Parasitismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Opilião parasitado por ácaros

Parasitismo (do grego παράσιτος, parásîtos: de pará, ao lado, junto de + sîtos, alimento), podendo significar “aquele que come ao lado de outro”. É a associação entre seres vivos, na qual existe um ser apenas que se benefícia, sendo um dos associados prejudicado nessa relação. Desse modo, surge o parasita, agente agressor e o hospedeiro, agente que abriga o parasita. O parasita por sua vez, retira os nutrientes do ser o qual está hospedado, representando uma relação desarmônica.

Quando os parasitos colonizam um hospedeiro, diz-se que este abriga uma infecção. Somente se a infecção ocasiona sintomas claramente prejudiciais ao hospedeiro pode-se dizer que este tem uma doença. Para muitos parasitos, existe a suposição de que o hospedeiro possa sofrer algum dano, mas, como ainda não foi identificado qualquer sintoma específico, não há doença. Patógêno é o termo que pode ser aplicado a qualquer parasito que provoca uma doença (ou seja ele é patogênico).

parasitismo no dicionário

substantivo masculino

  1. 1. eco interação entre duas espécies, na qual uma delas, o parasita, se beneficia da outra, o hospedeiro, causando-lhe danos de maior ou menor importância, mas raramente a morte.
  2. 2. med enfermidade causada por parasitas.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

Exemplos em plantas:

Cipó-chumbo: o cipó-chumbo (Cuscuta racemosa) é uma planta parasita que não possui clorofila, o que lhe caracteriza uma cor amarelada. Por não realizar fotossíntese, cresce sobre outras plantas, sugando delas a seiva orgânica. Para extrair a seiva, o cipó-chumbo possui raízes especializadas chamadas de haustórios, ou simplesmente raízes sugadoras, que são capazes de penetrar até os vasos liberianos da planta hospedeira. Plantas como o cipó-chumbo, que retiram da planta hospedeira todos os seus nutrientes, são denominadas como holoparasitas.

Erva-de-passarinho: Erva-de-passarinho é o nome popular dado às representantes de algumas famílias de plantas hemiparasitas. Diferentemente das plantas holoparasitas, elas não extraem das plantas hospedeiras os nutrientes produzidos na fotossíntese. Também realizam fotossíntese, pois possuem clorofila, e retiram das outras plantas, através de suas raízes especializadas, apenas a seiva mineral (água e sais minerais).[1]

Exemplos em animais:

Teníase: é causada pelo verme do gênero Taenia, popularmente chamado de solitária, por geralmente ser encontrado sozinho no intestino de seu hospedeiro. É adquirida através da ingestão da carne de boi ou porco malcozidas, contendo as larvas (cisticercos) da tênia. A espécie de tênia que parasita o boi é a Taenia saginata e a que parasita o porco é a Taenia solium.

Ascaridíase: é provocada pelo Ascaris lumbricoides, popularmente chamado de lombriga. Vive no intestino do ser humano, e sua instalação ocorre por meio da ingestão de água e alimentos contaminados por seus ovos. Ao serem ingeridos, os ovos liberam as larvas que passam pelo intestino, pulmões, traqueia e intestino novamente, no qual se instalam definitivamente e se desenvolvem até se tornarem lombrigas adultas. Estas lombrigas se reproduzem sexuadamente, formando novos ovos que, junto às fezes, podem retornar ao ambiente e iniciarem um novo ciclo.[2]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo foi usado pela primeira vez em inglês em 1539,a expressão parasita vem do parasita francês medieval, do latino parasitus, da latinização do grego παράσιτος (parasitos), "aquele que come na mesa de outro".[3]Em sua definição original, não era de natureza estritamente pejorativa.Ser um parasito era um modo de vida aceito, pelo qual uma pessoa podia viver da hospitalidade dos outros e, em troca, fornecer "lisonja, serviços simples e uma vontade de suportar Humilhação ". [4]

Doenças causadas por parasitas.[editar | editar código-fonte]

Os exemplos mais comuns são o de verminoses (causadas por vermes), o que muita das vezes pode levar o hospedeiro à morte, porém sem essa intenção, pois se o hospedeiro morrer o parasita também morrerá. Há ainda, a questão do papel desenvolvido pelo parasito na dinâmica das populações dos hospedeiros; pois, tais parasitos podem afetar as características demográficas dessas populações, como a taxa de natalidade e mortalidade dos hospedeiros. A exemplo do impacto na taxa de natalidade tem-se casos como a Brucelose ( doenças infecciosa transmitida pela Brucella Melitensis, que nas fêmeas de animais domésticos como: bovinos,caprinos e outros;localizada no útero causa o abortamento, e nos machos localizada nos testículos causa a infertilidade. Além disso, vê-se também o impacto na taxa de mortalidade das populações, tendo em vista que, muitas vezes o parasito leva seu hospedeiro à morte, mesmo sem intenção, já que com a morte do hospedeiro, o parasito poderá morrer por falta de nutrientes e do ambiente adequado para sua sobrevivência. Um exemplo disto, a enfermidade produzida por protozoários intracelulares do gênero Babesia e transmitida principalmente por carrapatos da família Ixodidae, que pode ser fatal. [5]

Os seres que vivem à custa do hospedeiro podem ser de dois tipos: ectoparasitas (fora do corpo do hospedeiro) e endoparasitas (dentro do corpo do hospedeiro).

Um ectoparasita bastante conhecido é o piolho do couro cabeludo, que se caracteriza por se alimentar do sangue humano e provocar bastante coceira. Esse parasita é comum em crianças em idade escolar e pode ser tratado com o uso de medicamentos específicos. Além dos piolhos, os carrapatos também são exemplos de ectoparasitas.

 Valor[editar | editar código-fonte]

Apesar dos parasitas serem geralmente considerados prejudiciais, a erradicação de todos não seria necessariamente benéfica. Parasitas contam para grande parte ou mais da metade da diversidade da vida; eles possuem um papel ecológico importante (enfraquecendo a presa) que ecossistemas normalmente levariam certo tempo para se adaptar a tais; e sem parasitas, organismos poderiam eventualmente tender a reprodução assexual, diminuindo a diversidade de características dismórficas sexuais.[6] Parasitas provem uma oportunidade para transferir material genético entre espécies. Em raras, porém significantes ocasiões isso pode facilitar mudanças evolutivas que não ocorreriam de outro modo, ou que levariam muito mais tempo.[7]

 Defesa dos Hospedeiros[editar | editar código-fonte]

Em Vertebrados[editar | editar código-fonte]

Esquilo cinzento oriental sofrendo de Berne.

A primeira linha de defesa contra invasores parasitas é a pele. A pele é feita de camadas de células mortas e agem como uma barreira física contra invasão de organismos. Essas células mortas contém a proteína queratina, que faz a pele resistente e a resistente à água. A maior parte dos micro-organismos precisam de um ambiente úmido para sobreviver. Mantendo a pele seca, prevem a colonização de organismos invasores. Além do mais, a pele humana secreta através das glândulas sebáceas uma substância que é tóxica para a maior parte dos micro-organismos.[8]

Se o parasita entrar no corpo, o sistema imunológico é a maior defesa dos vertebrados contra invasão parasitária. O sistema imunológico é feito de diferentes famílias de moléculas. Essas incluem proteínas séricas e padrões moleculares associados à patógenos (PMAPs). PMAPs são receptores celulares que ativam células dendríticas, que ativam os linfócitos. Os linfócitos tal como as células T e os anticorpos produzem células B com uma variedade de receptores que conhecem os parasitas.[9]

Tipos[editar | editar código-fonte]

Os parasitas são classificados de acordo com suas interações com seus hospedeiros e seus ciclos de vida. Um parasita obrigatório é totalmente dependente do hospedeiro para completar seu ciclo de vida, enquanto um parasita facultativo não é. Um parasita direto possui apenas um hospedeiro, enquanto um parasita indireto possui múltiplos hospedeiros. Para parasitas indiretos, sempre haverá um hospedeiro definitivo e um hospedeiro intermediário[10].[11]

Existem seis estratégias evolutivas importantes no parasitismo, nomeadamente castradores parasitas, parasitas transmitidos diretamente, parasitas troficamente transmitidos, parasita transmitida por vetores, parasitóide (que eventualmente mata o hospedeiro) e micropredador. Estas estratégias para parasitismo de sucesso são picos adaptativos; Muitas estratégias intermediárias são possíveis, mas organismos em muitos grupos diferentes convergiram consistentemente nesses seis, que são evolutivamente estáveis.[12]

Parasitas que vivem no exterior do hospedeiro, seja na pele ou nas porções da pele, são chamados ectoparasitas (por exemplo, piolhos, pulgas e alguns ácaros).

Aqueles que vivem dentro do hospedeiro são chamados de endoparasitas (incluindo todos os parasitas). Os endoparasitas podem existir em uma das duas formas: parasitas intercelulares (habitando espaços no corpo do hospedeiro) ou parasitas intracelulares (habitando células no corpo do hospedeiro).

Os parasitas intracelulares, como protozoários, bactérias ou vírus, tendem a confiar em um terceiro organismo, geralmente conhecido como portador ou vetor. O vetor faz o trabalho de transmiti-los ao host. Um exemplo desta interação é a transmissão da malária, causada por um protozoário do gênero Plasmodium, aos humanos pela mordida de um mosquito anofelino.

Os parasitas que vivem em posição intermediária, sendo meio ectoparasitas e meio endoparásitas, são chamados mesoparásitos.O Schistosoma mansoni é um endoparásito obrigatório dos vasos sanguíneos humanos.

Um epiparasite é aquele que se alimenta de outro parasita. Esse relacionamento também é chamado de hiperparasitismo, exemplificado por um protozoário (o hiperparasito) que vive no trato digestivo de uma pulga que vive em um cachorro.

Os parasitas sociais aproveitam as interações entre membros de organismos sociais, como formigas, termitas e zangões. Exemplos incluem Phengaris arion, uma borboleta cujas larvas empregam mimetismo para parasitar certas espécies de formigas[13]Bombus bohemicus, um zangão que invade as colmeias de outras espécies de abelhas e retoma a reprodução, seus jovens criados por trabalhadores de acolhimento e Melipona scutellaris, uma abelha eusocial onde rainhas virgens escapam de assassinos e invadem outra colônia sem uma rainha[14]Um exemplo extremo de parasitismo social é a formiga de Tetramorium inquilinum dos Alpes, que passou toda a vida nas costas das formigas hospedeiras de Tetramorium. Com corpos minúsculos e obsoletos evoluíram para uma única tarefa: segurando seu host. Se eles caírem, provavelmente não teriam a força para subir de uma outra formiga e, eventualmente, eles vão morrer.No kleptoparasitismo (do grego κλέπτης (kleptes), ladrão), parasitas alimentos apropriados recolhidos pelo hospedeiro. Um exemplo é o parasitismo das crias praticado por cowbirds, whydahs, cuckoos e patos de cabeça negra que não criam ninhos próprios e deixam seus ovos em ninhos de outras espécies. O anfitrião se comporta como uma "babá", pois eles criam os jovens como seus próprios. Se o hospedeiro remover os ovos do cuco, alguns cucos voltarão e atacarão o ninho para obrigar as aves hospedeiras a permanecerem sujeitas a este parasitismo.

O parasitismo social intraespecífico também pode ocorrer. Um exemplo disso é a enfermagem parasitária, onde alguns indivíduos tomam leite de fêmeas não relacionadas. Em capuchinhos com cunha, as fêmeas de maior classificação às vezes tomam leite de fêmeas de baixa classificação sem qualquer reciprocidade. As mulheres de alto escalão se beneficiam às custas das fêmeas de baixa classificação[15].O parasitismo pode assumir a forma de trapaça ou exploração isolada entre as interações mutualistas mais generalizadas. Por exemplo, grandes classes de plantas e fungos trocam carbono e nutrientes nas relações micorrizas mutualistas comuns; No entanto, algumas espécies de plantas conhecidas como mico-heterótrofos "enganam" tirando carbono de um fungo ao invés de doá-lo.

Um adelpho-parasita (do grego αδελφός (adelphos), irmão) é um parasita em que a espécie hospedeira está intimamente relacionada ao parasita, muitas vezes sendo um membro da mesma família ou gênero. Um exemplo disto é o parasitóide de mosquito de citrino, Encarsia perplexa, fêmeas sem juntas que podem colocar ovos haplóides nas larvas totalmente desenvolvidas de suas próprias espécies. Isso resulta na produção de descendentes masculinos.A autoinfecção é a infecção de um hospedeiro primário com um parasita, particularmente um helminto, de tal forma que o ciclo de vida completo do parasita ocorre em um único organismo, sem o envolvimento de outro hospedeiro. Portanto, o hospedeiro principal é ao mesmo tempo o hospedeiro secundário do parasita. Alguns dos organismos onde a auto-infecção ocorre são Strongyloides stercoralis, Enterobius vermicularis,

Taenia solium e Hymenolepis nana. A solidioclíase, por exemplo, envolve a transformação prematura de larvas não infecciosas em larvas infecciosas, que podem então penetrar na mucosa intestinal (autoinfecção interna) ou na pele da área perineal (autoinfecção externa). A infecção pode ser mantida por ciclos migratórios repetidos pelo restante da vida da pessoa.

[16]

Referências

  1. «Parasitismo - Parasitas e Hospedeiros - Relações Ecológicas». InfoEscola 
  2. «Parasitismo - Parasitas e Hospedeiros - Relações Ecológicas». InfoEscola 
  3. George, Scott, Henry,Robert. «A Greek-English Lexicon» 
  4. Donahue, J.F (2014). «Food and Drink in Antiquity: A Sourcebook: Readings from the Graeco-Roman World». Bloomsbury 
  5. Begon Michael, Towsend Colin R. (2007). Ecologia: de Indivíduos a Ecossistemas. Porto Alegre: Artmed. pp. 371– 372 
  6. Holt, Robert D. (1 de janeiro de 2010). «IJEE Soapbox». Israel Journal of Ecology & Evolution. 56 (3-4): 239–250. ISSN 1565-9801. doi:10.1560/ijee.56.3-4.239 
  7. Claude Combes, The Art of being a Parasite, U. of Chicago Press, 2005
  8. "Host-Parasite Interactions Innate Defenses of the Host" (PDF). University of Colorado (website) (Em Inglês) - Traduzido 13 de Julho de 2017
  9. Maizels, Rick M. (5 de agosto de 2009). «Parasite immunomodulation and polymorphisms of the immune system». Journal of Biology. 8. 62 páginas. ISSN 1475-4924. PMID 19664200. doi:10.1186/jbiol166 
  10. (PDF). doi:10.1086/520425/2/29-4-734.pdf https://oup.silverchair-cdn.com/oup/backfile/Content_public/Journal/cid/29/4/10.1086/520425/2/29-4-734.pdf?Expires=1500669311&Signature=YfRF5kNaQmqYOa4E-tpdOBFQ1uE43Szkd-dqmZGExDuz83fMM9oX6at5rsFIounzRHlpCn1ZRI-wmpFnvI~w2Sh2nnBSM8OsZhXj~20Go-qjL2-jAxtqlK5HzJxX8muiAx~WRicFtFykyMduhN39tqQYUfb0VU3JqhMX2wwTbOhLGMqSDBnjMjQP3O8KlMf8WmAAtqbCz1S-WB6Jcj7oK13wUbXYbPzTWa9xMPSuTagj9OZVUTYpkBeYxjxdoFrU1lUd2BvIaETD0yaerjqaDTRHOUTbzhdZcd157AjrxqKWDx3EEsdxmxiiWK~Twm~2qyTPApop0i1iNG-zZIOK8Q__&Key-Pair-Id=APKAIUCZBIA4LVPAVW3Q  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  11. «Classification of Animal Parasites». plpnemweb.ucdavis.edu. Consultado em 20 de julho de 2017 
  12. POULIN, ROBERT; RANDHAWA, HASEEB S. (2015-2). «Evolution of parasitism along convergent lines: from ecology to genomics». Parasitology. 142 (Suppl 1): S6–S15. ISSN 0031-1820. PMID 24229807. doi:10.1017/S0031182013001674  Verifique data em: |data= (ajuda)
  13. Thomas, Jeremy A; Schönrogge, Karsten; Bonelli, Simona; Barbero, Francesca; Balletto, Emilio (2010). «Corruption of ant acoustical signals by mimetic social parasites». Communicative & Integrative Biology. 3 (2): 169–171. ISSN 1942-0889. PMID 20585513 
  14. Van Oystaeyen, Annette; Araujo Alves, Denise; Caliari Oliveira, Ricardo; Lima do Nascimento, Daniela; Santos do Nascimento, Fábio; Billen, Johan; Wenseleers, Tom (1 de setembro de 2013). «Sneaky queens in Melipona bees selectively detect and infiltrate queenless colonies». Animal Behaviour. 86 (3): 603–609. doi:10.1016/j.anbehav.2013.07.001 
  15. O'Brien, Timothy G. (1 de janeiro de 1988). «Parasitic nursing behavior in the wedge-capped capuchin monkey (Cebus olivaceus)». American Journal of Primatology (em inglês). 16 (4): 341–344. ISSN 1098-2345. doi:10.1002/ajp.1350160406 
  16. «National Wildlife® Magazine - National Wildlife Federation». Consultado em 20 de julho de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.