Papa Valentino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Valentino. Para outros significados, veja Valentim.
Valentino
Papa da Igreja Católica
100° Papa da Igreja Católica
Atividade eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Eleição 1 de setembro de 827
Fim do pontificado 16 de novembro de 827 (&0000000000000076.00000076dias)
Predecessor Eugénio II
Sucessor Gregório IV
Ordenação e nomeação
Cardinalato
Criação 820
por Papa Pascoal I
Ordem Cardeal-diácono
Dados pessoais
Nascimento Roma, Itália
780
Morte Roma, Itália
16 de novembro de 827 (47 anos)
Nacionalidade italiano
Sepultura Basílica de São Pedro
dados em catholic-hierarchy.org
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo
Lista de Papas

O Papa Valentino era romano e governou apenas quarenta dias. Eleito em 1 de Setembro de 827, morreu em 16 de novembro desse mesmo ano. A sua consagração foi acolhida com grandes manifestações de júbilo pelo seu caráter bondoso.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Nascido em Roma, na região da Via Lata, Valentim era filho de um nobre romano chamado Leôncio.[1] Mostrando uma aptidão precoce para a aprendizagem, ele foi transferido da escola anexa ao Palácio de Latrão e, de acordo com o Liber Pontificalis, foi feito diácono pelo Papa Pascoal I (817-824).[2] Seu biógrafo no Liber pontificalis elogia sua piedade e pureza moral, que lhe valeu o favor de Pascal I, que o elevou ao posto de arquidiácono.[3] Ele também foi claramente favorecido pelo sucessor de Pascal, Eugênio II, a ponto de circularem rumores de que Valentine era realmente filho de Eugene. De acordo com Louis-Marie DeCormenin, outros rumores declararam que Valentine e Eugene estavam envolvidos em um relacionamento ilícito.[4]

Com a morte de Eugênio II, Valentim foi aclamado papa pelo clero romano, pela nobreza e pelo povo. Tiraram-no da Basílica de Santa Maria Maggiore e instalaram-no no Palácio de Latrão, ignorando os seus protestos. Na pressa, eles o entronizaram antes de ser ordenado sacerdote. Essa foi uma reversão incomum dos procedimentos normais e, de fato, foi a primeira vez que aconteceu na história registrada do papado, embora se repetisse durante o pontificado de Bento III.[5] No domingo seguinte, ele foi formalmente consagrado bispo na Basílica de São Pedro. Não houve representantes imperiais presentes durante a eleição, e Valentim não teve oportunidade de ratificar sua eleição com o imperador carolíngio, pois ele morreu em cinco semanas, morrendo em 10 de outubro de 827.[6][7]

Legado[editar | editar código-fonte]

A eleição de Valentim foi outro sinal do aumento da influência que a nobreza romana estava tendo no processo eleitoral papal. Eles não apenas conseguiram eleger um deles, mas também participaram da própria eleição.[8] O Concílio de Latrão de 769, sob Estêvão III, ordenou que a eleição do papa fosse responsabilidade apenas do clero romano, e que a nobreza só poderia oferecer seus respeitos após o papa ter sido escolhido e entronizado. O édito desse concílio foi revogado, entretanto, com o Ludowicianum de 817, que previa que a nobreza leiga romana participasse das eleições papais. Esta invasão gradual no processo eleitoral papal alcançaria seu ponto mais baixo durante o século X, quando o papado tornou-se o brinquedo da aristocracia romana.[9]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Mann, Horace K., The Lives of the Popes in the Early Middle Ages, Vol. II: The Popes During the Carolingian Empire, 795–858 (1906)
  • DeCormenin, Louis Marie; Gihon, James L., A Complete History of the Popes of Rome, from Saint Peter, the First Bishop to Pius the Ninth (1857)
  • Davis, Raymond, Lives of the Ninth-Century Popes, (Liverpool: Liverpool University Press, 1995)

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Mann, págs. 183-184
  2. Mann, pg. 184
  3. «Kirsch, Johann Peter. "Pope Valentine." The Catholic Encyclopedia». ol. 15. New York: Robert Appleton Company. 1912 
  4. DeCormenin, pgs. 217–218
  5. Mann, pgs. 184–185
  6. Mann, pgs. 185–186
  7. DeCormenin, pg. 218
  8. Davis, Raymond, Lives of the Ninth-Century Popes, (Liverpool: Liverpool University Press, 1995): 34.
  9. Mann, pg. 185


Precedido por
Eugénio II
Emblem of the Papacy.svg
Papa

100.º
Sucedido por
Gregório IV