Paracatejê-gavião

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Paracatejê-gavião
(Gavião-Parkatêjê, Gavião Parakatejê, Gavião do Mãe Maria, Gavião do Oeste, Timbira, Parakatejê, Parkatejê)
Gaviao 1333a.JPG
(Foto:Yves Picq)
População total

646

Regiões com população significativa
 Brasil (Pará) 646 Siasi/Sesai, 2014[1]
Línguas
timbira
Religiões
Xamanismo
Etnia

Os Paracatejê-Gavião, são um povo indígena do grupo Gavião do Oeste cuja língua é o Timbira Oriental, da família , também são conhecidos como "Parkatejê" e "Gavião Parkatejê". A denominação vem das penas de gavião usadas em suas flechas.

Em 2010 perfaziam 582 indivíduos.[2] Vivem na Terra Indígena Mãe Maria, localizada no município de Bom Jesus do Tocantins, no sudeste do estado do Pará.

Uma das maiores tradições é a corrida de toras: as equipes de revezamento (formada somente por homens), carregam troncos de buriti nos ombros. O mais importante não é quem chega primeiro, o que vale mais é o divertimento. A comemoração é maior quando as equipes chegam juntas ou quase juntas.

Cada indivíduo da tribo recebe dois nomes e um deles não pode ser divulgado. Mostrar ao outro este segredo, significa transferir poder. Quando alguém recebe o nome de um parente que já morreu, carrega a responsabilidade de manter as características do antepassado e quem o escolhe, assume o papel de padrinho com a função de transmitir a cultura. Depois do casamento, por um período determinado, entre genro e sogra, nora e sogro, ficam proibidos de chamar o outro pelo nome.

Referências

  1. Instituto Socioambiental. «Quadro Geral dos Povos». Enciclopédia dos Povos Indígenas no Brasil. Consultado em 17 de setembro de 2017 
  2. Povos Indígenas no Brasil: 2006-2010 2011, p. 9-16.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]