Parkour

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-question.svg
Este artigo ou se(c)ção pode conter texto de natureza não enciclopédica. (desde maio de 2017)
Justifique o uso dessa marcação e tente resolver essas questões na página de discussão.


Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde março de 2017).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Salto de precisão (Saut de précision, no original), um dos saltos mais comuns na prática do Parkour.

Desenvolvido como um método de treinamento que permite ao indivíduo, ultrapassar de forma rápida, eficiente e segura quaisquer obstáculos utilizando somente as habilidades e capacidades do corpo humano[1], o Parkour (por vezes abreviado como PK) foi desenvolvido inicialmente na França em meados do final dos anos de 1980[2]. O termo é proveniente de uma adaptação da palavra original 'parcours' e foi sugerido por um amigo de David Belle, o qual por sua vez, junto com alguns amigos de adolescência, é considerado como fundador do Parkour. Ainda, o termo 'parcours' tem relação com o 'Parcours du combattant',mais conhecido como a pista de obstáculos do pentatlo militar[1]. A modalidade tem diversas influências de práticas corporais e dentre estas, destacam-se as ginásticas e o Método Natural de Educação Física de Georges Hébert, também conhecido como 'Métode Naturelle', o qual também se utilizava de habilidades e capacidades corporais para superar obstáculos e desafios tanto em ambientes urbanos como quantos naturais[3]. A modalidade pode ser praticada tanto individualmente quanto em grupo.

Ao praticante do sexo masculino, este é denominado 'traceur' e seu equivalente feminino é 'traceuse'[1][2]. Ambas grafias são de origem francesa, porém para maior disseminação e facilidade de pronuncia, o termo em inglês 'tracer' [trey-ser][4], foi o mais difundido[1][2]. Recentemente, o Parkour tornou-se uma prática reconhecidamente esportiva no Reino Unido[5][6][7][8][9][10][11][12][13][14][15], embora a concepção de esporte seja diferente daquela empregada no Brasil, dado aos diferentes tipos de esportes que a Educação Física nacional concebe[16].

Generalidades[editar | editar código-fonte]

O fundador do Parkour, David Belle atribui a inspiração para criar o método de treinamento, a seu pai e mentor Raymond Belle (1939-1999)[17][18][19][2], o qual foi treinado na guerra da Indochina (período pré-guerra do Vietnã) e posteriormente atuou como soldado pelas forças armadas francesas[17][2]. A partir de 1958, Raymond deixou o exército e entrou para o corpo de bombeiros de Paris na França[17]. Raymond também é lembrado pelos seus feitos na ginástica, no esporte e pelos recordes em saltos, arremessos com vara e subida em corda, feitos estes que construiu enquanto fez parte da corporação[17][1][2].

Salto do gato (saut de chat, no original em francês) também conhecido como cat leap, é um tipo de salto feito para se fixar em um lugar pendurando com as mãos.

Parkour é uma forma de prática corporal pouco explorada no quesito fundamentação teórica e de produção científica no cenário acadêmico, o que torna a modalidade um pouco difícil de ser categorizada[19]. De acordo com o seu fundador, David Belle, o Parkour consiste essencialmente em superar todos os obstáculos, seja eles físicos ou mentais em qualquer tipo de ambiente, natural ou urbano[20].

A prática requer treinamento físico metódico, dedicação, comprometimento e visa principalmente a eficácia, poupando energia para ultrapassar os obstáculos e evitando ferimentos de quaisquer ordem[17]. Os praticantes do Parkour atribuem ao mote 'être et durer' ('ser e durar', traduzido do francês), a importância do fortalecimento e da longevidade na prática por meio do treino constante, buscando sempre melhorar a si enquanto ser humano[17]. Essa ideia de manter o corpo forte e vigoroso a longo prazo foi absorvida do Método Natural de Georges Hébert e ainda é propagada por muitos praticantes.

A prática do Parkour é comumente vinculada em uma visão grosseira e deturpada de que seus praticantes são "puladores de prédios"[21], arruaceiros e desocupados. Porém, somente quem realmente adentra a prática ou busca informações sobre, seja por curiosidade, ou por vontade, acaba por descobrir que o Parkour é, acima de tudo, uma disciplina de cunho de exercício físico e moral, voltada para o desenvolvimento de habilidades e capacidades do corpo, usando de corridas, variações de movimentos quadrupedais, diversos tipos de rolamentos, formas de escaladas, equilíbrios, saltos e outras formas de movimento[17] para ultrapassar os obstáculos de maneira rápida, eficiente e segura, os quais podem levar a novos patamares de exploração do movimento humano[17][19].

Terminologia[editar | editar código-fonte]

Existem outras duas formas de expressão com vínculo direto com a prática e em muitos países são tratados também como sinônimos do Parkour: A 'Art du déplacement' ('Arte do deslocamento', em português) e o 'Free Running' ('Corrida livre', em português)[2][19].

O termo 'Art du déplacement' foi o primeiro nome dado a prática corporal que viria a ser mais tarde também nomeada como Parkour[19]. Esse nome foi sugerido por Sébastien Foucan[22][2], considerado por muitos o co-fundador do Parkour e também fundador do Free Running. O nome perdurou através dos Yamakasi[19], considerados o primeiro grupo de Parkour[1].

Por sugestão de seu amigo Hubert Koundé, David Belle remodelou a palavra 'parcours' ('percurso', em português), primeiramente retirando a letra 's', a qual não é pronunciada pela voz e substituiu o 'c' por um 'k' para sugerir agressividade e causar mais impacto ao pronunciar, e também como forma de universalizar o termo[2][1][19].

Sébastien Foucan, co-fundador do Parkour também é considerado o fundador do Free Running[2]. Embora semelhantes, a prática estabelecida por Sébastien Foucan expressa uma vertente mais artística do Parkour, onde são realizadas acrobacias e a estética do movimento é ressaltada em detrimento da objetividade. O nome Free Running foi sugerido por Guillaume Pelletier para uma apresentação de Sébastien Foucan no documentário Jump London para o Channel 4 do Reino Unido[2][1], visando maior facilidade na comunicação com a língua inglesa e entendimento da prática.

Traceur e traceuse são derivados do termo fracês 'tracer' [tʀase][23][24], cuja grafia, que embora semelhante a grafia em inglês tem pronúncia diferente e normalmente significa 'traçar'[25], ou melhor dizendo, 'aquele que percorre um caminho'[1][19]. O termo foi originalmente utilizado como o nome do grupo de Parkour 'Original Tracers', que era liderado por David Belle, também eram parte deste grupo Sébastien Foucan e Stéphane Vigroux[1][19][2].

História[editar | editar código-fonte]

O Parkour surgiu de uma necessidade de movimentar-se impetrada por David Belle, seus primos e seus amigos durante sua adolescência[18], inicialmente em Fécamp na Normandia e posteriormente, nos subúrbios de Paris, em Lisses e Sarcelles[1], onde David Belle buscou reforçar os laços com seu pai e começou a ter os primeiros insights sobre o que viria a ser o Parkour, como a importância do fortalecimento físico e mental e os elementos que David Belle descreve com um tipo de filosofia[1][19]. Entretanto, a ideia do movimento tem suas raízes que remetem ao final do século XIX com Georges Hébert, criador do Método Natural e posteriormente no século XX, com Raymond Belle, ex-soldado, atleta, bombeiro francês e uma das grandes inspirações para o desenvolvimento do Parkour.

Georges Hébert[editar | editar código-fonte]

Georges Hébert - criador do Método Natural de Educação Física

Inicialmente, as maiores influências para o desenvolvimento do Parkour foram Raymond Belle[19] e o Método Natural de Educação Física de Georges Hèbert (1875-1957), método este ao qual Raymond Belle foi instruído na infância e adolescência[17]. Georges Hébert foi um oficial da Marinha e profissional de Educação Física francês[26][27][19] que observou o comportamento e o movimento dos homens das tribos africanas[26][27][19][21] e de diversas outras partes do mundo durante suas viagens como tenente da marinha francesa. Georges Hébert também pregava que um corpo sadio e atlético deveria combinar também coragem e altruísmo[26].

Georges Hébert desenvolveu seu método com base em 10 grupos de habilidades: marcha, corrida, saltos, movimento quadrupedal, escalada, equilíbrio, lançamentos, levantamentos, defesa pessoal e natação[26][21]. Todos esses movimentos deveriam ser imbuídos com o desenvolvimento de outros elementos como força de vontade, coragem, frieza, resiliência, benevolência, honra e honestidade, e também havia a necessidade de desenvolver a respiração e a musculatura[26]. O treinamento pelo Método Natural de Hébert se expandiu pelas forças armadas e posteriormente por escolas, academias e clubes[2]. Ainda, os estudos de Georges Hébert deram origem a um livro publicado em 1912 intitulado L’education physique virile et morale par la méthode naturelle ('A Educação Física, virilidade e moral pelo Método Natural', em português)[26].

Ainda, Georges Hébert, idealizaria uma pista de obstáculos para o treinamento da marinha francesa a qual foi denominada de parcours du combattant (ou 'percurso do combatente', literalmente)[28]. Mais tarde, esse sistema de treinamento e a pista de obstáculos ganhariam o respeito e admiração por forças armadas diversas ao redor do mundo, sendo copiado e adaptado por países como os EUA em decorrência das grandes guerras mundiais que viriam nos anos seguintes[28].

Posteriormente, Raymond Belle usaria alguns do elementos do Método natural de Georges Hébert para incentivar a busca pelo movimento em seu filho, David. Assim, seja pela influência de Raymond, ou pela sua relação com o treinamento de Hébert, futuramente o Parkour viria a usar alguns do elementos do Método Natural como a marcha, a corrida, os saltos, o movimento quadrupedal, a escalada e o equilíbrio, (lançamentos, levantamentos, defesa pessoal e natação não são considerados como elementos essenciais para a prática do Parkour, pois envolvem combate ou movimentação em meios que não são comuns para os praticantes - nadar, por exemplo). Dessa forma é possível estabelecer uma relação, mesmo que pequena entre o Método Natural e o Parkour, como "primos distantes". Nesse ponto, cabe ressaltar que o Método Natural desenvolvido por Hébert frisava aumentar as resistências orgânicas, realçar as aptidões para a execução de exercícios naturais e utilitários (os seus 10 grupos) e, sobretudo, desenvolver a energia, a qualidade de ação, a virilidade, para então subordinar esse conjunto de qualidades físicas bem treinadas a uma moral altruísta e física[26].

Raymond Belle[editar | editar código-fonte]

Raymond Belle (1939-1999)

O pai de David Belle, Raymond Belle (1939-1999) nasceu e cresceu no Vietnã[2][17]. Seu pai morreu e ele foi separado de sua mãe, sendo criado pelos tios do lado materno[17][2], os quais abusaram de Raymond em sua infância[17]. Com 7 anos de idade foi enviado para um orfanato militar onde colocou-se sob duras provações e treinamentos para tornar-se mais forte[2][17].

Durante as noites, enquanto todos dormiam, Raymond saía do orfanato e treinava nas árvores e corria pela mata, desenvolvendo suas habilidades e fortalecendo seu corpo realizando saltos, flexões e equilíbrios[17][2]. Isso permitiu que Raymond sobrevivesse ao duro período o qual durou sua infância e início da adolescência. Depois da batalha de Dien Bien Phu em 1954, Raymond retornou à França onde permaneceu nas forças armadas até os 19 anos de idade, em seguida juntou-se ao corpo de bombeiros de Paris[17][2].

Em sua estadia na França e a reaproximação com seu filho David, Raymond lhe apresentou a palavra 'parcours', a qual seu filho David, relembra: "Ele me contou como, quando era criança no orfanato militar, acordava todas as noites para ir treinar, sozinho e maliciosamente, no 'percurso de assalto', mas também em outros percursos que ele havia inventado sozinho. Para mim, essa palavra, "parcours", era muito abstrata e não significava nada. Ele explicou que havia diferentes tipos de percursos - ou parcours - lá, como percurso de resistência, percurso de agilidade, percurso de resiliência, e assim por diante."[17].

Seu filho David, ressalta que existe uma diferença crucial entre o que seu pai fazia e o Parkour que é praticando por muitos atualmente: "Para muitos, hoje em dia, parkour é algo divertido, mas para meu pai, era vital - uma questão de vida ou morte [...], [...]Para meu pai, Parkour era suor, lágrimas e sangue."[17].

Ainda, Raymond é lembrado pelos seus feitos heroicos no corpo de bombeiros sendo voluntario para missões perigosas. Raymond tinha um senso de coragem, autocontrole e auto-sacrifício excelentes[17]. Foi apelidado pelos companheiros de esquadrão com o nome 'Kamikaze'[17]. Ao longo de sua carreira, realizou difíceis resgates que lhe renderam inúmeras honrarias e medalhas[17] e também se destacou com feitos atléticos sendo membro da equipe de treinadores de ginástica de Bombeiros de Paris, realizando demonstrações para jovens bombeiros ou grandes públicos. Ele também foi várias vezes campeão nacional militar em salto em altura e salto em distância[17].

Embora Raymond tivesse em seu passado uma vida com diversas conquistas e feitos memoráveis, este viveu seus últimos dias amargurado com seus próprios dilemas e memórias amargas e obscuras, os quais tiveram fim quando cometeu suicídio (um tiro em sua cabeça com uma espingarda calibre 12) na virada de ano entre 1999 e 2000[17][29]. Antes de morrer, Raymond deixou uma mensagem para seu filho David, onde escreveu: 'La garde meurt mais ne se rend pas' ('O guarda morre, mas nunca se rende', em português)[17][29].

David Belle[editar | editar código-fonte]

David Belle - fundador do Parkour, em uma das cenas para o filme B13.

Em 1973 nasce David Belle, um dos filhos de Raymond e Monique Belle[30]. Este viria a ser o herdeiro dos ensinamentos de Raymond Belle e de suas técnicas de ultrapassar obstáculos[18][22]. David teve experiências com diversas modalidades como: ginásticas, atletismo e artes marciais, porém seu rendimento escolar e seu comprometimento com atividades esportivas não era assíduo[17]. Durante boa parte de sua infância, David Belle viveu e aprendeu com seu avô materno Gilbert Kitte, sendo este, além de Raymond Belle, um dos pilares da educação e formação de David[17].

Conforme crescia, David tornava-se mais curioso a respeito da vida do pai e por meios de conversas com este decidiu que necessitava e queria desenvolver suas habilidades para caso tivesse necessidade na sua vida[2]. Durante essas conversas, David aprendeu mais sobre essa forma de treinamento que seu pai chamava de 'le parcours' e sobre as diversas repetições que ele havia feito para encontrar o seu próprio caminho[17][2]. Raymond ensinou a David que treinar não é uma brincadeira, mas algo altamente vital que permitiria a ele sobreviver e proteger as pessoas com as quais ele se importava[20][2][17]. David então percebeu que este era o caminho que ele buscava e começou a trilhá-lho[2]. Isso veio a tornar-se mais importante que a escola e David colocou toda a sua atenção em seu treinamento.

Vale lembrar que David Belle também treinou o Método Natural enquanto esteve na marinha francesa em Vannes, e nesse ponto ele já havia percebido a diferença entre o 'parcours du combattant' e o método que viria a ser conhecido como Parkour[17]. Ou, nas palavras do próprio David Belle: " [...] meu pai e eu decidimos perceber os obstáculos de uma maneira diferente e mudar esse curso passível de algo positivo, pacifista e útil. E eu vi a diferença com o método de Hébert quando fiz o meu serviço militar na Marinha em Vannes."[17].

No livro escrito por Sabine Gros La Faige, David Belle ressalta diversos aspectos do que era o Parkour enaltecendo o mais importante que seria a mentalidade do praticante e o entendimento dos seus princípio acima de tudo[17]. Para Belle, o que vale é a o que o praticante tem em sua mente e não um amontado de vídeos de exibição: "o importante a ser desenvolvido é a auto confiança, o aprendizado da técnica, só assim ele entenderá os princípios do Parkour"[17]. Belle ainda ressalta as palavras de seu pai quando se trata de direcionar a disciplina no Parkour: "Se dois caminhos se abrirem para você, sempre escolha o mais difícil, pois você sabe que pode trilhar caminho fácil"[17].

David é considerado fundador e o mais influente propositor do método Parkour pelo mundo.

O grupo original[editar | editar código-fonte]

Um dos principais marcos da cidade de Lisses é o Dame du Lac (Dama do lago), uma estrutura artificial de escalada arquitetônica no Parc du Lac (Parque do Lago), que era comumente usado para praticar parkour, mas atualmente está fechado ao público, devido aos indivíduos feridos por escalarem a estrutura.

Durante o final dos anos de 1980 e início dos anos de 1990, David Belle conhece aqueles que viriam a ser seus parceiros de treino[2]. Entre visitas frequentes à seu pai, que residia em Sarcelles e a vida com sua mãe que morava em Lisses, David conheceu amigos que por fim juntaram-se em um único grupo com a intenção de se movimentar, treinar e se fortalecer[2]. Este grupo era originalmente formado por David Belle, Châu Belle-Dinh, Williams Belle, os irmãos Yahn e Frederic Hnautra, David Malgogne, Malik Diouf, Guylain N'guba Boyeke, Laurent Piemontesi e Charles Perrière. Um dos fatores que influenciou definitivamente esse garotos foram suas famílias, onde vários deles tinham pais e parentes que serviram as forças armadas, corpo de bombeiros, foram praticantes de artes marciais e até atletas[29]. Uma menção de destaque cabe a presença, na época, de Katty Belle, única mulher a fazer parte do grupo original, porém, pouco lembrada ela era mais um integrante que carregava a força do nome da família Belle[2]. Katty fez parte do surgimento do movimento por meio de seu tio Raymond Belle pois, quando criança, o mesmo Raymond buscava a ela e a seus irmãos na escola e os levava para treinar nas matas de Ecouen[2].

Estes amigos tornaram-se um grupo forte e unido, os quais realizavam desafios físicos como corridas de oito quilômetros ou realizar elevações em barras com um colega agarrado às costas[29], treinavam sem comer ou beber água, sem dormir ou sob baixas temperaturas, ou, nas palavras de Laurent Piemontesi: '[...] era divertido treinar com "os lobos" '[29]. Não era permitido atrasar-se, todos deveriam completar o desafio, não era permitido ser negativo ou reclamar, o pulo deveria ser feito, mesmo que descalço! Entretanto, todos sempre deveriam ter a sabedoria para conhecer seus limites. Para o grupo um movimento executado apenas uma vez não era o suficiente, era necessário repeti-lo exaustivamente sem lesionar-se, mantendo a força e o fôlego até o desafio estar completo, caso alguém errasse, o movimento era repetido do início e quando fosse necessário treinariam em casa, antes da escola ou onde fosse, realizariam flexões, fariam barras, levantariam pesos, agachamentos, qualquer coisa![29] Ou, como fazia Châu: '[...] até mesmo realizar 5 mil abdominais ao longo do dia ou em sequência'. Humildade também era um dos princípios fundamentais, ninguém era superior ao outro, não poderiam haver mentiras sobre o que faziam e como faziam na prática de sua movimentação, considerando que, na época ainda não haviam dado um nome para o que faziam. Somente adentravam novos membros no grupo se estes fossem "recomendados" e se passassem nos testes de avaliação e motivação. Era obrigação de cada membro do grupo encorajar os outros[29]. Caso alguém violasse as regras, era punido. Estas eram as maneiras com as quais o grupo lidava para manter seus valores. David e Yahn eram considerados os membros mais fortes e eram extremamente respeitados por isso[29].

Uma das curiosidades sobre o grupo recai na TV e nas influências advindas dela. Atores como Jean-Claude Van Damme, Bruce Lee e Jackie Chan e seus filmes influenciaram aspectos da flexibilidade, força e movimentação respectivamente do grupo todo[29]. Ainda, os jovens eram fãs assíduos de Goku, personagem do mundialmente aclamado anime Dragon Ball, onde o herói desenvolvia sua força e técnica a cada episódio, os garotos viam o desenho como inspiração para seus próprios treinos[29].

O ano de 1997 marca as maiores mudanças para David e seus amigos[2]. Instituições como o departamento do corpo de Bombeiros de Paris pediram para o grupo realizar uma apresentação durante um evento[2]. Ainda no mesmo ano, o irmão mais velho de David, Jean François Belle conseguiu a chance de uma apresentação para o programa Stade 2 e também um convite para o musical 'Notre Dame de Paris'[2], o qual levou os praticantes a conhecimento do diretor de cinema Luc Besson que ficou fascinado com os movimentos dos rapazes[2]. O fenômeno que viria a ser conhecido como Parkour eclodiu no final dos anos 1990 e início do novo século[2]. Assim, a mídia começou a apresentar interesse pela modalidade, levando a prática para a grande tela por meio dos filmes B-13 (2004)[19] ou "13º Distrito" e B-13 Ultimato (ambos estrelados por David Belle e Cyril Rafaelli), "Yamakasi - os samurais dos tempos modernos" (2000) e Yamakasi - os filhos do vento (2003), ambos estrelados pelos membros do grupo Yamakasi[2].

A separação[editar | editar código-fonte]

Cabe ressaltar que durante mais de uma década o grupo treinou junto e em determinado ponto, por volta do ano de 1997, ideias começaram a divergir[17][2]. Nesse momento, David Belle e Sébastien Foucan se afastam do grupo original que também era composto pelos primos de David: Châu e Williams (que residiam em Sarcelles), os irmãos Yahn e Frederic Hnautra (moradores de Lisses), e seus amigos David Malgogne, Malik Diouf, Guylain N'guba Boyeke, Laurent Piemontesi, Charles Perrière[1][19][2][17], estes decidiriam usar o termo 'Art du déplacement' para a sua prática. Mais tarde David Belle e Sébastien Foucan também seguiriam caminhos separados por divergências em seu modo de pensar e treinar[1][17][2], dessa divisão surgiriam respectivamente, o Parkour e o Free running.

Os membros remanescentes dos Yamakasi, fundaram a Parkour Generations, considerada atualmente a maior autoridade em se tratando de Parkour e Art du déplacement no mundo[15]. A Parkour Generations também é responsável pela qualificação A.D.A.P.T. (Art du Déplacement And Parkour Teaching), reconhecida por traceurs pelo mundo todo e pelo governo britânico[19][15].

Sébastien Foucan continuou a divulgação de sua visão da prática no Reino Unido e ainda esta atuante no mundo do Parkour e do Free running[1]. Além do documentário Jump London[19][15] ele atuou como vilão no filme 007-Cassino Royale (2006)[1] e posteriormente no filme "The Tournament" (em português "Vingança entre Assassinos"), como o assassino Anton Bogart. Também apareceu no videoclipe da canção Jump, e acompanhou a cantora Madonna em sua tourné de 2006 Confessions Tour[1][31]. Atualmente ele tem sua própria academia de Free Running e é o presidente da Parkour UK[32].

David Belle fez comerciais para diversas empresas como BONT, Nike, Cannon, Nissan, Coca-Cola, BBC e pequenas aparições na mídia no início de sua carreira, mas sua força real seria mostrada nos filmes Bairro 13 (B-13) e Bairro 13 - Ultimato (B-13: Ultimatum), bem como uma série de participações em eventos pela Europa e EUA divulgando o Parkour[1][17][2]. Em 2014, participou de um remake hollywoodiano de B-13, lançado com o nome Brick Mansions (Bairro 13, no Brasil) onde contracena com Paul Walker (1973-2013) da franquia Velozes e Furiosos[1], além de também aparecer em uma entrevista para Tim "Livewire" Shieff no mesmo ano, para apresentar alguns de seus pontos de vista sobre a prática do Parkour atual[33]. Recentemente, David esta divulgando a série Brutal: Taste of Violence[34][35][36]. Além disso, David Belle também trabalhou com acessoria para produtores de jogos[37][38][39][40] e filmes com cenas de Parkour[41][42].

Prática do Parkour - meados de 1980 e início do novo século[editar | editar código-fonte]

Durante os anos que transcorreram entre o início das atividades que viriam a originar o Art du deplacement, o Parkour e o Free running, a prática em si era regida de maneira bem diferente do que a maioria se utiliza nos dias atuais[43][44][45][2].

David Belle, fundador do Parkour, manteve por muito tempo a ideia de que seu método de treinamento era uma arma camuflada, uma maneira de livrar-se de situações perigosas ou ainda para ajudar pessoas em necessidade ou empregar perseguições[20]. Sua visão era a de que o Parkour deveria dar autonomia ao praticante, sendo este capaz de realizar ações e tomar decisões por si[20]. Para Belle, Parkour consistia em treinar, repetir e alcançar seus objetivos além de objetivar uma movimentação fora dos padrões ditos "normais" pela sociedade[20]. Sobre a consistência da repetição e da dedicação ao treino, Stephane Vigroux, um dos discípulos de David, descreve que eram costumeiros os desafios quando iniciou seu treinamento com David, além da intensidade do treino[46], sendo a sensibilidade e o fortalecimento físico os dois pilares essenciais da prática[46], este último demandando sempre atenção total. Nesse tempo, David Belle também ressaltava para seus companheiros de treino e seus aprendizes, a importância do respeito e humildade[46].

Acerca da prática consciente, David também ressalta uma frase seu avô: "você deve usar e não abusar", proferida em um documentário denominado 'Eu salto de telhado em telhado' (2009), nesse ponto a ideia de David Belle é a de que cada praticante deve saber conhecer e respeitar seus limites sem colocar a própria vida em risco[20]. Entre vários pontos abordados por David Belle acerca da prática cabe destaque ao ponto sobre ser negligente e sobre aprender a seguir regras, mencionando inclusive o respeito ao treino, ao lapidar do movimento e as consequências de atitudes desvairadas[20].

Stephane Vigroux, um dos discípulos de David e atual membro da Parkour Generations, descreve que existem duas formas de se treinar o Parkour, uma delas é voltada para o aspecto da diversão, como uma brincadeira e a outra, muito mais séria e comprometida, é voltada para o treino regrado, para alcançar um patamar diferenciado de evolução na prática do Parkour, Stephane também menciona que o praticante deve escolher qual o tipo de treino quer realizar e levar consigo[46], que não existe problema algum com a escolha e com qual caminho seguir, mas que o praticante deve ter em mente que ambos são diferentes e tem exigências diferentes[46]. Dessa forma, fica evidente que a prática do Parkour na sua primeira década e anos seguintes era mais voltado para sua essência, visando o fortalecimento do indivíduo e uma visão utilitarista da modalidade[45][44][43][20], ou, novamente citando Vigroux: "[...] uma prática baseada no movimento, que ajuda a tornar indivíduos mais fortes fisicamente e mentalmente, tornando-os seres humanos equilibrados que então ajudarão à comunidade e outros indivíduos com essas bases sólidas"[44].

Prática no novo milênio[editar | editar código-fonte]

Com o advento da internet e a explosão digital mundial, o Parkour tornou-se um fenômeno mundial, porém, a maioria das pessoas ainda desconhece o que vem a ser a prática[21]. Muitos dos novos praticantes adentram a prática instigados por vídeos na rede mundial, entretanto, esses vídeos em sua maioria tem pouca ou nenhuma qualidade de informação,nas palavras de Charles Moreland: "[...] eles são terríveis, a maioria deles são horríveis!"[21]. Ainda, é possível lembrar das palavras do fundador da modalidade, David Belle em uma entrevista para o canal FreerunningTV.com, onde diz o que pensa acerca dos vídeos em geral sobre Parkour disponíveis na rede: "[...] a maioria só esta interessada nas aparências, eles querem se exibir [...]"[22]. Embora existam diferentes discursos e interpretações, existe atualmente uma dicotomia entre os grupos que procuram preservar a essência original do Parkour e aqueles com uma mente "mais aberta" que defendem uma nova roupagem para a modalidade, ressaltando a evolução da mesma no decorrer dos anos como algo natural, motivo que veio a causar disputas de poder e momentos de tensão na comunidade mundial[2]. Malik Diouf, dos Yamakasi em uma entrevista apresentou sua opinião sobre o assunto: "Acredito que existem dois tipos de pessoas, os puristas e os com mente aberta", mostrando que a prática encontra-se atualmente dividida na forma e nas opiniões[47][43]. É notório que os novos praticantes tem o desejo de desenvolver sua própria movimentação e que os grupos de praticantes vem crescendo exponencialmente, dessa forma várias novas interpretações acerca da modalidade vão surgindo e entrando em conflito com conceitos mais conservadores de praticantes mais velhos, ou mesmo daqueles que seguem a linha purista da prática[47]. Sobre a transmissão de conhecimento do Parkour para as futuras gerações, o praticante Valentin Dubois, do grupo Parkour Lyon ressalta que: "[...] quando você ensina Parkour a alguém... você não pode força-los a pensar como você", assim sendo torna-se algo muito complicado tentar imbuir os valores pessoais dos praticantes mais antigos na nova geração, a qual enxerga a modalidade sob um novo espectro[47]. Essa mudança drástica tem causado não somente discussões acirradas, mas também conflitos de ideias e da forma como se encontra a prática na atualidade, a qual torna-se quase irreconhecível por pessoas que se espelham nos vídeos mais antigos, embora muitos outros praticantes estejam produzindo conteúdos de seus próprios modos de ver o Parkour, mas ao realizar uma análise visual, é notória a mudança, tanto na movimentação quanto no pensamento dos praticantes[47].

Dessa forma, criou-se acerca dos praticantes atuais uma conotação de irresponsabilidade onde os jovens realizam acrobacias perigosas, com o único objetivo de conseguir visualizações no Youtube[21]. Stephane Vigroux destacava já em 2006 que a pratica do Parkour estava se tornando muito superficial pelos novos adeptos: 'Esta acontecendo tudo muito rápido, Muito fácil. Muito show.'[46]. Nesta mesma linha de pensamento, questiona-se veementemente a validade da necessidade que os praticante da nova era buscam ao gravar novos vídeos que crescem exponencialmente nas mídias digitais, onde o desejo de partilha de conhecimento tem sido usurpado pela busca frenética de produção de material cada vez mais radical, na caça incessante por visualizações e likes[47]. Embora existam diversas críticas sobre como a modalidade evoluiu (ou involuiu), cabe dizer que notadamente que o Parkour foi modificado e adaptado ao longo dos anos em diversos aspectos, entre estes podem ser citados: a adesão das acrobacias por muitos praticantes[2], o uso como ferramenta pedagógica de ensino por profissionais de Educação Física no cenário escolar[48][49][50][51][52][53][54][55], a miscigenação confusa com outras culturas corporais como a dança[56][57], além da aplicabilidade do jogo e o caráter lúdico da prática[58][59]. Somado a isso, novos horizontes se abriram para diferentes faixas etárias adentrarem na modalidade, desconstruindo o olhar que a sociedade em geral tem acerca da prática, dessa forma, foram inseridos, crianças, adultos e até idosos praticantes de Parkour[60][61][62].

Entretanto, um cuidado deve ser observado ao adentrar a prática e ao disseminá-la também, sendo um consenso entre boa parte dos praticantes que: "Parkour não é tudo e nem tudo é Parkour!"[47]. O Parkour é uma ferramenta que pode ser inserida em outros contextos, mas daí a dizer que ele é o novo contexto, torna-se algo totalmente diferente, embora existam defesas pouco fundamentadas e interpretações pessoais pouco usuais em que o Parkour pode ser uma nova forma de ver uma outra prática cujas características são totalmente diferentes da prática original. Cabe ressaltar que as pesquisas em nível acadêmico ainda estão florescendo com os assuntos em questão e que novos pontos de vista estão sendo construídos acerca da prática que tem se mostrado extremamente mutável devido a diversas interpretações a cada ano que passa.

Ademais, muitos discursos do que é ou do que não é Parkour permeiam blogs, sites, fóruns de discussão, postagens do facebook e acrescentando-se ainda a grande confusão com a prática da Free running, a qual muitos consideram ou não "como sendo a mesma coisa que o Parkour", e poucas pessoas se atém a ouvir os fundadores de ambas as modalidades, ler e conhecer mais sobre ambas, bem como os indivíduos mais próximos das práticas originais desde sua criação[63]. Somado a isso, as diferentes veiculações apresentadas pelas mídias e por alguns praticantes enaltecem ainda mais essas diferenças[63]. Um dos exemplos, são as falas de Stephane Vigroux sobre o Free running: "A definição original dessa palavra se perdeu e também foi devorada pelo grande parasita e agora representa algo completamente diferente de seu ponto de vista inicial"[44] e também sobre o Parkour atual: "A palavra “Parkour” tem sido usada excessivamente e erroneamente. Ela perdeu força e significado"[44]. Essa falas são corroboradas por Chris "Blane" Rowat, um dos membros mais respeitáveis da Parkour Generations em um texto para seu próprio blog, escrito em 2012, onde o próprio Blane ressalta o crescimento desenfreado de praticantes, grandes pulos com péssimas aterrissagens, o surgimento de competições, um pequeno grupo se mantendo sobre seus antigos valores morais e um mudança sem precedentes creditada ao Parkour[45]. Acerca deste assunto em particular, Dan Edwardes, co-fundador da Parkour Generations e Châu Belle-Dinh deixam claro que não se deve focar em nomeclaturas e sim no movimento que se pode realizar[63], infelizmente até mesmo essas falas acabaram por serem deturpadas com o passar do tempo.

Existe ainda, o discurso de que o grande desafio do Parkour, é o fato dele ser algo novo e por si, ser algo desafiador pois tira o indivíduo da sua zona de conforto e o leva a pensar e a mover-se de maneira não usual, diferenciada, a tentar algo diferente[21]. Atualmente, a locomoção humana tornou-se algo extraordinário pelo simples fato de quase não haver mais movimento como em outrora, com o advento da tecnologia o ser humano tornou-se mais ocioso e passou a estar mais tempo sem realizar movimentos que antes lhe eram naturais e dessa forma, quando alguém se equilibra sobre um corrimão ou sobe um muro alto, isso torna-se algo impressionante[21].

Para alguns instrutores e praticantes da atualidade, não existe no Parkour atual, algo que determine ou pressione o indivíduo praticante a realizar movimentos difíceis ou complicados, a ideia é tentar manter o zelo para com o corpo, como forma de preservação[21]. Porém, cabe ressaltar que mesmo sem uma pressão explícita, existe uma relação não formalizada do aspecto competitivo dentro de grupos de praticantes, como uma forma de competição latente, que leva seus integrantes a evoluir, se desafiar e se desenvolver individualmente e em grupo[64]. Entretanto, uma das falas de Sebastién Foucan sobre o uso indiscriminado do corpo para a prática recai justamente na consequência da lesão: "Seu ambiente é seu equipamento, a menos que você o utilize adequadamente, você irá machucar a ele e a você mesmo [...]"[65]. As falas de Foucan podem ser incrementadas com o pensamento de que o maior sucesso está sempre relacionado ao maior risco quando os praticantes tentam provar o poder de suas capacidades tanto para si quanto para outros (GUZZO apud PIROLLO, 2015, p. 51)[66]. Dessa forma, é possível verificar duas situações as quais os praticantes de Parkour em processo de iniciação acabam por submeter-se que são: a realização de vídeos e a necessidade de se auto afirmar perante outros praticantes em treinos em grupos[66].

E ainda que a mídia, em geral tendenciosa e sensacionalista, tende a vincular a modalidade como um esporte radical, embora sua prática esteja longe de ter qualquer relação com tal denominação[21] Talvez, o grande problema seja justamente a grande quantidade de discursos espalhados e disseminados, tantos por praticantes quanto por não praticantes os quais, ao invés de trazerem os ensinamentos da prática à luz, fazem justamente o contrário, confundem cada vez mais os novos praticantes e os deixam às escuras com informações e diálogos cada vez mais confusos[18].

Orientações gerais[editar | editar código-fonte]

Sem limitações de espaços para ser praticado, o Parkour é acessível a todos[67][21], possibilitando o autoconhecimento do corpo humano e mente como o desenvolvimento da força, resistência, coordenação motora e equilíbrio, ao mesmo tempo que desenvolve a concentração, força de vontade, determinação e coragem — qualidades que favorecem o bem estar e a qualidade de vida, educando crianças, jovens e adultos ávidos por novas experiências.

É essencial lembrar que Parkour demanda treino e dedicação, bem como uma adequada orientação por parte de praticantes experientes, sendo assim é imperativo que, ao adentrar a prática, o iniciante busque instrução por meios de praticantes ou grupos ou até mesmo academias. Vídeos da internet ou tutoriais, são, de longe o último recurso para conhecer a modalidade. É necessário ser criterioso quando se busca informação sobre o Parkour.

Equipamentos[editar | editar código-fonte]

Parkour oferece grande liberdade de movimento e custo mínimo para ser praticado, sendo recomendados (embora não obrigatórias) roupas e calçados que sejam confortáveis[21] para os praticantes como:

  • Calça de moleton;
  • Bermuda;
  • Camiseta leve;
  • Tênis que seja confortável e de sola preferencialmente emborrachada para ser mais aderente (entretanto, alguns praticantes treinam descalços)[21].

Não são utilizados protetores de cotovelo, protetores de joelho, capacete ou luvas para a prática. O objetivo é conhecer e fortalecer o próprio corpo, pois este já oferece todas as possibilidades de salva-guarda necessárias para a prática da modalidade. Propõe-se inclusive que deve haver treinos sem calçados e com os pés em contato direto com as superfícies onde se pretende treinar para melhorar a sensibilidade com a qual os movimentos são realizados.

Exercícios[editar | editar código-fonte]

O Parkour demanda uma prática de treinamento tanto físico quanto mental. Dessa forma é necessário observar os elementos dos exercícios de tonificação e fortalecimento muscular, como: agachamentos, abdominais, flexões, puxadas em barras e outros. Muitos praticantes agregam à sua pratica, elementos da calistenia e da musculação, visando o fortalecimento. A repetição constante dos movimentos básicos traz polimento à técnica e molda o praticante, preparando-o para novos desafios e movimentações mais complexas.

Também é recomendado que o praticante tenha comprometimento com a sequência de treinos, bem como assiduidade, ou seja, que este estruture e treine constantemente suas técnicas, bem como tenha em mente que o fortalecimento é parte fundamental para a melhora das condições físicas, além de preparar o praticante para desafios mais complexos.

Acidentes[editar | editar código-fonte]

Parkour requer não somente absoluta concentração e consciência sobre seus corpo e o ambiente onde você irá se movimentar, mas também é necessário preparo físico e mental[20][19]. Se em situação de treinos outdoor é necessário sempre uma avaliação de distância, de sua capacidade e risco ao qual você estrá incorrendo. O conjunto mental é combinado ao controle e poder do corpo e da mente[19]. Os praticantes costumam adotar a seguinte frase para descrever parte de sua prática: "é ridículo procurar liberdade e acabar quebrado numa cadeira de rodas". Mesmo assim, o Parkour é uma arte que requer disciplina, treinando sua mente com bom-senso[20], e respeitando seus limites[19]. Desse modo, acidentes podem ser amenizados ou até evitados[19].

Recentemente tem crescido o número de acidentes relacionados à prática, devido a fatores como superexposição pelas mídias sociais e um número crescente de autoproclamados praticantes que frequentemente deixam de lado os aspectos morais da prática[18][2]. Devido a se subestimarem os riscos da prática e à excitação dos jovens em fazer algo incrível que viram dos amigos, colegas ou vídeos na TV ou internet[18]. Infelizmente, as palavras de David Belle acerca de que "o excesso mata..."[20] e a remissão do mesmo David mencionando o ensinamento de seu avô: "Você precisar usar, e não abusar!"[20] se tornaram reais. Alguns exemplos:

  • William Asante acabou em um cadeira de rodas por conta de uma queda. Asante “pulou a cerca” pra se envolver com quem não devia e foi pego pelo marido furioso. Durante a fuga, o freerunner optou por usar seus saltos heroísticos pra escapar, só que ele não esperava que o marido o alcançasse a tempo. Asante levou um empurrão pouco antes do big jump e isso fez com que ele descontrolasse completamente a aterrissagem. Asante fraturou o crânio na queda e além da cadeira de rodas encontra-se ainda sem conseguir falar devido a severidade do dano[68].
  • O praticante de Free running, Pavel Kashin, morreu em julho de 2013, quando estava gravando seu novo vídeo no topo de um prédio quando resolveu fazer um backflip na sacada. O movimento saiu do eixo e ele despencou da altura em que se encontrava[69][70].
  • Em setembro de 2013, dois praticantes de Free runing do grupo Storror, Max Cave de 21 anos e Luke Harty de 19 foram alvejados por terem invadido propriedade privada. O autor dos disparos pensou que se tratavam de assaltantes. Os garotos foram levados para um hospital e não tiveram sequelas dos tiros[71][72][73][74].
  • Carlos Lopez, um dublê de filmes como Hunger Games e fanático por Parkour morreu no dia 2 de outubro de 2014, em Lisboa, quando tentou saltar da varanda do hotel onde estava hospedado para uma varanda contígua, caindo de uma altura de 16 metros[75][76][77].
  • Em 30 de outubro de 2014, um garoto de 13 anos morreu ao cair do sétimo andar de um prédio em Thessaloniki, região norte da Grécia[78][79].
  • Em 2015, Rhune Haffenden, de 15 anos, de Grange Road, Rusthall, sofreu uma horrorosa lista de lesões depois de cair de uma altura de 40 pés na calçada. O rapaz estava tentando saltar do topo de um telhado para uma árvore. A queda ocasionou lesões graves ao crânio e a espinha dorsal de Rhune[80].
  • O garoto de apenas 12 anos, Gabriel Luan Rodrigues Santana morreu em agosto de 2016 ao cair através de um telhado em Vitória-ES. A queda acarretou traumatismo craniano no garoto, o qual veio a óbito[81].
  • O campeão russo de xadrez Yuri Yeliseyev, de 20 anos, morreu em novembro de 2016, após cair da varanda do apartamento em que morava, que fica no 12º andar de um prédio em Moscou[82][83]. Segundo amigos de Yuri, era comum ele dependurar-se em locais semelhantes.
  • O praticante de Free running e Parkour Nye Frankie Newman, de 17 anos morreu em janeiro de 2017, em um "acidente" no metrô de Paris. O grupo do qual fazia parte garante que ele não estava "surfando" no trem durante o acidente. Porém, vídeos postados pelo grupo datados do dia anterior mostram os próprios integrantes realizando o surf de trem e as autoridades responsáveis pela linha do metrô encontraram o jovem caído entre dois vagões e já haviam realizado advertências quanto as atividades irresponsáveis do grupo[84][85][86][87][88][89][90][91].
  • Ainda em 2017, o adolescente de 16 anos, Hugo Almeida Favarato, morreu ao tentar pular de um prédio (14 andares) para uma piscina ao lado na cidade de Vitória-ES[92]. Segundo amigos, Hugo teria feito ingestão de bebidas alcoólicas e decidiu que iria realizar o pulo pois era praticante de Parkour já fazia cerca de oito meses e tinha vários vídeos na internet[92].
  • Os vídeos publicados pelos irmãos Piologo, da série Partoba[93], são compilações de acidentes, em sua maioria realizados por praticantes de Parkour e Free running. Já existem 33 edições da série[93], ou seja, a recente alta na falta de comprometimento e cuidado com a prática tem sido campo fértil para vídeos de praticantes que menosprezam a prática.

Invasões, depredação e os problemas do roof culture[editar | editar código-fonte]

Outro problema que tem se tornado recorrente são as invasões de propriedades privadas ou estruturas de prédios abandonados, geralmente áreas que oferecem periculosidade aos praticantes para simplesmente gravar vídeos visando divulgação posterior na internet em busca de reconhecimento ou em nome do roof culture. Isso vai na contramão dos valores relacionadas ao respeito a si e a outrém, tão prezados pelos fundadores[20], bem como o respeito a propriedade alheia. Estas ações danosas à prática estão começando a se tornar muito comuns e estão ganhando as manchetes dos tablóides[94]:

  • Em 2010, um adolescente de 17 anos da cidade de Christchurch, Nova Zelândia, foi barrado enquanto praticava Free-running. Brendon James Renton teve que pagar uma multa de 400 dólares e ainda limpar todo o local que sujou[95].
  • Os moradores do centro da cidade de Hollister, estado da Carolina do Norte, acionaram as autoridades locais por causa da invasão freqüente dos praticantes aos prédios comerciais. A informação que se repetia para eles era que os invasores eram jovens e que o horário preferido se resumia aos finais de semana e as horas depois da escola. Equipes de plantão foram acionadas e colocadas a postos para tentar pegar os infratorezinhos no flagra[96].
  • Em novembro de 2012, o youtuber Charles Roos realizou uma manobra onde dois policiais estavam posicionados e, devido a possibilidade de causar lesões, exposição dos policiais, negligência e resistência a prisão, o jovem de 18 anos foi preso no local.[97]
  • Em 2015, a polícia de Bangkok, emitiu um alerta com a foto de dois membros da equipe Farang, após descobrirem que membros do grupo invadiram uma área do prédio abandonado da Sathorn Unique Co. Ltd.. A empresa que detém os direitos sobre o prédio abriu queixa formal contra o grupo Farang e despediu os seguranças que eram responsáveis pela ronda do local, custando assim, o emprego de trabalhadores honestos pelos atos abusivos do grupo, que não se manifestou sobre o assunto[98].
  • Em outubro de 2016 um grupo de jovens de Ponta Grossa - Paraná divulgou um vídeo de suas invasões[99]. Os jovens respondem criminalmente pelo delito de invasão de propriedade e incitação ao crime[99].
  • Recentemente, um jovem de 20 anos de idade foi preso por invadir residências e causar danos materiais a diversas residências e lojas[94]. Ainda, o mesmo encontrava-se sob efeito de entorpecentes e ressaltou que ralizava "manobras de Parkour"[94].

Vidal (2017) ressalta que, ao postar um vídeo na internet o pretenso praticante torna-se referência para muitos pretensos adeptos, os quais irão pensar que invasões são algo correto ou permitido[100]. Ainda, "Essas crianças não tem o mesmo preparo que você, e na cabeça delas, o que elas estão fazendo é Parkour. Assim como nos influenciamos em grande parte pelos vídeos que vimos na internet, seus vídeos também podem servir como referência pra outros."

Em adendo, cabe esclarecer que os difusores do roof culture, foram os membros de uma equipe de Parkour chamada Storror, que divulgou um vídeo em 2014 e enalteceu justamente o fato de que os locais por onde foram realizadas as filmagens foram feitas SEM autorização e por intermédio de invasões, ainda, os mesmos membros se apropriaram do termo 'cultura' para sua prática, o que acaba por causar grande confusão entre leigos e praticantes pois estes assimilam a prática como tal[101]. AS falas utilizadas para a divulgação do vídeo, embora cheias de um desejo de mostrar algo inovador e diferenciado: "Este projeto segue um grupo de jovens renegados em uma aventura contra a multidão e com o desejo de lançar luz sobre uma perspectiva e abordagem diferente para a vida"[101], escondem uma verdade sombria, a de que eles estão incentivando uma prática perigosa e criminosa.

Além disso, muitos se utilizam da desculpa de que os fundadores também realizavam algo semelhante ao roof culture, mas estes mesmoS defensores desta prática não consideram o contexto histórico e a realidade na qual ocorriam as night missions (missões noturnas, em português) da época. O ambiente dos arredores dos subúrbios nos anos de 1980 era mais hostil, sem opções de lazer ou espaços para práticas esportivas, entre os membros originais dos Yamakasi havia uma busca pelo fortalecimento e por desafios, como ressalta Vidal (2017): "Era uma outra realidade, um outro contexto."[100]

Outro fator extremamente desconsiderado pelos autoproclamados adeptos do roof culture é a relação do nível de experiência, bem como a consciência da da responsabilidade: "[...] é completamente diferente um praticante experiente, com anos de treino, vez ou outra, se desafiar em silêncio, por conta própria, ciente de todas as responsabilidades dos seus atos e pronto para assumi-las com honra e humildade caso algo dê errado, de um moleque sem experiência que quer subir no alto de um prédio para tirar fotos e fazer alguns vídeos no alto de um prédio só pra “ser radical”. São situações completamente diferentes entre si... e independente da situação é imprescindível sempre lembrar que: INVASÃO É CRIME!!! (Artigo 161 do Decreto Lei nº 2.848 de 07 de Dezembro de 1940) e fere o Artigo 5º da constituição federal, que diz respeito ao direito sobre propriedade. (VIDAL, 2017)"[100].

É necessário ressaltar que qualquer prática corporal e de exercícios físicos estão sujeitas a acidentes e a ideia central do Parkour é a de fortalecer o corpo e a mente, fazendo-os durar a longo prazo, isso significa ter uma vida de treino longeva e sem lesões. Muitas organizações ao redor do globo tem realizado esforços de conscientização da prática visando a conservação física do praticante e também dos locais onde são realizadas as práticas. Um exemplo é a 'Leave No Trace' ('Não Deixe Marcas', em português), iniciativa da Parkour Visions que preza pela conservação dos ambientes onde os traceurs realizam seus treinos, deixando-os como estavam inicialmente, ou, em caso de danificar algo, arcar com os custos de sua recuperação ou manutenção[102][103][104].

Competições[editar | editar código-fonte]

Devido ao seu crescimento desenfreado[105], o Parkour tornou-se objeto de desejo da mídia, de grandes empresas, de negócios e com o tempo tornou-se objeto de espetacularização[106][107]. Dessa forma foi inevitável que surgissem concepções sobre formatos de competições para a a prática com diferentes objetivos e formas de propagação. O aspecto competitivo do Parkour embora imbuído essencialmente em seu âmago, ou seja, no pensamento de que o único a ser desafiado, o único contra quem deve-se competir é o próprio praticante, em um embate pessoal contra suas limitações e medos[108][105] tomou rumos diferentes com a propagação do método mundo afora[106]. Novas ideias e concepções fluíram pela mente de praticantes mais jovens, ávidos por um novo desafio ou pela busca do reconhecimento fornecido pelas mídias e empresas que observaram possibilidade de obtenção de lucro com tal modalidade[106], porém a somatória de tal pensamento causou tumulto no mundo do Parkour, dividindo opiniões[107].

Do lado dos praticantes que são contra a competição ou propagam a ideia de um Parkour como prática não-competitiva incluem-se nomes de peso acerca da prática como: Sebastién Foucan[65], Erwan Le Corre, Naim, ParkourUK[108], Fédération Internationale des Arts du Déplacement (FIADD), Parkour Generations[105][109], entre outros, os quais defendem um Parkour voltado para o indivíduo, para a busca de sua própria essência e autoconhecimento.

  • Segundo a ParkourUK, o Parkour, o Free running e o Art du Deplacement são disciplinas de treino físico e não-competitivas, voltadas para a movimentação livre, sobre e em qualquer tipo de terreno usando apenas as habilidades do corpo, principalmente a corrida, saltos, escaladas e movimento quadrupedal[108]. Em 2010, a ParkourUk emitiu uma nota oficial manifestando repúdio ao MTV Ultimate Parkour Challenge: “Esse evento não reflete os valores básicos e os principios do Parkour / Freerunning, e nem representa o método, a prática e os seus objetivos. Competir por pontos ou posição de destaque é contrário a filosofia, ética e espírito da disciplina”[110].
  • As palavras de Dan Edwardes reforçam o espírito não-competitivo da prática: "Uma explicação para seu amplo e extenso alcance encontra-se dentro do ethos do próprio Parkour; que não é competitivo e procura desenvolver apenas as habilidades e talentos naturais de cada indivíduo em vez de tentar forçá-los a se conformar a uma maneira singular de performance ou de 'jogar o jogo' "[105]
  • Ainda, na mesma linha de pensamento, Chris 'Blane' Rowat descreve que: "[...] apesar das tentativas por parte de várias organizações, em promover competições, Parkour é uma atividade não-competitiva"[109]. Blane também ressalta os perigos das competições para os participantes: "[...] cada grande evento organizado de competição de Parkour resultou em pelo menos um grande dano a um concorrente."[109].
  • A pesquisadora e filósofa, Julie Angel, conhecida internacionalmente por seus trabalhos com o tema Parkour destaca que: "[...]Os empresários da indústria do entretenimento e os capitalistas agressivos criaram formatos de concorrência, justificando a sua existência através da apropriação do termo "freerunning" na tentativa de criar um modelo financeiro que lhes permita vender direitos televisivos e alimentar uma nova geração de consumidores dispostos a comprar."[107]. A autora leva o leitor a indagar-se se a industria midiática é um parasita ou simplesmente inspiração para as gerações futuras, e ressalta que: "existem dois lados para a arte do parkour, mesmo se você ver e ouvir muito mais sobre um do que o outro."[107] Angel ainda faz menção as falas de David Belle e destaca que: "[...] o Parkour agora é praticado em todo o mundo, mas pode ser uma atividade perigosa, então saiba por que você está fazendo isso e certifique-se de que são boas razões"[107].
  • A Fédération Internationale des Arts du Déplacement (Federação Internacional da arte do Deslocamento, no original) ou FIADD, usam a mesma descrição[111] que a ParkourUK[108] para designar os motivos pelos quais defendem o Parkour não-competitivo e adiciona, além deste, mais oito elementos à sua ética de prática: Humildade, Respeito por todos, Auto-domínio, Disciplina, Amizade e Comunidade, Auto-suficiência, Ajudar os outros e Preservar o ambiente[111].
  • Na Índia, a organização Chennai Parkour é atualmente a única organização registrada que trabalha com treinamento da modalidade no país, o grupo faz questão de ressaltar que é uma prática não-competitiva e que embora existam formatos competitivos, devido à natureza de alto risco de tais formatos, tendem a evitar tais competições na cidade de Chennai, pelo menos[112].
  • Caitlin Pontrella, instrutora de Parkour em Nova Iorque descreve que a competição incentiva ainda mais o processo de diluição pelo qual os princípios Parkour vem sendo submetido através dos anos: "Uma vez que coisas como competição, ego, necessidade de aprovação e um senso de auto-importância começam a fluir, uma vez que começamos a definir a ideia de "um praticante de elite", fica difícil manter os princípios Parkour de: respeito mútuo, segurança pessoal, moderação, partilha de conhecimento e humildade."[106]. Outro ponto levantando por Pontrella, remete aos efeitos nocivos da divulgação de eventos mostrando apenas os mais fortes, as maiores façanhas em competições como o Art of Motion da Red Bull e o Ninja Warrior, com praticantes e expectadores aplaudindo obsessivamente os maiores e o mais "incríveis" vídeos, alienando dessa forma, o praticante casual, o iniciante, o jovem e mais fraco e aquele que já tem uma inclinação para tal forma[106].
  • Para o criador do Free running, Sebastién Foucan, o aspecto da competição é: "[...] uma limitação e uma ilusão"[65]. Foucan também ressalta os aspectos motivacionais negativos dos praticantes, enfatizando que: "[...] se a sua motivação é querer ganhar um troféu, ou ser melhor que alguém, você não está pensando no que é melhor para você e para seu corpo."[65]

Do lado dos defensores a favor das competições ecoam vozes da World Freerunning Parkour Federation (WFPF)[113], e personalidades de renome construídos recentemente pelos campeonatos e vídeos da internet como Tim “Livewire” Shieff, Ryan Doyle e Oleg Vorslav, os quais vislumbram as competições com algo positivo, seja na divulgação de amplo espectro, seja no uso do dinheiro arrecadado, segundo eles, para uso e construção de locais apropriados para a prática, embora na realidade, os próprios divulgadores tenham como objetivo-mor a propagação de campeonatos e auto-promoção mundo afora[111].

  • A WFPF, bem como a IPF (International Parkour Federation) defende abertamente a propagação de competições pelo mundo como o MTV’s ULTIMATE PARKOUR CHALLENGE - JUMP CITY (2009), Urban Runners Challenge e Parkour Pro-Am (2016), ressaltando inclusive o valor de um dos prêmios conseguidos ($3000) por um dos seus atletas, Erik Mukhametshin[113].
  • O designer gráfico e praticante, Adrian Ilków do grupo Parkour da cidade de Mayo, descreve que Parkour não deve ser descrito como um esporte e que não é uma disciplina competitiva.[114] Entretanto, o mesmo Adrian diz que existem competições como Red Bull Art of Motion, mas que não são competições entre os freerunners, mas sim entre o estilo destes no ambiente onde é realizado o evento.[114]
  • O grupo Urban Free Flow fez uma parceria com a Movement Unleashed em 2015 com a justificativa de promover um melhor aprendizado e novas experiências de treinamento. O grupo tentou modificar terminologias, realizar filmagens, fazer julgamentos de qualidade e até uma competição, onde os vencedores ganhariam uma viagem para treinar com os especialistas das Urban Free Flow, os quais foram relacionados como sendo alguns dos "melhores na disciplina", sob a ideia de que o movimento seria sobre diversidade e inclusividade e apoio à comunidade de Parkour/Free running/Art du Deplacement[115]. Entretanto, a competição não recebeu o número mínimo esperado de participantes e foi cancelada. O mesmo grupo ainda foi responsável pelo evento Barclaycard World Freerun Championships em 2009, com divulgação pela BBC e patrocínio de empresas como a Sony, Adidas e Eletronic Arts[116]. O evento foi realizado sob o pretexto de uma competição saudável entre competidores globais, para entreter e disseminar o interesse pela disciplana no show[116].
  • Tom Coppola, outrora defensor de uma prática não-competitiva para o Parkour mudou radicalmente seu modo de pensar e agir com relação às competições por conta de uma experiencia pessoal promovida pela Parkour Visions com percursos do American Ninja Warrior sob a justificativa de que competições seriam agradáveis para os participantes e interessantes para os expectadores e que deveriam crescer fora da comunidade[117]. Tom ainda descreve a competição como algo que pode trazer qualidade de vida, bem como enaltecer o aspecto do desafio pessoal e que a falta de competições é motivo de retenção para que mais praticantes adentrem a prática por lazer[117]. Atualmente, Tom é defensor do Parkour em formato competitivo sendo um dos organizadores do North American Parkour Championships e ressalta que as competições irão trazer mais adeptos para a prática.[117]

Entre tantos discursos torna-se deveras complicado para alguém que esta chegando e conhecendo o Parkour hoje, opinar. De um lado um grande levante de praticantes que procuram buscar a manter os preceitos originais da prática, a disseminação consciente, o treinamento organizado, a construção de um espírito forte, viril, honesto. Do outro lado, um grupo cada vez maior de indivíduos cujos discursos se baseiam em diversos aspectos, algumas vezes fundamentados como apontam os pesquisadores Chagas, Rojo e Girardi (2015, p. 30): "[...] na concepção de que políticas públicas são destinadas para a disseminação de esportes, e isto se evidencia quando o interesse do mesmo é para esportes de rendimento, havendo assim um grande interesse em esportivizar o Parkour, pensando que desta forma teriam mais espaços físicos para a prática além de investimento financeiro para a disseminação da mesma enquanto reconhecida como esporte."[118]

Nos últimos anos tem sido uma tendência a nível nacional, ainda que em desenvolvimento, de esportivização da prática, e dessa forma já foram realizadas quatro competições, todas na cidade de São Paulo (Art of Motion, 2011; Desafio Urbano, 2014/15, 2015/16 e 2016/17)[118]. Entretanto, grande parte dos praticantes não consente com esta tendência realizando protestos como o Disaster of Motion[119] e manifestos tanto em redes sociais quanto pessoalmente contra estas competições[118]. Essa negativa ocorre pela desaprovação na criação de elites as quais vem a causar uma distinção entre os participantes (Marque apud Chagas, Rojo e Girardi, 2015, p. 24)[118].

Embora os defensores do aspecto competitivo preguem que não existe um sistema divisor entre os praticantes, que todos são iguais e que não existem elites, dentro das competições, exercer pressão ou ser pressionado é uma afirmação e uma imposição[120]. Claramente, nas competições de Parkour o objetivo é se afirmar e impor como superior ao outro[120].

Em última instância, estão aqueles cujo pensamento se coloca a frente de tais discussões, ponderando sobre suas decisões, suas falas e seu posicionamento com relação à questão das competições, um dos exemplos é Alberto Brandão, um dos traceurs mais antigos e conhecidos do Brasil, que ressalta que praticantes de Parkour são em essência, competitivos e que, embora essa competição seja algo intrínseco é necessário estar aberto a novas ideias e questionamentos quando se trata do assunto[121]. Ainda, o mesmo Alberto Brandão relembra a importância de se pensar sobre a prática de maneira introspectiva: "Quando a gente só valoriza aqueles que são tecnicamente melhores estamos esquecendo o Parkour que estamos tentando alcançar. Não sei para você, mas para mim, Parkour é sobre seres humanos melhores, tudo aquilo que torná-lo fora disso, merece ser descartado."[121]

Eduardo Rocha, conhecido traceur, ex-presidente da Associação Brasileira de Parkour e co-responsável por vários dos eventos de Parkour mais notórios na região do nordeste do Brasil apresentou uma série de ponderações que todo traceur deveria (ou, pelo menos, poderia) ter acerca dos aspectos competitivos para o Parkour[122]. Eduardo ressalta a importância de observar os dois lados do aspecto competitivo, a importância do cuidado com pré julgamentos, os problemas com a idolatria nos participantes, inspirações, acidentes, responsabilidade, liberdade e o abraço do futuro inevitável das competições no Parkour[122]. Outro aspecto relevante ressaltado por Eduardo é a influência que as competições irão causar na vida, treino e pensamento de cada traceur espalhado pelo mundo, enaltecendo que cada pensamento e forma de treinar é única, bem como a decisão de tomar partido favorável ou contrário com relação as competições[122].

Sobre posicionamentos acerca das questões relacionadas à competição, David Belle em 2014 discorre que as competições são um elemento do processo de evolução do Parkour e que cabe a cada praticante a decisão de ser ou não favorável a elas, porém é necessário que cada um saiba o caminho que esta escolhendo, pois este caminho deve ser movido por vontade, felicidade, e bem estar[123]. O próprio David diz que prefere não competir mas que não irá dizer o que fazer e como fazer a outras pessoas e tampouco irá se posicionar a favor do banimento de competições pois para ele, o que importa é o respeito[123].

Na cultura popular & Entretenimento[editar | editar código-fonte]

O Parkour ganhou o mundo por meio das mídias, inicialmente pela TV, depois ganhou força pelo cinema e explodiu como fenômeno pela internet. Existem produções de todos os tipos e a cada ano diferentes canais de comunicação auxiliam na divulgação da modalidade.

Nas séries de vídeo jogos 'Assassin's Creed', 'Batman: Arkham Asylum', 'Batman: Arkham City', 'Mirror's Edge', 'Mirror's Edge 2', 'Prince of Persia', Brink, Tron: EvolutionCrackdown, Crackdown 2, Dying Light, inFamous 1 e 2, os personagens jogáveis, fazem uso do Parkour, andando por cima dos telhados das cidades, saltando muros, etc.

  • (1997) Neste ano foi veiculada a primeira reportagem televisiva com David, Sebastien, Chau, Yanh e outros praticantes no canal francês France 2 (ou Stade 2).
  • (2000) O filme Táxi 2, sobre motoristas de táxi que se envolvem em tramas policias como sequestros, acidentes, criminosos procurados e afins com a participação dos membros do grupo Yamakasi.
  • (2000) No videoclipe 'it's my life', da banda Bon Jovi, o protagonista tentar alcançar a namorada em um túnel e para isso usa de técnicas de Parkour.
  • (2000) A película francesa Rios Vermelhos (Les rivières pourpres, no original), estrelada por Jean Reno, tem cenas de Parkour.
  • (2001) O filme Yamakasi - Les samouraïs des temps modernes (Yamakasi - Os samurais dos tempos modernos, em português), apresenta os membros do grupo Yamakasi os quais são as personagens principais.
  • (2002) David Belle estrela um comercial da BBC para o programa Rush Hour[19].
  • (2002) No filme Intervenção Divina, David Belle atua como atirador.
  • (2002) No filme Femme Fatale dirigido por Brian De Palma, David Belle interpreta um policial francês contracenando com Antonio Banderas e a linda Rebecca Romijn.
  • (2003) O filme Ong-Bak mostra no seu início cenas de Parkour com o ator Tony Jaa fugindo de bandidos dentro de uma feira.
  • (2003) O documentário Jump London, uma produção do Channel 4 do Reino Unido aborda a prática do Parkour e do Free running[15].
  • (2003-2012) Na série portuguesa 'Morangos Com Açúcar - Série V', transmitida diariamente na TVI, o Parkour é apresentado como o desporto principal, praticado por três personagens protagonistas.
  • (2004) Jean Reno volta a ação com a continuação Rios Vermelhos 2: anjos do apocalipse (Les rivières pourpres 2 - Les anges de l'apocalypse , no original). O filme contém diversas cenas onde são realizadas perseguições utilizando Parkour. Nesta continuação David Belle e Cyril Rafaelli realizam as cenas de Parkour, atuando como dublês.
  • (2004) O filme 'B-13' ou '13º Distrito' (Banlieue 13) mostra David Belle, que encarna a personagem Leito, em várias cenas de Parkour[19].
  • (2004) Na continuação, os Yamakasi retornam com o filme 'Yamakasi - os filhos do vento' (Yamakasi - les fils du vent, no original) também há cenas de Parkour e Free running.
  • (2004) O filme The Great Challenge, mostra um grupo de jovens lutadores franceses vai para Bangcoc a fim de montar uma academia. O filme tem como protagonistas os integrantes do grupo Yamakasi.
  • (2005) O documentário Jump Britain uma produção do Channel 4 do Reino Unido aborda a prática do Free running[19][15].
  • (2005) David Belle estrela o curta-metragem "Un Monde Meilleur" (Um Mundo Melhor, em português), filme dirigido por Igor Pejic[124].
  • (2005) No filme Carga Explosiva 2, estrelado por Jason Stathan, David Belle realiza e coordena cenas de ação como dublê.
  • (2006) No filme Casino Royale há cenas de Parkour, com Sébastien Foucan logo nas primeiras cenas de ação.
  • (2006) Madonna exibiu extensivamente o Free running em seus videoclipes das músicas Hung Up e Jump.
  • (2006) No videoclipe de David Guetta Vs The Egg, Love Don't Let Me Go, há alguma demonstração da prática.
  • (2006) O curta metragem francês Un monde meilleur (Um mundo melhor), dirigido por Igor Pejic, apresenta David Belle como um mercenário que busca o paraíso longe das batalhas[125].
  • (2007) O documentário Geração Yamakasi é considerado como maior documentário já realizado sobre os praticantes originais do Parkour e do Art du déplacement. Obrigatório para qualquer um que queira se iniciar na prática da modalidade.
  • (2007) O blockbuster Duro de Matar 4 mostra Ciryl Raffaelli interpretando um mercenário que enfrenta o policial John McClane, interpretado por Bruce Willis.
  • (2008) Lançamento do documentário Projeto Peregrinação (Pilgrimage Project) idealizado e produzido por Duncan Germain com aprovação de David Belle. É considerado por muitos praticantes de Parkour, especialmente os mais velhos como o maior guia sobre a prática já produzido.
  • (2008-...) No mangá brasileiro Turma da Mônica Jovem, Cascão é um praticante de Parkour e tem um vídeo de Parkour no Youtubo (paródia baseada no Youtube).
  • (2008) No filme 'O Justiceiro em zona de guerra' (Punisher: War Zone, no original) há três praticantes de Parkour trabalhando como entregadores.
  • (2008) No videoclipe 'It's Not My Time' da banda 3 Doors Down, um praticante com alguma espécie de poder pré-cognitivo usa técnicas de Parkour para ganhar tempo a fim de tentar evitar um desastre de carro.
  • (2008) O filme Missão Babilônia (Babylon A.D.), dirigido por Mathieu Kassovitz e estrelado por Vin Diesel tem a participação de David Belle e outros traceurs.
  • (2008) No filme francês J'reviens (sem tradução e lançamento no Brasil), estão no filme membros da antiga e da nova geração dos Yamakasi: Damien Buffard, Malik Diouf, Antoine Dupré, Alexandre Lopoka e Charles Perrière.
  • (2008) O fundador do Free Running, Sebastien Foucan aparece em um comercial da Nike fugindo de uma galinha raivosa.
  • (2009) Na novela Cama de Gato a abertura é realizada por pessoas fazendo Parkour, formando uma "cama de gato".
  • (2009) O filme 'B-13 ULtimato' (Banlieue 13 - Ultimatun) traz a dupla explosiva David Belle, que encarna novamente Leito, em várias cenas de Parkour em conjunto com Cyril Rafaelli.
  • (2010) No filme Aposta Radical (Skills) existem muitos comentários sobre o Parkour, com participação de Marcus "Zyrken" Gustafsson.
  • (2010) O filme Príncipe da Pérsia: As Areias do Tempo, David Belle realiza o trabalho como coordenador e coreógrafo de movimentos. O filme é repleto de cenas com Parkour.
  • (2011) O filme Fuga Alucinante (Freerunner) mostra um praticante de parkour correndo contra o relógio para atravessar a cidade na tentativa de salvar sua namorada e a si próprio.
  • (2011) No Filme O Retorno de Johnny English, interpretado pelo impagável Rowan Atkinson, que ficou mais conhecido pelo mundo como o icônico Mr. Bean, umas das cenas do filme é conduzida com uma perseguição do agente especial no encalço de Willians Belle dos Yamakasi, interpretando o vilão Ling que, mesmo com todo seu conhecimento de fuga com o Parkour, é capturado facilmente pelo atrapalhado agente britânico.
  • (2012) A Sony lança um comercial do celular XPERIA baseado no filme Homem Aranha, o comercial é estrelado por Pip Andersen que vive uma paródia de Peter Parker.
  • (2012) O mangá R.u.N. (Remember ur Nature) trata de adolescentes praticantes de Parkour e Free running na cidade de Tóquio.
  • (2012-2016) O ator Stephen Amell aprendeu Parkour na Tempest Academy como preparação para interpretar Oliver Queen na série de televisão ArrowCaity Lotz, que também esta no seriado, também é praticante.
  • (2012) David Belle aparece em um dos episódios do seriado de ficção científica Métal Hurland Chronicles.
  • (2013) No filme Run (Street Run, no Brasil) existem cenas extensivas da prática do Parkour. Os dublês do filme são da equipe Tempest Freerunning e da equipe Storm Freerun. O Filme, embora repleto de referências, foi considerado por muitos praticantes de Parkour, como o pior filme já feito sobre a prática, com cenas extremamente clichês.
  • (2013) No filme A Familía, David Belle interpreta Mezzo, uma personagem secundária. O filme, que foi dirigido por Luc Besson, recebeu boas críticas contém nomes de peso do cinema como Robert De Niro, Michelle Pfeiffer e Tommy Lee Jones.
  • (2014) O filme '13º Distrito' (Bricks Mansions), um remake hollywoodiano de Banlieue 13, apresenta David Belle interpretando o presidiário Lino, em parceria com o ator Paul Walker.
  • (2015) O filme Tracers, traz uma bela e misteriosa mulher ajuda que usa o Parkour para realizar roubos ajuda um mensageiro de bicicleta a escapar da máfia chinesa.
  • (2015) A empresa Techland contrata David Belle para ser o coordenador de movimentos e modelo do jogo Dying Light: good night, good luck.
  • (2016) A mini-série de 10 episódios, Brutal: Taste of Violence (a ser lançada) traz David Belle e o Yamakasi Charles Perrière como atores e escritores do episódios.
  • (2016) David Belle aparace como coadjuvante na comédia chinesa Super Express, Belle interpreta um ladrão de antiguidades que é perseguido no filme.
  • (2016) Em um dos episódios do aclamado seriado Hawaii Five-0 (Hawai 5-0, no Brasil), O atleta de Parkour Jesse La Flair interpreta um suspeito sob investigação da equipe 5-0 e realiza uma fuga cheia de movimentos de Parkour em algumas cenas do seriado.
  • (2016) A adaptação para a grande tela do jogo Assassin's Creed apresenta várias cenas de movimentação e tem Damien Walters como dublê.

Sobre movimentação e obstáculos[editar | editar código-fonte]

A movimentação do Parkour é permeada de variáveis, entretanto, muitos praticantes iniciantes preocupam-se demasiadamente com nomeclaturas e pouco com os aspectos mais relevantes do movimento em si e do ambiente onde pretende-se realizar a movimentação. Assim, é possível observar diversos aspectos e curiosidades acerca da movimentação, bem como do ambiente onde esta será realizada.[66]

É necessário observar ainda que, quando são abordadas as técnicas do Parkour, o aprendiz não pode simplesmente apenas reproduzir o que acabou de aprender, é necessário que o movimento aprendido lhe traga subsídios para melhorar a sua própria movimentação[66]. David Belle (2009, p. 59) ressalta esse aspecto do aprendizado e desenvolvimento do movimento único de cada pessoa: 'Quando um jovem me pergunta: "Você pode me mostrar como fazer isso?" Eu simplesmente respondo: "Não, eu vou te mostrar como faço, então você terá que aprender com sua própria técnica, sua própria maneira de se mover, seu estilo, suas habilidades e suas limitações. Você vai aprender a ser você mesmo, não outra pessoa."[17]

Entretanto, mais do que decorar uma lista infindável de movimentos ou nomes, são necessárias observações e ponderações sobre outros elementos mais importantes ligados à movimentação como:

Variáveis dos obstáculos[66][editar | editar código-fonte]

As variáveis dos obstáculos são de grande valor e importância pois oferecem questionamentos aos praticantes durante o percurso[66]. Ainda segundo Angel (2011, p. 109) o "[...] ambiente é seu amigo, seu rival e seu parceiro [...]", mostrando que o cenário onde o praticante se coloca é rico em possibilidades de movimentação, oferecendo diversas maneiras de interagir com o ambiente[2].

  • Observar a área de contato
  • Observar e testar a resistência do material
  • Verificar a inclinação da superfície
    1. Horizontal
    2. Vertical
    3. Inclinado
  • Verificar a aderência do local
  • Verificar o nivelamento entre obstáculos
    1. Cima-baixo
    2. Baixo-cima
    3. Mesmo nível
  • Verificar a altura
    1. Linha do quadril
    2. Acima da cabeça
    3. Acima da envergadura vertical
  • Verificar o comprimento
  • Verificar o condições do clima
  • Verificar a Distância entre obstáculos

Movimentação fundamental e variações[66][editar | editar código-fonte]

  • Deslocamento em uma trajetória (ou, o que observar e estar atento)
    1. Obstáculos
    2. Criatividade
  • Sequência de transposição de obstáculos (COM contato)[66]:
    1. Rotações
    2. Equilíbrio
    3. Saltos
    4. Rolamentos
    5. Nados
    6. Escaladas
    7. Corridas
  • Sequência de transposição de obstáculos (SEM contato)[66]:
  1. Giros;
  2. Saltos:
    1. Impulsão:
      1. Com um pé
      2. Com dois pés
      3. Com uma mão
      4. Com duas mãos
      5. Com mãos é pés
    2. Voô:
      1. Posição dos segmentos
      2. Tronco, quadril e joelho
      3. Extendido ou Flexionado
      4. Plano Frontal
      5. Plano lateral
      6. Plano dorsal
      7. Giros
    3. Amortecimento:
      1. Dinâmico (combinação de outros movimentos)
      2. Final:
        1. Um pé
        2. Dois pés
        3. Uma mão
        4. Duas mãos
        5. Mãos e pés
  • Organograma das escaladas[66]:
    1. Deslocamento vertical:
      1. Dois contatos
      2. Três contatos
    2. Transferência de superfície vertical - horizontal
      1. Com flexão de quadril
      2. Com flexão lateral de quadril
      3. Com flexão de tronco
      4. Com flexão lateral de tronco
  • Organograma do equilíbrio[66]:
    1. Contatos:
      1. Com uma mão
      2. Com duas mãos
      3. Com um pé
      4. Com dois pés
      5. Combinação
    2. Posição do tronco:
      1. Paralelo ao obstáculo
      2. Perpendicular ao obstáculo
  • Organograma dos rolamentos[66]:
  1. Direção:
    1. Frente
    2. Lateral
    3. Trás
  2. Ponto inicial:
    1. Sobre a porção posterior do músculo deltoide
    2. Sobre o músculo trapézio
    3. Sobre o músculo grande dorsal
  3. Saída:
    1. Sobre as mãos
    2. Sobre os pés
    3. Combinação de movimentos
  • Organograma das rotações[66]:
    1. Ponto de apoio:
      1. Com uma mão
      2. Com duas mãos
    2. Posição dos segmentos:
      1. Tronco e quadril
        1. Plano frontal
        2. Plano lateral
        3. Plano dorsal
        4. Extendidos
        5. Flexionados
      2. Joelho
        1. Extendido
        2. Flexionado
    3. Sentido
      1. Horário
      2. Anti-horário

Finalizando[editar | editar código-fonte]

Embora existam diversos discursos, inúmeras fontes de informação e um sem-número de praticantes espalhados pelo mundo, é necessário ter discernimento para entender a modalidade, a qual vem passando por adaptações e modificações ao longo dos anos. Buscas minuciosas por documentários, livros e produções de cunho científico podem trazer muita informação proveitosa, enquanto utilizar-se de qualquer fonte como vídeos produzidos por canais do youtube ou blogs (com raríssimas exceções como os vídeos da série Parkour Literally[126][127][128][129][130]) em sua maioria, podem vir a elevar o grau de confundimento da prática, repassando informações sem proveito algum.

O Parkour é uma prática saudável, pode ser considerado um esporte ou até mesmo um jogo, tem várias influências ginásticas e pode ser praticando em qualquer ambiente e por pessoas de várias idades, desde crianças até idosos, basta lembrar que deve ser uma prática responsável, visando uma melhor qualidade de vida e a própria saúde e, quem sabe, futuramente, níveis atléticos.

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s PEIXOTO, Bruno (9 de maio de 2014). «B13 - Banlieue 13 - #NEMFUDENDO». Gorila Branco 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ANGEL, Julie Margaret (2011). [www.luminpdf.com/viewer/i569S3u5wJT6n5rHu Ciné Parkour: a cinematic and theoretical contribution to the understanding of the practice of parkour.] Verifique valor |url= (ajuda). Brunel University: Screen Media Research Centre. pp. 6, 29, 32(I), 32(II),. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  3. [repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12843 A EDUCAÇÃO DO CORPO NAS DÉCADAS DE 30 E 40: de janeiro de 3017 1111112012] Verifique valor |url= (ajuda) (pdf). Recife: [s.n.] 2012. Consultado em 19 de janeiro de2017  line feed character character in |titulo= at position 63 (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  4. COLLINS, WILLIAM (2017). «tracer» (em inglês). Dictionary.com Unabridged. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  5. Press Association (10 de janeiro de 2017). «UK becomes first country to recognise parkour as a sport» (em inglês). The Guardian. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  6. «Full Application submitted for Recognition with the UK Sports Councils» (em inglês). parkouruk. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  7. «Parkour/Freerunning officially recognised as a sport!» (em inglês). parkouruk. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  8. «Parkour recognised as official sport in Britain by UK Sports Councils» (em inglês). ITV News. 10 de janeiro de 2017 
  9. «United Kingdom first to recognise parkour as official sport» (em inglês). BBC Sport. 10 de janeiro de 2017. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  10. BRIGSTOCK-BARRON, Rory (10 de janeiro de 2017). «Parkour now officially a sport after United Kingdom becomes first country to recognise it» (em inglês). Mirror. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  11. «Parkour takes Giant Leap to become Officially Recognised Sport» (em inglês). Sport Northern Ireland. 10 de janeiro de 2017. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  12. «Parkour becomes world's newest sport after official recognition from UK» (em inglês). Independent. 10 de janeiro de 2017. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  13. «Parkour/Freerunning officially recognised as a sport» (em inglês). Association of Physical Education. 10 de janeiro de 2017. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  14. «Parkour/Freerunning officially recognised as a sport» (em inglês). BLACK MAMBA. 10 de janeiro de 2017. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  15. a b c d e f «Parkour's Road to Recognition» (em inglês). Parkour Generations. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  16. TUBINO, Manoel José Gomes (2010). [www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/123456789/130/livro%20tubino.pdf?sequence=5 ESTUDOS BRASILEIROS SOBRE O ESPORTE: ênfase no esporte-educação] Verifique valor |url= (ajuda) (PDF). Maringá: Editora da Universidade Estadual de Maringá. p. 29. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  17. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak LA FAIGE, Sabine Gros (2009). [www.luminpdf.com/viewer/LD5f8x55PFZ9ZyZ8B David Belle - PARKOUR] Verifique valor |url= (ajuda). França: [s.n.] Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  18. a b c d e f CAMARGO, Leonardo (16 de dezembro de 2010). «1 parte - Entrevista de David Belle para Sebastien Foucan para o canal freerunningTV.com». Parkour Brazil 
  19. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x «Parkour Hystory». Parkour Generations. Consultado em 20 de janeiro de 2017 
  20. a b c d e f g h i j k l m BELLE, David (1 de agosto de 2009) [2009]. [www.youtube.com/watch?v=myuX_qQATa8 «David Belle - Eu Salto de Telhado em Telhado - 2009»] Verifique valor |url= (ajuda) (em francês [com legendas em português]). Tradução por Duddu Rocha. Duddu Rocha. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  21. a b c d e f g h i j k l m MORELAND, Charles (18 de agosto de 2012). [www.youtube.com/watch?v=3x-vqr3ZnZE&t=77s «TEDxFlourCity - CharlesMoreland - Parkour Training» [O que é Parkour?]] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). Estados Unidos da América: TEDx Talks. Consultado em 14 de fevereiro de 2017 
  22. a b c CAMARGO, Leonardo (18 de janeiro de 2011). «2 parte - Entrevista de David Belle para Sebastien Foucan para o canal freerunningTV.com». Parkour Brazil 
  23. «tracer in Dicionário infopédia de Francês-Português». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  24. «tracer in Dicionário Escolar Francês Michaelis». Michaelis Dicionário Escolar Francês. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  25. «Significado de "tracer" no dicionário francês». DICTIONNAIRE [on-line] - Edição 2.3. Novembro de 2016 [2016]. Consultado em 7 de fevereiro de 2017  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  26. a b c d e f g SOARES, Carmen Lúcia (setembro de 2003). [pulodogato.parkour.com.br/wp-content/uploads/2010/03/Georges-H%C3%A9bert-e-o-M%C3%A9todo-Natural.pdf «GEORGES HÉBERT E O MÉTODO NATURAL: NOVA SENSIBILIDADE, NOVA EDUCAÇÃO DO CORPO»] Verifique valor |url= (ajuda) (PDF). Campinas. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. 25 (1): 21-39. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  27. a b SOARES, Carmen Lúcia (5 de março de 2015). «Uma educac¸ão pela natureza: o método de educac¸ão física de Georges Hébert». Campinas - SP. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. 37 (2): 151–157. doi:http://dx.doi.org/10.1016/j.rbce.2014.11.016 Verifique |doi= (ajuda). Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  28. a b McKAY, Brett; McKAY, Kate (10 de setembro de 2015). «The History of Obstacle Courses for Military Fitness, Sport, and All-Around Toughness». The Art of Mnaliness. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  29. a b c d e f g h i j ANGEL, Julie Margaret (16 de junho de 2016). Breaking the Jump: The Secret Story of Parkour's High Flying Rebellion. [S.l.]: Aurum Press Ltd. ISBN 178131554X 
  30. «História de David Belle». Rio Largo - Alagoas: Parkour Impact. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  31. CAMPOS, Leonardo (18 de agosto de 2015). «Crítica | "Confessions Tour" – Madonna». Plano Crítico. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  32. «The Board». Parkour UK. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  33. [www.youtube.com/watch?v=ZXVvjtG2H8c «FULL David Belle Interview - The founder of Parkour and star of District B13»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês e francês). Londres, Inglaterra: StormFreerun. 27 de julho de 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  34. «Brutal: Taste of Violence» (em inglês). MARTIAL ARTS ENTERTAINMENT. 2016. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  35. [dansmoviereport.blogspot.com.br/2016/09/brutal-taste-of-violence-10-episode.html «Brutal: A Taste of Violence 10 Episode Series! Premiere at Raindance Festival October 1st!»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). Dan's Movie Report. 2 de setembro de 2016. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  36. GOLDEN, Lee (26 de abril de 2016). [filmcombatsyndicate.blogspot.com.br/2016/04/david-belle-returns-in-new-studio.html «David Belle Returns In The New Studio + Series, BRUTAL: A TASTE OF VIOLENCE. Watch The Trailer!»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). Film Combat Syndicate. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  37. [www.youtube.com/watch?v=dNgCP9CG8u8 «David Belle & Dying Light - Zombie Parkour»] Verifique valor |url= (ajuda). Dying Light. 21 de janeiro de 2015. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  38. CONTIM, Luiz (22 de janeiro de 2015). «DAVID BELLE, O PAI DO PARKOUR, AJUDOU NA CAPTURA DE MOVIMENTOS EM DYING LIGHT». JOGAZERA. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  39. NUNNELEY, Stephany (21 de janeiro de 2015). «Parkour pioneer David Belle acted as a consultant on Dying Light» (em inglês). VG247.com. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  40. TREE, Sam (21 de janeiro de 2015). «Parkour Founder David Belle Partnered with Dying Light» (em inglês). GlacierGaming.co.uk. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  41. BRUNET, Charles (13 de novembro de 2010). [www.youtube.com/watch?v=7IYUB_WCUnU «David Belle interview - Prince of Persia»] Verifique valor |url= (ajuda) (em francês / inglês). Youtube. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  42. PEIXOTO, Bruno (6 DE OUTUBRO DE 2008). [rachacuca-pkmax.blogspot.com.br/2008/10/crtica-misso-babilnia-babylon-ad.html «Crítica: Missão Babilônia (Babylon AD)»] Verifique valor |url= (ajuda). rachacuca's parkour journal. Consultado em 16 de fevereiro de 2017  Verifique data em: |data= (ajuda)
  43. a b c LYON, Parkour (20 de novembro de 2013). «"ESPRIT ES-TU LÀ ?" – DOCUMENTÁRIO LEGENDADO» [O espírito ainda esta vivo?] (em francês e inglês [com legendas em português]). Tradução de Duddu Rocha. Lyon, França: DECIMADOMURO.COM. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  44. a b c d e VIGROUX, Stephane (17 de novembro de 2013). «A DIVISÃO (THE SPLIT) – POR STEPHANE VIGROUX» [A DIVISÃO]. Tradução realizada por Guilherme Salomão. Revisão por Eduardo Rocha. DECIMADOMURO.COM. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  45. a b c ROWAT, Chris Blane (18 de novembro de 2012). Escrito em Londres, Reino Unido. [blane-parkour.blogspot.com.br/2012/11/a-call-to-arms.html «A Call To Arms» [Um Chamado à Luta]] Verifique valor |url= (ajuda) (em link 1 - original em inglês. link 2 - texto traduzido). Tradução: Eduardo Rocha. Colaboração: Pedro Bronze. Aracaju, Sergipe, Brazil: duddupk.blogspot.com.br/2012/11/um-chamado-luta-traducao-do-texto-do.html. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  46. a b c d e f ANGEL, Julie Margaret (19 de abril de 2015) [2006]. [www.youtube.com/watch?v=p4ZD43x-1iw «'Le Singe est de Retour' (The Monkey's Back)» [O Retorno do Primata]] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). Lisses, Paris, França: Igor Scaldini. Consultado em 14 de fevereiro de 2017 
  47. a b c d e f [www.youtube.com/watch?v=5Tow3qxjbO8&t=492s «Esprit es-tu là ?» [O espírito ainda esta vivo?]] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês e francês (com legendas em português)). Parkour Lyon. 31 de out de 2013. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  48. ALVES, Carla da Silva Reis; CORSINO, Luciano Nascimento (2013). «O PARKOUR COMO POSSIBILIDADE PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR». UFSC, Florianópolis, SC, Brasil. Motrivivência. 25 (41): 247-257. doi:10.5007/2175-8042. ISSN 2175-8042. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  49. ROCHA, Eduardo (14 de junho de 2011). «Artigo/Entrevista sobre Aulas em Escolas». PULO DO GATO. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  50. «O Parkour E A Educação Física Escolar». Curitiba, Paraná, Brasil: Ponto B. 25 de fevereiro de 2014. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  51. COSTA, Leonardo Lima; LACERDA, José Luiz (26 de novembro de 2010). «Conhecendo e vivenciando o Parkour na escola.». COL DE APLICACAO JOAO XXIII, JUIZ DE FORA - MG: PORTAL DO PROFESSOR. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  52. PIMENTA, Gregório Hernandez (28 de maio de 2010). «Jogos urbanos atuais: Le parkour». ESCOLA DE EDUCACAO BASICA E PROFISSIONAL DA UFMG - CENTRO PEDAGOGICO, BELO HORIZONTE - MG: PORTAL DO PROFESSOR. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  53. BEIJA, João Victor Cruz; LIRA, Maria Helena Câmara. O LE PARKOUR NA ESCOLA: UMA PROPOSTA INOVADORA PARA TRABALHAR A GINÁSTICA COMO CONTEÚDO PEDAGÓGICO. XIII JORNADA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO – JEPEX 2013 – UFRPE: Recife, 09 a 13 de dezembro.
  54. VIEIRA, Marcelo; PEREIRA, Dimitri Wuo; MARCO, Melissa de. PRIMEIROS OBSTÁCULOS NO PARKOUR ESCOLAR. Congresso Paulistano de Educação Física Escolar, 2011.
  55. REHBEIN, Igor Felipe Silva. PROPOSTA METODOLÓGICA PARA ENSINO DE PARKOUR. (TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO) UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ, DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA, CURITIBA: 2013.
  56. MARQUES, Rafael Adriano. Cidade lúdica: um estudo antropológico sobre as práticas de Parkour em São Paulo. (DISSERTAÇÃO DE MESTRADO) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS, DEPARTAMENTO DE ANTROPOLOGIA, PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL. São Paulo, 2010.
  57. FFREITAS, Vanilto (2014). «Usos da cidade: Parkour e B.boying» (PDF). Curitiba, Paraná, Brasil. Revista Científica/FAP. 11: 79-95. ISSN 1679-4915. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  58. Denis; MAIMONI. «LUDICIDADE & PARKOUR: encantando crianças, jovens e adultos» (PDF). Guaianases, São Paulo - SP, Brazil: Simeos Parkour. Consultado em 20 de fevereiro de 2017 
  59. CHAGAS, Raíssa Ramos; RECHIA, Simone; SILVA, Emília Amélia Pinto Costa (2015). «PARKOURITIBA: CONEXÃO ENTRE CORPO, CIDADE E ESPAÇO». Licere. 18 (4). Consultado em 20 de fevereiro de 2017 
  60. «PARKOUR DANCE FOREVER YOUNG» (em inglês). programsforelderly.com. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  61. NEPORENT, Liz (2 de julho de 2014). «Seniors Parkour Takes Fitness Old School» (em inglês). abc news. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  62. JENKIN, Matthew (28 de agosto de 2013). «Parkour classes are helping pensioners stay agile and active» (em inglês). the guardian. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  63. a b c ANGEL, Julie Margaret (10 de maio de 2011). [www.youtube.com/watch?v=DuEXwRXqfQ0&feature=youtu.be&t=280 «Yamakasi Founders & Parkour Generations Q & A - American Rendezvous»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês [opção de legendas em português]). slamcamspam. Consultado em 17 de fevereiro de 2017 
  64. CARVALHO, Rui; PEREIRA, Ana Luísa. PERCURSOS ALTERNATIVOS – O PARKOUR ENQUANTO FENÓMENO (SUB)CULTURAL. VI CONGRESSO PORTUGUÊS DE SOCIOLOGIA. UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS. 25-28 DE JUNHO DE 2008. nº 77, 13 págs.
  65. a b c d FOUCAN, Sebastién (2009) [2008]. FREERUNNING – FIND YOUR WAY. Tradução: Marcos Saito de Paula / Revisão: Eduardo Rocha (Duddu). [S.l.: s.n.] ISBN 978-1843173304 
  66. a b c d e f g h i j k l m PIROLLO, Érico Paueli. PRINCÍPIOS NORTEADORES DE UMA PROPOSTA DE ENSINO DE PARKOUR. (Monografia de graduação). Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Aplicadas. CAMPINAS-SP, 2015.
  67. SANTOS, Thiago Siqueira (2016). «Parkour – Da França para o mundo». HORA DO TREINO. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  68. ROCHA, Eduardo (02 de julho de 2011). «Freerunner pula a cerca e é pego pelo marido da mulher». PULO do GATO. Consultado em 14 de fevereiro de 2017  Verifique data em: |data= (ajuda)
  69. ROCHA, Eduardo (7 de julho de 2013). «Russo morre treinando no topo de prédio». Pulo do Gato – Parkour no Brasil. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  70. «RUSSO MORRE TREINANDO FREE RUNNING». Parkour Brazil. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  71. [www.parkourbrazil.com/2013/09/praticantes-de-free-running-sao-baleados.html «PRATICANTES DE FREE RUNNING SÃO BALEADOS»] Verifique valor |url= (ajuda). Parkour Brazil. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  72. «Builder jailed for shooting two free runners climbing on roof he suspected of being burglars». DAILY MAIL REPORTER. 6 de novembro de 2013. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  73. STRETCH, Euan (7 de novembro de 2013). «Builder SHOT two free runners practising on rooftops he thought were burglars». Mirror news. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  74. AGENCIAS (7 de novembro de 2013). «Builder shot free runners on rooftop». The Telegraph. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  75. NOTÍCIAS AO MINUTO (3 de outubro de 2014). «Duplo de 'Hunger Games' morre em Lisboa ao saltar de varanda». NOTÍCIAS AO MINUTO. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  76. «Dublê de 'Jogos vorazes' morre ao pular entre dois prédios em Portugal». G1. 3 de outubro de 2014. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  77. «Dublê de 'Jogos vorazes' morre ao fazer salto de prédio». EXTRA. 3 de outubro de 2014. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  78. TSAGARI, Daphne (31 de outubro de 2014). «Youngster Dies While Parkouring in Thessaloniki». GREEK REPORTER. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  79. «Thessaloniki: Boy, 13, dies during Parkour jumping». Keep Talking Greece. 30 de outubro de 2014. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  80. HARRIS, Mary (12 de março de 2015). «Tunbridge Wells teenager has horrific injuries after plummeting from building in town» (em inglês). Kent Live. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  81. «Morte de menino chama atenção para a prática do Parkour». FOLHA VITÓRIA. 30 de agosto de 2016. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  82. «Russo campeão de xadrez morre ao cair do 12º andar». Veja.com. 20 de novembro de 2016. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  83. «A trágica morte de campeão russo de xadrez que caiu de prédio ao praticar parkour». BBC BRASIL. 28 de novembro de 2016. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  84. G1 (4 de janeiro de 2017). [g1.globo.com/mundo/noticia/praticante-ingles-de-parkour-morre-em-acidente-no-metro-de-paris.ghtml «Praticante inglês de parkour morre em acidente no metrô de Paris»] Verifique valor |url= (ajuda). G1 mundo. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  85. G1 (5 de janeiro de 2017). [www.agoramt.com.br/2017/01/jovem-de-17-anos-praticante-de-parkour-morre-em-acidente-no-metro-de-paris/ «Jovem de 17 anos praticante de parkour morre em acidente no metrô de Paris»] Verifique valor |url= (ajuda). AGORA MATO GROSSO. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  86. «Praticante de parkour morre em acidente no metro de Paris» (em português (Portugal)). Diário de Notícias. 05 de janeiro de 2017. Consultado em 21 de janeiro de 2017  Verifique data em: |data= (ajuda)
  87. G1 (4 de janeiro de 2017). [www.reportersaopaulo.com.br/praticante-ingles-de-parkour-morre-em-acidente-no-metro-de-paris/ «Praticante inglês de parkour morre em acidente no metrô de Paris»] Verifique valor |url= (ajuda). REPÓRTER SÃO PAULO. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  88. JONES, Stephen (5 de janeiro de 2017). [www.mirror.co.uk/news/world-news/shocking-footage-parkour-group-riding-9567519 «Shocking footage of parkour group riding Paris metro a month before member Nye Newman killed in accident»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). MIRROR. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  89. OPPENHEIM, Maya (5 de janeiro de 2017). [www.independent.co.uk/news/people/nye-frankie-newman-dead-freerunner-parkour-paris-metro-death-dies-accident-train-surfing-claim-a7510551.html «Nye Frankie Newman dead: British freerunner dies in 'accident' on Paris metro»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). The Independent. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  90. PARRIS-LONG, Adam (4 de janeiro de 2017). [news.sky.com/story/british-freerunner-nye-frankie-newman-dies-in-accident-on-paris-metro-10717589 «British freerunner Nye Frankie Newman dies in 'accident' on Paris metro»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). SKY NEWS. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  91. NEWTON, Jennifer; SUMMERS, Chris (4 de janeiro de 2017). [www.dailymail.co.uk/news/article-4086792/British-freerunner-20-killed-accident-Paris-Metro-friends-deny-trainsurfing-died.html «Daredevil British freerunner, 17, was spotted between two wagons moments before he was killed on Paris Metro»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). DailyMailOnline. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  92. a b SILVA, Rafael (23 de abril de 2017). «Adolescente morre ao cair de prédio na Praia do Canto». Gazetaonline. Consultado em 25 de abril de 2017 
  93. a b [irmaospiologo.com.br/category/videos/partoba/ «Partoba»] Verifique valor |url= (ajuda). Irmãos Piologo. Desde 1995. Consultado em 21 de janeiro de 2017  Verifique data em: |data= (ajuda)
  94. a b c MACHADO, Aline (26 de março de 2017). «Jovem invade residências e comércio e alega 'manobras de parkour'». Campo Grande - MS: midiamax. Consultado em 29 de março de 2017 
  95. ROCHA, Eduardo (3 de março de 2010). «Freerunner multado por treinar em telhados». PULO DO GATO. Consultado em 25 de abril de 2017 
  96. ROCHA, Eduardo (1 de setembro de 2011). «De telhado em telhado… dos outros.». PULO DO GATO. Consultado em 25 de abril de 2017 
  97. Howerton, Jason (20 de março de 2013). «YouTube Prankster Tackled, Arrested for Doing Front Flip Over Cops in Viral Video — But Did He Break Any Laws?». the blaze. Consultado em 09 de maio de 2017  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  98. «Sathorn Unique owner files complaint against 'Team Farang' for trespassing». Coconuts Bangkok. 17 de setembro de 2015. Consultado em 27 de abril de 2017 
  99. a b «Imprudentes atacam novamente e sobem chaminé». a Rede. 6 de outubro de 2016. Consultado em 29 de março de 2017 
  100. a b c Vidal, Pedro (1 de abril de 2017). [diariodeumtraceur.blogspot.com.br/2017/04/8-roofculture-parkour-ou-nao-fazer-ou.html «#8 - RoofCulture: Parkour ou não? Fazer ou não fazer?»] Verifique valor |url= (ajuda). Diário de um Traceur. Consultado em 7 de abril de 2017 
  101. a b [www.youtube.com/watch?v=o16CcUauSYA «ROOF CULTURE»] Verifique valor |url= (ajuda). StorrorBlog. 7 de julho de 2014. Consultado em 7 de abril de 2017 
  102. PARKOUR VISIONS (15 de abril de 2013). «Leave No Trace» (parkourvisions.org/projects/leave-no-trace/) (em inglês). Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  103. GOWAN, Kurt (27 de abril de 2011). «Parkour on Campus- A Persuasive Essay» (em inglês). DeVry University: AMERICAN PARKOUR. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  104. BAFFORD, Tenedra. [verticalfloormag.com/?p=72 «Without a Trace - A U.S. Forest Service slogan inspires traceurs to preserve their training grounds.»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). VERTICAL FLOOR. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  105. a b c d EDWARDES, Dan. «Parkour: Movement for the Next Generation» [Parkour: movimento para a próxima geração] (em inglês). PARKOUR GENERATIONS. Consultado em 21 de fevereiro de 2017 
  106. a b c d e PONTRELLA, Caitlin (16 de dezembro de 2013). «Shaping Parkour and its Culture» (em inglês). Our City Our Playground. Consultado em 21 de fevereiro de 2016 
  107. a b c d e ANGEL, Julie Margaret (26 de fevereiro de 2011). «BLOG: CATCH 22, IT'S BEAUTIFUL BECAUSE…» (em inglês). Julie.Angel. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  108. a b c d «What is Parkour?» [O que é Parkour?] (em inglês). Londres, Reino Unido: parkouruk. Consultado em 21 de fevereiro de 2017 
  109. a b c Rowat, Chris 'Blane'. «Tackling Obstacles» [Enfrentando Obstáculos] (em inglês). Parkour Generations. Consultado em 21 de fevereiro de 2017 
  110. ROCHA, Eduardo (16 de abril de 2010). «MTV Parkour Challenge de volta». PULO DO GATO. Consultado em 23 de fevereiro de 2017 
  111. a b c «The Fédération Internationale des Arts du Déplacement: acting for the good of parkour / freerunning worldwide.» (em inglês). FIADD. Consultado em 21 de fevereiro de 2017 
  112. NAIR, Gokul (19 de janeiro de 2017). «Hop, skip and jump to Chennai parkour!» (em inglês). Chennai, Índia: The New Indian Express. Consultado em 21 de fevereiro de 2017 
  113. a b «A Brief & Basic History of Parkour» (em inglês). World Freerunning Parkour Federation. Consultado em 21 de fevereiro de 2017 
  114. a b MOYNIHAN, Ciara (28 de agosto de 2012). «FITNESS Parkour, or free running, arrives in Mayo» (em inglês). The Mayo News. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  115. BELL, Max (01 de abril de 2015). «News: Movement Unleashed joins the Urban Freeflow Team» (em inglês). Movement Unleashed. Consultado em 22 de fevereiro de 2017  Verifique data em: |data= (ajuda)
  116. a b «Barclaycard World Freerun Championships». Wiki. Consultado em 23 de fevereiro de 2017 
  117. a b c COPPOLA, Tom (20 de abril de 2015). «Pro Parkour, Pro Competition» (em inglês). LEARN. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  118. a b c d CHAGAS, Raíssa; ROJO, Jeferson Roberto. GIRARDI, Vania Lucia. (2015). «O PROCESSO DE ESPORTIVIZAÇÃO DE UMA MODALIDADE: O PARKOUR ENQUANTO PRÁTICA ESPETACULARIZADA». Curitiba. The journal of the Latin American Socio-cultural Studies of Sport. 5 (1): 21-33. doi:10.5380 Verifique |doi= (ajuda) 
  119. ROCHA, Eduardo (8 de agosto de 2013). «Campanha Viral – Desastre of Motion». PULO DO GATO. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  120. a b QUEIROZ, Vinicius (4 de janeiro de 2015). «SOBRE PARKOUR ESPORTE (AQUELE COM COMPETIÇÕES)». DECIMADOMURO.COM. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  121. a b BRANDÃO, Alberto (24 de dezembro de 2013). «A VERDADEIRA COMPETIÇÃO DO PARKOUR». DECIMADOMURO. Consultado em 23 de fevereiro de 2013 
  122. a b c ROCHA, Eduardo (6 de novembro de 2014). «UMA ANÁLISE CRÍTICA (E BILATERAL) SOBRE COMPETIÇÕES NO PARKOUR». DECIMADOMURO. Consultado em 23 de fevereiro de 2014 
  123. a b [www.youtube.com/watch?v=JqTdkjpOF2E&t=290s «David Belle - Fundador do Parkour e protagonista de B13 (Legendada)»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês. francês). Equipe de Tradução: Igor Scaldini, Pedro Vidal, Alberto Brandão Allan Souza, Jean Wainer e Duddu Rocha. Duddu Rocha. 10 de setembro de 2014. Consultado em 23 de fevereiro de 2017 
  124. BELLE, David (24 de novembro de 2011). [www.youtube.com/watch?v=FPPMh0Gygxw «Un Monde Meilleur [HQ] | David Belle (Official)»] Verifique valor |url= (ajuda). Consultado em 18 de maio de 2017 
  125. [www.youtube.com/watch?v=FPPMh0Gygxw «Un Monde Meilleur [HQ] | David Belle (Official)»] Verifique valor |url= (ajuda). França. 24 de novembro de 2011 [2005]. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  126. [www.youtube.com/watch?v=SMppD-bUNWo «Parkour, literally»] Verifique valor |url= (ajuda). l1consolable. 22 de maio de 2010. Consultado em 18 de maio de 2017 
  127. [www.youtube.com/watch?v=spGDbyxDu4k «Parkour, literally. (part 2)»] Verifique valor |url= (ajuda). l1consolable. 23 de junho de 2010. Consultado em 18 de maio de 2010 
  128. [www.youtube.com/watch?v=xpLCoZKnIq4 «Parkour, literally. (part3)»] Verifique valor |url= (ajuda). l1consolable. 05 de outubro de 2010. Consultado em 18 de maio de 2017  Verifique data em: |data= (ajuda)
  129. [www.youtube.com/watch?v=aLOedRHrUrE «Parkour, literally. (part 4)»] Verifique valor |url= (ajuda). l1consolable. 13 de janeiro de 2012. Consultado em 18 de maio de 2017 
  130. [www.youtube.com/watch?v=2aiQ6rSVzS4 «Parkour, literally (part 5)»] Verifique valor |url= (ajuda). l1consolable. 13 de setembro de 2013. Consultado em 18 de maio de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Parkour