Papyrus Graecus Holmiensis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Papyrus Graecus Holmiensis, também conhecido como Papiro de Estocolmo, foi escrito provavelmente entre os séculos III e IV dC e trata de receitas químicas utilizadas no Egito entre os séculos I e III dC. Ele está escrito em grego antigo. O Papiro de Leyden | é da mesma fonte e foi escrito pela mesma mão, com uma tinta quimicamente idêntica. A tinta, por sua vez, liga ambas aos Papiros Mágicos Gregos.

O livro tem receitas para tingir tecidos, colorir gemas, limpar (purificar) pérolas e para imitações de ouro e prata. Eles fazem alusão a Demikristo (pseudo-Demócrito), um alquimista grego de por volta de 100 dC. Zózimo de Panópolis também deixou receitas similares.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Caley, E. R.. (1926). "The Stockholm Papyrus : An English Translation with brief notes" (em inglês). Journal of Chemical Education IV (8): 979-1002.
  • Lagercrantz, Otto. PAPYRUS GRAECUS HOLMIENSIS: Original German Translation (em inglês). Uppsala, Leipzig: [s.n.], 1913.
  • Long, Pam O. Openness, Secrecy, Authorship: Technical Arts and the Culture of Knowledge from Antiquity to the Renaissance (em inglês). [S.l.]: JHU Press, 2004. ISBN 0801866065
  • Vogler, Herbert. (1992). "Waren die Färber der Antike Alchemisten?" (em alemão). Textilveredlung (27): 352-358.