Parcival Módolo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Parcival Módolo (Americana, 15 de julho de ?)[1] é um maestro brasileiro.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Depois de estudar, ensinar e reger nas principais cidades brasileiras, o maestro Parcival Módolo foi para a Alemanha, onde, por quatro anos, completou seus estudos de regência na Westfälische Landeskirchenmusikschule, em Herford, onde obteve grau de mestrado com especialização em música dos séculos XVII e XVIII. Enquanto lá esteve, regeu várias orquestras como maestro convidado e tornou-se titular da Orquestra de Sunden, na Vestefália.[2]

Foi discípulo de Nikolaus Harnoncourt, Zubin Mehta, M. Stefani e Sergiu Celibidache. Em 1989, a convite da Universidade da Califórnia em San Diego, foi aos Estados Unidos lecionar naquela universidade, e recebeu bolsa de estudos para o doutorado na Universidade do Sul da Califórnia, em Los Angeles. Como professor tem sido convidado para aulas especiais, bancas de pós-graduação e palestras, em diferentes universidades brasileiras e do exterior.

É coordenador geral da divisão de arte e cultura do Instituto Presbiteriano Mackenzie,[3] em São Paulo, e membro da American Choral Directors Association (ACDA).

Alem de sua formação musical, é mestre em Ciências da Religião pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, interesse que surgiu enquanto desenvolvia estudos na área da música sacra dos períodos imediatamente pré e pós Reforma protestante, para compreensão mais ampliada das questões de retórica e dos símbolos musicais na obra dos compositores pós-reforma, especialmente J. S. Bach. É coordenador do curso livre de música sacra do JMC, na cidade de São Paulo.

Dirige regularmente diferentes orquestras brasileiras e, no exterior, é Gastdirektor da Orquestra do Teatro da Ópera de Bielefeld, na Alemanha, e maestro visitante da Orquestra Sinfônica de San Diego. Em 2003 foi nomeado consultor oficial do Festival Internacional de Música de Cuzco e, em 2004, maestro permanente das orquestras jovem e juvenil de Lima, no Peru. Honraria semelhante foi-lhe outorgada pela Orquestra Nacional de Cuba, com sede em Havana. Em 2006, convidado para dirigir o encontro anual de regentes e o festival de música em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, foi nomeado coordenador do encontro e diretor da orquestra e do coral para todas as próximas edições do festival.

No Brasil, estruturou a Orquestra Sinfônica Municipal de Americana, tornando-se seu regente titular e diretor artístico por 14 anos, até 1998. Atualmente é diretor artístico da Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto, e maestro principal da Orquestra Sinfônica Collegium Musicum de Potsdam, na Alemanha.

Referências