Papa Pio III

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pio III
Papa da Igreja Católica
215° Papa da Igreja Católica
Atividade Eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Eleição 22 de setembro de 1503
Entronização 8 de outubro de 1503
Fim do pontificado 18 de outubro de 1503 (27 dias)
Predecessor Alexandre VI
Sucessor Júlio II
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 30 de setembro de 1503
Nomeação episcopal 22 de setembro de 1503
Ordenação episcopal 1 de outubro de 1503
por Dom Giuliano Cardeal della Rovere
Nomeado arcebispo 6 de fevereiro de 1460
Cardinalato
Criação 5 de março de 1460
por Papa Pio II
Ordem Cardeal-diácono
Título Santo Eustáquio
Brasão
Coat Cardinals Piccolomini.svg
Papado
Brasão
C o a Pio II.svg
Consistório sem consistório
Dados pessoais
Nascimento 29 de maio de 1439
Siena, Itália
Morte 18 de outubro de 1503 (64 anos)
Roma, Itália
Nacionalidade italiano
Nome nascimento Francesco Todeschini-Piccolomini
Progenitores Mãe: Laudomia Piccolomini
Pai: Giovanni Tedeschini
Sepultura Basílica de São Pedro
dados em catholic-hierarchy.org
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo
Lista de Papas

O Papa Pio III (9 de maio de 1439 a 18 de outubro de 1503),[1] nascido Francesco Todeschini Piccolomini , foi chefe da Igreja Católica e governante dos Estados papais entre 22 de setembro de 1503 e sua morte. Ele tinha um dos pontificados mais curtos da história papal.[2]

Francesco era sobrinho do Papa Pio II, que lhe concedeu o nome de família "Piccolomini", e nomeou Francesco, de 21 anos, como arcebispo de Siena. Ele serviu como legado papal em vários lugares. Em 1503, o frágil cardeal Piccolomini foi eleito papa como candidato de compromisso entre as facções Borgia e della Rovere. Embora ele tenha anunciado planos para reformas, ele morreu menos de um mês depois.

Vida[editar | editar código-fonte]

Início da vida[editar | editar código-fonte]

Francesco Todeschini-Piccolomini, membro da Casa de Piccolomini nasceu em Sarteano,[3] em 9 de maio de 1439, [4] como o quarto filho de Nanno Todeschini[5] e Laudomia Piccolomini, irmã de Enéias Silvius Piccolomini, que era Papa. Pio II . Ele tinha três irmãos, Antonio, Giacomo e Andrea. Seu irmão mais velho Antonio foi feito duque de Amalfi durante o pontificado de Pio II. Ele se casou com Maria, filha do rei Ferdinando de Nápoles.[6]

Francesco foi recebido quando menino na casa de Enéias Silvius, que lhe permitiu assumir o nome e os braços da família Piccolomini. Ele estudou Direito Canônico na Universidade de Perugia e obteve um doutorado após a conclusão de seus estudos.[7]

Cardinalato[editar | editar código-fonte]

Em 1457,[8] Todeschini-Piccolomini recebeu o cargo de reitor da Igreja Colegiada de Sankt Viktor em Xanten, o que havia beneficiado seu tio. Ele manteve o benefício de 1457 a 1466 e novamente de 1476 a 1495.[9]

O cardeal Aeneas Silvius Piccolomini foi eleito papa em 19 de agosto de 1458. No tumulto animado após o anúncio, a multidão romana demitiu sua casa, localizada perto da igreja de S. Agostino e no extremo norte da Piazza Navona; até as pedras de mármore foram tomadas. Quando a família Piccolomini chegou a Roma, portanto, eles não tinham palazzo próprio para usar como base de operações. Francesco mudou-se para o Palácio do Vaticano com seu tio.[10] Pio II sabia que essa era uma situação temporária; ele observou em uma carta a seu sobrinho Antonio que "Não se é sobrinho de um papa para sempre ( non sempre pontificis nepos ). [11] Em 1461, o papa autorizou o cardeal Francesco a comprar uma propriedade perto do Campo dei Fiori, em Roma, que pertencia ao cardeal Giovanni Castiglione, falecido recentemente. Os documentos deixaram claro que não eram o papa ou o papado que estavam comprando a propriedade, mas a família Piccolomini, e que era propriedade privada, não propriedade da Igreja, mesmo que a diaconada do cardeal Francesco não estivesse muito distante. Nesta terra, o cardeal Francesco, com a ajuda do papa, construiu o Palácio Piccolomini. Em 1476, o cardeal Francesco entregou o palácio a seus irmãos Giacomo e Andrea, e seus descendentes, com a condição de que não fosse alienado da linha masculina. O Palazzo Piccolomini não sobrevive mais, tendo sido demolido para dar lugar à nova igreja de S. Andrea della Valle, iniciada em 1591.[12]

Piccolomini já ocupava o cargo de protonotário apostólico[13] na época em que foi nomeado administrador da Arquidiocese de Siena[14] em 1460.[15] Ele recebeu o título e as insígnias de um arcebispo, mas não o fez. receber consagração episcopal até uma semana antes de sua coroação como papa. Os deveres episcopais em Siena foram executados por um bispo auxiliar, Antonio Fatati.[16]

O Papa Pio II, que estava visitando Siena na época, nomeou seu sobrinho cardeal em 5 de março de 1460, nomeando-o cardeal-diácono de Santo Eustáquio em 26 de março.[17]

Ele também foi nomeado Comendador do Abade do mosteiro de S. Vigilio em Siena.[18] Ele reconstruiu e ampliou a residência ao lado da igreja, que continuou a usar por toda a vida.[19]

Em 1460, o papa o nomeou legado da marcha de Ancona, tendo como conselheiro o experiente bispo de Marsico. Ele partiu de Roma em 30 de abril e retornou em 1 de fevereiro de 1461 para consultas; ele voltou a Ancona em 1 de junho de 1461 e voltou a Roma em 8 de novembro.[20] Ele se mostrou estudioso e eficaz em seu trabalho.

Piccolomini foi nomeado arquidiácono de Brabante em Cambrai em 1462 e manteve esse benefício até 1503.[21] Em 26 de março de 1463, o papa Pio II concedeu ao cardeal Francesco o mosteiro de San Saba no Monte Aventino, em louvor . O cardeal iniciou imediatamente extensos trabalhos de restauração, construção e decoração nos edifícios antigos, gastando pelo menos 3 mil ducados no trabalho.[22]

Piccolomini foi nomeado Vigário de Roma e no resto dos Estados Papais em 21 de junho de 1464, quando Pio II partiu de Roma para Ancona , onde pretendia encontrar os venezianos e lançar uma cruzada nos Bálcãs. Pio II morreu em Ancona em 14 de agosto de 1464, encerrando o projeto.[23]

Conclaves de 1464 e 1471[editar | editar código-fonte]

Francesco Todeschini Piccolomini participou do conclave que elegeu o Papa Paulo II em 1464. Como sobrinho do falecido papa, ele deveria ter tido considerável influência na política da eleição. Dos vinte cardeais que participaram, no entanto, os doze que não foram nomeados por Pio II concordaram entre si que não votariam para eleger ninguém, exceto um deles. Isso excluiu Francesco Piccolomini e todos os cardeais de seu tio. Por acaso, a primeira votação ainda estava em andamento quando o cardeal Pietro Barbo, de Veneza, recebeu os necessários dois terços dos votos, e o escrutínio foi rapidamente feito por unanimidade. Ele escolheu o nome de Paulo II (1464-1471).[24]

O cardeal Piccolomini foi nomeado Legatus de latere na Alemanha em 20 de fevereiro de 1471.[25] Ele foi acompanhado como secretário por Agostino Patrizi Piccolomini, ex-secretário particular de Pio II, que escreveu um relato da missão.[26] Ele partiu em 18 de março,[27] e serviu neste importante legação para a dieta imperial em Regensburg / Ratisbona,[28] e ainda estava lá quando o papa morreu em 26 de julho de 1471. Consequentemente, ele estava ausente para o Conclave de 1471 que elegeu o Papa Sisto IV. Ele retornou a Roma em 27 de dezembro de 1471.[29]

Ele conseguiu o cargo de cardeal Protodeacon em 1471, após a promoção do cardeal Rodrigo Borgia à sede de Albano em 30 de agosto de 1471.

Francesco serviu em uma nova legação para o Papa Sisto IV , para restaurar a autoridade eclesiástica na Úmbria.[30]

Conclaves de 1484 e 1492[editar | editar código-fonte]

Todeschini-Piccolomini participou do conclave de 1484, que resultou na eleição do Papa Inocêncio VIII, e como protodeacon, ele fez o primeiro anúncio público da eleição e coroou o novo papa. Segundo Stefano Infessura, ele era um dos meia cardeais que dormiu profundamente em suas camas na noite entre 28 e 29 de agosto e não participou das conferências clandestinas da meia-noite que produziram uma maioria de dois terços para o cardeal Giovanni Battista Cibo. Ele também não se engajou no extenso comércio de simoniac que ocorreu. [31]

Ele foi nomeado administrador da Fermo em 1485; ele renunciou ao cargo em 1494, a favor de Agostino Piccolomini. Ele foi reconduzido quando Agostino renunciou em 1496, e manteve esse cargo até sua eleição para o papado.

Ele foi nomeado legado papal para Perugia em 5 de novembro de 1488 e partiu de Roma em 15 de novembro. Ele serviu em Perugia até 1489.[32]

Todeschini-Piccolomini participou do conclave de 1492 que elegeu o Papa Alexandre VI. Pertencia à facção dos cardeais mais antigos que se reuniam em torno do cardeal Oliviero Carafa, de Nápoles. O cardeal Francesco foi suficientemente respeitado por receber seis votos no primeiro exame (eram necessários dezesseis para eleger), sete no segundo e um no terceiro. Ele resistiu à eleição do cardeal Rodrigo Borgia quase até o fim, como um dos cinco confrontos. [33] Como o cardeal Protodeacon Piccolomini anunciou e coroou o novo pontífice.

Ele serviu como protetor da Inglaterra na Cúria Romana, de 1492 a 1503,[34] e da Alemanha .

Ele foi nomeado legado do rei Carlos VIII de França, cujo exército estava entrando na Toscana, no consistório de 1 de outubro de 1494, partindo de Roma em 17 de outubro; ele voltou a Roma em 5 de março de 1495, depois que o rei se recusou a encontrá-lo.[35] Em 27 de maio de 1495, ele e vários outros cardeais acompanharam o Papa Alexandre VI em uma visita a Orvieto, que havia sido arranjada para evitar uma reunião entre o papa e o rei Carlos, que voltava de sua expedição contra Nápoles. Carlos esteve em Roma de 1 a 4 de junho e o Papa e seu séquito retornaram à cidade em 27 de junho. [36]

Ele foi nomeado administrador da diocese de Pienza e Montalcino em 31 de outubro de 1495 e ocupou-a até 14 de março de 1498, quando renunciou em favor de seu parente, Girolamo Piccolomini.[37]

Após o assassinato de seu filho Giovanni Borgia, em 1497, Alexandre VI nomeou Francesco Piccolomini membro de uma comissão de seis cardeais, em um esforço de curta duração para reformar a Cúria Romana. [38] Em 8 de fevereiro de 1501, o Papa Alexandre também nomeou Piccolomini, em sua qualidade de Protodeacon, para uma comissão para encarregar-se da renda do dízimo (decuma) e distribuí-la por mais uma cruzada contemplada contra os turcos.[39]

Biblioteca Piccolomini[editar | editar código-fonte]

Em 1502, ele encomendou uma biblioteca com acesso a um corredor do Catedral de Siena, destinado a abrigar a biblioteca de textos humanistas reunidos por seu tio. Francesco encomendou ao artista Pinturicchio que afrescasse seu cofre e dez painéis narrativos ao longo das paredes, representando cenas da vida de Enéias Silvius Piccolomini . Sua iconografia ilustrando carreira do doador dá uma versão editada da vida de Pio II, passando por cima do antigo suporte do antipapa Félix V. Embora Pinturicchio trabalhasse por cinco anos, os livros nunca chegaram a seu esplêndido destino; ainda a Biblioteca Piccolomini é um monumento do Alto Renascimento em Siena. Alguns dos retratos mais famosos do Papa Pio III podem ser vistos no Museu do Louvre.

Pontificado[editar | editar código-fonte]

Eleição para o papado[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Conclave de setembro de 1503

O Papa Alexandre VI morreu em 18 de agosto de 1503,[40] e em meio aos distúrbios resultantes de sua morte, foram necessárias as pressões combinadas de todos os embaixadores em Roma para induzir César Bórgia a se retirar da cidade, para que um conclave não-comprimido pudesse ocorrer. . Apesar dos pedidos urgentes dos cardeais de se afastarem, as facções de Orsini e Colonna entraram na cidade com tropas, com a intenção de vingar velhas e novas queixas.[41] Devido a essas negociações, o Conclave não começou até 16 de setembro.[42] O cardeal Piccolomini foi eleito em 22 de setembro de 1503 e nomeou-se "Pio III" em homenagem a seu tio Papa Pio II.[43] Esta seleção pode ser vista como um compromisso entre facções, Bórgia e della Rovere, escolhendo um cardeal frágil com longa experiência na Cúria Romana sobre os parentes de Sisto IV ou Alexandre VI.

Programa[editar | editar código-fonte]

Em 25 de setembro, o novo pontífice realizou uma reunião Consistória incomum de cardeais e outras autoridades, incluindo os embaixadores de vários estados. Normalmente, um papa não realizava tais reuniões até depois de sua coroação, mas Pio III enfrentava uma emergência e estava sendo pressionado pelos cardeais espanhóis.[44] Um exército francês, nominalmente sob o comando de César Bórgia, que estava doente e na cama, exigia passagem por Roma para atacar o governo espanhol em Nápoles. Nápoles era um feudo papal, o que complicava a diplomacia. No consistório, Pio anunciou primeiro seu desejo de trazer a paz entre os reis da França e da Espanha. Então ele promulgou os objetivos de seu pontificado:[45] a reforma imediata da igreja, com o estabelecimento de um conselho de cardeais; reforma estrita das despesas e situação financeira da igreja; paz nos estados papais ; e o apoio de Cesare Borgia, agora sem o apoio francês, contra seus inimigos que planejavam matá-lo. No dia seguinte, ele disse ao embaixador veneziano, Antonio Giustinian: "Em conseqüência da pressão exercida sobre mim pelos cardeais espanhóis, fui obrigado a receber alguns resumos a favor de Cesare Borgia, mas não darei mais ajuda. Não pretendo ser um guerreiro, mas um papa que ama a paz ".[46]

Em 26 de setembro, Pio III concedeu permissão para que 8 500 soldados franceses passassem por Roma, mas não pela Ponte Milviana (Ponte Molle)

Pio apoiou César Bórgia e o reconfirmou como Gonfalonier . Ele permitiu que ele chegasse à cidade de Roma, vindo de seu refúgio em Nepi, ciente de que Bartolomeo d'Alviano estava correndo com forças de Veneza para assassinar Borgia.[47]

Da eleição à tumba[editar | editar código-fonte]

Na manhã de 26 de setembro, o papa recém-eleito foi submetido a uma operação em sua ulcerosa perna esquerda, sofrendo a dor de cortar em dois lugares.[48] No dia seguinte, ele anunciou que não realizaria a cerimônia de posse de sua catedral no dia da coroação, como era costume, por causa de sua claudicação.[49]

Piccolomini nunca foi ordenado sacerdote, permanecendo em ordens diaconais, até 30 de setembro de 1503, quando finalmente recebeu a ordenação. O cardeal Giuliano della Rovere o ordenou em um dos salões do palácio papal, com o Papa sentado o tempo todo. Della Rovere o consagrou como bispo no domingo, 1 de outubro de 1503, no mesmo salão do Vaticano, assistido pelo bispo de Savona (Aldello de Piccolomini) e pelo bispo de Spoleto (Francesco Eruli).[50]

Um agente veneziano em Roma relatou em 3 de outubro que o papa estava com febre alta e estava com fortes dores na perna. Alguns julgaram que ele tinha pouco tempo de vida, e as políticas para o próximo conclave já estavam começando.[51]

A coroação ocorreu em 8 de outubro de 1503. O cardeal Raffaello Sansoni Riario, o Protodeacon, realizou a coroação. Várias das características do ritual tiveram que ser omitidas devido à perna problemática de Pio. Ludwig Pastor observa que o Papa fez uma missa.[52]

Na quinta-feira 12, como Beltrando Costabili informou ao duque de Ferrara, o papa Pio teve uma longa audiência e não comeu durante o dia, tendo tomado remédios no dia anterior, no qual a febre atingiu e nunca o deixou.[53]

Antiga tumba de Pio III

Em 13 de outubro, ele estava no leito de morte e, após um breve pontificado de 26 dias, morreu em 18 de outubro de 1503, de uma úlcera séptica na perna.[54] Alguns alegaram que o papa Pio morreu de veneno administrado por instigação de Pandolfo Petrucci , o governante de Siena.[55]

Ele foi enterrado na capela de San Andrea, na Basílica de São Pedro, ao lado de seu tio Papa Pio II, seus irmãos Giacomo e Andrea servindo como executores. Ele já havia escolhido seu local de sepultamento quando escreveu sua Vontade de 1493.[56] Quando a basílica estava sendo reconstruída, o monumento foi transferido para as grutas e os restos de Pio III e seu tio para a igreja de Sant'Andrea della Valle em Roma, em um mausoléu criado pelo cardeal Alessandro Peretti di Montalto em 1614.[57]

Referências

  1. It is frequently stated that Piccolomini was born on 29 May. This is an error. His memorial inscription from St. Peter's Basilica states that he died at the age of 64 years, 5 months, and ten days, which fits with 9 May, but cannot be reconciled with 29 May. The inscription is quoted by Alfonso Chacón (Ciaconius) (1677). Agostino Olduin, ed. Vitae et res gestae pontificum romanorum: et S.R.E. cardinalium ab initio nascentis ecclesiae usque ad Clementem IX P. O. M. (em Latin). Vol. III secunda ed. Roma: P. et A. De Rubeis (Rossi). pp. 213–214 
  2. Hendrix, p. 173.
  3. D. Bandini (1950), "Memorie Piccolominee in Sarteano, " Bullettino Senese di Storia Patria Anno LVII (1950), pp. 107-130.
  4. The earliest biography of Pius III, written by the Vatican Library employee, Onuphrio Panvinio, states that Piccolomini was born on 9 May, not 29 May: "Ipse natus erat vij idus Maij." Bartolomeo Platina; Onuphrio Panvinio (1568). Historia B. Platinae de vitis pontificum Romanorum, a D.N. Jesu Christo usque ad Paulum II. venetum ... (em Latin). Cologne: Maternus Cholinus. p. 364  The same is said by (among others) Alexis Artaud de Montor (1911). The lives and times of the popes. Vol. IV. New York: Catholic Publication Society of America. p. 202 ; and by Matteo Sanfilippo (2015), "Pio III, papa." Dizionario Biografico degli Italiani Volume 83 (Treccani 2015).
  5. For the Todeschini family, see Domenico Bandini, "Gli antenati di Pio III," Bulletino senese della storia patria 25 (1966–1968), pp. 239-251.
  6. Munman, p. 112. Gaetano Novaes, Elementi della storia dei Sommi Pontefici Tomo Sesto (Siena: F. Rossi 1804), p. 124.
  7. Richardson (2003), "The housing opportunities of a Renaissance cardinal," pp. 607-608.
  8. Sanfilippo (2015), "Pio III, papa." Dizionario Biografico degli Italiani Volume 83, places the date of the investiture after the coronation of Pius II on 3 September 1458.
  9. Christian Lackner; Daniel Luger (2019). Modus supplicandi: Zwischen herrschaftlicher Gnade und importunitas petentium (em German). Wien: Böhlau Verlag. p. 22. ISBN 978-3-205-23239-1 
  10. Richardson (2003), p. 608.
  11. Richardson (2003), p. 608 with note 6, quoting from an unpublished letter in the Bibliotheca Angelica in Rome.
  12. The palace was still standing in 1592. Richardson (2003), pp. 609-610.
  13. Sanfilippo (2015), "Pio III, papa." Dizionario Biografico degli Italiani Volume 83, places the grant in October 1458, a few weeks before being appointed Administrator of Siena.
  14. Pius II had raised the diocese of Siena to the status of an archbishopric in 1459.
  15. The Archbishop of Siena, Antonio Piccolomini, had died on 8 November 1459; Francesco made his arrangements with the Apostolic Camera for his bulls and fees on 6 February 1460: Eubel II, p. 235. Pius II makes clear in his Commentarii that Francesco was only the Administrator. Carol Richardson, "The Lost Will and Testament of Cardinal Francesco Todeschini Piccolomini (1439-1503)," Papers of the British School at Rome Vol. 66 (1998), p. 193, note 3. Francesco was only 21 when he was appointed, which was far below the canonical age for episcopal consecration. Williams, p. 50.
  16. Novaes, Elementi VI, p. 127.
  17. Francesco was not in Siena at the time, arriving only on 19 March; he received his red hat on 21 March, and was assigned his deaconry on 26 March. Eubel II, p. 13, no. 5, with note 6.
  18. Sanfilippo (2015), "Pio III, papa." Dizionario Biografico degli Italiani Volume 83, places the grant in October 1458.
  19. Nevola, pp. 120-121, 167, 243 note 34.
  20. Eubel II, pp. 32-34, nos. 205, 209, 211, 214.
  21. His appointment was confirmed on 23 April 1463, and he was obligated for annates from 9 January 1462; see: Henry Dubrulle, ed. (1905). Bullaire de la province de Reims sous le pontificat de Pie II (em French). Lille: R. Giard. p. 156, no. 772  Richardson (1998), p. 203, note 49, gives the date 1461. In his Will of 1493, Piccolomini granted the archdiaconate of Brabant a cope worth fifty gold florins de camera.
  22. Carol Richardson (2003), "The housing opportunities of a Renaissance cardinal", pp. 612-625. She points out that the 3,000 ducats was three-quarters of what an acceptable minimum annual salary of a cardinal was deemed acceptable.
  23. Eubel II, p. 34, nos. 249, 251.
  24. F. Petruccelli della Gattina, Histoire diplomatique des conclaves Volume I (Paris: 1864), pp. 273-283. Pastor, History of the Popes, Volume III (1906), pp. 348-374; Volume IV (1894), pp. 3-35.
  25. Franz Wasner, "'Legatus a latere': Addenda varia," Traditio 16 (1960), pp. 405-416, at 413-414. Hermann Diemar, "Kõln und das Reich, II Theil, 1452–1474," Mittheilungen aus dem Stadtarchiv von Koln 9, Heft XXIV und XXV (Köln 1894), p.327.(
  26. H. Kramer (1949), 'Agostino Patrizzis Beschreibung der Reise des Kardinallegaten Francesco Piccolomini zum Christentag in Regensburg 1471," Mitteilungen des Österr. Staatsarchivs, Erganzungsband 2 (Festschrift 1; 1949) 549-565. Francesco Buranelli (2006). Habemus papam : le elezioni pontificie da S. Pietro a Benedetto (em Italian). Roma: De Luca. p. 12 
  27. Eubel II, p. 37, no. 302.
  28. Franz Wasner, "Fifteenth-century Tests on the Ceremonial of the papal 'Legatus a latere'," Traditio Vol. 14 (1958), pp. 295-358, at pp. 335-339.
  29. Eubel II, p. 37, no. 312.
  30. The Encyclopædia Britannica, Vol.19, Ed. Thomas Spencer Baynes, (Henry G. Allen Company, 1890), 153.
  31. Stefano Infessura (1890). Oreste Tommasini, ed. Diario della città di Roma di Stefano Infessura scribasenato (em Latin). Roma: Forzani. p. 171 
  32. Eubel II, p. 49, no. 532.
  33. Ferdinando La Torre (1933). Del conclave di Alessandro VI, papa Borgia (em Italian). Firenze: Olschki. pp. 89–92 
  34. Wilkie, 1974, p. 18.
  35. C. Maumené, "Une ambassade du pape Alexandre VI au roi Charles VIII. Le cardinal François Piccolomini," in: Revue de Deux Mondes, série 5, LII (1909), pp. 677-708. Predefinição:In lang Eubel II, pp. 51-52, nos. 560, 562, 575.
  36. Eubel II, p. 52, no. 580. Ferdinand Gregorovius (1900). History of the City of Rome in the Middle Ages. Vol. VII, part 1 from 4th German ed. London: G. Bell & sons. pp. 396–401 
  37. Eubel II, p. 216.
  38. Mandell Creighton (1887). A History of the Papacy During the Period of the Reformation. Volume III: The Italian Princes. Boston: Houghton, Mifflin & Company. pp. 256–258  The names of the six cardinals are given in I diarii di Marino Sanuto Tomo I (Venezia 1879), p. 654: Oliviero Carafa, Jorge da Costa, Giovanni San Giorgio, Antoniotto Pallavicini, Francesco Todeschini-Piccolomini, and Raffaele Riario.
  39. Eubel II, p. 55, no. 637. Pastor VI, pp. 85-102, at p. 99.
  40. Eubel II, p. 21.
  41. Gregorovius VIII, part 1, pp. 3-5.
  42. Eubel II, p. 25, with note 2.
  43. Loughlin, James (1911). "Pope Pius III." The Catholic Encyclopedia. Vol. 12. New York: Robert Appleton Company, 1911. Retrieved: 31 January 2020.
  44. Pastor VI, p. 201-202.
  45. Pastor VI, pp. 201-202.
  46. Pastor VI, p. 202.
  47. Gregorovius, History of Rome in the Middle Ages VIII, part 1 (London: Bell 1902), pp. 11-13.
  48. Johann Burchard (1885). Louis Thuasne, ed. Capelle pontificie sacrorum rituum magistri diarium: sive Rerum urbanarum commentarii (1483-1506). (em Latin e French). Tome III. Paris: E. Leroux. p. 279, with note 1  The papal secretary and client of the Della Rovere family, Sigismondo de' Conti, blamed the surgeon, Ludovico Minatensis, and his bad work on the Pope's leg, for Pius' death: "e vita migravit ex ulcere tibiae sinistrae, quod Ludovicus Minatensis imperitus chirugus, sincera etiam parte secata, laethale effecit." Sigismondo dei Conti (1883). Le storie de' suoi tempi dal 1475 al 1510 (em Latin e Italian). Tomo II. Roma: G. Barbera. p. 292 
  49. This was the ceremony called the Possessio. Burchard, p. 280.
  50. Burchard, pp. 280-281.
  51. Marino Sanudo (1881). I diarii di Marino Sanuto: (MCCCCXCVI-MDXXXIII) (em Italian). Tomo V. Venezia: F. Visentini. p. 148  " Il papa si à tajà la gamba; à la febre e stà malissimo; si judicha habi a viver pocho e non zonzerà a la incoronatione, qual si farà a dì 12 di questo; e zà si comenza a far pratiche dil papato.
  52. Pastor VI, p. 203. Giovanni Burchard, the papal Master of Ceremonies, noted in his Diary (p. 280 Thuasne): "die veneris, 29 septembris, ordinavi sedem pro Papa. in qua sedens cruribus extensis ordinaretur ac celebraret, mensam longam pro altare. ut pedes subtus extendi possent."
  53. Pastor VI, p. 621.
  54. Pastor VI, pp. 203-206.
  55. The poisoning is mentioned by Onuphrio Panvinio as a suspicion, Bartolomeo Platina; Onuphrio Panvinio. Historia B. Platinae de vitis pontificum Romanorum. [S.l.: s.n.] p. 364 : "Pius interim senectae vitiis et mortifero cruris ulcere vehementer affectus, intra sextum et vigesimum pontificatus diem, XV Kalo. Novembris, non sine veneni suspicione Pandulfi Petrucii Senensis tyranni consilio vulneri illiti in palatio Vaticano magno bonorum omnium dolore interiit, anno salutis MDIII, aedtatis lxiiij, mense quinto, die decimo...." The 16th century Sienese historian Malavolti is more discreet, but still labels the story an opinion: "Fù oppenione di piu persone, che per gelosia havuta da chi governava la Città di Siena, essendo egli di fattion contraria, la morte gli fusse, con danno publoicio, sollecitamente procurata." Orlando (di M. Bernardo) Malavolti (1599). «Libro settimo». Dell'Historia Di Siena. Terza parte. Siena: Per Salvestro Marchetti. pp. 112, verso  Also, Giuseppe de Novaes (1804). Elementi della storia de' sommi pontefici da S. Pietro sino al felicemente regnante Pio Papa VII ... (em italian). Vol. VI seconda ed. Siena: Rossi. pp. 130, note (a) 
  56. Richardson (1998), p. 201: "praesentium extendimus. Et insuper ob devotionem memoriam fel. nec. Pii PP II praedecessoris nostri et tui secundum carnem capella S. Andreae in basilica Principis Apostolorum sita quam idem praedecessor admodum et sumptuoso opere ornari procuravit sepulcrum nobilissimum tuo aere construi fecisti ut in dicta capella sepulturam eligere et ad ipsius sepulcri pedes libere et licite valeas tibi eisdem auctoritate et tenore de speciali gratia concedimus et indulgemus."
  57. Salvador Miranda. «Todeschini-Piccolomini, Francesco (1439-1503)». Cardinals of the Holy Roman Church. Consultado em 21 February 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)


Precedido por
Alexandre VI
Emblem of the Papacy SE.svg
Papa

215.º
Sucedido por
Júlio II


Ícone de esboço Este artigo sobre um papa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.