Pararosanilina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pararosanilina
Alerta sobre risco à saúde
Pararosaniline.png
Nome IUPAC [4-[Bis(4-aminophenyl)methylidene]-1-

cyclohexa-2,5-dienylidene]azanium chloride

Outros nomes Cloridrato de pararosanilina
Cloreto de pararosanilina
C.I. 42500
C.I. Vermelho básico 9, monocloridrato
Para magenta
Identificadores
Número CAS 569-61-9
SMILES
Propriedades
Fórmula molecular C19H18ClN3
Massa molar 323.82 g/mol
Aparência Sólido cristalino verde
Ponto de fusão

268-270 ℃ (541-543 K) dec.

Solubilidade em água Levemente solúvel
Riscos associados
MSDS MSDS (em inglês)
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

Pararosanilina, Magenta 0, Vermelho básico 9, ou C.I. 42500 é um corante vermelho tendo fórmula química C19H18N3Cl. É intimamente relacionado à fucsina básica, nova fucsina e fucsina ácida, sendo também um corante triarilmetano. Resulta quando na formulação do reagente de Schiff, nos melhores resultados entre estes corantes.

Usos[editar | editar código-fonte]

É utilizado para análise colorimétrica de dióxido de enxofre no ar.[1]

É utilizada com reação com ácido periódico em eletroforese para a análise de polissacarídeos não substituídos, mucopolissacarídeos neutros, mucoproteínas e glicoproteínas, glicolipídios e fosfolipídios, na chamada coloração PAS (ácido periódico de Schiff) pelas reações com aldeídos, originários de glicóis 1,2, similarmente ao mecanismo do reagente de Schiff.[2] É o único componente básico dos corantes fucsina adequado para fazer a coloração de aldeído-fucsina para as células beta do ilhéu pancreático.[3]

É utilizado para colorir fibras de poliacrilonitrila.

Referências

  1. Directiva do Conselho n.º 80/779/CEE de 15-07-1980 - www.diramb.gov.pt
  2. Schiff reattivo per microscopia e elettroforesi Pararosanilina (cloruro) (C.I. 42500) per microscopia Certistain® - www.merckchimie.fr (em italiano)
  3. Mowry, RW; Emmel, VM (1978). «Aldehyde fuchsin staining, direct or after oxidation: problems and remedies, with special reference to pancreatic B cells, pituitaries and elastic fibers». Stain Technology. 53: 141–154. doi:10.3109/10520297809111457 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Química é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.