Paolo Nespoli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Paolo Nespoli

Astronauta da ESA
Nacionalidade Itália italiano
Nascimento 6 de abril de 1957 (58 anos)
Milão, Itália
Missões STS-120, Soyuz TMA-20, Expedição 26, Expedição 27
Insígnia
da missão
Sts-120-patch.svg Soyuz-TMA-20-Mission-Patch.png ISS Expedition 26 Patch.png ISS Expedition 27 Patch.png

Paolo Angelo Nespoli (Milão, 6 de abril de 1957) é um astronauta italiano.

Formado em engenharia aeroespacial e com mestrado em astronáutica e aeronáutica pela Universidade Politécnica de Nova Iorque, também é oficial do exército italiano. Devido a seu preparo militar, ele é pára-quedista, mergulhador, instrutor de saltos e operador das forças especiais italianas.

Como parte do corpo de astronautas da Agência Espacial Europeia (ESA), Nespoli foi ao espaço em outubro de 2007 como integrante da missão STS-120 do ônibus espacial Discovery, que instalou o módulo Harmony na Estação Espacial Internacional. Este módulo acoplado à ISS, tecnologia da ESA, foi construído em Turim, na Itália.

Em 15 de dezembro de 2010 voltou ao espaço, desta vez para uma missão de longa duração, integrando as expedições 26 e 27 da ISS. Nespoli foi lançado de Baikonur junto com o cosmonauta russo Dmitry Kondratyev e a astronauta norte-americana Catherine Coleman a bordo da nave Soyuz TMA-20, para se juntarem aos outros três integrantes que já se encontravam na estação, formando a nova equipe fixa de seis astronautas.

Durante os meses destas expedições, Nespoli levou a cabo um extenso programa de experiências, da monitoração de radioatividade a medidas que possam melhorar o recolhimento de petróleo em reservatórios, além de colaborar na exploração científica do laboratório europeu Columbus, acoplado à ISS.[1]

Após quase seis meses em órbita, ele retornou à Terra com a tripulação da TMA-20, Dmitri Kondratyev e Catherine Coleman, pousando perto de Dzhezkazgan, no Cazaquistão, em 24 de maio de 2011[2] Seu retorno à gravidade, porém, depois de passar seis meses em órbita, lhe causou pequenos problemas no sistema vestibular após a descida, recuperando-se completamente pouco tempo depois.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]