Papado bizantino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Papa Agatão e dez dos seus doze sucessores eram de origem grega

O Papado Bizantino foi um período de dominação bizantina do papado entre 537 a 752, quando os papas necessitavam da aprovação do imperador bizantino para a consagração episcopal, e muitos papas foram escolhidos a partir dos Apocrisiários (ligações a partir do papa para o imperador) ou os habitantes da Grécia, Síria ou Sicília bizantina. Justiniano I conquistou a península Itálica na Guerra Gótica e nomeou os três papas seguintes, uma prática que seria continuada pelos seus sucessores e, posteriormente, delegada ao Exarcado de Ravena.

Com exceção do Papa Martinho I, nenhum papa durante este período questionou a autoridade do monarca bizantino para confirmar a eleição do bispo de Roma, antes a consagração poderia ocorrer, no entanto, os conflitos teológicos eram comuns entre o papa e o imperador, em áreas como o monotelismo e iconoclastia.

Os bizantinos de língua grega da Grécia, Síria e Sicília substituíram membros da poderosa nobreza romana na cadeira papal durante este período. Roma, sob os papas gregos constituía um "caldeirão" da Europa Ocidental e tradições cristãs orientais, refletiram na arte, bem como na liturgia.

Lista de papas bizantinos[editar | editar código-fonte]

O Papado Bizantino foi composto pelos papas e antipapas listados a seguir. Dos treze papas de 678-752, apenas Bento II e Gregório II eram romanos nativos. Todos os demais eram bizantinos de língua grega, da Grécia, Síria, ou Sicília. Muitos papas deste período já havia servido como apocrisiários papais (equivalente ao moderno núncio), em Constantinopla. A série de papas de João V ao Papa Zacarias (685-752) é por vezes referida como o "Cativeiro Bizantino" porque só um papa deste período, Gregório II, não foi de "extração oriental" [1].

Imperadores bizantinos neste período[editar | editar código-fonte]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Noble, T. F. X. The Republic of St Peter, p. 185.
  2. Ekonomou, 2007, p. 48.
  3. Ekonomou, 2007, p. 97.
  4. Ekonomou, 2007, pp. 96-97.
  5. Ekonomou, 2007, p. 129.
  6. Ekonomou, 2007, p. 161.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Baumgartner, Frederic J. 2003. Behind Locked Doors: A History of the Papal Elections. Palgrave Macmillan. ISBN 0-312-29463-8.
  • Dale, Thomas E.A., "Mosaic", in Christopher Kleinhenz (ed), Medieval Italy: an Encyclopedia, Routledge, 2004, ISBN 0415939313, 9780415939317 Google books
  • Duffy, Eamon. 1997. Saints & Sinners: A History of the Popes. Yale University Press.
  • Ekonomou, Andrew J. 2007. Byzantine Rome and the Greek Popes: Eastern influences on Rome and the papacy from Gregory the Great to Zacharias, A.D. 590-752. Lexington Books.
  • Lunt, William E. 1950. Papal Revenues in the Middle Ages. Columbia University Press. 2 Vols.
  • Talbot Rice, David, Byzantine Art, 3rd edn 1968, Penguin Books Ltd