Panteão Nacional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A designação de Panteão Nacional em Portugal é partilhada por dois monumentos:

A ideia[editar | editar código-fonte]

A decisão de "panteonizar" ilustres figuras portuguesas não é recente. Em 1836, o então ministro Passos Manuel decreta a edificação de um Panteão Nacional mas sem local ainda escolhido. O objetivo na época seria dignificar os heróis que se sacrificaram na Revolução de 1820 e reerguer a memória coletiva para grandes homens entretanto caídos no esquecimento, como Luís de Camões. Para a memória coletiva dos portugueses, no entanto, o Mosteiro dos Jerónimos, o Mosteiro da Batalha ou mesmo São Vicente de Fora permaneceram durante muito tempo como os verdadeiros panteões portugueses do que aquele que viria a ser definido oficialmente mais tarde[1] .

Igreja de Santa Engrácia (Lisboa)[editar | editar código-fonte]

Igreja de Santa Engrácia (Panteão Nacional), Lisboa.
38° 42' 54" N 9° 7' 30" O
Interior da Igreja de Santa Engrácia (Panteão Nacional) e órgão de Joaquim Peres Fontanes.

A Igreja de Santa Engrácia localiza-se na atual freguesia de São Vicente, (São Vicente de Fora), em Lisboa, Portugal. Ainda incompleto, passa a ter o estatuto de monumento nacional em 1910 e depois a função de Panteão Nacional com a Lei n.º 520, de 29 de abril de 1916[2] . Considerado o primeiro monumento em estilo barroco no país, é coroado por um zimbório gigante e o seu interior está pavimentado com vários tipos de mármore colorido. É aberto ao público com aquele estatuto depois de concluídas as suas obras em 1966.

História[editar | editar código-fonte]

O actual templo situa-se no local de uma igreja erguida em 1568, por determinação da Infanta D. Maria[3] , filha de D. Manuel I, para receber o relicário da vigem mártir Engrácia de Saragoça e por ocasião da criação da antiga freguesia de Santa Engrácia, atualmente um bairro. Essa antiga igreja fora construída no local de um templo de meados do século XII[4] mas foi severamente danificada por um temporal no ano de 1681. A primeira pedra do actual edifício é lançada no ano seguinte, em 1682. As obras perduraram tanto tempo que deram azo à expressão popular "obras de Santa Engrácia" para designar algo que nunca mais acaba. A igreja só foi concluída em 1966, 284 anos após o seu início, por determinação expressa do governo da época[5] , após avanços e recuos na sua construção e até ter servido de armazém de armamento do Arsenal do Exército e de fábrica de sapatos nos séculos XIX e XX.

Aliada à dita expressão popular, também está ligada uma outra história. Nos registos da paróquia local, há referências ao 'Desacato de Santa Engrácia', ocorrido a 15 de janeiro de 1630, envolvendo o jovem Simão Pires Solis[6] . Conta-se que era cristão-novo e foi acusado de roubar o relicário de Santa Engrácia[7] . Simão fora denunciado ao Tribunal do Santo Ofício pelos vizinhos das redondezas, uma vez que era frequentemente visto à noite perto daquela zona. Não querendo revelar os verdadeiros motivos que o faziam estar tantas vezes à noite ali por perto, e apesar de se declarar inocente, fora condenado à fogueira no Campo de Santa Clara, a 31 de janeiro de 1631[8] . Antes de morrer, e ao passar pela Igreja de Santa Engrácia, lança-lhe uma maldição, dizendo "É tão certo morrer inocente como as obras nunca mais acabarem!“. Só mais tarde é que o verdadeiro assaltante é identificado e percebido o motivo pelo qual Simão nada dissera de concreto em sua defesa: estava enamorado de uma jovem fidalga, Violante, freira no Convento de Santa Clara, próximo a Santa Engrácia, e tinham pretendido fugir juntos naquela noite uma vez que o seu relacionamento era proibido pelo pai da moça[9] .

Túmulos[editar | editar código-fonte]

Como Panteão Nacional abriga os cenotáfios de heróis da História de Portugal, tais como D. Nuno Álvares Pereira, Infante D. Henrique, Pedro Álvares Cabral ou Afonso de Albuquerque. Entre as personagens ilustres que aí estão sepultadas, encontramos sobretudo presidentes da República e escritores. As excepções são Humberto Delgado e a fadista Amália Rodrigues, cujos restos mortais foram trasladados depois de se alterarem as disposições legais que apenas permitiam a trasladação da fadista para o Panteão Nacional quatro anos após a morte.

As personalidades sepultadas são:

Em 2011 fora solicitada a trasladação[13] dos restos mortais de Passos Manuel (1801-1862), incontornável figura do ensino, da política portuguesa do século XIX e mentor, afinal, da criação de um Panteão Nacional para Portugal, que acabou por não ocorrer devido a restrições orçamentais[14] . O mesmo aconteceu com o famoso compositor Marcos Portugal (1762-1830), pouco depois. Em 2014 a Assembleia da República comunicou oficialmente a sua intenção em trasladar o corpo de Sophia de Mello Breyner Andersen, (1919-2004) com a unanimidade de todos os grupos com assento parlamentar e com o apoio posterior da sua família. A cerimónia deverá ocorrer em abril ou julho[15] deste mesmo ano.

Breve cronologia[editar | editar código-fonte]

  • 1568, a Infanta D. Maria manda erguer uma igreja dedicada a Santa Engrácia de Saragoça por ocasião da formação da freguesia lisboeta com o mesmo nome;
  • 1630, referência nos arquivos paroquiais do chamado 'desacato de Santa Engrácia', de 15 de janeiro, de onde provém a lenda de maldição do monumento;
  • 1681, um grande temporal deixa o monumento gravemente danificado;
  • 1682, início das obras de reconstrução;
  • 1836, Decreto de Passos Manuel de 26 de setembro, que visa a edificação de um Panteão Nacional mas não é escolhido um local concreto;
  • Finais do séc. XIX e inícios do séc. XX, obteve a função de depósito de armamento do Arsenal do Exército e de fábrica de sapatos;
  • 1910, Obtenção do estatuto de monumento nacional;
  • 1916, Atribuída a função de Panteão Nacional à ainda incompleta Igreja de Santa Engrácia, na Lei n.º520 de 29 de abril;
  • 1965, Criada uma comissão para definir o conceito e o programa do panteão;
  • 1966, Finalização das obras de reconstrução com missa inaugural feita pelo Cardeal Cerejeira. Trasladados solenemente os corpos de Almeida Garrett, Guerra Junqueiro, João de Deus, Óscar Carmona, Sidónio Pais e Teófilo Braga em cerimónia entre os dias 1 e 5 de dezembro do mesmo ano;
  • 1990, Trasladação do corpo do Marechal Humberto Delgado a 5 de outubro;
  • 2000, são definidas as atuais honras de panteão: “homenagear e perpetuar a memória dos cidadãos que se distinguiram por serviços prestados ao país, no exercício de altos cargos públicos, altos serviços militares, na expansão da cultura portuguesa, na criação literária, científica e artística ou na defesa dos valores da civilização, em prol da dignificação da pessoa humana e da causa da liberdade”
  • 2001, Trasladação do corpo de Amália Rodrigues a 8 de julho;
  • 2004, Trasladação do corpo de Manuel de Arriaga a 16 de setembro;
  • 2007, Trasladação do corpo de Aquilino Ribeiro a 19 de setembro
  • 2011, Solicitada a trasladação dos corpos de Passos Manuel e de Marcos Portugal, que não ocorre devido a restrições orçamentais[16] .

Visitas[editar | editar código-fonte]

O número de visitantes tem sido acima dos 50 mil:

  • 2008 - 50.930 visitantes
  • 2009 - 60.100
  • 2010 - 55.384
  • 2011 - 56.065
  • 2012 - 65.068
  • 2013 - 72.226[17]

Mosteiro de Santa Cruz (Coimbra)[editar | editar código-fonte]

Igreja de Santa Cruz (Panteão Nacional) Coimbra.
40° 12' 39" N 8° 25' 44" O

O estatuto de Panteão Nacional foi reconhecido ao Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra[18] [19] em Agosto de 2003, pela presença tumular dos dois primeiros reis de Portugal:

Esse estatuto, agora repartido, aplica-se aos dois monumentos, sendo que a designação de Panteão Nacional referente à Igreja de Santa Engrácia não deverá aplicar-se de forma absoluta.

Referências

  1. http://www.publico.pt/cultura/noticia/a-igreja-que-foi-fabrica-de-sapatos-e-uma-casa-de-herois-ainda-pouco-amada-1619307
  2. http://www.publico.pt/cultura/noticia/a-igreja-que-foi-fabrica-de-sapatos-e-uma-casa-de-herois-ainda-pouco-amada-1619307
  3. http://www.publico.pt/cultura/noticia/a-igreja-que-foi-fabrica-de-sapatos-e-uma-casa-de-herois-ainda-pouco-amada-1619307
  4. http://bibliblogue.wordpress.com/2011/01/18/nao-e-estoria-e-historia-2-as-obras-de-santa-engracia-por-luis-fernandes/
  5. http://www.publico.pt/cultura/noticia/a-igreja-que-foi-fabrica-de-sapatos-e-uma-casa-de-herois-ainda-pouco-amada-1619307
  6. http://bibliblogue.wordpress.com/2011/01/18/nao-e-estoria-e-historia-2-as-obras-de-santa-engracia-por-luis-fernandes/
  7. http://bibliblogue.wordpress.com/2011/01/18/nao-e-estoria-e-historia-2-as-obras-de-santa-engracia-por-luis-fernandes/
  8. http://digitarq.dgarq.gov.pt/details?id=4747389
  9. http://bibliblogue.wordpress.com/2011/01/18/nao-e-estoria-e-historia-2-as-obras-de-santa-engracia-por-luis-fernandes/
  10. http://expresso.sapo.pt/aquilinianos-querem-escritor-de-volta-a-escola=f120798
  11. http://www.dn.pt/inicio/interior.aspx?content_id=654606
  12. http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Interior.aspx?content_id=718287&page=1
  13. http://www.parlamento.pt/ActividadeParlamentar/Paginas/DetalheAudicao.aspx?BID=91235
  14. http://www.parlamento.pt/paginas/xiil2s_passosmanuel.aspx
  15. http://www.publico.pt/cultura/noticia/sophia-vai-entrar-no-panteao-1619212
  16. http://www.parlamento.pt/paginas/xiil2s_passosmanuel.aspx
  17. Visitas ao Panteão aumentaram nos últimos anos.
  18. http://www.academia.edu/306934/Santa_Cruz_de_Coimbra._Primeiro_panteao_do_reino_de_Portugal
  19. http://www.cm-coimbra.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=477&Itemid=409
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde janeiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Igreja de Santa Engrácia
Commons
O Commons possui multimídias sobre Mosteiro de Santa Cruz
Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.