Paraíba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: ""Paraibano"" redireciona a este artigo. Para o município, veja Paraibano (Maranhão). Para outros significados, veja Paraíba (desambiguação).
Estado da Paraíba
Bandeira da Paraíba
Brasão de Armas da Paraíba
Bandeira Brasão
Hino: Hino da Paraíba
Gentílico: paraibano

Localização da Paraíba no Brasil

Localização
 - Região Nordeste
 - Estados limítrofes Rio Grande do Norte (N), Pernambuco (S) e Ceará (O)
 - Regiões geográficas
   intermediárias
4
 - Regiões geográficas
   imediatas
15
 - Municípios 223
Capital Brasão de João Pessoa.svg João Pessoa
Governo
 - Governador(a) João Azevêdo[1] (Cidadania)
 - Vice-governador(a) Lígia Feliciano (PDT)
 - Deputados federais 12
 - Deputados estaduais 36
 - Senadores Daniella Ribeiro (PP)
Nilda Gondim (MDB)
Veneziano Vital do Rêgo (MDB)
Área
 - Total 56 467,242 km² (21º) [2]
População 2021
 - Estimativa 4 059 905 hab. (15º)[1]
 - Censo 2010 3 766 528 hab.
 - Densidade 71,9 hab./km² ()
Economia 2018[3]
 - PIB R$ 64.374.000.000 (19º)
 - PIB per capita R$ 16.107,51 (25º)
Indicadores 2018[4][5]
 - Esperança de vida (2021) 74,62 anos (19º)
 - Mortalidade infantil (2021) 12,96‰ nasc. (13º)
 - Alfabetização (2010) 79,8% (25º)
 - IDH (2017) 0,722 (20º) – alto [6]
Fuso horário UTC−3
Clima Semiárido e tropical BSh, As
Cód. ISO 3166-2 BR-PB
Site governamental http://www.paraiba.pb.gov.br/

Mapa da Paraíba

A Paraíba é uma das 27 unidades federativas do Brasil. Localiza-se no leste da Região Nordeste. Limita-se com três estados: Rio Grande do Norte (norte), Pernambuco (sul) e Ceará (oeste), além do Oceano Atlântico (leste). Seu território é dividido em 223 municípios e apresenta uma área de 56 467,242 km²,[1] pouco menor que a Croácia. Com uma população de 4,059 milhões de habitantes, a Paraíba é o 15º estado mais populoso do Brasil. A capital e município mais populoso é João Pessoa. Outros municípios com população superior a cem mil habitantes são Campina Grande, Santa Rita e Patos.

Antes da colonização portuguesa, a Paraíba foi habitada por várias tribos indígenas. Em 1534, foi subordinada à Capitania de Itamaracá, adquirindo autonomia política em 1574 com a criação da Capitania da Paraíba, anexada a Pernambuco em 1756 e recuperando sua autonomia em 1799, existindo como unidade política separada desde então. No ano de 1930, Getúlio Vargas indicou o presidente do estado (hoje governador), João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, como vice-presidente do Brasil. O assassinato de João Pessoa por João Duarte Dantas foi o estopim para a Revolução de 1930 e o fim da República Velha.

A Paraíba é berço de brasileiros notórios, como Epitácio Pessoa (ex-presidente do Brasil), Pedro Américo (pintor de renome internacional), Assis Chateaubriand (mais conhecido por ter fundado o Museu de Arte de São Paulo e a TV Tupi), Celso Furtado (um dos economistas mais influentes da história latino-americana), além de escritores como Ariano Suassuna, Augusto dos Anjos, José Américo de Almeida, José Lins do Rêgo, dentre muitos.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A raiz etimológica de maior aceitação é a que considera as palavras de língua tupi pa'ra ("rio" ou "mar") + a'iba ("ruim" ou "difícil de invadir"), originando, desse modo, o topônimo Paraíba, atribuído inicialmente ao principal rio da região. O geógrafo e governador da capitania da Paraíba Elias Herckmans confirma essa versão em sua obra «Descrição geral da Capitania da Paraíba», de 1639, dizendo que os mais entendidos da língua nativa se referiam à estreita boca do canal que dificultava ao invasor conquistar na primeira expedição e de cara visto que bastavam duas baterias de canhão em cada margem para abater os navios pretendentes, fora já um rochedo que havia e que aparece nos mapas antigos, mas foi dinamitado por razões portuárias nas últimas décadas do século XX. Depois, tal potamônimo passou a designar também a capitania, que se elevou à categoria de província em 1822, sendo, em seguida, transformada em estado em 1889.[7]

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História da Paraíba

Antes do descobrimento do Brasil, o território que hoje corresponde à Paraíba possuía inúmeras tribos indígenas. Entre o litoral e a região do Planalto da Borborema, os principais grupos indígenas eram os potiguaras, que habitavam em especial as margens do rio São Domingos, atual Rio Paraíba. Entre as tribos que habitavam desde a região da Borborema até o sertão estão os índios cariris e os ariús.[8][9]

Colonização e conquista[editar | editar código-fonte]

Brasão da Capitania da Paraíba

Em 1534, o rei português D. João III divide a colônia em capitanias hereditárias, sendo a Paraíba subordinada à Capitania de Itamaracá, cujos limites iam desde o rio Guaju, próximo à divisa com o atual estado do Rio Grande do Norte, até o rio Goiana, localizado na divisa com Pernambuco. Porém, diferente da vizinha capitania de Pernambuco, a situação de Itamaracá não era tranquila, devido ao contrabando de madeira, além de peles e âmbares, por piratas franceses.[10][11]

Na capitania se fixaram alguns conventos e igrejas, bem como engenhos de açúcar. Um deles, o engenho Tracunhaém de propriedade de Diogo Dias, foi destruído no ano de 1574 por indígenas potiguaras, que também mataram seus moradores e forçaram os colonos residentes a se fixarem na Ilha de Itamaracá, ocasionando o ataque ao engenho Tracunhaém. A repercussão por parte da corte em Lisboa foi enorme e, para tranquilizar a situação, o rei criou a Capitania Real da Paraíba, subordinada diretamente à Coroa Portuguesa.[10][11]

Embora criada em 1574, a capitania da Paraíba só foi ocupada onze anos depois. Luís de Brito foi nomeado para ser o governador-geral da capitania recém-criada e recebeu do rei português a ordem de punir os responsáveis pelo ataque do engenho e fundar uma nova cidade para abrigar a sede do governo, dando origens a cinco expedições com o propósito de conquistar a capitania, sendo as quatro primeiras terminadas em fracasso. Para repelir os invasores franceses, foi construído em 1584 o forte de São Tiago, na margem direita do rio Paraíba.[10][11]

A quinta expedição foi comandada por Martim Leitão, ouvidor-geral de Olinda, contando também com a participação de Frutuoso Barbosa e João Tavares. À época, o litoral paraibano era habitado pelos índios potiguaras, tendo como principais rivais os tabajaras, comandados por Piragibe e originários do médio São Francisco e que, devido a secas que assolavam a região, deslocaram-se para as proximidades do litoral da Paraíba, fundando em 5 de agosto de 1585 a cidade de Nossa Senhora das Neves. Os tabajaras se juntaram aos colonos portugueses e, oferecendo-lhes apoio militar, conseguiram expulsar os índios potiguaras, acontecendo assim a conquista da Paraíba.[10][11]

Em 10 de janeiro de 1586, tem-se registro a primeira sesmaria da Paraíba, que se localizava próximo à foz do rio homônimo. Na margem direita da foz desse rio, foi construído, no mesmo ano, o Forte de Santa Catarina, para efetivar assim a colonização da Paraíba e garantir o controle das terras.[10]

Invasão holandesa[editar | editar código-fonte]

Vista de Frederiksstad, atual João Pessoa, em 1638.

A primeira aparição dos holandeses em terras paraibanas aconteceu em 20 de junho de 1625.[12] Após expulsão dos holandeses de Salvador a 1.º de maio, no caminho de volta a Amsterdã, o almirante Boudewijn Hendricksz desembarcou seus navios em Baía da Traição para tratar os enfermos[13] e enterrar 700 mortos.[12] Logo que chegou, Hendricksz tratou de fazer aliança com os potiguares, prometendo-lhes proteção em troca de serviços contra os portugueses.[12] Tão cedo soube do aporte dos holandeses, o governador-geral paraibano, Antônio de Albuquerque, enviou tropas para expulsar os invasores. Comandados por Francisco Coelho de Carvalho, com gente da Capitania da Paraíba e da Capitania de Pernambuco, e por Antônio de Albuquerque de Melo, com gente da Capitania do Rio Grande, totalizando sete companhias de emboscadas, e auxiliados por 300 índios, os portugueses repeliram os holandeses em 1.º de agosto.[14] Na batalha sangrenta, os índios potiguares aliados dos holandeses foram exterminados, na morte de 600 a milhares entre homens, mulheres e crianças.[12][14] Derrotado, Hendricksz partiu da Paraíba rumo a Porto Rico.

Em 5 de dezembro de 1632, 1,6 mil batavos chegaram à Paraíba, comandados por Callenfels. Ocorreu um verdadeiro tiroteio e os holandeses ergueram trincheiras em frente ao forte de Santa Catarina, mesmo assim foram derrotados, após a chegada de homens enviados pelo governador-geral à cidade de Nossa Senhora das Neves. Os brasileiros também tentaram construir uma trincheira em frente ao mesmo forte, mas logo enfrentaram resistência holandesa. Sem capacidade de vencer, os invasores se retiraram do local e fugiram para Pernambuco. Os invasores holandeses decidiram ir em direção ao Rio Grande do Norte e atacá-lo, contudo, tal ataque foi impedido. Os invasores voltaram para a Paraíba para atacar o Forte de Santo Antônio, porém desistiram devido à construção de uma trincheira nesse forte, seguindo diretamente para Cabo de Santo Agostinho, em Pernambuco.[15][16]

Vista atual do Forte de Santa Catarina do Cabedelo. Ao fundo, a Casa de Pólvora.
Mapa da Paraíba e do Rio Grande do Norte, 1643.

Em 25 de novembro de 1634, ocorreu uma nova tentativa de ataque com a chegada de uma esquadra de 29 navios à costa paraibana e, no dia 4 de dezembro, os invasores chegaram ao norte do Jaguaribe, onde prenderam o governador (que conseguiu escapar mais tarde) e mais dois brasileiros. No dia seguinte, já em direção a Cabedelo, os batavos foram conseguindo se fortificar. Enquanto várias propriedades eram furtadas por Callabar, Antônio de Albuquerque Maranhão, filho de Jerônimo de Albuquerque Maranhão (que conquistou o Maranhão no início do século XVII) enviou à Paraíba vários combatentes para repelir os holandeses, contando com ajudas de Pernambuco e Rio Grande do Norte. Mesmo com a chegada com conde Bagnuolo para tentar ajudar os paraibanos, estes já se encontravam muito enfraquecidos, razão pelo qual entregaram os fortes de Santa Catarina e Santo Antônio. O conde decidiu abandonar a Paraíba e fugiu para Pernambuco.[15]

Paisagem da Paraíba em 1665.

As tropas comandadas por Antônio de Albuquerque, contando com apoio da população local, tentaram fundar o Arraial do Engenho Velho. Os holandeses se dirigiram então à cidade de Filipeia de Nossa Senhora das Neves, em busca de Antônio de Albuquerque, que não foi localizado, e encontraram a cidade praticamente abandonada e vazia. Somente algum tempo depois, o comandante e líder das tropas holandesas encontrou Duarte Gomes, que foi preso por Antônio de Albuquerque e mandado em direção ao Arraial do Bom Jesus, sendo posteriormente libertado pelos invasores. A população local ainda possuía o desejo de expulsar todos os holandeses de suas terras. Em duas tentativas, ambas sob a liderança de André Vidal de Negreiros, os paraibanos conseguiram, primeiramente, vencer os invasores, no engenho do Espírito Santo e, em outra tentativa, novos homens foram contratados e treinados para poder repelir os holandeses. Em Timbiri, os paraibanos se reuniram e caminharam em direção ao engenho de Santo André, local em que foram atacados pelas tropas de Paulo Linge. Depois de vários combates e lutas, mais de oitenta paraibanos foram dizimados, incluindo o capitão Francisco Leitão.[15]

Conquista do interior e autonomia[editar | editar código-fonte]

Mapa da Paraíba em 1698.

Após o contexto das invasões holandesas, a economia canavieira se viu arrasada. As plantações de cana-de-açúcar no litoral foram incendiadas, fazendo com que a produção do açúcar diminuísse consideravelmente. Nos dez anos seguintes, os governantes da Paraíba não conseguiram recuperar a economia canavieira. Até 1670, a ocupação do espaço paraibano se restringia apenas ao litoral. A partir de então deu-se início à ocupação do interior, em duas direções: uma do litoral ao sertão, comandada pela família Oliveira Ledo, responsável pela fundação de vários povoados, hoje municípios; outra, mais importante, partia do sertão do São Francisco, na Bahia, e prosseguiu na direção norte, chegando ao interior paraibano.[17]

Na conquista do interior houve ainda a participação de bandeirantes, comandados por Domingos Jorge Velho. A colonização interiorana foi marcada ainda por conflitos, como a Guerra dos Bárbaros, entre os colonos e os principais grupos indígenas que habitavam a região, como os caicós, os icós, os janduís e sucurus, bem como pela escravidão e massacres de algumas dessas tribos.[17][18]

A conquista do interior também foi realizada por meio das missões de catequese, que objetivavam, principalmente, a catequização dos índios. Entre os principais missionários, um dos mais importantes é o sacerdote Martim Nantes, fundador da vila de Pilar.[19] Outros nomes que também tiveram importância no projeto de conquista e colonização do interior foram o Luís Soares e Elias Herckmans, este último que, juntamente com Manuel Rodrigues, estabeleceu-se na região em busca de minas de ouro, principalmente na Serra da Borborema, além de Francisco Dias D’Ávila, fundador da Casa da Torre.[20]

Em 1º de janeiro de 1756, a capitania da Paraíba foi extinta e anexada a Pernambuco, tornando-se novamente independente em 11 de janeiro de 1799.[21] Em 1818, a porção norte do território paraibano foi desmembrada, através de Carta Régia, e formou o território que viria a ser o atual estado do Rio Grande do Norte.[22]

Movimentos liberais e império[editar | editar código-fonte]

José Peregrino, um dos mártires da Revolução Pernambucana, foi enforcado e esquartejado com dezenove anos incompletos, e sua cabeça e suas mãos foram enviadas à Paraíba. Óleo sobre tela de Antônio Parreiras, no Palácio da Redenção.

Ao longo de sua história, a Paraíba participou de várias revoltas. No período colonial, destaca-se a Revolução Pernambucana de 1817, que surgiu baseada na independência dos Estados Unidos e nos ideais da Revolução Francesa, com o objetivo de tornar o Brasil um país independente. De Pernambuco, a revolução se espalhou por todo o Nordeste. Na Paraíba, o movimento entrou por Itabaiana e seguiu em direção a Areia, estendendo-se por diversas outras localidades do agreste, sertão e litoral. Participaram Amaro Gomes Coutinho, Francisco José da Silveira, José Peregrino, Padre Antônio Pereira, Inácio de Albuquerque Maranhão, entre outros revoltosos. O desfecho do movimento não obteve êxito, contudo a luta pela independência prosseguiu. Os cinco anos seguintes (1818-1822) foram marcados por acirramentos entre duas facções rivais, os cajás, revolucionários, também chamados de patriotas, e os carambolas (realistas), contrarrevolucionários.[23]

Em 1822, o Brasil se torna independente de Portugal e a Paraíba se torna uma província do império brasileiro e D. Pedro I é proclamado imperador do país. Dois anos depois, a Paraíba se envolve na Confederação do Equador, que teve início em Pernambuco e representou a principal reação contra a tendência monarquista e a política centralizadora de D. Pedro I esboçada na primeira constituição brasileira, outorgada em março de 1824. Seu principal líder foi o frei Joaquim do Amor Divino Caneca, apelidado de Frei Caneca, que de Recife se deslocou a Itabaiana e se juntou ao areiense Félix Antônio. De lá, percorreram partes da Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Ceará, em defesa dos seus ideais federalistas e nacionalistas. Do Ceará, foram mandados para Recife para serem fuzilados, mas apenas Frei Caneca acabou morto pelas tropas imperiais, enquanto Félix Antônio conseguiu fugir.[23]

Possível mapa da Confederação do Equador.

Entre o final de 1848 e 1849, ocorreu, sem sucesso, a Revolta Praieira, cujo palco foi novamente Pernambuco. Durou cerca de cinco meses, tendo seus ideais inspirados pelas revoluções ocorridas em 1848 na Europa. A Revolta Praieira chegou à Paraíba em fevereiro de 1849, liderada por Maximiano Machado e Borges da Fonseca, e reivindicava várias reformas sociais e econômicas, como a divisão latifundiária, a instalação de um regime democrático e a liberdade de imprensa.[23]

Três anos depois, em 1851, a Paraíba, juntamente com suas províncias vizinhas, envolveu-se em mais uma revolta, intitulada Ronco da Abelha, que objetivava controlar os trabalhadores livres, na época da diminuição do tráfico de escravos. Entre os meses de outubro e dezembro de 1874, participou da Revolta do Quebra-Quilos, ocorrida após a substituição do sistema de pesos e medidas vigente no país; a revolta na Paraíba teve como principal palco localidades do agreste e foi caracterizada por diversos atos de violência, ao mesmo tempo em que era desencadeada a questão religiosa. A Paraíba participou ainda da Guerra do Paraguai, com um efetivo de três mil homens.[24]

Em 1860 a Paraíba tinha uma população de aproximadamente 212 mil habitantes e sofria com sérios problemas de saúde pública e epidemias de doenças, como cólera e febre amarela, sendo uma das principais causas o precário abastecimento de água. Em 1877, a província é atingida por uma grande seca, a mais grave da história, acentuando a pobreza e provocando consequentemente uma migração populacional do interior para o litoral.[24]

República[editar | editar código-fonte]

Epitácio Pessoa foi o único paraibano a tornar-se presidente da República, entre 1919 e 1922, além de ter sido o único brasileiro a ter ocupado a presidência dos poderes executivo, legislativo e judiciário federais.

Em novembro de 1889, após a queda do regime monárquico e a consequente instituição da república no Brasil, a Paraíba, assim como as outras províncias, transforma-se em estado da federação. Durante o período da República Velha (1889 a 1930), o poder paraibano esteve nas mãos das oligarquias de Venâncio Neiva, Álvaro Lopes Machado e o epitacismo (Epitácio Pessoa). Venâncio Augusto de Magalhães Neiva foi o primeiro presidente (hoje governador) do estado, entre 1889 e 1891, quando foi deposto, assumindo em seu lugar um triunvirato, que governou até a nomeação, pelo presidente Floriano Peixoto, de Álvaro Machado para o governo estadual. Seu governo durou até 1896, quando ele renunciou ao cargo para se candidatar ao Senado, enquanto que, em seu lugar, assumiu o vice-presidente do estado, o Monsenhor Valfredo Leal e, posteriormente, Antônio Alfredo da Gama e Melo.[25][26]

Com o início da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), a economia da Paraíba entrou em crise, principalmente devido à queda nas exportações do algodão, um dos principais produtos agrícolas do estado.[25][27] Em 9 de fevereiro de 1926, a Coluna Prestes, comandada por Luís Carlos Prestes, Miguel Costa e Juarez Távora, passou pela Paraíba. Nessa mesma época, o estado também teve destaque no cangaço, tendo Antônio Silvino, Chico Pereira e Virgulino Ferreira da Silva (o Lampião) como líderes de bandos que atuaram nas localidades de Cajazeiras, Guarabira, Piancó e Sousa.[28]

João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, presidente do estado da Paraíba entre 1928 e 1930, ano em que foi assassinado.

Em 1930, ocorreu um movimento revolucionário, do qual a Paraíba liderou junto com Minas Gerais e Rio Grande do Sul. O presidente Washington Luís, que deveria apoiar a candidatura à presidência do mineiro Antônio Carlos, apoiou o paulista Júlio Prestes, provocando, por parte de Minas Gerais, sua ruptura com a aliança paulista. Os estados líderes se uniram e criaram a Aliança Liberal, que indicou Getúlio Vargas para ser candidato à presidência e o presidente da Paraíba, João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, para a vice-presidência. A vitória de Júlio Prestes desencadeou o movimento revolucionário, impedindo-o de tomar posse e fazendo com que João Pessoa passasse a enfrentar várias rebeliões até que, em 26 de julho de 1930, em Recife ele foi assassinado por João Duarte Dantas em uma confeitaria da cidade, evento que gerou muita repercussão em todo o Brasil. Seu corpo foi enterrado no Rio de Janeiro.[29][27][30][31] A capital paraibana, antes chamada Cidade da Paraíba, passou a se chamar João Pessoa a partir de 4 de setembro de 1930 e a atual bandeira da Paraíba foi adotada em 25 de setembro, ambas mudanças em sua homenagem,[32][33] no entanto tais homenagens tem sido questionadas ultimamente.[34][35] Outra homenagem a João Pessoa foi o feriado estadual de 26 de julho, instituído pela Lei Estadual n.º 3.489, de 30 de agosto de 1967, embora não costumasse ser respeitado,[36] sendo extinto em 16 de dezembro de 2015 pela Lei Estadual n.º 10.601.[37]

Com a morte de João Pessoa, assumiu Álvaro Pereira de Carvalho, mas por um curto período, de pouco mais de dois meses, até 4 de outubro de 1930, quando afastou-se do cargo por ordem de José Américo de Almeida, que fazia parte do movimento revolucionário liderado em âmbito nacional por Getúlio Vargas. Por determinação dos líderes revolucionários, José Américo substituiu Carvalho logo em seguida.[38][39] Pouco depois, José Américo deixou a interventoria para assumir o Ministério da Viação e Obras Públicas e apontou Antenor Navarro para substituí-lo em 9 de novembro.[39][40] Antenor Navarro permaneceu no cargo até 26 de abril de 1932, quando faleceu em decorrência de um desastre aéreo.[40] Após sua morte, Gratuliano da Costa Brito assumiu interinamente a interventoria e foi efetivado como interventor em junho, deixando o cargo em 26 de dezembro de 1934 após ser eleito deputado federal.[41] José Marques da Silva Mariz tornou-se, então, interventor interino até Argemiro de Figueiredo ser empossado em 25 de janeiro de 1935, após eleição indireta dos deputados da Assembleia Constituinte da Paraíba.[42]

Em 1937, com o Estado Novo, Argemiro de Figueiredo tornou-se interventor federal em 23 de novembro e esteve no poder até o ano de 1940.[43][44] O último interventor foi José Gomes da Silva, cujo governo se deu entre 1946 e 1947. Desde 1947 até 2018, a Paraíba teve 23 governadores, alguns eleitos diretamente, outros indiretamente, seja pela assembleia legislativa (Ernani Sátiro e Ivan Bichara) ou por meio de um colégio eleitoral (Tarcísio Burity), outros assumiram por renúncia, cassação ou morte do titular (José Maranhão, em 1995, assumiu devido à morte de Antônio Mariz, e em 2009, com a cassação de Cássio Cunha Lima e seu vice) e alguns eram presidentes da assembleia legislativa e outros do tribunal da justiça.[45]

Em 1989, ano da promulgação da atual constituição da Paraíba,[46] foi encontrado no distrito de São José da Batalha, município de Salgadinho, uma nova espécie de turmalina, que leva o nome do estado e também encontrada no estado vizinho do Rio Grande do Norte e no continente africano, mais especificamente em Moçambique e Nigéria.[47]

Skyline de João Pessoa, a capital paraibana.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Ponta do Seixas, o ponto mais oriental das Américas, em João Pessoa
Pico do Jabre, o ponto mais alto do território paraibano, em Matureia

A Paraíba está localizada a leste da Região Nordeste do Brasil, fazendo divisa com os estados do Rio Grande do Norte (norte), de Pernambuco (sul) e do Ceará (a oeste) e o Oceano Atlântico (a leste).[48] A distância linear entre seus pontos extremos é de 263 quilômetros no sentido norte-sul e de 443 quilômetros no sentido leste-oeste.[49] O ponto mais a leste da Paraíba, a Ponta do Seixas, em João Pessoa, é também o ponto mais oriental do Brasil e da América.[48] Sua área territorial é de 56 467,242 km²,[1] sendo um dos menores estados do país.

Relevo e solos[editar | editar código-fonte]

O relevo da Paraíba varia desde planícies no litoral a depressões no sertão. No litoral há a planície litorânea e, no restante da zona da mata, os tabuleiros, formados a partir de acúmulos de terras que descem de localidades mais altas. No agreste, o relevo é formado por depressões situadas entre os tabuleiros e o Planalto da Borborema, com altitudes entre trezentos e oitocentos metros. Por último, no sertão, há a Depressão Sertaneja, a partir da Serra da Viração.[49]

Mais da metade do território paraibano é dominado por rochas muito antigas e resistentes formadas durante o período Pré-Cambriano, há mais de 2,5 bilhões de anos.[50] Desse período também se formaram alguns sítios arqueológicos do estado, como a Pedra do Ingá. Na Serra do Teixeira está localizado o Pico do Jabre, o ponto culminante da Paraíba com uma altitude de 1 197 metros acima do nível do mar. Outros pontos acima dos 1 000 mm são as serras da Paula (1 147 m), Tabaquino (1 120 m), Pesa (1 084 m) e Cariris Velho (1 070 m).[49]

Existem dezesseis classes de solo na Paraíba, sendo as principais os solos litólicos e os bruno não cálcicos, que constituem 39,11% e 25,95% da superfície estadual, respectivamente, seguido pelos solos podzólicos vermelho amarelo eutróficos (14,36%).[51] Na nova classificação os solos litólicos são chamados de litossolos e os demais os luvissolos.[52] As demais classes são: regossolo (4,77%), solonetz solodizado (3,98%), vertissolo (3,39%), solos aluviais (3,38%), areia quatzosa (1,17%), planossolo (0,86%); cambissolo (0,84%), latossolo (0,6%), terra roxa estruturada (0,54%), podzol hidromórfico (0,49%), solo indiscriminado de mangue (0,26%), afloramento de rocha (0,26%) e gleissolo (0,04%).[51]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Curso do Rio Paraíba próximo à sua foz, em Cabedelo

No Brasil, a Paraíba encontra-se inserida na região hidrográfica do Atlântico Nordeste Oriental.[53] Em se tratando apenas das bacias hidrográficas do estado, a Paraíba é abrangida por um conjunto de onze bacias, sendo a maior de todas a do rio Piranhas, que cobre 26 047,99 km² de área e é formada pelas sub-bacias hidrográficas do rio Piancó (9 424,75 km²), do Médio Piranhas (4 461,48 km²), do rio Seridó (3 442,36 km²), do rio do Peixe (3 420,84 km²), do rio Espinharas (2 981,60 km²) e do Alto Piranhas (2 588,45 km²). A segunda maior bacia é a do Rio Paraíba, com uma área de 20 071,83 km² e formada pelas sub-bacias do Alto Paraíba (6 717,39 km²), do Rio Taperoá (5 666,38 km²), do Baixo Paraíba (3 925,40 km²) e do Médio Paraíba (3 760,65 km²). As demais bacias hidrográficas da Paraíba são as dos rios Mamanguape (3 522,69 km²), Curimataú (3 313,58 km²), Jacu (977,31 km²), Camaratuba (637,16 km²), Gramame (589,38 km²), Abiaí (585,51 km²), Miriri (436,19 km²), Guaju (152,62 km²) e Trairi (16,08 km²).[49]

Píer do Açude São Gonçalo em Sousa, que possui capacidade para represar 40 582 277 m³ de água[54]

Alguns rios da Paraíba nascem em serras do Planalto da Borborema e deságuam no litoral do estado, sendo o principal o Rio Paraíba, que nasce na Serra de Jabitacá, no município de Monteiro, percorrendo cerca de 360 quilômetros até desaguar no mar, destacando-se também os rios Curimataú e Mamanguape. Outros têm sua nascente no sertão e sua foz no litoral do Rio Grande do Norte; o principal é o rio Piranhas, o mais importante do sertão paraibano, que tem como principais afluentes os rios do Peixe, Piancó e o Espinharas, tendo sua nascente na Serra do Bongá, próximo à divisa da Paraíba com o Ceará, e deságua em Macau, no litoral norte-riograndense, sendo aproveitável para a irrigação em parte do seu curso.[50]

Os dois maiores reservatórios da Paraíba são Coremas (744 144 694 ) e Mãe-d'Água (545 017 499 m³, ambos em Coremas, formadores do Açude Coremas–Mãe d'Água, seguido pelos açudes Epitácio Bessoa, em Boqueirão (466 525 964 m³); Engenheiro Ávidos, em Cajazeiras (293 617 376 m³) e Argemiro de Figueiredo, também chamado de Acauã, em Itatuba (253 000 000 m³). Outros reservatórios com capacidade igual ou superior a 50 000 000 m³ são: Saco, em Nova Olinda (97 488 089 m³); Lagoa do Arroz, em Cajazeiras (80 388 537 m³); Cachoeira dos Cegos, em Catingueira (71 887 047 m³); Jenipapeiro ou Buiú, em Olho d'Água (70 757 250 m³); Cordeiro, em Congo (69 965 945 m³); Araçagi, no município homônimo (63 289 037 m³); Gramame-Mamuaba, em Conde (56 937 000 m³) e Capoeira, em Santa Terezinha (53 450 000 m³).[54]

Clima[editar | editar código-fonte]

Mapa climático da Paraíba segundo Köppen-Geiger

Com quase 98% do seu território está incluído no Polígono das Secas,[55][56] a maior parte da Paraíba apresenta clima semiárido, com índices pluviométricos variando de 300 mm nas regiões do Cariri/Curimataú (região central) a 900 mm no oeste do estado, chegando a ultrapassar esse valor em pequenas áreas. As chuvas se concentram meses do primeiro semestre, com pico em março e abril, sendo que, em alguns anos, há uma redução nos volumes pluviométricos, caracterizando as secas.[57]

Por outro lado, no litoral e no agreste, a época mais chuvosa compreende os meses de abril a julho, com índices que superam 1 200 mm/ano no litoral, chegando a 1 900 mm em algumas áreas. No agreste, área de transição entre o litoral e o sertão, esse índice é superior aos 700 mm, chegando a 1 200 mm na região do brejo.[57] Em todo o estado, o trimestre de outubro a dezembro, parte da época mais seca do ano, é o mais quente, enquanto o trimestre de junho a agosto é o mais frio.[57] Nessa época, é comum que cidades das regiões agreste, brejo e Cariri, situadas no Planalto da Borborema, cheguem a registrar temperaturas abaixo de 20 °C ou até mesmo 15 °C ou menos.[58]

Cabaceiras, no Cariri paraibano, é o município onde menos chove no país[59]

Areia, no brejo, é a cidade mais fria do estado, enquanto Patos, no sertão, é a mais quente.[60] Em Monteiro, no Cariri, o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) registrou uma mínima de 7,7 °C no dia 28 de julho de 1976, sendo este o recorde absoluto de menor temperatura no estado.[61]

Biodiversidade e áreas protegidas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Meio ambiente na Paraíba

No litoral, predominam os tabuleiros, com manguezais e espécies da Mata Atlântica, enquanto no sertão, especialmente após a formação do Planalto da Borborema, predomina a caatinga, típica do clima semiárido. Na flora, algumas das espécies mais encontradas são a baraúna, o batiputá, a mangabeira, o mandacaru, a peroba, a sucupira e xique-xique.[50][55] Em virtude da remoção da cobertura vegetal ou da caça, de uma lista de 46 espécies ameaçadas de extinção na Paraíba, conforme estudo da Superintendência de Administração do Meio Ambiente (SUDEMA), cerca de 25 têm (ou tinham) seu habitat na zona da mata.[62]

Em 2010, a Paraíba possuía 37 unidades de conservação, sendo dezesseis estaduais, sete delas federais e administradas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), são: Área de Preservação Permanente Mata do Buraquinho (em João Pessoa), a Área de Proteção Ambiental da Barra do Rio Mamanguape (Mamanguape), a Floresta Nacional da Restinga de Cabedelo (em Cabedelo), Reserva Ecológica Guaribas (Mamanguape), a Reserva Extrativista Acaú–Goiana (nos municípios paraibanos de Caaporã e Pitimbu, além de Goiana, em Pernambuco), a Terra Indígena Jacaré de São Domingos (Baía da Traição) e a Terra Indígena Potiguara (nos municípios de Baía da Traição, Marcação e Rio Tinto). Além destas, existem nove reservas particulares do patrimônio natural (RPPN), dos quais sete sob jurisdição federal e duas sob jurisdição estadual; sete federais e cinco municipais.[49]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Demografia da Paraíba
Crescimento populacional
Censo Pop.
1872376 226
1890457 23221,5%
1900490 7847,3%
1920961 10695,8%
19401 422 28248,0%
19501 713 52920,5%
19602 018 02317,8%
19702 445 41921,2%
19802 810 03214,9%
19913 200 66713,9%
20003 439 3447,5%
20103 766 5289,5%
Est. 20214 059 905[1]7,8%
Censos demográficos do IBGE[63]

Segundo o censo brasileiro de 2010, a população do estado da Paraíba era de 3 766 528 habitantes,[64] sendo a décima terceira unidade da federação mais populosa do país, concentrando cerca de 2% da população brasileira[63][65] e apresentando uma densidade demográfica de 66,70 habitantes por quilômetro quadrado.[64][66] De acordo com este mesmo censo demográfico, 2 838 678 habitantes viviam na zona urbana (75,37%) e 927 850 na zona rural (24,63%). Ao mesmo tempo, 1 824 379 pessoas eram do sexo masculino (48,44%) e 1 942 149 do sexo feminino (51,56%),[67] tendo uma razão de sexo de 93,94.[68] Sua capital, João Pessoa, com seus 723 515 habitantes, concentrava, neste mesmo ano, 19,2% da população estadual[69] e possuía a maior densidade demográfica da Paraíba (3 421,30 hab./km²).[70] Da população total do estado, considerando-se a nacionalidade, 3 765 131 (99,96%) eram brasileiros, sendo 3 764 722 brasileiros natos (99,95%) e 409 naturalizados brasileiros (0,01%), além de 1 397 estrangeiros (0,04%).[71] Simultaneamente, 3 464 844 pessoas eram nascidas no próprio estado (91,99%) e os 301 684 restantes eram de outros estados ou até mesmo do exterior (8,01%).[72][73][74]

Densidade demográfica dos municípios da Paraíba em 2010 (hab/km²)
  0-25
  25-50
  50-100
  100-150
  150-200
  200-300
  300-400
  400-500
  > 500

Dos 223 municípios do estado, apenas quatro possuíam população superior a cem mil habitantes (João Pessoa, Campina Grande, Santa Rita e Patos), seis entre 50 e 100 mil habitantes (Bayeux, Sousa, Cajazeiras, Cabedelo, Guarabira e Sapé), 20 entre vinte e cinquenta mil, 56 entre dez e vinte mil, 68 entre cinco e dez mil, 63 entre dois e cinco mil e seis abaixo de dois mil habitantes (Areia de Baraúnas, Coxixola, Riacho de Santo Antônio, Quixaba, São José do Brejo do Cruz e Parari).[75][76] Entre 2000 e 2010, a Paraíba registrou um crescimento populacional 9,51%, inferior às médias da região Nordeste (11,29%) e do Brasil (12,48%).[77]

O Índice de Desenvolvimento Humano do estado da Paraíba é 0,722, considerado alto conforme dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Segundo o último relatório, divulgado em 2019 com dados relativos a 2017, o seu valor era de 0,722, estando na 20ª colocação a nível nacional e em quarto a nível regional, sendo superado pelos estados de Pernambuco (0,727), Rio Grande do Norte (0,731) e Ceará (0,735), e à frente de Alagoas (0,683), Maranhão (0,687), Piauí (0,697), Sergipe (0,702), e Bahia (0,714).[78]. Considerando-se o índice da educação, seu valor é de 0,555 (24º), o índice de longevidade é de 0,783 (22º) e o de renda é 0,656 (22º).[6] A incidência de pobreza, em 2003, era de 57,48% (sendo 61,75% o índice de pobreza subjetiva) e o índice de Gini no mesmo ano era 0,46.[79] Em 2009, a taxa de fecundidade era de 2,25 filhos por mulher, a décima maior do Brasil.[80]

Regiões metropolitanas[editar | editar código-fonte]

A Região Metropolitana de João Pessoa é a primeira do estado, criada em 2003. Seis anos depois, em 2009, a região de Campina Grande foi criada. Nos anos seguintes, o número de regiões metropolitanas que foram instituídas expandiu, sendo que em 2011 foram as de Guarabira e Patos; em 2012 as de Barra de Santa Rosa, Cajazeiras, Esperança e Vale do Piancó; e em 2013 as de Araruna, Itabaiana, Sousa e Vale do Mamanguape.[82][83] Ao todo são doze regiões metropolitanas.

Regiões metropolitanas (12)
  Araruna
  Barra de Santa Rosa
  Cajazeiras
  Campina Grande
  Esperança
  Guarabira
  Itabaiana
  João Pessoa
  Patos
  Sousa
  Vale do Mamanguape
  Vale do Piancó

Religião[editar | editar código-fonte]

Catedral de Nossa Senhora da Piedade, em Cajazeiras, sé episcopal da diocese.

De acordo com o censo de 2010, a população da Paraíba é formada por católicos apostólicos romanos (76,958%), protestantes (15,16%), espíritas (0,615%), testemunhas de Jeová (0,467%), católicos apostólicos brasileiros (0,219%), mórmons (0,113%), católicos ortodoxos (0,052%), candomblecistas (0,035%), umbandistas (0,029%), esotéricos (0,023%), judaístas (0,017%), religiosos orientais (0,014%), tradições indígenas (0,010%), espiritualistas (0,004%), islâmicos (0,002%), hinduístas (0,002%) e religiosos afro-brasileiros (0,001%), além de outras religiosidades. Havia também os sem religião (5,661%), dentre os quais ateus (0,106%) e agnósticos (0,046%); pessoas com religião indeterminada e/ou múltiplo pertencimento (0,154%); os que não souberam (0,154%) e não declararam (0,016%).[84]

Na Igreja Católica, a Paraíba pertence à Regional Nordeste II, que também abrange os estados de Alagoas, Pernambuco e Rio Grande do Norte, e seu território está inserido na Província Eclesiástica da Paraíba,[85] formada pela Arquidiocese da Paraíba e suas quatro dioceses sufragâneas: Cajazeiras, Campina Grande, Guarabira e Patos.[86][87]

A Paraíba também possui os mais diversos credos protestantes ou reformados, entre as quais a Igreja Cristã Maranata, Igreja Luterana, a Igreja Cristã de Nova Vida, a Igreja Universal do Reino de Deus, a Igreja Presbiteriana, a Igreja Metodista, as igrejas batistas, as igrejas Assembleias de Deus, a Igreja Adventista do Sétimo Dia, a Congregação Cristã no Brasil, entre outras. Como já mencionado, 15,16% da população paraibana declararam-se evangélicos, sendo que 8,45% pertenciam às igrejas evangélicas de origem pentecostal, 3,259% às evangélicas de missão (3,259%) e 3,451% a evangélicas não determinadas.[84]

Igreja de São Francisco.
Capela no interior da igreja, com rica talha.
Detalhe do teto da sacristia.

Etnias[editar | editar código-fonte]

Conforme dados do censo de 2010, 52,948% da população declararam-se como pardos, 39,672% como brancos, 5,611% pretos, 1,238% amarelos e 0,517% indígenas, além dos que não declararam (0,013%).[88]

Panorama de Baía da Traição, no litoral norte, o quarto município mais indígena do Brasil.[89]

Tal como os brasileiros, a origem dos paraibanos está ligada à miscigenação entre brancos (vindos da Europa), os indígenas locais e os negros (vindos da África). Isso contribuiu para que a população paraibana fosse considerada como mestiça. Os pardos constituem a maioria da população do estado e, entre eles, os principais são os caboclos, que predominam no interior e no litoral norte, enquanto nas regiões do agreste e do Cariri (mais especificamente o centro-sul paraibano), a população de mestiços é formada principalmente por mulatos.[90] A identidade mestiça foi reconhecida como um grupo étnico-racial-cultural pela lei estadual N.º 8.374, de 9 de novembro de 2007, que também instituiu o Dia do Mestiço na Paraíba, comemorado desde então no dia 27 de junho.[91] Existem também pequenas populações de cafuzos dentro do estado.[90]

Os descendentes de europeus ocupam em especial os maiores centros urbanos, bem como as regiões do brejo e alto sertão. Ao contrário do que ocorreu em Pernambuco, na Bahia e no Maranhão, a Paraíba teve pouco destaque na cultura da cana-de-açúcar, o que fez com que pouca oferta da mão de obra africana viesse ao local e, consequentemente, contribuiu para que apenas uma pequena parte da população atual seja formada por negros.[90] Restam, contudo, algumas poucas comunidades de quilombos espalhadas por várias partes do estado.[92][93]

Na região litorânea, os índios potiguaras, que já chegaram a ocupar grande parte da costa litorânea do Nordeste, desde o Maranhão até Pernambuco, ocupam uma área de apenas 33 mil hectares de terra nos municípios de Baía da Traição, Marcação e Rio Tinto.[94][95] Os índios tabajaras, que outrora foram milhares, restam pouco menos de mil deles, distribuídos pela microrregiões de João Pessoa e do Litoral Sul.[96][97]

Criminalidade[editar | editar código-fonte]

De acordo com dados do "Mapa da Violência 2012", publicado pelo Instituto Sangari e pelo Ministério da Justiça, a taxa de homicídios por 100 mil habitantes, que era de 10,8 em 1980, subiu para para 33,8 em 2009 (ficando acima da média nacional, que era de 27,0). Nos mesmos anos, o número de homicídios subiu de 519 para 1 269. Em geral, a Paraíba subiu catorze posições no ranking nacional dos estados e Distrito Federal por taxa de homicídios, passando da vigésima posição em 2000 para a sexta em 2010. João Pessoa e região metropolitana possuíam taxas quase duas vezes maiores que a do estado (64,3), enquanto que, no interior, o mesmo era menor que a média estadual (21,2).[98]

Em 2000, os dois municípios mais populosos da Paraíba concentravam 67,6% dos casos de homicídios do estado, número que se reduziu para 55% em 2010. Considerando-se todos os municípios com mais de cem mil habitantes, que em 2000 eram responsáveis por 25% do total de homicídios, passaram, em 2010, para 35% do total do mesmo. Entre os municípios acima de 50 000 e abaixo de 100 000 habitantes, destacam-se Cabedelo e Bayeux, que apresentaram forte crescimento nos níveis de violência. Ao mesmo tempo, a região metropolitana da capital registrou um forte aumento de 164,2% nas taxas de homicídios, enquanto no interior do estado registrou queda de 30,4%.[98][99]

Conforme o "Mapa da Violência dos Municípios Brasileiros 2008", também publicado pelo Instituto Sangari, os municípios paraibanos que apresentavam as maiores taxas de homicídios por grupo de cem mil habitantes eram João Pessoa (46,7), Conde (40,5), Campina Grande (36,2), São Mamede (33,4) e São Sebastião do Umbuzeiro (33,4).[100]

Política[editar | editar código-fonte]

A Paraíba é um estado da federação, sendo governado por três poderes, o executivo, o legislativo e judiciário. A atual constituição do estado foi promulgada em 5 de outubro de 1989, acrescida das alterações resultantes de posteriores emendas constitucionais.[46] São símbolos oficiais do estado a bandeira, o brasão e o hino.[46]

O poder executivo, sediado no Palácio da Redenção,[101] está centralizado no governador do estado, eleito pelo voto popular para mandatos de quatro anos, podendo ser reeleito para mais um mandato. O primeiro governador republicano do estado foi Venâncio Augusto de Magalhães Neiva, em 1 de dezembro de 1889, primeiramente indicado pelo Governo Provisório e depois por eleição democrática.[102] O atual é, desde 1° de janeiro de 2019, João Azevêdo Lins Filho, do Cidadania, e a vice Ana Lígia Costa Feliciano, do Partido Democrático Trabalhista (PDT), eleitos no primeiro turno das eleições de 2018 com 58,18% dos votos válidos.[103]

O poder legislativo estadual está sediado na Assembleia Legislativa da Paraíba, formada por 36 deputados eleitos para mandatos de quatro anos.[104] O primeiro presidente da assembleia legislativa foi José Lucas de Souza Rangel, em 1835, e o atual é Gervásio Maia.[105] No Congresso Nacional, a representação paraibana é de três senadores e doze deputados federais.[104]

O poder judiciário da Paraíba possui sede no Tribunal de Justiça da Paraíba, e é composto por dezenove desembargadores.[106] Representações deste poder estão espalhadas por todo o estado por meio de comarcas, classificadas em primeira, segunda ou terceira entrância; ao todo, existem 77 comarcas instaladas na Paraíba, sendo 39 de primeira entrância, 33 de segunda e cinco de terceira.[107] De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral, o estado da Paraíba possuía, em novembro de 2016, 2 885 534 eleitores, o que representa 1,972% do eleitorado brasileiro.[108]

Palácio da Redenção, sede do poder executivo da Paraíba.
Prédio Governador Ernani Sátyro, onde está localizada a Assembleia Legislativa da Paraíba, sede do poder legislativo estadual.
Tribunal de Justiça da Paraíba, sede do poder judiciário.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

A Paraíba é a nona unidade da federação em número de municípios, com 223, e a terceira do Nordeste (atrás apenas da Bahia e do Piauí).[109] João Pessoa, a capital, é o município mais antigo, fundado em 1585 por carta régia. Matureia, na região da serra de Teixeira, e Santa Cecília, no agreste, são os mais recentes, ambos emancipados em 14 de dezembro de 1995 através de lei estadual.[110]

Os municípios, por sua vez, são agrupados em quinze regiões geográficas imediatas, sendo estas incluídas em quatro regiões geográficas intermediárias, segundo a nova divisão do IBGE vigente desde 2017. As regiões intermediárias são: Campina Grande (formada pelas regiões imediatas de Campina Grande, Cuité-Nova Floresta, Monteiro e Sumé), João Pessoa (regiões imediatas de Guarabira, Itabaiana, João Pessoa, Mamanguape-Rio Tinto), Patos (Catolé do Rocha-São Bento, Itaporanga, Patos, Pombal e Princesa Isabel) e Sousa-Cajazeiras (Cajazeiras e Sousa).[111]

Na divisão vigente até 2017, o território era dividido em quatro mesorregiões (Agreste, Borborema, Mata e Sertão),[112] que se subdividiam em 23 microrregiões: Brejo Paraibano, Cajazeiras, Campina Grande, Cariri Ocidental, Cariri Oriental, Catolé do Rocha, Curimataú Ocidental, Curimataú Oriental, Esperança, Guarabira, Itabaiana, Itaporanga, João Pessoa, Litoral Norte, Litoral Sul, Patos, Piancó, Sapé, Seridó Ocidental Paraibano, Seridó Oriental Paraibano, Serra do Teixeira, Sousa e Umbuzeiro.[113]

Para outros fins, o governo da Paraíba divide o território estadual em quinze regiões geoadministrativas:[114][115] Cajazeiras, Campina Grande, Catolé do Rocha, Cuité, Guarabira, Itabaiana, Itaporanga, João Pessoa, Mamanguape, Monteiro, Patos, Pombal, Princesa Isabel, Solânea (a mais recente)[116] e Sousa.

Regiões geográficas intermediárias (4)
(clique para ver a legenda)
Regiões geográficas imediatas (15)
(clique para ver a legenda)
Municípios (223)

Economia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Economia da Paraíba
Exportações da Paraíba (2012).[117]

A economia da Paraíba é a décima nona mais rica do país e a sexta da região Nordeste (ficando atrás de Bahia, de Pernambuco, do Ceará, do Maranhão e do Rio Grande do Norte, e à frente de Alagoas, Sergipe e Piauí). De acordo com dados relativos a 2014, o Produto Interno Bruto da Paraíba era de R$ 155 143 milhões e o PIB per capita de R$ 16 722,05.[118] As maiores economias da Paraíba são João Pessoa, Campina Grande, Cabedelo, Santa Rita e Patos.[119]

Em 2010, considerando-se a população municipal com idade igual ou superior a dezoito anos, 59,3% eram economicamente ativas ocupadas, 32,2% economicamente inativa e 8,5% ativa desocupada. Ainda no mesmo ano, levando-se em conta população ativa ocupada a mesma faixa etária, 40,30% trabalhavam no setor de serviços, 23,38% na agropecuária, 15,55% no comércio, 7,96% em indústrias de transformação, 7,09% na construção civil e 1,15% na utilidade pública.[120]

Cabedelo, na Região Metropolitana de João Pessoa, é a terceira maior economia do estado e o maior PIB per capita da Paraíba.[121]
Patos, maior centro econômico do sertão da Paraíba e a quinta maior economia do estado.[121]

No final do século XVI, quando começou a ocupação do território paraibano, a economia da Paraíba era centralizada no setor primário (agropecuária), principalmente no cultivo de cana-de-açúcar.[122] Segundo o IBGE, a Paraíba possuía, em 2015, um rebanho de 10 647 748 galináceos, 1 170 803 bovinos, 566 576 caprinos, 501 362 ovinos, 312 409 codornas, 174 533 suínos, 52 683 equinos e 913 bubalinos.[123] No mesmo ano, o estado produziu, na lavoura temporária, cana-de-açúcar (6 801 981 t), abacaxi (290 772 mil frutos), mandioca (131 073 t), batata-doce (30 192 t), tomate (13 045 t), milho (10 934 t), feijão (7 019 t), melancia (4 292 t), cebola (2 256 t), fava (1 439 t), batata-inglesa (473 t), arroz (360 t), amendoim (252 t), algodão herbáceo (228 t) e alho (10 t).[124] Já na lavoura permanente: banana (134 606 t), coco-da-baía (36 385 t), mamão (30 810 t), tangerina (15 304 t), manga (11 306 t), maracujá (8 287 t), laranja (5 424 t), sisal (5 035 t), uva (2 196 t), goiaba (2 023 t), limão (1 882 t), castanha de caju (960 t), abacate (624 t), urucum (395 t) e pimenta-do-reino (58 t).[125] Em 2011, os municípios que possuíam o maior produto interno bruto agropecuário do estado eram, em ordem decrescente, Pedras de Fogo, Santa Rita, Itapororoca e Araçagi.[121]

A Paraíba tinha em 2018 um PIB industrial de R$ 8,8 bilhões, equivalente a 0,7% da indústria nacional e empregando 109.825 trabalhadores na indústria. Os principais setores industriais são: Construção (32,1%), Serviços Industriais de Utilidade Pública, como Energia Elétrica e Água (23,9%), Couros e Calçados (11,3%), Alimentos (6%) e Minerais não metálicos (5,9%). Estes 5 setores concentram 79,2% da indústria do estado. [126]

O perfil industrial da Paraíba está voltado principalmente para o benefício de minerais e de matéria-prima vindas do setor primário. Os principais centros industriais da Paraíba, bem como os principais industriais do estado, são: na zona da mata, a Região Metropolitana de João Pessoa (Bayeux, Cabedelo, Conde, João Pessoa, Lucena e Santa Rita), onde se encontram principalmente as indústrias alimentícia, de cimento, de construção civil e a têxtil; no agreste, Campina Grande, onde se destacam novamente as indústrias de alimentos, como também as de bebidas, calçados, frutas industrializadas e, mais recentemente, de software; no sertão, Cajazeiras, Patos, São Bento e Sousa, com destaque para as indústrias de confecções e a têxtil. A atividade industrial no estado encontra-se, até os dias atuais, em processo de desenvolvimento, com intuito de gerar melhores condições de vida à população.[127][128] Os maiores PIBs do setor secundário são João Pessoa, Campina Grande, Santa Rita, Cabedelo e Caaporã.[121]

No comércio, o valor de vendas em todo o estado chegou a 4,8 bilhões de reais, enquanto todo o setor terciário contribuiu com mais de 25 bilhões.[129] O estado é o quinto maior em exportação no Nordeste, destacando-se na exportação de bens de consumo, bens intermediários e de capital. Açúcar, álcool etílico, calçados, granito, roupas, sisal e tecidos são os principais produtos exportados da Paraíba para o exterior, destinados principalmente para Austrália, Argentina, Estados Unidos, Rússia e União Europeia.[130]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Outra importante fonte de renda econômica na Paraíba é o turismo. Eleito melhor destino nacional do ano em 2013, cerca de um milhão de turistas que visitam o estado todos os anos.[131]

Litoral

Com 55 praias,[132] o litoral paraibano possui aproximadamente 154 quilômetros de extensão, estendendo-se desde Mataraca, na divisa com o estado do Rio Grande do Norte, até Pitimbu, na divisa com Pernambuco.[49]

Lagoa do Parque Sólon de Lucena, cartão postal de João Pessoa
Pôr do sol na praia fluvial do Jacaré, em Cabedelo
Vale dos Dinossauros, em Sousa, no sertão

A capital paraibana é considerada porta de entrada para o turismo no estado da Paraíba.[133] Desde 1970, com a construção do Hotel Tropical Tambaú, João Pessoa investiu bastante no setor turístico, o que contribuiu com o desenvolvimento comercial na orla da cidade. Tendo como principal cartão-postal o Parque Sólon de Lucena, João Pessoa possui 37 quilômetros de praias, como as de Bessa, Manaíra e Penha e Tambaú, além de um vasto acervo cultural e construções históricas, desde construções mais antigas no centro histórico (como a Casa da Pólvora, o Centro Cultural São Francisco, o cruzeiro monolítico, a Igreja de Nossa Senhora do Carmo e o mosteiro de São Bento), até as mais recentes (tais como o Hotel Globo e o Teatro Santa Rosa), além de contar com a segunda maior reserva de Mata Atlântica do Brasil localizada em área urbana.[27][134] Ainda em João Pessoa está localizado o Espaço Cultural José Lins do Rego, no bairro de Tambauzinho, construído em uma área de 55 000 m³, onde funciona o primeiro planetário da região Nordeste, além de ocorrerem apresentações culturais, exposições e feiras.[135]

No litoral norte, destaca-se Cabedelo, uma das cidades mais portuárias do país. Na cidade situam-se a Fortaleza de Santa Catarina e a praia fluvial do Jacaré, no estuário do Rio Paraíba, que dispõe de um pôr do sol ao som do Bolero de Ravel tocado diariamente por Jurandy do Sax; de Intermares; de Camboinha e de Poço, onde, nas duas últimas, está situada a ilha de Areia Vermelha. Outros destinos do litoral norte são Baía da Traição, município que possui praias e redutos indígenas com aldeias, e Lucena, com destaque para a Igreja de Nossa Senhora da Guia.[136][137]

O litoral sul possui algumas das praias mais bonitas do Brasil, entre as quais as do Amor, de Carapibus, de Graú, de Jacumã, de Pitimbu e de Tabatinga. Mas a mais famosa de todas elas é a de Tambaba, cercada por falésias e matas densas, localizada na Barra de Garaú, no município de Conde. É a primeira praia de naturismo da Região Nordeste e a segunda do Brasil, atraindo milhares de visitantes anualmente.[136][137] As areias coloridas de Pitimbu são outro destaque do litoral sul.[138]

Interior

Campina Grande, no agreste, é o principal destino turístico do interior, abrigando, junto com João Pessoa, os principais eventos realizados na Paraíba, como O Maior São João do Mundo, o festival de Inverno, o Encontro da Nova Consciência, além de contar com hotéis e diversos outros atrativos.[139][140]

No município de Ingá, ainda no agreste, encontra-se o sítio arqueológico mais visitado do estado, conhecido como Pedra do Ingá, um dos monumentos pictográficos mais estudados no mundo, onde estão gravadas dezenas de inscrições rupestres em baixo-relevo, com mensagens que até hoje ainda não decifradas. Embora ainda fazendo parte do desconhecido, os achados da Pedra do Ingá estão já há bastante tempo catalogados por notáveis arqueólogos como um dos mais importantes documentos líticos, motivando permanentes e incessantes pesquisas, que buscam informações mais nítidas sobre a vida e os costumes de civilizações passadas.[141]

Outros importantes atrativos turísticos naturais e culturais do interior paraibano são: na região agreste, a Cachoeira do Roncador (nos municípios de Bananeiras e Borborema), o Memorial Frei Damião (em Guarabira), a Pedra da Boca (em Araruna); na região da Borborema, o Lajedo de Pai Mateus (em Cabaceiras); no sertão, O Melhor São João do Mundo (em Patos),[142] a Estância Termal de Brejo das Freiras (em São João do Rio do Peixe) e o Vale dos Dinossauros (em Sousa).[27][138][143][144][145]

Inscrições rupestres na Pedra do Ingá, sítio arqueológico mais visitado da Paraíba[141]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena (HEETSHL) em João Pessoa

Em 2009, existiam, no estado, 2 622 estabelecimentos hospitalares, com 8 149 leitos. Dos estabelecimentos hospitalares, 1 825 eram públicos, sendo 1 762 de caráter municipal, 57 de caráter estadual e apenas seis de caráter federal. 797 estabelecimentos eram privados, sendo 734 com fins lucrativos e 63 sem fins lucrativos. 79 unidades de saúde eram especializadas, com internação total, e 2 145 unidades eram providas de atendimento ambulatorial.[146]

De acordo com uma pesquisa realizada pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios em 2008, 72,5% da população paraibana avaliou sua saúde como boa ou muito boa, 65,2% afirmaram ter realizado consulta médica nos últimos doze meses anteriores à data da entrevista, 41,3% dos habitantes consultaram o dentista no mesmo período e 7,2% da população esteve internado em leito hospitalar. 29,5% dos habitantes declararam ter alguma doença crônica e apenas 12,2% dos residentes tinham cobertura de plano de saúde. No mesmo ano, 83,7% dos domicílios particulares permanentes estavam cadastrados no programa Unidade de Saúde Familiar.[147]

De acordo com a mesma pesquisa, na questão de saúde feminina, 24,4% das mulheres com mais de 40 anos fizeram exame clínico das mamas nos últimos doze meses, 27,8% das mulheres entre 50 e 69 anos fizeram exame de mamografia nos últimos dois anos e 65,3% das mulheres entre 25 e 59 anos fizeram exame preventivo para câncer do colo do útero nos últimos três anos.[147]

Educação[editar | editar código-fonte]

A cidade de Cajazeiras, no extremo oeste do estado, é apelidada de "a terra que ensinou a Paraíba a ler", tendo sido fundada nos alicerces de um estabelecimento de ensino.[148]

Em 2015, a Paraíba dispunha de 5 724 escolas de ensino pré-escolar, 4 632 estabelecimentos de ensino fundamental e 558 de ensino médio, com um total de 808 693 matrículas. Nesses estabelecimentos de ensino existiam 34 907 docentes de ensino fundamental, 10 839 de ensino médio e 5 724 do pré-escolar.[149]

Na lista de estados brasileiros por IDH, com dados de 2010, o fator "educação" atingiu a marca de 0,555 de índice, segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), ficando, em todo o país, à frente apenas do Maranhão (0,547), do Pará (0,528) e de Alagoas (0,520).[150] Tratando sobre o analfabetismo, a lista de estados brasileiros por taxa de alfabetismo (mais o Distrito Federal) mostra a Paraíba com a terceira maior taxa, com 20,2% de sua população considerada analfabeta, mais que o dobro da média nacional (9,02%), de acordo com o censo de 2010.[151] O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica do estado, em 2015, foi de 4,9 para os anos iniciais (1ª à 4ª série), 3,8 para os anos finais (5ª à 8ª série) e 3,4 para a terceira série do ensino médio.[152]

Câmpus da Universidade Federal de Campina Grande em Pombal.

Ainda em 2010, a Paraíba possuía uma expectativa de anos de estudos de 9,24 anos, valor inferior à média nacional (9,54 anos). O percentual de crianças de cinco a seis anos na escola era de 94,13% e de onze a treze anos cursando o fundamental de 81,67%. Entre os jovens, a proporção na faixa de quinze a dezessete anos com fundamental completo era de 44,85% e de 18 a 20 anos com ensino médio completo de 32,88%. Considerando-se apenas a população com idade maior ou igual a 25 anos, 37,67% tinham ensino fundamental completo, 27,42% analfabetos, 26,98% ensino médio completo e 8,02% superior completo.[120] Em 2015, a distorção idade-série entre alunos do ensino fundamental, ou seja, com idade superior à recomendada, era de 19,2% para os anos iniciais, 36,5% nos anos finais, sendo essa defasagem no ensino médio de 32,8%.[153]

Entre as várias instituições de ensino da Paraíba, estão o Centro Universitário de João Pessoa (UNIPE),[154] a Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA),[155] a Faculdade de Enfermagem Nova Esperança (FACENE)[156], as Faculdades Integradas de Patos (FIP),[157] o Instituto de Educação Superior da Paraíba (IESP),[158] o Instituto Federal da Paraíba (IFPB),[159] a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB),[160] a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)[161] e a Universidade Federal da Paraíba (UFPB).[162]

Transporte[editar | editar código-fonte]

Mapa viário da Paraíba

A frota estadual em 2015 era de 1 114 851 veículos, 464 417 automóveis, 425 069 motocicletas, 71 436 caminhonetes, 59 590 motonetas, 27 858 caminhões, 24 091 camionetas, 7 492 utilitários, 7 002 ônibus, 4 391 micro-ônibus, 2 630 caminhões e 41 tratores de rodas, além de 20 834 em outras categorias.[163]

Na Paraíba existem apenas dois aeroportos administrados pela Infraero.[164] São eles o Aeroporto Presidente Castro Pinto (que está localizado a onze quilômetros do centro de João Pessoa, no município de Bayeux, é internacional e de porto médio, foi inaugurado em 1957 e atualmente possui uma movimentação anual de até 2,3 milhões de passageiros)[165][166] e o Aeroporto Presidente João Suassuna (localizado em Campina Grande, a seis quilômetros da zona urbana do município, inaugurado em 1957 e com um fluxo de até 250 mil passageiros por ano).[167][168] Há também outros aeroportos menores: Cajazeiras, Catolé do Rocha, Conceição, Guarabira, Itaporanga, Monteiro, Patos, Rio Tinto e Sousa.[169]

Aeroporto Internacional Presidente Castro Pinto, em Bayeux
Início da rodovia Transamazônica (BR-230) em Cabedelo

No transporte rodoviário, a Paraíba é cortada por sete rodovias federais, das quais três têm início no litoral do Rio Grande do Norte, passando pela Paraíba e se estendendo até outros estados: BR-101,[170] BR-104,[171] e BR-110.[172] Outras três têm início em solo paraibano: a BR-230 (Rodovia Transamazônica), que parte de Cabedelo e se estende até a fronteira do Brasil com o Peru, no Amazonas;[173] a BR-412, a única rodovia federal localizada inteiramente em território paraibano, começando no distrito de Farinha, município de Boa Vista, e terminando em Monteiro, onde se encontra com a BR-110;[174] e a BR-427, ligando em Pombal, no sertão, a Currais Novos (Rio Grande do Norte), onde se encontra com a BR-226.[175] Um pequeno trecho da BR-116, com aproximadamente quatorze quilômetros de extensão, também corta o estado da Paraíba, passando somente pelo município de Cachoeira dos Índios, extremo oeste do estado.[176] Há diversas outras rodovias estaduais,[177] que, junto com as rodovias federais, somam 5 030 quilômetros de extensão (dos quais 1 400 sob jurisdição federal),[178] sendo 2 140 km pavimentados, 1 468 km implantados, 1 372 km em leito natural e 50 km planejados.[179]

No transporte ferroviário, a Paraíba possui 660 quilômetros de ferrovias,[180] a maior parte desativada e em péssimas condições.[181] Anteriormente, a Paraíba era servida por duas importantes ferrovias: a primeira, operada pela Rede Ferroviária do Nordeste, tinha início em Natal, capital do Rio Grande do Norte e chegava até a Paraíba, possuindo um ramal em direção a Cabedelo e outro em Campina Grande com destino a Patos e, posteriormente a Sousa; a segunda era operada pela Rede de Viação Cearense, e partia de Fortaleza, capital do Ceará, e, na Paraíba, chegava até Sousa, onde se encontrava com o trecho da Rede Ferroviária do Nordeste.[182][183] Nos dias atuais, está ativo apenas o ramal que faz a ligação entre Santa Rita, João Pessoa e Cabedelo, servindo aos trens metropolitanos do Sistema de Trens Urbanos de João Pessoa, administrado pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos.[184]

Quanto ao transporte marítimo, que é um dos vetores fundamentais da economia do estado, a Paraíba possui o Porto de Cabedelo, que está localizado vizinho à Fortaleza de Santa Catarina, na margem direita do estuário do Rio Paraíba[185] e foi construído na primeira metade do século XX, sendo inaugurado em 1935 e com a sua administração exercida pelo governo da Paraíba até 1978, quando passou a ser administrado pela Empresa de Portos do Brasil S.A., extinta em 1990, ano em que o porto teve sua administração exercida pela Companhia Docas do Rio Grande do Norte e, desde 1998, pela Companhia Docas da Paraíba.[186] Há também o Porto de Capim, de pequeno porte, localizado em João Pessoa, à beira do rio Sanhauá e permaneceu ativo até a inauguração do porto de Cabedelo.[187]

Habitação, serviços e comunicações[editar | editar código-fonte]

Unidade da CAGEPA em Campina Grande

A responsável pelo abastecimento de água em 181 dos 223 municípios paraibanos, bem como a coleta de esgotos em 22 municípios, é a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba, criada em 1966.[188] A principal distribuidora de energia elétrica do estado era a Sociedade Anônima de Eletrificação da Paraíba (SAELPA), até 2007, ano em que a empresa foi extinta e desde então o fornecimento de energia é realizado pela Energisa, que atende em 216 municípios.[189] A voltagem da rede é de 220 volts.[190] Em 2010, a Paraíba tinha 84,87% do seus domicílios do estado tinham água canalizada[191] e 99,29% com eletricidade,[192] além de 77,8% com coleta de lixo.[193]

No campo do serviço telefônico móvel, por telefone celular, a Paraíba faz parte da "área 10" da Agência Nacional de Telecomunicações (que compreende, além da Paraíba, os estados de Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte, Piauí e Alagoas)[194] e é servido por quatro operadoras telefônicas: dados de fevereiro de 2013 apontavam a Oi com a maior participação neste mercado no estado (33,04%), seguida pela TIM (32,24%), Claro (25,91%) e Vivo (8,81%).[195] O código de discagem direta a distância de todos os municípios do estado é 083.[196] Em 2010 63,73% dos domicílios tinham somente telefone celular, 15,37% telefone celular e fixo e 1,92% apenas telefone fixo.[197]

Existem vários jornais em circulação em diversos municípios do estado. Alguns deles são: Diário do Sertão (Cajazeiras); Jornal da Paraíba e Rede Campina (Campina Grande); Alternativa Nordeste, Click PB, Correio da Paraíba, Folha da Paraíba, Paraíba News, Portal T5 e Portal BIP (João Pessoa) e Notícias do Cariri (Monteiro), além de vários outros, como Paraíba Online, Paraibeabá, Virgulino e Vitrine do Cariri.[198] Havia também os jornais Diário da Borborema (Campina Grande) e O Norte (João Pessoa), que saíram de circulação em 1º de fevereiro de 2012.[199]

Há transmissão de canais nas faixas Very High Frequency (VHF) e Ultra High Frequency (UHF). A Paraíba é sede de diversas emissoras de televisão, como: em João Pessoa, a TV Arapuan (afiliada da Rede TV!),[200] TV Cabo Branco (afiliada da Rede Globo)[201], TV Tambaú (afiliada ao SBT) e a TV Miramar (afiliada à Rede Cultura),[202] TV Paraíba (afiliada à Rede Globo);[201] no interior, a TV Borborema (afiliada do Sistema Brasileiro de Televisão)[203] e a TV Itararé (afiliada da TV Cultura),[204] ambos sediados em Campina Grande.

Segurança pública[editar | editar código-fonte]

As principais unidades das forças armadas presentes na Paraíba são: no Exército Brasileiro, o estado é integrante do Comando Militar do Nordeste, com sede em Recife, capital de Pernambuco, e abrange toda a área do nordeste brasileiro, com exceção de uma pequena parte do oeste do Maranhão;[205] na Marinha do Brasil, o estado faz parte do 3º Distrito Naval, com sede em Natal, Rio Grande do Norte;[206] e na Força Aérea Brasileira, a Paraíba integra o II Comando Aéreo Regional - sediado na Base Aérea de Recife e com jurisdição sobre todos os estados nordestinos, exceto o Maranhão -,[207] e o 3º Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo, ambos com sede em Recife.[208]

A Polícia Militar da Paraíba foi criada durante o período imperial, sendo órgão público em atividade mais antigo do estado. Tem por função primordial o policiamento ostensivo e a preservação da ordem pública no estado da Paraíba. Ela é Força Auxiliar e Reserva do Exército Brasileiro, e integra o Sistema de Segurança Pública e Defesa Social do Brasil, sendo seus integrantes denominados militares dos estados.[209][210]

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado da Paraíba é um comando intermediário da polícia militar estadual, cuja missão consiste na execução de atividades de defesa civil, prevenção e combate a incêndio, buscas, salvamentos e socorros públicos, no âmbito do estado da Paraíba.[211] Assim como ocorre com os policiais militares, os integrantes do Corpo de Bombeiros também são denominados militares dos estados pela constituição federal.[212]

A Polícia Civil do Estado da Paraíba foi criada pela lei estadual nº 4273, de setembro de 1981, tem a função de polícia judiciária e é responsável pela apuração das infrações penais, com o objetivo de promover o bem-estar e a paz social da população.[213]

Cultura[editar | editar código-fonte]

O Maior São João do Mundo, evento que acontece na cidade de Campina Grande, é um dos principais eventos da Paraíba, atraindo mais de dois milhões de pessoas durante um mês de festividades no Parque do Povo.
Sede da Academia Paraibana de Letras (APL), em João Pessoa, na antiga residência de Augusto dos Anjos, considerado o maior poeta de literatura paraibana.[214]

O responsável pelo setor cultural do estado da Paraíba é o Conselho Estadual de Cultura, juntamente com a Secretaria Estadual de Cultura. O conselho foi instituído pelo decreto estadual nº 32 408 de 14 de setembro de 2011, está vinculado ao gabinete do governador e tem por objetivo planejar e executar a política cultural do estado por meio da elaboração de programas, projetos e atividades que visem ao desenvolvimento cultural, além de defender a conservação do patrimônio artístico, cultural e histórico da Paraíba.[215]

Em todos os municípios da Paraíba ocorre uma diversa quantidade de eventos, sendo os mais importantes: na capital, a festa da padroeira Nossa Senhora das Neves e de Nossa Senhora da Penha; em Campina Grande, O Maior São João do Mundo, já mencionado; em Guarabira, a festa da Luz; em Pombal e Santa Luzia, a festa do Rosário e, em Patos, a Festa de Nossa Senhora da Guia,[216] além de O Melhor São João do Mundo.[217] Entre as danças mais praticadas encontram-se: bumba-meu-boi, coco-de-roda, ciranda, nau-catarineta, pastoril e xaxado, muito populares durante todo o ano, sendo algumas principalmente durante o carnaval e o mês de junho, durante o período das festas juninas.[218] Dentre os folguedos, estão a barca, a cavalhada, os cocos e as lapinhas.[216]

A literatura paraibana tem dado grandes contribuições para o cenário literário brasileiro, destacando-se Augusto dos Anjos, Ariano Suassuna, Assis Chateaubriand, Celso Furtado, Pedro Américo, José Lins do Rego, José Américo de Almeida, Félix Araújo, José Nêumanne Pinto, Lúcio Lins, Moacir Japiassu, dentre muitos.[219] Além dos escritores, também pode-se citar a literatura de cordel, gênero literário geralmente expresso em folhetos expostos ou não em barbantes, trazido pelos portugueses durante o período colonial; além da Paraíba, esse tipo de produção também é típico dos seus vizinhos Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte.[220][221]

A Paraíba também é terra de vários escritores, músicos e intelectuais, e de várias outras personalidades, como os políticos Aurélio Lira (presidente da Junta Militar de 1969), Epitácio Pessoa (presidente do Brasil entre 1919 e 1922 e o único brasileiro a ocupar a presidência dos três poderes da república), Humberto Lucena (que foi por duas vezes presidente do Senado Federal do Brasil) e João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque (que foi candidato na chapa de Getúlio Vargas à presidência da república em 1930, presidente do estado da Paraíba entre 1928 a 1930, ano em que foi assassinado; atualmente, a capital paraibana, João Pessoa, leva seu nome).[219] Outras personalidades famosas são André Vidal de Negreiros (governador colonial português e herói da Insurreição Pernambucana de 1645), Assis Chateaubriand (que foi empresário, jornalista, fundador do Museu de Arte de São Paulo, membro da Academia Brasileira de Letras e político), Cláudia Lira (atriz), Elpídio Josué de Almeida (historiador e político), Fábio Gouveia (surfista), Inácio de Sousa Rolim (conhecido como padre Rolim, foi educador, missionário e sacerdote), Ingrid Kelly (modelo), João Câmara Filho (pintor), Piragibe (herói da conquista da Paraíba), José Dumont (ator), Luiza Erundina (prefeita de São Paulo entre 1989 e 1993 e atualmente deputada federal pelo estado de São Paulo), Maílson da Nóbrega (ex-ministro da Fazenda do Brasil), Manuel Arruda Câmara (religioso, médico e intelectual), Marcélia Cartaxo (atriz), os irmãos Vladimir Carvalho e Walter Carvalho (cineastas) e Wills Leal (jornalista).[219]

Artesanato[editar | editar código-fonte]

O artesanato é uma das formas mais espontâneas da expressão cultural paraibana. Em várias partes da Paraíba é possível encontrar uma produção artesanal diferenciada, criada de acordo com a cultura e o modo de vida local e feita com matérias-primas regionais, como os bordados, a cerâmica, o couro, o crochê, a fibra, o labirinto, a madeira, o macramê e as rendas. Alguns grupos reúnem diversos artesãos, disponibilizando espaço para confecção, exposição e venda dos produtos artesanais.[222]

Entre os principais centros de artesanato do estado estão: o Mercado de Artesanato da Paraíba, em João Pessoa, espaço de 120 lojas com vários produtos artesanais variados, como bordados e redes, além de comidas típicas regionais;[223] a Feira de Artesanato de Tambaú, também em João Pessoa, que possui lanchonetes, praças de alimentação e restaurantes, além de contar com diversas apresentações culturais;[224] a Casa do Artista Popular, igualmente situada na capital, inaugurada em 2006, reunindo mais de mil peças e representações do artesanato paraibano[225] e a Vila do Artesão, em Campina Grande, que possui 77 chalés e é bastante procurada durante o São João.[226]

Além destes equipamentos permanentes, acontece, duas vezes ao ano, o evento Salão do Artesanato Paraibano, vinculado ao Programa de Artesanato da Paraíba do governo estadual, que conta com mais de cinco mil artesãos.[227] Uma das edições do evento ocorre durante o verão em João Pessoa[228] e a outra, durante o inverno em Campina Grande.[229] Participam dos eventos milhares de artesãos e visitantes todos os anos.[228][229][230][231]

Teatros e museus[editar | editar código-fonte]

Teatro Minerva, o mais antigo da Paraíba, no centro histórico de Areia

O primeiro teatro construído na Paraíba foi o Minerva, localizado em Areia, na segunda metade do século XIX (1859). Com o decorrer dos anos, foram surgindo novos espaços teatrais que foram ganhando importância, como o Teatro Santa Rosa, no Centro Histórico de João Pessoa, hoje o mais importante do estado. O teatro mais recentemente entregue é o Teatro Pedra do Reino, no Centro de Convenções da capital.[232] Outros espaços teatrais da Paraíba são o teatro Santa Inês (em Alagoa Grande); teatro Santa Catarina (Cabedelo); teatro Íracles Pires (Cajazeiras); Espaço Paulo Pontes e teatros Elba Ramalho, Rosil Cavalcanti e Severino Cabral (Campina Grande); teatros de Arena, Ariano Suassuna, Cilaio Ribeiro, Ednaldo Egypto, Lampião, Lima Penante, Paulo Pontes, Piollin e da SESI, além do Cine Teatro Banguê (em João Pessoa); teatro Oficina de Artes (em Santa Rita) e cine-teatro Gadelha (em Sousa).[233]

O estado também possui vários museus, dentre os quais destacam-se o Museu da Rapadura (em Areia), Museu de Arte Assis Chateaubriand (está localizado em Campina Grande e é o mais famoso da Paraíba;[234] foi inicialmente denominado Museu de Arte de Campina Grande em 1967, ano de sua fundação, depois Museu Regional de Arte Pedro Américo e, desde a década de 1980, o museu possui seu nome atual),[235] o Museu Histórico e Geográfico (também em Campina Grande), o Museu da Fundação Ernani Satyro (está situado em Patos e possui arquitetura do século XIX, sendo doada posteriormente para a fundação Ernani Satyro e atualmente possui vários objetos e utensílios da antiga residência de Ernani Satyro),[236] e o Museu Sacro (em João Pessoa).[216]

Culinária[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Culinária da Paraíba

A culinária da Paraíba é resultado da miscigenação entre africanos, europeus e indígenas.[237] Buchada de bode, carne de sol preparado ao forno ou com purê de macaxeira, galinha de cabidela, lagosta ao alho e óleo, moqueca de camarão, moqueca de peixe, paçoca, panelada, peixe misturado a camarão e legumes e pernil de cabrito assado são os salgados típicos do estado, enquanto arroz doce, bolo de fubá, bolo de macaxeira, bolo de milho, canjica, cuscuz de tapioca, pamonha, pudim de macaxeira e pudim de tapioca são os principais doces.[238] Outros pratos típicos de todas as regiões do estado são arroz de leite, arrumadinho, bode guisado, cabeça de gado, chouriço doce, lagosta, macaxeira, mungunzá, pamonha, peixes, queijo assado e tapioca.[239][240]

Os pratos típicos também variam em cada região do estado. No litoral, destacam-se os frutos do mar, bem como os petiscos de beira da praia. No interior, os pratos mais consumidos no cardápio são galinha a cabidela e as carnes de bode e sol. Na região do brejo, onde estão localizadas algumas das principais marcas de bebidas alcoólicas do Brasil, a cachaça é muito popular. No sertão, o principal cardápio são o arroz vermelho, as carnes e os grãos.[240]

Música[editar | editar código-fonte]

A música paraibana varia em vários ritmos, como baião, ciranda, forró e xote,[241] e destes são influenciados vários grupos musicais e artistas. Algumas das personalidades musicais nascidas na Paraíba são Abdon Felinto Milanês, Antônio Barros, Barros de Alencar, Bartô Galeno, Bastinho Calixto, Biliu de Campina, Cecéu, Chico César, Elba Ramalho, Flávio José, Genival Lacerda, Geraldo Vandré, Herbert Vianna, Jackson do Pandeiro, Lucy Alves, Parafuso, Pinto do Acordeon, Renata Arruda, Roberta Miranda, Sivuca, Zé Pacheco e Zé Ramalho.[219] A Orquestra Sinfônica da Paraíba foi criada pelo professor Afonso Pereira da Silva em 4 de novembro de 1945 por meio de uma iniciativa da Sociedade de Cultura Musical da Paraíba e, posteriormente, por meio de uma parceira entre a Universidade Federal da Paraíba e o governo estadual.[242]

A Paraíba e seu povo também são exaltados em canções. Alguns exemplos são o samba-exaltação "Meu Sublime Torrão" (1937) de Genival Macedo, que se tornou o Hino Popular da Cidade de João Pessoa através da Lei Municipal N. 1.601, de 16 de março de 1972,[243] e o hino não oficial da Paraíba,[244][245] o baião "Paraíba" (1950) de Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga,[246] o côco "Na Paraíba" (1957) de Zé do Norte,[247] o samba "Paraíba" (1972), de Carlos Magno e João Rodrigues,[248] o xote "Paraíba, Meu Amor" (1997) de Chico César,[249] e o forró "Paraíba Joia Rara" (2011) de Ton Oliveira.[250]

Esporte[editar | editar código-fonte]

Partida do Campeonato Paraibano de Futebol de 2006, entre o Botafogo e o Treze no Estádio José Américo de Almeida Filho, em João Pessoa.

O futebol foi introduzido pela primeira na Paraíba no início do século XX, quando, em 1908, o estudante José Eugênio Soares trouxe da cidade do Rio de Janeiro para o estado a primeira bola de futebol, dando origem ao primeiro clube paraibano, o Club de Foot Ball Parahyba. Em 1914, foi fundada a Liga Parahyba de Foot Ball e, cinco anos depois, foi criada a Liga Desportiva Paraibana, cujo primeiro jogo ocorreu em 25 de maio de 1919, no Hypodromo Parahybano. A Federação Desportiva da Paraíba foi criada em 1941, transformando-se, seis anos depois, na atual Federação Paraibana de Futebol, entidade responsável por organizar anualmente o Campeonato Paraibano, disputado em duas divisões.[251] Até 2015, o Botafogo, de João Pessoa, era a equipe com o maior número de títulos no campeonato estadual, com 27, seguido pelo Campinense (19 títulos) e o Treze (14), ambos de Campina Grande.[252] Dentre os jogadores e ex-jogadores paraibanos famosos estão Mazinho (campeão da Copa do Mundo de 1994), Douglas Santos (medalha de ouro nos Jogos Olímpicos do Rio 2016), Júnior (multicampeão pelo Flamengo) e Hulk (disputou a Copa do Mundo de 2014).[253]

Petrúcio Ferreira, natural de São José do Brejo do Cruz, detentor de três medalhas de ouro nos Jogos Paralímpicos de Verão de 2016, realizados na cidade do Rio de Janeiro.

A partir dos anos de 1960, natação também passou a ganhar importância com o surgimento dos clubes pessoenses Astrea e Cabo Branco e, posteriormente, ganharam atenção o polo aquático, o nado sincronizado e as maratonas aquáticas. Em 1979, a paraibana Kay France tornou-se a primeira mulher da América Latina a atravessar o Canal da Mancha, entre França e Reino Unido, na Europa. O desenvolvimento da natação na Paraíba também tornou possível a conquista de títulos nacionais ou internacionais de seus atletas, destacando-se o pessoense Kaio Márcio, especialista no nado borboleta e um dos melhores nadadores do país. Além da natação, há a prática de kitesurf e windsurf, no litoral.[251]

Outras personalidades paraibanas no esporte são Zé Marco no vôlei de praia (medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Sydney 2000), Edinanci Silva no judô (ouro nos Jogos Pan-Americanos de Santo Domingo 2003 e do Rio 2007), Aline "Pará" no handebol (ouro no Pan de Santo Domingo 2003 e do Pan do Rio 2007)[254] e Ednalva "Pretinha" no atletismo (ganhou várias corridas tradicionais de 10 mil metros).[255]

Paraibanos também são destaques nos Jogos Paraolímpicos, entre eles o velocista Petrúcio Ferreira (três ouros na Rio 2016),[256] eleito o melhor do esporte paraolímpico em 2016,[257] o jogador de golbol José Roberto Oliveira (prata em Londres 2012 e bronze no Rio 2016) e os medalhistas de ouro no futebol de 5 Andreonni Fabrizius (Atenas 2004 e Pequim 2008),[258][259] Daniel da Silva (Londres 2012),[260] Fábio Vasconcelos (Atenas 2004, Pequim 2008 e Londres 2012),[258][259][260] Luan Lacerda (Rio 2016),[261][262] Marcos Felipe (Atenas 2004, Pequim 2008, Londres 2012 e Rio 2016),[258][259][260][261][262] Damião Ramos (Atenas 2004, Pequim 2008 e Rio 2016)[258][259][261][262] e Severino "Bill" da Silva (Atenas 2004, Pequim 2008 e Londres 2012).[258][259][260]

Feriados[editar | editar código-fonte]

Existem na Paraíba dois feriados estaduais, a data magna do Estado da Paraíba, Fundação do Estado em 1585 e dia da sua padroeira Nossa Senhora das Neves,em 5 de agosto, instituído pela Lei Estadual n.º 10.601, de 16 de dezembro de 2015 e o feriado em homenagem à memória do ex-presidente João Pessoa no dia 26 de julho, instituído pela lei Lei Estadual 3.489/67, Art. 2º. [263][264]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e «Paraíba». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 8 de setembro de 2021 
  2. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). «Área Territorial Oficial - Consulta por Unidade da Federação». Consultado em 29 de agosto de 2021 
  3. «Contas Regionais 2018». IBGE. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  4. «Sinopse do Censo Demográfico 2010». IBGE. Consultado em 2 de dezembro de 2016 
  5. «Unidades da Federação - Esperança de vida ao nascer - Brasil - Total - 2017» (PDF). IBGE. p. 11. Consultado em 29 de novembro de 2018 
  6. a b IPEA -Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. «Evolução do IDHM e de Seus Índices Componentes no período de 2012 a 2017» (PDF). Gráfico 7 - página 25. Consultado em 18 de abril de 2019 
  7. BARBOSA, Francisco de Assis; MELO, Virginius da Gama; Paraíbain "Enciclopédia Mirador Internacional", Volume 16, Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda., São Paulo, 1993, p. 8580.
  8. MELLO, José Octávio Arruda (1997). História da Paraíba: lutas e resistência. [S.l.]: Editora Universitária. 279 páginas 
  9. BARBOSA, José Elias Borges (2004). «As nações indígenas da Paraíba». Instituto Histórico e Geográfico Paraibano. Consultado em 16 de julho de 2014 
  10. a b c d e MELLO, José (2008). História da Paraíba 11.ª ed. João Pessoa: A União 
  11. a b c d MELLO, José Octávio de Arruda. 2 A ocupação do litoral e as bases da colonização paraibana. [S.l.]: A União. 22 páginas 
  12. a b c d Hulsman, Lodewijk (2006). «Índios do Brasil na República dos Países Baixos: as representações de Antônio Paraupaba para os estados gerais em 1654 e 1656». Revista de História (154): 37–69 
  13. Fundação José Augusto (7 de março de 2016). «Domínio Holandês» (PDF). Fundação José Augusto. p. 1. Consultado em 27 de dezembro de 2016 
  14. a b Donato, Hernâni (1996). Dicionário das batalhas brasileiras 2ª ed. São Paulo: Ibrasa. p. 549 
  15. a b c Leandro de Lima Lira. «História da Paraíba» (PDF). Polícia Militar da Paraíba. Consultado em 8 de junho de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 23 de agosto de 2009 
  16. «História da Paraíba». Portal Paraíba Total. Consultado em 9 de junho de 2013 
  17. a b MELLO, José Octávio de Arruda; et al. 4 O Espaço Sertanejo: Deslocamento da fronteira e massacre dos indígenas. [S.l.]: A União. 22 páginas 
  18. MEDEIROS, Ricardo (2009). Trajetórias políticas de povos indígenas e índios aldeados na Capitania da Paraíba durante o século XVIII (PDF). XXV Simpósio Nacional de História. Fortaleza. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  19. Barão de Studart (1931). «O Padre Martin de Nautes e o Cel. Dias D'Ávila» (PDF). Revista Trimestral do Instituto do Ceará. ANNO XLV: 37-52 
  20. Christiane Sarmento (2007). Povoações, Freguesias e Vilas na Paraíba Colonial: Pombal e Sousa, 1697–1800 (PDF) (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  21. Confraria do IAHGP (1919). Revista, volume 21, edições 103-106. [S.l.]: Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano (IAHGP) 
  22. «Repercussões no Rio Grande do Norte». Tribuna do Norte. Consultado em 10 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 3 de julho de 2001 
  23. a b c MELLO, José Octávio de Arruda. 6 Modelo de Independência e Revoluções Liberais. [S.l.]: A União. 22 páginas 
  24. a b MELLO, José Octávio de Arruda. 7 Centralismo e movimentos sociais de 1850 a 1880. [S.l.]: A União. 22 páginas 
  25. a b «A República na Paraíba». Consultado em 8 de junho de 2013. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  26. «A República na Paraíba». Consultado em 8 de junho de 2013. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  27. a b c d «A Paraíba». Federação dos Municípios da Paraíba. Consultado em 29 de maio de 2013. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2003 
  28. «9 de fevereiro de 1926: Passagem da Coluna Prestes pelo Município de Piancó». Portal Piancó. Consultado em 9 de junho de 2013. Cópia arquivada em 17 de junho de 2016 
  29. «Morte de João Pessoa completa 81 anos; confira trajetória do político e homenagem nesta terça». Portal Paraíba. 26 de julho de 2011. Consultado em 9 de junho de 2013 
  30. «João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque». Consultado em 9 de junho de 2013 
  31. «João Pessoa». Consultado em 9 de junho de 2013 
  32. «O que significa a palavra "Nego" na bandeira da Paraíba?». Terra. Consultado em 29 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 15 de julho de 2016 
  33. Cristina Amorim; Marcelo Ferroni; Paulo M. Lacerda. «O que significa a palavra 'nego' na bandeira da Paraíba?». Revista Galileu. Consultado em 29 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 2 de março de 2013 
  34. «Artistas dizem Nego à bandeira da Paraíba e querem mudá-la; veja vídeos da campanha». 30 de julho de 2011. Consultado em 29 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2016 
  35. João P. Pitombo (19 de dezembro de 2014). «João Pessoa ou Parahyba? Coletivo quer mudar nome da capital da PB». Folha de S.Paulo. Consultado em 29 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2015 
  36. Rubens Nóbrega (24 de julho de 2016). «Nem PMJP fecha no 'feriado' de João Pessoa». Jornal da Paraíba. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  37. «Lei estadual define 5 de agosto como data magna do Estado e extingue o feriado 26 de julho». PB agora. 22 de julho de 2016. Consultado em 20 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2016 
  38. «Álvaro Pereira de Carvalho». Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 27 de dezembro de 2016 
  39. a b «José Américo de Almeida». Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 27 de dezembro de 2016 
  40. a b «Antenor de França Navarro». Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 27 de dezembro de 2016 
  41. «Gratuliano da Costa Brito». Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 27 de dezembro de 2016 
  42. «Argemiro de Figueiredo». Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 27 de dezembro de 2016 
  43. «Argemiro de Figueirêdo» (PDF). Senado Federal do Brasil. Consultado em 10 de dezembro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 10 de dezembro de 2016 
  44. «Períodos Legislativos da Quarta República - 1959-1963». Senado Federal do Brasil. Consultado em 10 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 26 de novembro de 2012 
  45. «Paraíba já teve cerca de 90 governadores». 31 de dezembro de 2010. Consultado em 10 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2016 
  46. a b c «Constituição do Estado da Paraíba» (PDF). 1989. Consultado em 5 de junho de 2013. Arquivado do original (PDF) em 22 de agosto de 2011 
  47. «Rara turmalina paraíba só é encontrada em cinco minas em todo o planeta, três delas no Brasil». Consultado em 9 de junho de 2013. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2012 
  48. a b «Divisas da Paraíba». Paraíba Total. Consultado em 19 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 5 de fevereiro de 2014 
  49. a b c d e f «ANUÁRIO ESTATÍSTICO 2011» (PDF). Instituto de Desenvolvimento Municipal e Estadual. Consultado em 10 de junho de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 7 de junho de 2016 
  50. a b c «Geografia da Paraíba». Consultado em 19 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 16 de janeiro de 2013 
  51. a b «2.11–CARACTERIZAÇÃO DO SOLO» (PDF). Consultado em 12 de junho de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 12 de abril de 2013 
  52. JACOMINE, Paulo Klinger Tito (2006). «A NOVA CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE SOLOS» (PDF). Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). Consultado em 15 de junho de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 1 de julho de 2014 
  53. «Rios e bacias do Brasil formam uma das maiores redes fluviais do mundo». Consultado em 19 de dezembro de 2016. Os 287.348 km2 (3% do território brasileiro) dessa bacia atingem cinco Estados do Nordeste e suas capitais (Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas) [...] 
  54. a b Agência Executiva de Gestão de Águas do Estado da Paraíba (AESA). «ÚLTIMOS VOLUMES INFORMADOS DOS AÇUDES». Consultado em 2 de junho de 2021 
  55. a b «Geografia da Paraíba». Consultado em 19 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 2 de julho de 2014 
  56. J. Jarbas S. Gurgel. «SOBRE A PRODUÇÃO DE PESCADO DOS AÇUDES PÚBLICOS DO SEMI-ÁRIDO NORDESTE BRASILEIRO». Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  57. a b c FRANCISCO, Paulo Roberto Megna; SANTOS, Djail (2017). «Climatologia do Estado da Paraíba» (PDF). Consultado em 2 de junho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 2 de junho de 2021 
  58. «Cidades do Cariri paraibano têm madrugadas mais frias do ano». 19 de setembro de 2011. Consultado em 2 de junho de 2021. Cópia arquivada em 2 de junho de 2021 
  59. «Festa do Bode Rei, em Cabaceiras, atrai grande público de turistas na PB». Consultado em 19 de dezembro de 2016. A cidade de Cabaceiras, no Cariri da Paraíba, é conhecida no Brasil por ser considerada a cidade mais seca do país [...] 
  60. «Baixa temperatura do inverno no Sertão da PB leva a 'reclamações' e problemas respiratórios». 9 de julho de 2017. Consultado em 2 de junho de 2021. Cópia arquivada em 13 de julho de 2017 
  61. «Cidade paraibana registra Cº 11,6 graus, a menor temperatura dos últimos 37 anos na Paraíba». 13 de julho de 2013. Consultado em 3 de abril de 2018. Cópia arquivada em 3 de abril de 2018 
  62. «2.12 – CARACTERIZAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS PRINCIPAIS» (PDF). Agência Executiva de Gestão de Águas do Estado da Paraíba. 2002. Consultado em 30 de janeiro de 2014. Arquivado do original (PDF) em 12 de abril de 2013 
  63. a b «Tabela 2.9 - População residente em 2000 e população residente em 2010, por situação do domicílio, com indicação da população urbana residente na sede municipal, área total e densidade demográfica, segundo as mesorregiões, as microrregiões e os municípios». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de junho de 2013 
  64. a b Paraíba
  65. «Tabela 1.5 - Distribuição percentual da população nos Censos Demográficos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 1872/2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de junho de 2013 
  66. «Tabela 1.10 - Densidade demográfica nos Censos Demográficos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 1872/2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de junho de 2013 
  67. «Tabela 1.11 - População residente, por situação do domicílio e sexo, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação – 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de junho de 2013 
  68. «Razão de sexo, população de homens e mulheres, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 12 de junho de 2013 
  69. «Tabela 1.7 - Proporção da população do município da capital em relação à da Unidade da Federação, nos Censos Demográficos, segundo os municípios das capitais - 1872/2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de junho de 2013 
  70. «Tabela 2.1 - População residente, total, urbana total e urbana na sede municipal, em números absolutos e relativos, com indicação da área total e densidade demográfica, segundo as Unidades da Federação e os municípios – 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 12 de junho de 2013 
  71. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. «Tabela 1497 - População residente, por nacionalidade - Resultados Gerais da Amostra». Sistema IBGE de Recuperação Automática. Consultado em 12 de junho de 2013 
  72. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. «Tabela 1505 - População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação - Resultados Gerais da Amostra». Sistema IBGE de Recuperação Automática. Consultado em 12 de junho de 2013 
  73. «Censo Demográfico 2010: Migração - Amostra». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de junho de 2013 
  74. «Censo Demográfico 2010: Resultados gerais da amostra». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de junho de 2013 
  75. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. «Tabela 1290 - Número de municípios e População nos Censos Demográficos por tamanho da população». Sistema IBGE de Recuperação Automática. Consultado em 12 de junho de 2013 
  76. «Tabela 2.1 - População residente, total, urbana total e urbana na sede municipal, em números absolutos e relativos, com indicação da área total e densidade demográfica, segundo as Unidades da Federação e os municípios – 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 16 de junho de 2013 
  77. Carolina Lauriano e Nathália Duarte (29 de abril de 2011). «IBGE atualiza dados do Censo e diz que Brasil tem 190.755.799 habitantes». Portal G1 Rio de Janeiro-São Paulo. Consultado em 12 de junho de 2013 
  78. IPEA -Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. «Evolução do IDHM e de Seus Índices Componentes no período de 2012 a 2017» (PDF). Consultado em 18 de abril de 2019 
  79. «Mapa de Pobreza e Desigualdade - Municípios Brasileiros 2003». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2003. Consultado em 12 de junho de 2013 
  80. «Síntese dos Indicadores Sociais 2010» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 13 de junho de 2013. Arquivado do original (PDF) em 22 de agosto de 2011 
  81. «Panorama do estado da Paraíba». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 11 de maio de 2020 
  82. «Assembleia Legislativa debate Estatuto Metrópole e Regiões Metropolitanas da Paraíba». Assembleia Legislativa da Paraíba. 6 de agosto de 2015. Consultado em 20 de novembro de 2016 
  83. «Brasil - Regiões Metropolitanas, Regiões Integradas de Desenvolvimento e Aglomerações Urbanas. Legislação, Data de Criação, Número de Municípios e Municípios-Sede: 2016» (PDF). Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano. 2016. Consultado em 20 de novembro de 2012 
  84. a b «Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 13 de junho de 2013 
  85. «Mapa». Portal CNBB. Consultado em 13 de junho de 2013. Arquivado do original em 10 de novembro de 2014 
  86. «Archdiocese of Paraíba» (em inglês). Portal Catholic Hierarchy. Consultado em 13 de junho de 2013 
  87. «Arquidiocese de Paraíba». Portal CNBB. Consultado em 13 de junho de 2013 
  88. «Tabela 2093 - População residente por cor ou raça, sexo, situação do domicílio e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 13 de junho de 2013. Cópia arquivada em 28 de dezembro de 2016 
  89. «Os indígenas no Censo Demográfico 2010» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 13 de junho de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 18 de abril de 2016 
  90. a b c «Conheça a Paraíba». Portal PAS Paraíba. Consultado em 12 de junho de 2013. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2012 
  91. «Lei Nº 8364, de 9 de novembro de 2007». Portal da legislação da Paraíba. 2007. Consultado em 12 de junho de 2013. Cópia arquivada em 26 de julho de 2014 
  92. «Dia da consciência negra: conheça a história dos quilombolas de Triunfo-PB». TV Paraíba. 19 de novembro de 2016. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  93. «Comunidade quilombola celebra Dia da Consciência Negra em Alagoa Grande, na Paraíba». TV Cabo Branco. 21 de novembro de 2016. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  94. Rodrigo de Azeredo Grünewald. «Os índios da Paraíba». Portal UOL. Consultado em 12 de junho de 2013. Cópia arquivada em 27 de setembro de 2008 
  95. Baía da Traição PB. YouTube (Rota Nordeste). 8 de maio de 2012. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  96. «Índios Tabajaras fazem assembleia no Conde». TV Cabo Branco. 9 de janeiro de 2016. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  97. «Índios Tabajaras». Paraíba Criativa. 30 de setembro de 2015. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  98. a b «Mapa da Violência 2012 - Paraíba» (PDF). Portal Mapa da Violência. 2012. Consultado em 16 de junho de 2013 
  99. «MAPA DA VIOLÊNCIA 2012 - OS NOVOS PADRÕES DA VIOLÊNCIA HOMICIDA NO BRASIL» (PDF). Portal Mapa da Violência. 2012. Consultado em 16 de junho de 2013 
  100. WAISELFISZ, Julio Jacobo (2010). «Mapa da Violência dos Municípios Brasileiros 2008» (PDF). Instituto Sangari. Consultado em 28 de julho de 2010. Cópia arquivada em 23 de agosto de 2011 
  101. «Corpo de ex-governador da Paraíba é velado no Palácio da Redenção». Portal G1 Paraíba. 13 de abril de 2013. Consultado em 19 de dezembro de 2016. [...] Palácio da Rendeção, sede administrativa do governo da Paraíba [...] 
  102. «VENÂNCIO NEIVA». Memorial do Tribunal de Justiça da Paraíba. Consultado em 19 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 2 de abril de 2015. A 1º de dezembro do mesmo ano, o Governo Provisório escolheu-o para o alto cargo de governador do Estado, tendo tomado posse no dia 6. A 25 de junho de 1891 o eleitorado escolheu-o para o primeiro mandatário republicano, que ele exerceu com inteligência e honradez até 1º de janeiro de 1892, quando se retirou à vida privada. 
  103. «João Azevedo toma posse como governador do estado da Paraíba». G1. 1 de janeiro de 2019. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  104. a b «Número de deputados pode aumentar nas próximas eleições». Vote Brasil. Consultado em 22 de agosto de 2011 
  105. «MESA DIRETORA». Assembleia Legislativa da Paraíba. Consultado em 16 de maio de 2018 
  106. «RESOLUÇÃO Nº 40/96, de 04 de dezembro de 1996 - Dispõe sobre o Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba.». Tribunal de Justiça da Paraíba. 4 de dezembro de 1996. Consultado em 5 de junho de 2013 
  107. «Comarcas da Paraíba». Poder Judiciário da Paraíba. Consultado em 5 de junho de 2013 
  108. «Eleições / Estatísticas / Consulta Quantitativo». Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em 5 de junho de 2013 
  109. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. «Tabela 1290 - Número de municípios e População nos Censos Demográficos por tamanho da população». Sistema IBGE de Recuperação Automática. Consultado em 4 de junho de 2013 
  110. «EMANCIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS». Assembleia Legislativa da Paraíba. Consultado em 13 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 19 de abril de 2014 
  111. «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2017. Consultado em 21 de outubro de 2017 
  112. «Mesorregiões do Estado da Paraíba». Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba. Consultado em 4 de junho de 2013 
  113. «Microrregiões do Estado da Paraíba». Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba. Consultado em 4 de junho de 2013 
  114. «Ideme constata que cinco municípios paraibanos concentravam mais de 57% das riquezas em 2013». Governo do Paraíba. 21 de dezembro de 2015. Consultado em 13 de dezembro de 2016 
  115. «Regiões geoadministrativas da Paraíba» (PDF). Consultado em 13 de dezembro de 2016 
  116. «Diário Oficial - Estado da Paraíba - João Pessoa - Terça-feira, 22 de Janeiro de 2013». Consultado em 27 de Janeiro de 2013 
  117. «Exportações da Paraíba (2012)». Plataforma DataViva. Consultado em 13 de janeiro de 2014 
  118. «Contas Regionais do Brasil 2014». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2016 
  119. «Economia». Portal Paraíba Total. Consultado em 29 de maio de 2013. Cópia arquivada em 30 de maio de 2013 
  120. a b «Paraíba». Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Consultado em 16 de dezembro de 2016 
  121. a b c d «Governo divulga PIB dos municípios paraibanos». Governo da Paraíba. 14 de dezembro de 2011. Consultado em 29 de maio de 2013. Cópia arquivada em 30 de maio de 2013 
  122. «PARAÍBA». Consultado em 27 de maio de 2013. Cópia arquivada em 30 de maio de 2013 
  123. «Pecuária 2015». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2016 
  124. «Lavoura temporária 2015». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2016 
  125. «Lavoura permanente 2015». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2016 
  126. Perfil da Indústria da Paraíba
  127. «Indústrias». Consultado em 27 de maio de 2013. Cópia arquivada em 28 de maio de 2013 
  128. Renata Nunes (10 de maio de 2012). «Investimentos na indústria da Paraíba somam mais de R$ 1 bi em 2012». Consultado em 27 de maio de 2013. Cópia arquivada em 28 de maio de 2013 
  129. «Contas regionais - Serviços» (PDF) 
  130. «Balança comercial». Consultado em 27 de maio de 2013. Cópia arquivada em 28 de maio de 2013 
  131. «Paraíba conquista prêmio de melhor destino nacional do ano». Portal da Paraíba. 8 de maio de 2013. Consultado em 29 de maio de 2013 
  132. «Banhistas podem aproveitar 55 praias do litoral paraibano neste final de semana». Governo da Paraíba. 15 de fevereiro de 2013. Consultado em 12 de junho de 2013 
  133. «'Destino Paraíba' será divulgado para 12 mil agentes de viagens». Governo da Paraíba. 15 de fevereiro de 2013. Consultado em 29 de maio de 2013. Cópia arquivada em 29 de maio de 2013 
  134. «Ecoturismo». Portal Paraíba. Consultado em 29 de maio de 2013. Cópia arquivada em 29 de maio de 2013 
  135. «Turismo». Consultado em 29 de maio de 2013. Cópia arquivada em 30 de maio de 2013 
  136. a b «Litoral». Portal Destino Paraíba. Consultado em 12 de junho de 2013 
  137. a b «Sol e praia». Portal Paraíba Total. Consultado em 12 de junho de 2013 
  138. a b «Turismo na Paraíba». 1 de outubro de 2011. Consultado em 29 de maio de 2013. Cópia arquivada em 29 de maio de 2013 
  139. «Campina Grande». Portal Destino Paraíba. Consultado em 29 de maio de 2013. Cópia arquivada em 29 de maio de 2013 
  140. «Negócios e eventos». Portal Paraíba Total. Consultado em 29 de maio de 2013. Cópia arquivada em 29 de maio de 2013 
  141. a b «Polêmica sobre a Pedra do Ingá». Jornal A União. 1 de fevereiro de 2007. Consultado em 17 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2012 
  142. Coordecom (20 de maio de 2016). «Faltam 30 dias para o início do Melhor São João do Mundo». Prefeitura Municipal de Patos. Consultado em 6 de junho de 2016 
  143. «Científico». Portal Paraíba Total. Consultado em 29 de maio de 2013. Cópia arquivada em 29 de maio de 2013 
  144. «Ecoturismo». Portal Paraíba Total. Consultado em 29 de maio de 2013. Cópia arquivada em 29 de maio de 2013 
  145. «Esporte e aventura». Portal Paraíba Total. Consultado em 29 de maio de 2013. Cópia arquivada em 29 de maio de 2013 
  146. «Serviços de saúde 2009». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2009. Consultado em 3 de junho de 2013 
  147. a b Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (2008). «PNAD - Acesso e Utilização dos Serviços, Condições de Saúde e Fatores de Risco e Proteção à Saúde 2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 3 de junho de 2012 
  148. «Cajazeiras». Portal Ecoviagem. Consultado em 6 de julho de 2013. Arquivado do original em 21 de fevereiro de 2008 
  149. «Ensino - matrículas, docentes e rede escolar 2015». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2016 
  150. «Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, 2010 - Todos os Estados do Brasil» (PDF). PNUD Brasil. Consultado em 16 de dezembro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 21 de agosto de 2013 
  151. «País tem 14,6 milhões de analfabetos, aponta Censo». G1 São Paulo. 29 de abril de 2011. Consultado em 25 de julho de 2013 
  152. «IDEB - Resultados e Metas». Consultado em 3 de junho de 2013 
  153. «2 - oferecer educação básica de qualidade para todos». Portal ODM. Consultado em 17 de dezembro de 2016 
  154. «Histórico». Portal UNIPE. Consultado em 3 de junho de 2013 
  155. «As Faculdades». Portal CESED. Consultado em 3 de junho de 2013 
  156. «Histórico». Portal FACENE. Consultado em 3 de junho de 2013 
  157. «História das FIP». Portal FIP. Consultado em 3 de junho de 2013 
  158. «Bem-vindos, somos o Instituto de Educação Superior da Paraíba (IESP)». Portal IESP 
  159. «Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba». Portal IFPB. Consultado em 3 de junho de 2013 
  160. «Histórico». Portal UEPB. Consultado em 3 de junho de 2013 
  161. «APRESENTAÇÃO». Portal UFCG. Consultado em 3 de junho de 2012 
  162. «Histórico». Portal UFPB. Consultado em 3 de junho de 2013 
  163. «Frota 2015». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2016 
  164. «Estado PB». Infraero. Consultado em 2 de junho de 2013. Cópia arquivada em 1 de junho de 2013 
  165. «Aeroporto Internacional Presidente Castro Pinto». Infraero. Consultado em 2 de junho de 2013. Cópia arquivada em 1 de junho de 2013 
  166. «Complexo aeroportuário». Infraero. Consultado em 2 de junho de 2013. Cópia arquivada em 2 de junho de 2013 
  167. «Aeroporto Presidente João Suassuna». Infraero. Consultado em 2 de junho de 2013. Cópia arquivada em 1 de junho de 2013 
  168. «Complexo aeroportuário». Infraero. Consultado em 2 de junho de 2013. Cópia arquivada em 1 de junho de 2013 
  169. «Aeroportos da Paraíba». Consultado em 2 de junho de 2013. Cópia arquivada em 1 de junho de 2013 
  170. «BR-101». Ministério dos Transportes. Consultado em 2 de junho de 2013. Arquivado do original em 1 de junho de 2013 
  171. «BR-104». Ministério dos Transportes. Consultado em 2 de junho de 2013. Arquivado do original em 1 de junho de 2013 
  172. «BR - 110». Ministério dos Transportes. Consultado em 2 de junho de 2013. Cópia arquivada em 1 de junho de 2013 
  173. «BR - 230». Ministério dos Transportes. Consultado em 2 de junho de 2013. Arquivado do original em 1 de junho de 2013 
  174. «BR - 412». Ministério dos Transportes. Consultado em 2 de junho de 2013. Cópia arquivada em 1 de junho de 2013 
  175. «BR - 427». Ministério dos Transportes. Consultado em 2 de junho de 2013. Cópia arquivada em 1 de junho de 2013 
  176. «BR - 116». Ministério dos Transportes. Consultado em 2 de junho de 2013. Arquivado do original em 1 de junho de 2013 
  177. «Relação Descritiva de Rodovias e Estradas Estaduais Divisão em Trechos». Portal DER/PB. 31 de dezembro de 2002. Consultado em 2 de junho de 2013. Cópia arquivada em 2 de junho de 2013 
  178. «Paraíba Destino». Portal Rodovias e Vias. Consultado em 2 de junho de 2013. Cópia arquivada em 2 de junho de 2013 
  179. «Histórico do DER». Portal DER/PB. Consultado em 2 de junho de 2013. Cópia arquivada em 2 de junho de 2013 
  180. «Transporte ferroviário». Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. 9 de dezembro de 2009. Consultado em 2 de junho de 2013 
  181. «Infraestrutura dos transportes na Paraíba» (PDF). Portal BNB. Fevereiro de 2010. Consultado em 2 de junho de 2013. Cópia arquivada em 2 de junho de 2013 
  182. «Rede Ferroviária do Nordeste». 1965. Consultado em 2 de junho de 2013 
  183. «Rede de Viação Cearense». 1927. Consultado em 2 de junho de 2013 
  184. «JACARÉ». Portal Estações ferroviárias. Consultado em 2 de junho de 2013 
  185. «Localização». Consultado em 2 de junho de 2013 
  186. «História». Consultado em 2 de junho de 2013. Arquivado do original em 28 de maio de 2014 
  187. «Porto do Capim». Consultado em 2 de junho de 2013 
  188. «Apresentação». Portal CAGEPA. Consultado em 3 de junho de 2013 
  189. «História». Portal ENERGISA. Consultado em 3 de junho de 2013 
  190. «Tensões Nominais». Agência Nacional de Energia Elétrica. Consultado em 16 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 23 de setembro de 2015 
  191. «Tabela 2065 - Domicílios particulares permanentes, por existência de água canalizada e forma de abastecimento de água - Resultados Gerais da Amostra». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de dezembro de 2016 
  192. «Tabela 3505 - Domicílios particulares permanentes, por densidade de moradores por cômodo, segundo o tipo de domicílio, a condição de ocupação do domicílio, a existência de banheiro ou sanitário e esgotamento sanitário, a existência de água canalizada e forma de abastecimento de água e a existência de energia elétrica». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de dezembro de 2016 
  193. «Tabela 3503 - Domicílios particulares permanentes, por tipo de material das paredes externas, segundo o número de cômodos, a existência de água canalizada e forma de abastecimento de água, o destino do lixo, a existência de energia elétrica e a existência de alguns bens duráveis». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de dezembro de 2016 
  194. «TIM assume a liderança na Área 10 com 34% do mercado». Paranashop. Consultado em 3 de junho de 2013. Cópia arquivada em 3 de junho de 2011 
  195. «Telefonia móvel atinge 4,697 milhões na Paraíba». Diário do Curimataú. 24 de março de 2013. Consultado em 3 de junho de 2013 
  196. «Estado: Paraíba (PB)». Portal WEB Busca. Consultado em 3 de junho de 2013 
  197. «Tabela 3516 - Domicílios particulares permanentes, por existência de telefone, segundo a situação do domicílio e as classes de rendimento nominal mensal domiciliar per capita». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 17 de dezembro de 2016 
  198. «Jornais da Paraíba». Portal Netpapers. Consultado em 3 de junho de 2013 
  199. Fábio Barbosa (1º de fevereiro de 2012). «Jornais O Norte e Diário da Borborema são fechados». Portal COFEMAC. Consultado em 3 de junho de 2013 
  200. «Sobre». Portal TV Arapuan. Consultado em 3 de junho de 2013 
  201. a b «Rede Paraíba de Comunicação». Portal Rede Globo. 23 de abril de 2013. Consultado em 3 de junho de 2013 
  202. «Localização». Consultado em 3 de junho de 2013 
  203. «TV Borborema - Canal 9». Consultado em 3 de junho de 2013 
  204. «Missão». Portal TV Itararé. Consultado em 3 de junho de 2013 
  205. «Quartéis por Estado». Portal do exército brasileiro. Consultado em 2 de junho de 2013. Arquivado do original em 20 de novembro de 2012 
  206. «Histórico». Consultado em 2 de junho de 2013 
  207. «Histórico do II COMAR». Consultado em 2 de junho de 2013 
  208. «cindacta III». Consultado em 2 de junho de 2013. Arquivado do original em 16 de julho de 2011 
  209. «História da PMPB» (PDF). Consultado em 2 de junho de 2013 
  210. «EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 18, DE 5 DE FEVEREIRO DE 1998». Portal da legislação. 18 de fevereiro de 2008. Consultado em 2 de junho de 2013 
  211. «Lei nº 8444 de 28 de dezembro de 2007» (PDF). 28 de dezembro de 2007. Consultado em 2 de junho de 2013 
  212. «Art. 144º da Constituição Federal». Portal da legislação. 5 de outubro de 1988. Consultado em 2 de junho de 2013 
  213. «Lei nº 4273 de 21 de agosto de 1981». 21 de agosto de 1981. Consultado em 2 de junho de 2013 
  214. Virgínia Barbosa (27 de junho de 2008). «Augusto dos Anjos». Fundação Joaquim Nabuco. Consultado em 19 de maio de 2013. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  215. «DECRETO Nº 32.408, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011». Diário Oficial da União. 15 de setembro de 2011. Consultado em 26 de maio de 2013. Cópia arquivada em 26 de maio de 2013 
  216. a b c «Cultura». Portal Brasil Channel. Consultado em 26 de maio de 2013. Cópia arquivada em 26 de maio de 2013 
  217. Coordecom (20 de maio de 2016). «Faltam 30 dias para o início do Melhor São João do Mundo». Prefeitura Municipal de Patos. Consultado em 6 de junho de 2016 
  218. «Música e dança». Portal Paraíba Total. Consultado em 19 de maio de 2013. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  219. a b c d «Paraibanos ilustres». Portal IPARAÍBA. Consultado em 20 de maio de 2013. Cópia arquivada em 21 de maio de 2013 
  220. «Significado de Literatura de Cordel». Consultado em 19 de maio de 2013. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  221. «Significado de Literatura de Cordel». Consultado em 19 de maio de 2013. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  222. «Artesanato». Portal Paraíba Total. Consultado em 19 de maio de 2013. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  223. «Mercado de Artesanato da Paraíba». Portal Destino Paraíba. Consultado em 19 de maio de 2013. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  224. «Feirinha de artesanato de Tambaú». Portal Destino Paraíba. Consultado em 19 de maio de 2013. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  225. «Casa do Artista Popular». Portal Destino Paraíba. Consultado em 19 de maio de 2013. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  226. Rafael Melo (15 de junho de 2014). «Vila do Artesão preserva trabalho de artesãos de Campina Grande». G1. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  227. «Salão do Artesanato Paraibano». Portal Destino Paraíba. Consultado em 19 de maio de 2013. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  228. a b «Salão do Artesanato da Paraíba é aberto nesta sexta em João Pessoa». G1. 15 de janeiro de 2016. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  229. a b Walysson Melo (18 de junho de 2016). «Salão do Artesanato da Paraíba abre 24ª edição em Campina Grande». G1. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  230. «Artesanato paraibano é fonte de renda para mais de 25 mil pessoas». Governo da Paraíba. 23 de janeiro de 2014. Consultado em 19 de novembro de 2016 
  231. «Em uma semana, Salão de Artesanato vende 11 mil peças e lucra R$ 200 mil». Jornal da Paraíba. 16 de junho de 2015. Consultado em 19 de novembro de 2016 
  232. «Entrega do Teatro Pedra do Reino marca aniversário de João Pessoa». G1. 5 de agosto de 2015. Consultado em 21 de novembro de 2016 
  233. «Música e dança». Portal Paraíba Total. Consultado em 19 de maio de 2013. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  234. «Estado da Paraíba». Consultado em 26 de maio de 2013. Cópia arquivada em 26 de maio de 2013 
  235. «Museu Assis Chateaubriand». Consultado em 26 de maio de 2013. Cópia arquivada em 26 de maio de 2013 
  236. «CASA MUSEU». Consultado em 26 de maio de 2013. Cópia arquivada em 26 de maio de 2013 
  237. «Culinária da Paraíba». Portal Iparaíba. Consultado em 19 de maio de 2013. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  238. «Culinária paraibana». BrasilChannel. Consultado em 19 de maio de 2013. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  239. «Comidas Típicas da Paraíba – Brasil». Consultado em 19 de maio de 2013. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  240. a b «Gastronomia». Portal Paraíba Total. Consultado em 19 de maio de 2013. Cópia arquivada em 19 de maio de 2013 
  241. «Mostra Sesc de Música Paraibana destaca ritmos regionais». Serviço Social do Comércio da Paraíba. 5 de outubro de 2013. Consultado em 20 de maio de 2013. Cópia arquivada em 20 de maio de 2013 
  242. «Orquestra Sinfônica da Paraíba». Fundação Espaço Cultural da Paraíba. Consultado em 20 de maio de 2013. Cópia arquivada em 20 de maio de 2013 
  243. «Centro Cultural homenageia o compositor Genival Macedo». PB Agora. 28 de Março de 2011. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  244. Suetoni Souto Maior (14 de julho de 2015). «Deputado propõe discussão sobre a mudança do Hino da Paraíba». Jornal da Paraíba 
  245. André Luiz Maia (17 de setembro de 2016). «Maestrinas que regem a Sinfônica de JP hoje, falam ao Correio dos desafios». Correio da Paraíba. Consultado em 20 de novembro de 2016 
  246. Betânia Silva Cordeiro (2008). «As Canções de Luiz Gonzaga sob o olhar da análise crítica do discurso (ACD)» (PDF). Universidade Católica de Pernambuco. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  247. «Cantos do Nordeste». CliqueMusic. Consultado em 20 de novembro de 2016 
  248. «Ela». CliqueMusic. Consultado em 20 de novembro de 2016 
  249. «Beleza Mano». CliqueMusic. Consultado em 20 de novembro de 2016 
  250. Rafael Melo (25 de junho de 2014). «'Paraíba, joia rara' deveria ser hino da PB, diz Santanna em show na Paraíba». G1. Consultado em 20 de novembro de 2016 
  251. a b «Esportes». Portal Paraíba Total. Consultado em 19 de maio de 2013. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2013 
  252. «CAMPEÕES DA PARAÍBA - 1ª DIVISÃO». Consultado em 16 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  253. «Seleção Brasileira já teve dez paraibanos». Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  254. «Grupo Olímpico sai às 21h45 de Cumbica». Confederação Brasileira de Handebol. 29 de julho de 2008. Consultado em 20 de novembro de 2016 
  255. Iago Bruno (14 de novembro de 2016). «Fora das pistas há dois anos, Pretinha relembra carreira e fala do anonimato». Globo Esporte. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  256. «Ricardo homenageia atletas paraibanos que participaram da Paralimpíada Rio 2016». Governo da Paraíba. 21 de setembro de 2016. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  257. REBELLO, Helena; RODRIGUES, João Gabriel (7 de dezembro de 2016). «Em noite de homenagens, Silvânia e Petrúcio são eleitos melhores do ano». Globo Esporte 
  258. a b c d e «Atenas-2004». Brasil 2016. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  259. a b c d e «Pequim-2008». Brasil 2016. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  260. a b c d «Londres-2012». Brasil 2016. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  261. a b c «Árbitros de futebol de 5 representarão a Paraíba nas Paralimpíadas». Portal Correio. 5 de setembro de 2016. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  262. a b c «A mais incontestável das hegemonias paralímpicas é brasileira: tetra no futebol de cinco». Brasil 2016. 17 de setembro de 2016. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  263. Lenilson Guedes (17 de dezembro de 2015). «Lei estadual amplia feriado de 5 de agosto oficialmente para toda Paraíba». G1. Consultado em 20 de novembro de 2016 
  264. «Diário Oficial do Estado da Paraíba n. 16.007» (PDF). Governo do Estado da Paraíba. 17 de dezembro de 2015. Consultado em 20 de novembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage