Pansexualidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A letra P com uma seta abaixo e um risco no meio fazendo alusão ao símbolo da androginia ⚨
Símbolo da pansexualidade

Pansexualidade é a atração sexual, romântica ou emocional em relação às pessoas, independentemente de seu sexo ou identidade de gênero.[1][2] Pessoas pansexuais podem se referir a si mesmas como cegas a gênero, afirmando que gênero e sexo não são fatores determinantes em sua atração sexual ou romântica por outros.[3][4]

A pansexualidade pode ser considerada uma orientação sexual por direito próprio ou um ramo da bissexualidade, para indicar uma identidade sexual alternativa.[2][5][6] Assim como bissexuais, pessoas pansexuais estão abertas a relacionamentos com pessoas que não se identificam estritamente como homens ou mulheres, e a pansexualidade, portanto, rejeita o binário de gênero,[2][6]. É erroneamente considerado um termo mais abrangente do que bissexual pelo senso comum.[7][8] Até que ponto o termo bissexual é exclusivo quando comparado com o termo pansexual é debatido dentro da comunidade LGBT, especialmente a comunidade bissexual.[8]

Pansexualidade versus bissexualidade (versus polissexualidade)[editar | editar código-fonte]

Bissexualidade é frequentemente utilizado como termo guarda-chuva que denota atração por pelo menos dois gêneros (os gêneros similares e os diferentes), incluindo todos os casos que não são de uma monossexualidade. Essa concepção invalida essas outras sexualidades e deve ser rejeitada. Outro uso comum é para referir a quem sente atração por apenas homens e mulheres, que também está errado, pois ela não é binarista. A polissexualidade é a atração por mais de um gênero, mas não todos, conceito que ainda é debatido na comunidade LGBTQIAP+. Quanto à atração, a pansexualidade não se diferencia da bissexualidade, sendo a definida como a capacidade de se atrair por todos os gêneros. Ainda assim, elas são diferentes e ambas válidas por causa do contexto histórico em que cada uma surgiu e pelo seu peso político. Para pessoas que querem se referir a todas as sexualidades plurais e múltiplas, podem usar os termos multissexualidade, monodissidência e plurissexualidade.[9][10][11]

Convenção[editar | editar código-fonte]

Atualmente convencionou-se que a diferença entre bissexualidade e pansexualidade é que, enquanto uma pessoa que se autodenomina bissexual reconhece os diferentes gêneros e os encara de forma diferente (podendo a percepção de diferenças levar a uma atração de diferentes graus conforme o gênero), uma pessoa pansexual sente atração por todos os gêneros sem fazer distinção, por isso é definida como atração independentemente do gênero.[12] Há ainda pessoas que se consideram polissexuais e que, apesar de não sentirem atração por todos os gêneros (não se considerando pansexuais), não partilham da percepção da bissexualidade.

Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, o dia da Pansexualidade é comemorado no dia 8 de dezembro[13].

Referências

  1. Hill, Marjorie J.; Jones, Billy E. (2002). Mental health issues in lesbian, gay, bisexual, and transgender communities. [S.l.]: American Psychiatric Pub. p. 95. ISBN 978-1-58562-069-2. Consultado em 11 de maio de 2019 
  2. a b c Marshall Cavendish, ed. (2010). Sex and Society 2 ed. [S.l.]: Marshall Cavendish. p. 593. ISBN 978-0-7614-7907-9. Consultado em 11 de maio de 2019 
  3. Diamond, Lisa M.; Butterworth, Molly (Setembro de 2008). «Questioning gender and sexual identity: dynamic links over time». Sex Roles. 59 (5–6). pp. 365–376. doi:10.1007/s11199-008-9425-3  Pdf.
  4. The Oxford Dictionary of English defines pansexual as: "Not limited in sexual choice with regard to biological sex, gender, or gender identity".«definition of pansexual from Oxford Dictionaries Online». Oxford Dictionaries. Consultado em 11 de maio de 2019. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2015 
  5. Firestein, Beth A. (2007). Becoming Visible: Counseling Bisexuals Across the Lifespan. [S.l.]: Columbia University Press. p. 9. ISBN 978-0-231-13724-9. Consultado em 11 de maio de 2019 
  6. a b Soble, Alan (2006). «Bisexuality». Sex from Plato to Paglia: a philosophical encyclopedia. 1. [S.l.]: Greenwood Publishing Group. p. 115. ISBN 978-0-313-32686-8. Consultado em 11 de maio de 2019 
  7. «Bi, gay, pansexual: What do I call myself?». Go Ask Alice!. 26 de fevereiro de 2015. Consultado em 11 de maio de 2019 
  8. a b Eisner, Shiri (2013). Bi: Notes for a Bisexual Revolution. [S.l.]: Seal Press. pp. 27–31. ISBN 978-1580054751. Consultado em 11 de maio de 2019 
  9. «» Multi». Consultado em 2 de março de 2020 
  10. Nascimento, Victor. «13 coisas que pessoas bissexuais gostariam que você soubesse». BuzzFeed. Consultado em 2 de março de 2020 
  11. Galupo, M. Paz (2018). Swan, D. Joye; Habibi, Shani, eds. «4 Plurisexual Identity Labels and the Marking of Bisexual Desire». Cham: Springer International Publishing (em inglês): 61–75. ISBN 978-3-319-71535-3. doi:10.1007/978-3-319-71535-3_4 
  12. https://bisexual.org/?qna=doesnt-identifying-as-bisexual-reinforce-a-false-gender-binary
  13. Siqueira, Monalisa Dias de; Klidzio, Danieli (28 de julho de 2020). «BISSEXUALIDADE E PANSEXUALIDADE: IDENTIDADES MONODISSIDENTES NO CONTEXTO INTERIORANO DO RIO GRANDE DO SUL». Revista Debates Insubmissos (9). 186 páginas. ISSN 2595-2803. doi:10.32359/debin2020.v3.n9.p186-217. Consultado em 1 de setembro de 2020