Parade's End

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Parade's End
Autor(es) Ford Madox Ford
Idioma Inglês
País Inglaterra, Reino Unido Reino Unido
Género Ficção histórica
Lançamento 1924–1928

Parade's End é uma tetralogia (quatro romances relacionados) do romancista e poeta inglês Ford Madox Ford publicados entre 1924 e 1928. Ele é ambientado principalmente na Inglaterra e na Frente Ocidental na Primeira Guerra Mundial, em que Ford tinha servido como oficial no Welch Regiment, uma vida vividamente retratada nos romances. Em dezembro de 2010, John N. Gray saudou a obra como "possivelmente o maior romance do século XX em inglês" e Mary Gordon rotulou como "pura e simplesmente, o melhor tratamento ficcional de guerra na história do romance".[1][2]

A obra é um conto complexo escrito em um estilo modernista ("é como moderno e modernista como eles vêm"), não se concentra em detalhar a experiência da guerra.[3] Robie Macauley, em sua introdução à edição Borzoi de 1950, descreveu-o como, "não significa uma simples advertência sobre o que a guerra moderna é... [mas] algo complexo e desconcertante [para muitos leitores contemporâneos] havia uma história de amor sem cenas apaixonadas; existiam trincheiras, mas não batalhas, houve uma tragédia sem um desfecho".[4] O romance é sobre o resultado psicológico da guerra sobre os participantes e sobre a sociedade. Em sua introdução ao terceiro romance, A Man Could Stand Up--, Ford escreveu: "Isto é o que a última guerra era como: isto é como luta moderna organizada, de tipo científica afeta a mente".[5]

História[editar | editar código-fonte]

Ford declarou que seu propósito na criação desta obra foi "o obviando de todas as guerras futuras".[6] Os quatro romances foram publicados originalmente sob os títulos: Some Do Not ... (1924), No More Parades (1925), A Man Could Stand Up — (1926) e Last Post (The Last Post nos EUA) (1928); os livros foram combinados em um único volume como Parade's End. Em 2012, HBO, BBC e VRT produziram uma adaptação para a TV, escrita por Tom Stoppard e estrelada por Benedict Cumberbatch e Rebecca Hall.[7]

Enredo[editar | editar código-fonte]

O romance faz uma crônica da vida de Christopher Tietjens , "o último Tory", um estatístico brilhante do governo de uma rica família proprietária de terras que está servindo no exército britânico durante a Primeira Guerra Mundial. Sua esposa Sylvia é uma socialite irreverente que parece decidida a arruiná-lo. Tietjens pode ou não ser o pai do filho de sua esposa. Enquanto isso, seu caso incipiente com Valentine Wannop, uma pacifista de alto astral e sufragista, não foi consumada, apesar do que todos os seus amigos acreditam que foi. Os dois romances centrais seguem Tietjens no exército na França e na Bélgica, bem como Sylvia e Valentine em seus caminhos separados durante o curso da guerra.

Notas literárias[editar | editar código-fonte]

Notavelmente entre os romances de guerra, a consciência de Tietjens "tem primazia sobre os eventos da guerra que ele filtra. Ford constrói um protagonista para quem a guerra é apenas uma camada de sua vida, e nem sempre, mesmo o mais proeminente que ele está no meio dela. Em uma narrativa que tenha início antes da guerra e que termina após o armistício, o projeto de Ford é situar um cataclismo inimaginável dentro de uma complexidade social, moral e psicológica.

Robie Macauley escreveu que "a história de Tietjens ... é menos sobre o incidente de uma única guerra do que sobre toda uma era" e sua destruição. "Ford assumiu como o esquema para sua alegoria da vida de um homem, Christopher Tietjens, um membro de uma espécie extinta, que, como ele diz, 'desapareceram algum tempo no século XVIII.' Representando em si a ordem e a estabilidade de uma outra época, ele deve experimentar o presente perturbador."[8]

A obra também é marcante em sua investigação sobre a relação entre a dinâmica de gênero, guerra e agitação social. O estudioso David Ayers observa que "Parade's End é praticamente só da escrita masculina da década de 1920 em afirmar a ascensão das mulheres e defendendo um curso de retirada graciosa de domínio para os homens".[9]

História textual[editar | editar código-fonte]

Os quatro romances foram reeditados separadamente pela Penguin logo após a Segunda Guerra Mundial (em 1948). Eles foram combinados pela primeira vez em um volume sob o título coletivo de Parade's End (que havia sido sugerido por Ford, embora ele não viveu para ver uma versão omnibus) na edição Knopf de 1950, que tem sido a base de várias reedições posteriores. Graham Greene polemicamente omitiu Last Post de sua edição Bodley Head da escrita de Ford, chamando[10] aquilo de "um adendo que ele (Ford) não tinha a intenção de escrever e mais tarde se arrependeu de ter escrito". Greene passou a afirmar que "... o Last Post foi mais do que um erro—era um desastre, um desastre que tem atrasado a apreciação crítica cheia para Parade's End." Certamente Last Post é muito diferente dos outros três romances. Ele está preocupado com a paz e reconstrução, e Christopher Tietjens está ausente durante a maior parte da narrativa, que é estruturado como uma série de monólogos interiores por aqueles mais próximos a ele. No entanto, teve admiradores influentes, de Dorothy Parker e Carl Van Doren Clinton a Anthony Burgess e Malcolm Bradbury (que também incluiu em sua edição Everyman de 1992). A primeira edição anotada e crítica dos romances, editada por Max Saunders, Joseph Wiesenfarth, Sara Haslam e Paul Skinner, foi publicada pela Carcanet Press em 2010–11.[11]

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «John Gray's New Year's Resolution». New Statesman. Consultado em 14 de janeiro de 2016 
  2. Gordon, Mary (2012). «Book Reviews Parade's End by Ford Madox Ford». Style. 46 (1): 112–115. Consultado em 14 de janeiro de 2016 
  3. Barnes, Julian (24 de agosto de 2012). «Julian Barnes: a tribute to Parade's End by Ford Madox Ford». The Guardian. England: Guardian News. Consultado em 14 de janeiro de 2016 
  4. Macauley, Robie (1950). Introduction to Parade's End; included in the 1950 Borzoi printing of the novel. [S.l.]: Alfred A. Knopf. p. vi 
  5. Ford, Ford Madox (1950). Parade's End; Robie Macauley includes Ford's quote to an earlier edition of the novel in his introduction. [S.l.]: Alfred A. Knopf. p. vi 
  6. Meixner, John. Ford Madox Ford's Novels. [S.l.: s.n.] 213 páginas. Consultado em 14 de janeiro de 2016 
  7. «Parade's End». BBC. Consultado em 14 de janeiro de 2016 
  8. Macauley, Robie (1950). Introduction to Parade's End; included in the 1950 Borzoi printing of the novel. [S.l.]: Alfred A. Knopf. pp. vi, ix 
  9. Ayers, David. English Literature of the 1920s. [S.l.: s.n.] 19 páginas 
  10. "The Bodley Head Ford Madox Ford", Volume 3 (1963), Introduction.
  11. «Carcanet Press — Parade's End: Volume I». Carcanet.co.uk. Consultado em 14 de janeiro de 2016 
  12. «Barnes and Noble DVD Parades end by BBC Warner» 
  13. Alter, Alexandra (21 de fevereiro de 2013). «TV's Novel Challenge: Literature on the Screen». The Wall Street Journal. Consultado em 14 de janeiro de 2016 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Para mais discussões sobre os romances que compõem Parade's End veja, por exemplo:

  • Auden, W. H., "Il faut payer", Mid-Century, no. 22 (Feb. 1961), 3–10.
  • Bergonzi, Bernard, Heroes' Twilight: A Study of the Literature of the Great War, third edition (Manchester: Carcanet: 1996).
  • Bradbury, Malcolm, "Introduction", Parade's End (London: Everyman’s Library, 1992).
  • Brown, Dennis, "Remains of the Day: Tietjens the Englishman", in Ford Madox Ford's Modernity, International Ford Madox Ford Studies, no. 2, ed. Robert Hampson and Max Saunders (Amsterdam and Atlanta, GA.: Rodopi, 2003), 161–74.
  • Calderaro, Michela A., A Silent New World: Ford Madox Ford’s Parade's End (Bologna. Editrice CLUEB [Cooperativa Libraria Universitaria, Editrice Bologna], 1993).
  • Cassell, Richard A., Ford Madox Ford: A Study of His Novels (Baltimore: Johns Hopkins Press, 1962).
  • Gordon, Ambrose, Jr, The Invisible Tent: The War Novels of Ford Madox Ford (Austin, Texas: University of Texas Press, 1964).
  • Gasiorek, Andrzej, "The Politics of Cultural Nostalgia: History and Tradition in Ford Madox Ford's Parade's End", Literature & History, 11:2 (third series) (Autumn 2002), 52–77
  • Green, Robert, Ford Madox Ford: Prose and Politics (Cambridge: Cambridge University Press, 1981).
  • Haslam, Sara, Fragmenting Modernism: Ford Madox Ford, the Novel, and the Great War (Manchester: Manchester University Press, 2002).
  • Hawkes, Rob, Ford Madox Ford and the Misfit Moderns: Edwardian Fiction and the First World War (Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2012).
  • Judd, Alan, Ford Madox Ford (London: Collins, 1990)
  • Meixner, John A., Ford Madox Ford's Novels: A Critical Study (Minneapolis: University of Minnesota Press; London: Oxford University Press, 1962).
  • Moser, Thomas C., The Life in the Fiction of Ford Madox Ford (Princeton: Princeton University Press, 1980).
  • Saunders, Max, Ford Madox Ford: A Dual Life, 2 volumes (Oxford: Oxford University Press, 1996), II.
  • Seiden, Melvin, "Persecution and Paranoia in Parade's End", Criticism, 8:3 (Summer 1966), 246–62.
  • Skinner, Paul, "The Painful Processes of Reconstruction: History in "No Enemy" and "Last Post", in History and Representation in Ford Madox Ford's Writings, ed. Joseph Wiesenfarth, International Ford Madox Ford *Studies, no. 3 (Rodopi: Amsterdam and New York: 2004), 65–75.
  • Tate, Trudi, Modernism, History and the First World War (Manchester: Manchester University Press, 1998).
  • Wiesenfarth, Joseph, Gothic Manners and the Classic English Novel (Madison: The University of Wisconsin Press, 1988).
  • Wiley, Paul L., Novelist of Three Worlds: Ford Madox Ford (Syracuse, N. Y.: Syracuse University Press, 1962).