Panteão (Paris)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Panteão
Tipo mausoléu, igreja
Inauguração 1790 (228 anos)
Website oficial
Geografia
Coordenadas 48° 50' 46" N 2° 20' 45" E
Localidade Paris
Logradouro Place du Panthéon, 75005 Paris
País França

O Panteão de Paris (em francês: Panthéon de Paris) é um monumento em estilo neoclássico situado no monte de Santa Genoveva, no 5.º arrondissement de Paris, em pleno Quartier Latin.

À sua volta dispõem-se alguns edifícios de importância, como a igreja de Saint-Étienne-du-Mont, a Biblioteca de Santa Genoveva, a Universidade Paris-Sorbonne, a prefeitura do 5º arrondissement e o Liceu Henrique IV. Da rua Soufflot consegue-se uma perspectiva favorável do Panteão, a partir do Jardim de Luxemburgo.

Tem 110 metros de comprimento e 84 metros de largura. A fachada principal está decorada com um pórtico de colunas de estilo coríntio que apoiam um frontão triangular da autoria David d’Angers. O edifício, em forma de cruz grega, é coroado por uma cúpula de 83 metros de altura, com um lanternim no topo. O seu interior está decorado por pinturas académicas de Pierre Puvis de Chavannes, Gros e Cabanel, entre outros.

História[editar | editar código-fonte]

O Panteão é, indubitavelmente, monumental. Iniciadas em 1764, as obras do edifício foram encomendadas pelo monarca Luís XV, o qual, após recuperar-se de uma grave doença, ordenou ao arquiteto Soufflot a construção de uma basílica em tributo à Santa Genoveva (padroeira de Paris), em substituição à antiga abadia ali existente. Concluído em 1790, sob a gerência de Rondelet, o edifício foi laicizado pelos movimentos revolucionários burgueses, transformando-o em Panteão nacional. Hoje, na cripta, 70 célebres personagens da história francesa repousam – tais como escritores, cientistas, generais e políticos –, motivo pelo qual o frontão contém, inscrito, o interessante brocardo “Aux grands hommes, la patrie reconnaissante” (“Aos grandes homens, a pátria é grata”), junto ao interessante baixo-relevo, de David d’Angers, alusivo à homenagem da pátria francesa a seus imponentes heróis.

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Descrição geral[editar | editar código-fonte]

O Panteão é um edifício de 110 m de comprimento e 84 m de largura. A fachada principal é decorada com um pórtico de colunas coríntias, encimado por um frontão triangular feito por David d’Angers. Este frontão representa a Pátria (centro) dando Liberdade e protegendo em seu direito as Ciências - representadas por muitos grandes cientistas (François-Xavier Bichat, Berthollet, Gaspard Monge, Laplace ...), filósofos (Voltaire, Jean-Jacques Rousseau ... ), escritores (Fenelon, Pierre Corneille ...) e artistas (Jacques-Louis David ...) - e à sua esquerda a História - representada pelos grandes personagens do Estado (Napoleão Bonaparte ...) e estudantes da Escola Politécnica.

O edifício, em forma de cruz grega, é coroado por uma cúpula de 83 metros de altura, com uma clarabóia. O interior é decorado por pintores acadêmicos como Puvis de Chavannes, Antoine-Jean-Gros, Léon Bonnat ou Cabanel.

Panorama do interior de Panteão de Paris.

Cúpula tripla[editar | editar código-fonte]

Copa na cúpula tripla.

Um elemento essencial da construção permanece invisível para o visitante. Enquanto alguém pode pensar que apenas uma cúpula suporta a clarabóia e a cruz em seu topo, na realidade, três cúpulas estão aninhadas uma dentro da outra:

  • A cúpula externa é feita de pedra coberta com tiras de chumbo, e não em uma moldura, como era tradicional na época (como em Saint-Louis-des-Invalides). Sua implementação também é um verdadeiro feito técnico. Adhémar, em seu Traité de charpente[1], explica a escolha de uma cúpula de pedra pela estabilidade necessária para um grande edifício comumente submetido, pelo vento, a oscilações.
  • De dentro, há uma cúpula em caixão, aberta no centro por um óculo (abertura redonda). Esta cúpula baixa repousa na parte inferior do tambor, no nível da colunata externa, que contrasta o conjunto.
  • Entre essas duas cúpulas, externa e interna, é construída uma terceira cúpula técnica intermediária em forma de meio ovo, que sustenta a lanterna de pedra, que pesa mais de cinco toneladas. É na face interna dessa cúpula que é pintada a L'Apothéose de sainte Geneviève de Antoine Gros, visível através do óculo da cúpula interna. Esta cúpula intermediária não consiste em um manto de pedra contínua como a cúpula externa: ela é perfurada por quatro arcos que permitem que as cargas sejam baixadas da lanterna para os pilares. Os dias, enquanto isso, deixavam a luz das janelas na parte superior do tambor entre as duas cúpulas inferiores para embelezar a pintura da apoteose.
As três cúpulas do Panteão de Paris

Este método de circulação de luz pode ser comparado com aquele adotado pelos predecessores de Soufflot; por exemplo, o Panteão de Roma e seu oculus central aberto, ou a cúpula dos Inválidos de Paris, de Hardouin-Mansart. Há também uma cúpula de envelope triplo na Catedral de St. Paul, em Londres, projetada não muito tempo atrás pelo arquiteto inglês Christopher Wren, mas com uma cúpula robusta. O sistema de construção pode ser examinado no modelo feito por Rondelet: está exposto na capela anexada ao norte do edifício [2][3].

No projeto da cúpula, pesando 17. 000 toneladas, Soufflot usou a curva da "cadeia reversa" no desenho da cúpula intermediária.[nota 1][4] . Isso é influenciado pela teoria do matemático inglês Robert Hooke, publicada em 1678: a curva formada por uma corrente de suspensão, quando invertida, dá a forma de um arco de alvenaria "parfait ", seguindo e contendo a linha de empuxo. , que encontrará uma formulação matemática em 1691, por Jacques Bernoulli, Leibniz e Huygens.

Cripta[editar | editar código-fonte]

A cripta cobre toda a superfície do edifício. De fato, consiste em quatro galerias, cada uma sob cada braço da nave. No entanto, não é realmente enterrado como uma cova desde janelas, no topo de cada galeria, aberta ao exterior.

Cripta do Pantheon

Entra-se na cripta por uma sala decorada com colunas dóricas (em referência ao templo de Netuno em Paestum, que Soufflot visitara durante sua viagem à Itália). À medida que avançamos, descobrimos, no centro do edifício, a vasta sala circular abobadada e a pequena sala central, localizada logo abaixo da cúpula. As dimensões da cripta a fazem parecer muito vasta. Os atuais 74 ocupantes não estão limitados, pois a capacidade total é de cerca de 300 lugares. Uma das hipóteses apresentadas para explicar isso seria que Luís XV queria torná-lo um mausoléu para os Bourbons.

Individualidades homenageadas ao serem sepultadas no Panteão[editar | editar código-fonte]

A primeira mulher a ser sepultada no Panteão de Paris foi Sophie Berthelot, não pelo que fez em vida, mas para a não separar do marido, Marcellin Berthelot. Os túmulos (67 até à data) situam-se na cripta do monumento.

Encontram-se aí (ou, pelo menos, têm um memorial):

O Panteão e a Arte[editar | editar código-fonte]

Sua posição dominante no topo da colina Santa Genoveva, assim como sua forma original atrai, desde a sua construção, o olhar de grandes artistas como Van Gogh, Marc Chagall ou o dos amadores. Símbolo republicano, Victor Hugo o colocará em poema e será o assunto de vários livros.

É agora também um espaço de exposição onde artistas contemporâneos como Gérard Garouste e Ernesto Neto aproveitam o vasto espaço da nave para apresentar suas obras.

Em contraste, o Pantheon tem apenas seis escritores (incluindo: Victor Hugo, Alexandre Dumas, Emile Zola), um único pintor (Joseph-Marie Vien, artista oficial do primeiro Império) e nenhum músico.[5]

Acesso[editar | editar código-fonte]

Este local é servido pelas estações de metrô Cardinal Lemoine e Place Monge.

RER Este local é servido pela estação da linha B do RER: Luxembourg.

BUS Este site é servido pelas linhas de ônibus: 21; 27; 38; 84; 85 e 89.

O acesso ao Panteão é sujeito a cobrança.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Conforme as Mémoires du Ministère du Duc d'Aiguillon et de son commandement en Bretagne, por Honoré Gabriel Riqueti de Mirabeau, 1792, página 288 e seguintes.

Referências

  1. J. Adhémar, Traité de charpente, deuxième édition, Carillan-Gœury et Dalmont éditeurs-libraires, Paris, 1854.
  2. On peut également la visualiser sur le site Internet de l'université Columbia, photos d'architecture au format QT à l'adresse Maquette du Panthéon ou sur celui-ci.
  3. Sur un autre panorama on peut voir également les clochers que Soufflot avait construits à l'origine et qui furent rasés par la suite.
  4. Armand-Louis de Vignerot du Plessis Richelieu Aiguillon, Emmanuel-Armand de Vignerot du Plessis de Richelieu Aiguillon (1792). Mémoires du ministère du duc d'Aiguillon et de son commandement en Bretagne: pour servir à l ... (em French). [S.l.]: Buisson 
  5. «Neuf questions que vous n'osez pas poser sur le Panthéon». Franceinfo (em francês). 27 de maio de 2015