Parada do Monte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
 Portugal Parada do Monte  
—  Freguesia  —
Igreja de Parada do Monte
Igreja de Parada do Monte
Localização no concelho de Melgaço
Localização no concelho de Melgaço
Parada do Monte está localizado em: Portugal Continental
Parada do Monte
Localização de Parada do Monte em Portugal
Coordenadas 42° 02' 32" N 8° 15' 56" O
País  Portugal
Concelho MLG.png Melgaço
 - Tipo Junta de freguesia
Área
 - Total 27,32 km²
População (2011)
 - Total 370
    • Densidade 13,5/km2 
Orago São Mamede

Parada do Monte é uma freguesia portuguesa do concelho de Melgaço, com 27,32 km² de área e 370 habitantes (2011)[1] . Densidade populacional: 13,5 h/km².

População[editar | editar código-fonte]

Evolução da População  1864 / 2011
População da freguesia de Parada do Monte [2]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
703 873 801 832 892 803 760 932 968 1 131 1 075 821 620 487 370
Evolução da População  1864 / 2011
Distribuição da População por Grupos Etários
Ano 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos
2001 61 37 226 163 12,5% 7,6% 46,4% 33,5%
2011 24 29 152 165 6,5% 7,8% 41,1% 44,6%

Média do País no censo de 2001: 0/14 Anos-16,0%; 15/24 Anos-14,3%; 25/64 Anos-53,4%; 65 e mais Anos-16,4%

Média do País no censo de 2011: 0/14 Anos-14,9%; 15/24 Anos-10,9%; 25/64 Anos-55,2%; 65 e mais Anos-19,0%

Localização[editar | editar código-fonte]

A freguesia de Parada do Monte, situada aproximadamente no centro geográfico do concelho, dista doze quilómetros da Vila. Confronta com Cousso e Cubalhão, a norte, Lamas de Mouro, a nascente, Gavieira (Arcos de Valdevez), a sul, e Gave e Riba de Mouro (Monção), a poente.

É composta pelos seguintes lugares principais: Aldeia Grande, Coto Santo, Trigueira, Carrascal, Costa, Cortegada, Casal, Tablado, Chão do Bezerro, Pereiral, Lagarteira, Paço e Coto do Paço.

História[editar | editar código-fonte]

De acordo com o padre Aníbal Rodrigues, o seu topónimo deverá indicar a existência de uma antiga via romana e do sítio onde os viandantes, a pé ou a cavalo, costumavam descansar depois de uma longa e difícil caminhada. De facto, praticamente nenhuma estrada romana deixa de ter na sua extensão os nomes que informam dos lugares nos quais os seus utentes retemperavam forças e aos animais substituíam as ferraduras – Parada ou Albergaria.

Foi vigairaria da apresentação do reitor de Riba de Mouro, no termo de Valadares. O reitor apresentava o vigário colado, que tinha de rendimento cento e trinta mil réis.

Em Vale de Poldras, nos limites da velha paróquia, havia um couto, armado e defendido por Paio Rodrigues de Araújo. Em 1720, o couto era ainda registado, possuído pelo sexto neto do dito Paio, Manuel de Araújo Caldas, de Valadares. Tinha já perdido, todavia, a maioria dos seus antigos privilégios.

Pertenceu ao antigo concelho de Valadares até á sua extinção, em 24 de Outubro de 1855. Passou então a integrar o concelho de Melgaço.

A paisagem e o modo de vida estão definitivamente marcados pelos rios Mouro e Mourilhão, que atravessam a freguesia. É uma beleza natural, digna de ser admirada, mas resulta também num forte contributo para o enriquecimento destas terras férteis em milho e batata, em pinhais, santuário de vegetação rasteira, como a urze ou a carqueja, e onde a matança da rés é a fartura das mesas do povo.

Segundo o padre Carvalho, “nestas montanhas, onde há muita caça e veação”, aqui se fazia o melhor burel das ovelhas galegas de todo o mais reino, donde é muito procurado, para cobertas de camas de lavradores, ou criados, e ainda de muitos nobres para as meterem entre cobertores, é muito branco, grosso e macio.

De algum interesse arquitectónico, merecem referência a igreja paroquial, do século XVIII, sem estilo definido, e um conjunto de alminhas, resguardadas por grades de ferro, onde os fiéis depositam as suas dádivas, especialmente constituídas por espigas de milho.

O orgulho das gentes de Parada do Monte é o seu Grupo de Gaiteiros e o Grupo Coral.

Religião[editar | editar código-fonte]

O aspecto religioso é muito marcante, havendo capelas em todas as brandas e em alguns lugares da freguesia, onde acontecem festas religiosas, significando um momento de fé e convivência.

Festas religiosas[editar | editar código-fonte]

Festa do Menino (1 de Janeiro) Festa em honra de S.Marcos (Domingo a seguir ao 25 de Abril) Festa em honra de Nossa Senhora da Ajuda (Último Domingo de Maio) Festa em honra de Santo António (Domingo após 13 de Junho) Festa em honra da Senhora da Vista (Primeiro Domingo de Agosto) Festa em honra da Senhora da Aparecida (Segundo Domingo de Agosto) Festa em honra de S. Mamede, Padroeiro (17 de Agosto) Festa em honra da Senhora do Rosário (Domingo após o 17 de Agosto)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. População residente, segundo a dimensão dos lugares, população isolada, embarcada, corpo diplomático e sexo, por idade (ano a ano) (em português) Instituto Nacional de Estatística. Visitado em 3 de Março de 2014. Cópia arquivada em 4 de Dezembro de 2013. "Informação no separador "Q601_Norte""
  2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
Ícone de esboço Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.