Papa Nicolau V

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: "Nicolau V" redireciona para este artigo. Para o antipapa de mesmo nome, veja Antipapa Nicolau V.
Nicolau V
Papa da Igreja Católica
208° Papa da Igreja Católica
Atividade Eclesiástica
Ordem Ordem dos Pregadores
Diocese Diocese de Roma
Eleição 6 de março de 1447
Entronização 19 de março de 1447
Fim do pontificado 24 de março de 1455 (8 anos)
Predecessor Eugênio IV
Sucessor Calisto III
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 1422
por Dom Niccolò Albergati, O.Cart.
Nomeação episcopal 6 de março de 1447
Ordenação episcopal 17 de março de 1447
por Dom Pietro Cardeal di Foix
Nomeado arcebispo 6 de março de 1447
Cardinalato
Criação 16 de dezembro de 1446
por Papa Eugênio IV
Ordem Cardeal-presbítero
Título Santa Susana
Papado
Brasão
C o a Nicolaus V.svg
Consistório Consistórios de Nicolau V
Dados pessoais
Nascimento Sardenha, Itália
15 de novembro de 1397
Morte Roma, Itália
24 de março de 1455 (57 anos)
Nacionalidade italiano
Nome nascimento Tommaso Parentucelli
Progenitores Mãe: Andreola Bosi
Pai: Bartolomeo Parentucelli
Sepultura Basílica de São Pedro
dados em catholic-hierarchy.org
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo
Lista de Papas

O Papa Nicolau V, nascido Tommaso Parentucelli (15 de novembro de 139724 de março de 1455), foi Papa de 6 de março de 1447 até à data da sua morte. Em 1450, censura, em epístola expedida de Roma, o rei Afonso V de Portugal, pela forma de enterramento desonroso dada ao corpo de seu tio Pedro, Duque de Coimbra, morto no recontro de Alfarrobeira. Sepultado em Alverca e, depois, na igreja Santa Maria do Castelo, em Abrantes, o corpo do Infante D. Pedro só em 1455 viria a ser trasladado para o mosteiro da Batalha.

Considerado o primeiro papa humanista, proclamou na Basílica de São João de Latrão o Ano Santo em 1450. A resposta dos fiéis foi excepcional, tanto que, o Jubileu de 1450 ficou na história como um dos mais participados e como a última grande manifestação coletiva da Idade Média. Nessa ocasião, Roma foi posta à prova pela presença de tão grande número de peregrinos, o que colocou problemas de ordem pública, sanitária além dos relacionados com o alojamento e obtenção de mantimentos de primeira necessidade. Ficou definido como o "Jubileu dos Santos", porque em Roma estiveram presentes, além de outros, Santa Rita de Cássia e Santo Antônio de Firenze. Este último definiu o Jubileu como o "Ano de Ouro", para indicar a restabelecida unidade da Igreja do Ocidente depois do Cisma.

O Papa Nicolau V concedeu, em 1453, aos Franciscanos, a incorporação dos estudos de Teologia, do seu convento, na Universidade de Lisboa. E, por bula de 1454, concedeu ao Infante D. Henrique o monopólio das expedições marítimas. Deve-se-lhe, também, a bula "Romanus Pontifex" (1455), que reconheceu aos reis de Portugal a posse das terras e mares já descobertos ou a descobrir. Tal documento representa o conhecimento, por direito internacional, do espírito de cruzada dos descobrimentos henriquinos.

Em 18 de junho de 1452 publicou a bula "Dum diversas", dirigida ao rei Afonso V de Portugal, na qual o pontífice afirma:

"(…) nós lhe concedemos, por estes presentes documentos, com nossa Autoridade Apostólica, plena e livre permissão de invadir, buscar, capturar e subjugar os sarracenos e pagãos e quaisquer outros incrédulos e inimigos de Cristo".


Precedido por
Eugénio IV
Emblem of the Papacy SE.svg
Papa

208.º
Sucedido por
Calisto III


Ícone de esboço Este artigo sobre um papa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.