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.