Parasaurolophus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Parasaurolophus
Intervalo temporal: Cretáceo Superior
76,9–73,5 Ma
FMNH Parasaurolophus fossil.jpg
Classificação científica e
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Clado: Dinosauria
Ordem: Ornithischia
Clado: Ornithopoda
Família: Hadrosauridae
Subfamília: Lambeosaurinae
Tribo: Parasaurolophini
Gênero: Parasaurolophus
Parks, 1922
Espécie-tipo
Parasaurolophus walkeri
Parks, 1922
Espécies
Sinónimos[1]

Parasaurolophus (na forma aportuguesada, parassaurolofo) é um gênero extinto de dinossauros ornitópodes herbívoros que viveu onde hoje é a América do Norte e a Ásia durante o Cretáceo Superior, cerca de 76.5–73 milhões de anos atrás.[2] Eram herbívoros que andavam tanto bípedes quanto quadrúpedes. Três espécies são reconhecidas universalmente: P. walkeri (a espécie-tipo), P. tubicen e P. cyrtocristatus. Uma quarta espécie, P. jiayensis, foi proposta, mas esta é mais comumente classifica no gênero separado Charonosaurus. Fósseis são conhecidos de Alberta (no Canadá), Novo México e Utah (nos Estados Unidos) e possivelmente Heilongjiang (na China). O gênero foi primeiramente descrito pelo paleontólogo William Parks em 1922 a partir de um crânio e um esqueleto parcial encontrados em Alberta.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A palavra Parasaurolophus foi formado a partir de três termos do grego antigo, παρα [para] " perto paralelo ", σαυρος [saurus] "lagarto" e λοφος [lophos] "crista".[3]

Descrição[editar | editar código-fonte]

O tamanho do Parasaurolophus walkeri (10 metros de comprimento) comparado com um humano (1,8 metros de altura)

Como a maioria dos dinossauros, o esqueleto de Parasaurolophus é incompletamente conhecido. O comprimento do espécime do tipo do P. walkeri é estimado em 9,5 m (31 pé), e seu peso é estimado em 2,5 toneladas (2,8 tonelada curtas).[4] Seu crânio é cerca de 1,6 m (5 ft 3 in) de comprimento, incluindo a crista, enquanto o tipo de crânio do P. tubicen é cerca de 2 m (6 ft 7 in) de comprimento, indicando um animal maior.[5] Seu único membro anterior conhecido era relativamente curto para um hadrosauridae, com uma omoplata curta, mas larga. As medidas do fêmur eram 103 cm (41 in) de comprimento no P. walkeri e é robusto para o seu comprimento quando comparado a outros hadrossaurídeos.[5] O braço e os ossos pélvicos também foram fortemente construídos.[6]

Como outros hadrossaurídeos, era capaz de andar em duas pernas ou quatro. Provavelmente preferia procurar comida em quatro patas, mas corria em duas.[7] As espinhas neurais das vértebras eram altas, como era comum em lambeosaurus;[5] mais alto sobre os quadris, eles aumentavam a altura das costas. As impressões cutâneas são conhecidas pelo P. walkeri, mostrando escamas semelhantes a tubérculos, mas sem estruturas maiores.[8]

Crânio[editar | editar código-fonte]

Restauração do P. walkeri

A característica mais notável era a crista craniana, que se projetava da parte posterior da cabeça e era composta pelos ossos da pré-maxila e do nariz.[5] William Parks, que nomeou o gênero, hipotetizou que um ligamento corria da crista para o entalhe para apoiar a cabeça, e citou a presença do entalhe possivelmente patológico como evidência.[8] Embora essa ideia pareça improvável,[4] Parasaurolophus às vezes é restaurado com uma aba de pele da crista ao pescoço. A crista era oca, com tubos distintos levando de cada narina até o final da crista antes de reverter a direção e voltar para a crista e para o crânio. Os tubos eram mais simples no P. walkeri e mais complexos no P. tubicen, onde alguns tubos eram cegos e outros se encontravam e se separavam.[9] Enquanto P. walkeri e P. tubicen tinha cristas longas com apenas ligeira curvatura, P. cyrtocristatus tinha uma crista curta com um perfil mais circular.[10]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Como o próprio nome indica, Parasaurolophus foi inicialmente pensado para ser intimamente relacionado com Saurolophus por causa de sua crista superficialmente semelhante.[8] No entanto, foi logo reavaliado como um membro da subfamília dos hadrossaurídeos de lambeossaurinoSaurolophus é um hadrossauro.[11] Costuma-se interpretar como um desdobramento separado dos lambeossaurinos, distinto dos Corythosaurus, Hypacrosaurus e Lambeosaurus.[7][12] Seu parente conhecido mais próximo parece ser o Charonosaurus, um lambeossaurino com um crânio similar (mas ainda não tem uma crista completa) da região de Amur, no nordeste da China.,[13] e os dois podem formar um clado Parasaurolophini. P. cyrtocristatus, com sua crista curta e arredondada, pode ser a mais basal das três espécies conhecidas de Parasaurolophus,[12] ou pode representar espécimes subadultos ou femininos de P. tubicen.[14]

Comparação de desenho entre as cristas do P. cyrtocristatus (acima) e P. walkeri (abaixo)

O seguinte cladograma é após a redescrição de 2007 do Lambeosaurus magnicristatus (Evans e Reisz, 2007):[12]

 Hadrosauridae 

Hadrosaurinae

 Lambeosaurinae 

Aralosaurus

unnamed

Tsintaosaurus

unnamed

Jaxartosaurus

unnamed

Amurosaurus

unnamed
unnamed

Charonosaurus

 Parasaurolophus 

P. cyrtocristatus

unnamed

P. tubicen

P. walkeri

unnamed

Nipponosaurus

unnamed
unnamed

Lambeosaurus lambei

L. magnicristatus

unnamed

Corythosaurus

Olorotitan

unnamed

Hypacrosaurus altispinus

H. stebingeri

Descoberta e datação[editar | editar código-fonte]

Mapa da distribuição dos fósseis de Parasaurolophus

O holótipo 768 do Museu Real de Ontário contém um crânio e um esqueleto parcial ao qual falta uma grande parte da cauda, bem como os membros posteriores abaixo dos joelhos. Foi encontrado por uma equipe da Universidade de Toronto, em 1920, perto de Sand Creek ao longo do rio Red Deer na província canadense de Alberta.[8] Estes sedimentos fazem parte da formação Dinosaur Park, datada da parte média do Campaniano, entre 76 e 74,8 milhões de anos.[15][16] William Parks deu o nome de P. walkeri a este espécime em homenagem a Byron Edmund Walker.[8] Além deste espécime, os fósseis de Parasaurolophus são raros em Alberta,[17] que tem somente um outro crânio parcial da formação Dinosaur Park,[12] e três outros espécimes sem crânio aparentemente pertencentes ao gênero.[17]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Esqueleto de um Parassaurolofo no Museu Field de História Natural

Referências

  1. Martin 2014.
  2. Evans et al. 2009.
  3. Liddell & Scott 1980.
  4. a b Glut 1997.
  5. a b c d Lull & Wright 1942.
  6. Brett-Surman & Wagner 2006.
  7. a b Weishampel et al. 2004.
  8. a b c d e Parks 1922.
  9. Sullivan & Williamson 1999.
  10. Ostrom 1961.
  11. Gilmore 1924.
  12. a b c d Evans & Reisz 2007.
  13. Godefroit et al. 2000.
  14. Williamson 2000.
  15. (em inglês) Eberth, D.A. 2005. The geology. In: Currie, P.J., and Koppelhus, E.B. (eds), Dinosaur Provincial Park: A Spectacular Ancient Ecosystem Revealed. Indiana University Press: Bloomington and Indianapolis,p.54-82. ISBN 0-253-34595-2.[1]
  16. Evans, D.C.; Bavington, R.; Campione, N.E. (2009). «An unusual hadrosaurid braincase from the Dinosaur Park Formation and the biostratigraphy of Parasaurolophus (Ornithischia: Lambeosaurinae) from southern Alberta». Canadian Journal of Earth Sciences (em inglês). 46 (11): 791–800. doi:10.1139/E09-050 
  17. a b Currie & Koppelhus 2005.

Citações[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]