Papa Inocêncio XII

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Inocêncio XII
Papa da Igreja Católica
242° Papa da Igreja Católica
Atividade Eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Eleição 12 de julho de 1691
Entronização 15 de julho de 1691
Fim do pontificado 27 de setembro de 1700 (9 anos)
Predecessor Alexandre VIII
Sucessor Clemente XI
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 1643
Nomeação episcopal 14 de outubro de 1652
Ordenação episcopal 27 de outubro de 1652
por Dom Marcantonio Cardeal Franciotti
Nomeado arcebispo 14 de outubro de 1652
Cardinalato
Criação 1 de setembro de 1681
por Papa Inocêncio XI
Ordem Cardeal-presbítero
Título São Pancrácio
Papado
Brasão
C o a Innocenzo XII.svg
Dados pessoais
Nascimento 13 de março de 1615
Nápoles, Reino da Sicília
Morte 27 de setembro de 1700 (85 anos)
Roma, Itália
Nacionalidade Italiano
Nome nascimento Antonio Pigantelli
Progenitores Mãe: Porzia Carafa
Pai: Francesco Pigantelli
Sepultura Basílica de São Pedro
dados em catholic-hierarchy.org
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo
Listas de papas: cronológica · alfabética

Inocêncio XII nascido António Pignatelli, (Nápoles, 13 de março de 1615Roma, 27 de setembro de 1700). Foi Papa de 12 de julho de 1691 até a sua morte.

Do conclave de 1691, interrompido, aliás, por um incêndio, saiu ileso António Pignatelli, arcebispo de Nápoles, de 76 anos de idade, que seria eleito Papa, tomando o nome de Inocêncio XII. Fora educado num colégio de jesuítas e servido como núncio em Florença, em Viena e na Polónia.

Durante seu Pontificado, instituiu documentos como a bula pontifícia Romanum decet pontificem, que extirpou a praga do nepotismo, não permitindo aos parentes próximos dos futuros Papas acesso a regalias especiais na estrutura de poder político e mesmo religioso. Emanou decretos sobre o uso da veste talar, sobre a visita canónica e exercícios espirituais ao clero e sobre a disciplina dos religiosos. Introduziu o piedoso costume de se acompanhar o Santo Viático.

Monumento a Inocêncio XII na Basílica de São Pedro

Instituiu asilos para os pobres, eliminando a mendicância nas ruas. Atendeu carinhosamente aos flagelados dos terremotos e da peste. Encerrou as questões com a França de Luís XIV e o caso do Quietismo. Esta interpretação dada pelo arcebispo Miguel de Molinos, preceptor do príncipe herdeiro de França, às palavras de Santo Agostinho: Ama a Deus e fazei o que quiseres, desencadeou acesas polémicas. Roma, após estudar cuidadosa e longamente a questão, reprovou o livro Máximas dos Santos de Fénelon. Molinos publicamente se retratou.

Muito trabalhou Inocêncio em prol das Missões no Canadá, na Pérsia e na Abissínia. Contra os muçulmanos, o Príncipe Eugénio de Savoia, esse padreco como o alcunhara por desprezo Luís XIV, obteve estupendas vitórias, que eliminaram o secular perigo turco. Carlos II de Espanha, sem herdeiros próximos, recorreu ao pontífice pedindo seu parecer de pai comum da cristandade sobre a sucessão. O Papa iniciou o Ano Santo de 1700, mas faleceu em 27 de setembro. Foi o último pontífice a usar barba, costume reintroduzido em 1527 pelo Clemente VII, durante o cerco de Roma.


Precedido por
Alexandre VIII
Emblem of the Papacy SE.svg
Papa

242.º
Sucedido por
Clemente XI


Ícone de esboço Este artigo sobre um papa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.