Parkour

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Desenvolvido como um método de treinamento que permite ao indivíduo, ultrapassar de forma rápida, eficiente e segura quaisquer obstáculos utilizando somente as habilidades e capacidades do corpo humano[1], o Parkour (por vezes abreviado como PK) foi desenvolvido inicialmente na França em meados do final dos anos de 1980[2]. O termo é proveniente de uma adaptação da palavra original 'parcours' e foi sugerido por um amigo de David Belle, o qual por sua vez, junto com alguns amigos de adolescência, é considerado como fundador do Parkour. Ainda, o termo 'parcours' tem relação com o 'Parcours du combattant',mais conhecido como a pista de obstáculos do pentatlo militar[1]. A modalidade tem diversas influências de práticas corporais e dentre estas, destacam-se as ginásticas e o Método Natural de Educação Física de Georges Hébert, também conhecido como 'Métode Naturelle', o qual também se utilizava de habilidades e capacidades corporais para superar obstáculos e desafios tanto em ambientes urbanos como quantos naturais[3]. A modalidade pode ser praticada tanto individualmente quanto em grupo.

Ao praticante do sexo masculino, este é denominado 'traceur' e seu equivalente feminino é 'traceuse'[1][2]. Ambas grafias são de origem francesa, porém para maior disseminação e facilidade de pronuncia, o termo em inglês 'tracer', foi o mais difundido[1][2]. Recentemente, o Parkour tornou-se uma prática reconhecidamente esportiva no Reino Unido[4][5][6][7][8][9][10][11][12][13][14], embora a conotação de esporte seja diferente daquela empregada no Brasil, dado aos diferentes tipos de esportes que a Educação Física nacional concebe[15].

Generalidades[editar | editar código-fonte]

O fundador do Parkour, David Belle atribui a inspiração para criar o método de treinamento, a seu pai e mentor Raymond Belle (1939-1999)[16][17][18][2], o qual foi treinado na guerra da Indochina (período pré-guerra do Vietnã) e posteriormente atuou como soldado pelas forças armadas francesas[16][2]. A partir de 1958, Raymond deixou o exército e entrou para o corpo de bombeiros de Paris na França[16]. Raymond também é lembrado pelos seus feitos na ginástica, no esporte e pelos recordes em saltos, arremessos com vara e subida em corda, feitos estes que construiu enquanto fez parte da corporação[16][1][2].

Parkour é uma forma de prática corporal pouco explorada no quesito fundamentação teórica, o que torna a modalidade um pouco difícil de ser categorizada[18]. De acordo com o seu fundador, David Belle, o Parkour consiste essencialmente em superar todos os obstáculos, seja eles físicos ou mentais em qualquer tipo de ambiente, natural ou urbano[19].

A prática requer treinamento, dedicação, comprometimento e visa a eficácia, poupando energia para ultrapassar os obstáculos e evitando ferimentos de quaisquer ordem[16]. Os praticantes do Parkour atribuem ao mote 'être et durer' ('ser e durar', traduzido do francês) a importância do fortalecimento e da longevidade na prática por meio do treino constante, buscando sempre melhorar a si enquanto ser humano[16].

A prática do Parkour é comumente vinculada em uma visão grosseira e deturpada de que seus praticantes são "puladores de prédios". Porém, somente quem realmente adentra a prática, seja por curiosidade, ou por vontade, acaba por descobrir que o Parkour é, acima de tudo, uma disciplina de cunho de exercício físico e moral, voltada para o desenvolvimento de habilidades e capacidades do corpo, usando de corridas, movimentos quadrupedais, rolamentos, escaladas, equilíbrios, saltos e outras formas de movimento[16] para ultrapassar os obstáculos os quais pode levar a novos patamares de exploração do movimento humano[16][18].

Terminologia[editar | editar código-fonte]

Existem outras duas formas de expressão com vínculo direto com a prática e em muitos países são tratados também como Parkour: A Art du déplacement (Arte do deslocamento) e o Free Running (Corrida livre)[2][18].

O termo Art du déplacement (Arte do deslocamento) foi o primeiro nome dado a prática corporal que viria a ser mais tarde nomeada como Parkour[18]. Esse nome foi sugerido por Sébastien Foucan[20][2], considerado por muitos o co-fundador do Parkour e também fundador do Free Running. O nome perdurou através dos Yamakasi[18], considerados o primeiro grupo de Parkour[1].

Por sugestão de seu amigo Hubert Koundé, David Belle remodelou a palavra 'parcours', primeiramente retirando a letra 's', a qual não é pronunciada pela voz e substituiu o 'c' por um 'k' para sugerir agressividade e causar mais impacto ao pronunciar, e também como forma de universalizar o termo[2][1][18].

Sébastien Foucan, co-fundador do Parkour também é considerado o fundador do Free Running[2]. Embora semelhantes, a prática estabelecida por Sébastien Foucan expressa uma vertente mais artística do Parkour, onde são realizadas acrobacias e a estética do movimento é ressaltada em detrimento da objetividade. O nome Free Running foi sugerido por Guillaume Pelletier para uma apresentação de Sébastien Foucan no documentário Jump London para o Channel 4 do Reino Unido[2][1], visando maior facilidade na comunicação com a língua inglesa e entendimento da prática.

Traceur e traceuse são derivados do termo fracês 'tracer' que normalmente significa 'traçar', ou melhor dizendo, 'aquele que percorre um caminho'[1][18]. O termo foi originalmente utilizado como o nome do grupo de Parkour 'Original Tracers', que era liderado por David Belle, também eram parte deste grupo Sébastien Foucan e Stéphane Vigroux[1][18][2].

História[editar | editar código-fonte]

O Parkour surgiu de uma necessidade de movimentar-se impetrada por David Belle, seus primos e seus amigos durante sua adolescência[17], inicialmente em Fécamp na Normandia e posteriormente, nos subúrbios de Paris, em Lisses e Sarcelles[1], onde David Belle buscou reforçar os laços paternais e começou a ter os primeiros insights sobre o que viria a ser o Parkour como a importância do fortalecimento físico e mental e os elementos que David Belle descreve com um tipo de filosofia[1][18].

Georges Hébert[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, as maiores influências para o desenvolvimento do Parkour foram Raymond Belle[18] e o Método Natural de Educação Física de Georges Hèbert, método este ao qual Raymond Belle foi instruído na infância e adolescência[16]. Georges Hébert foi um oficial da Marinha francesa e profissional de Educação Física francês[21][22][18] que observou o comportamento e o movimento dos homens das tribos africanas[21][22][18]. Georges Hébert também pregava que um corpo sadio e atlético deveria combinar também coragem e altruísmo[21]. Georges Hébert desenvolveu seu método com base em 10 grupos de habilidades: marcha, corrida, saltos, movimento quadrupedal, escalada, equilíbrio, lançamentos, levantamentos, defesa pessoal e natação[21]. Todos esses movimentos deveriam ser imbuídos com o desenvolvimento de outros elementos como força de vontade, coragem, frieza, resiliência, benevolência, honra, honestidade, também havia a necessidade de desenvolver a respiração e a musculatura[21]. O treinamento pelo Método Natural de Hébert se expandiu pelas forças armadas e posteriormente por escolas, academias e clubes[2]. Mais tarde, um arquiteto da Suiça inspirado por Geoges Hébert, criou uma pista de obstáculos militar a qual foi denominada pista de parcours du combattant.

Raymond Belle[editar | editar código-fonte]

O pai de David Belle, Raymond Belle (1939-1999) nasceu e cresceu no Vietnã[2][16]. Seu pai morreu e ele foi separado de sua mãe, sendo criado pelos tios do lado materno[16][2]. Com 7 anos de idade foi enviado para um orfanato militar onde colocou-se sob duras provações e treinamentos para tornar-se mais forte (Raymond foi abusado pelos tios na infância)[2][16]. Durante as noites, enquanto todos dormiam, Raymond saia do orfanato e treinava nas árvores e corria pela mata, desenvolvendo suas habilidades e fortalecendo seu corpo[16][2]. Isso permitiu que Raymond sobrevivesse ao duro período o qual durou sua infância e início da adolescência. Depois da batalha de Dien Bien Phu em 1954, Raymond retornou à França onde permaneceu nas forças armadas até os 19 anos de idade, em seguida juntou-se ao corpo de bombeiros de Paris[16][2].

David Belle[editar | editar código-fonte]

Em 1973 nasce David Belle, um dos filhos de Raymond. Este viria a ser o herdeiro dos ensinamentos de Raymond Belle e de suas técnicas de ultrapassar obstáculos[17][20]. David teve experiências com diversas modalidades como: ginásticas, atletismo e artes marciais, porém seu rendimento escolar e seu comprometimento com atividades esportivas não era assíduo. Conforme crescia, David tornava-se mais curioso a respeito da vida do pai e por meios de conversas com este decidiu que necessitava e queria desenvolver suas habilidades para caso tivesse necessidade na sua vida[2]. Durante essas conversas, David aprendeu mais sobre essa forma de treinamento que seu pai chamava de 'le parcours' e sobre as diversas repetições que ele havia feito para encontrar o seu próprio caminho[16][2]. Raymond ensinou a David que treinar não é uma brincadeira, mas algo altamente vital que permitiria a ele sobreviver e proteger as pessoas com as quais ele se importava[19][2][16]. David então percebeu que este era o caminho que ele buscava e começou a trilhá-lho[2]. Isso veio a tornar-se mais importante que a escola e David colocou toda a sua atenção em seu treinamento.

O grupo original[editar | editar código-fonte]

Durante o final dos anos de 1980 e início dos anos de 1990, David conhece aqueles que viriam a ser seus parceiros de treino[2]. Entre visitas frequentes à seu pai, que residia em Sarcelles e a vida com sua mãe que morava em Lisses, David conheceu amigos que por fim juntaram-se em um único grupo com a intenção de se movimentar, treinar e se fortalecer[2].

Estes amigos tornaram-se um grupo forte e unido, os quais realizavam desafios físicos, treinavam sem comer ou beber água, sem dormir ou sob baixas temperaturas. Não era permitido atrasar-se, todos deveriam completar o desafio, não era permitido ser negativo ou reclamar, o pulo deveria ser feito, mesmo que descalço! Entretanto, todos sempre deveriam ter a sabedoria para conhecer seus limites. Para o grupo um movimento executado apenas uma vez não era o suficiente, era necessário repeti-lo exaustivamente sem lesionar-se, mantendo a força e o fôlego até o desafio estar completo, caso alguém errasse, o movimento era repetido do início. Humildade também era um dos princípios fundamentais, ninguém era superior ao outro, não poderiam haver mentiras sobre o que faziam e como faziam na prática do Parkour. Somente adentravam novos membros no grupo se estes fossem "recomendados" e se passassem nos testes de avaliação e motivação. Era obrigação de cada membro do grupo encorajar os outros. Caso alguém violasse as regras, era punido. Estas eram as maneiras com as quais o grupo lidava para manter seus valores.

O ano de 1997 marca as maiores mudanças para David e seus amigos[2]. Instituições como o departamento do corpo de Bombeiros de Paris pediram para o grupo realizar uma apresentação durante um evento[2]. Ainda no mesmo ano, o irmão mais velho de David, Jean François Belle conseguiu a chance de uma apresentação para o programa Stade 2 e também um convite para o musical 'Notre Dame de Paris'[2], o qual levou os praticantes a conhecimento do diretor de cinema Luc Besson que ficou fascinado com os movimentos dos rapazes[2]. O fenômeno que viria a ser conhecido como Parkour eclodiu no final dos anos 1990 e início do novo século[2]. Assim, a mídia começou a apresentar interesse pela modalidade, levando a prática para a grande tela por meio dos filmes B-13 (2004)[18] ou "13º Distrito" e B-13 Ultimato (ambos estrelados por David Belle e Cyril Rafaelli), "Yamakasi - os samurais dos tempos modernos" (2000) e Yamakasi - os filhos do vento (2003), ambos estrelados pelos membros do grupo Yamakasi.

A separação[editar | editar código-fonte]

Cabe ressaltar que durante mais de uma década o grupo treinou junto e em determinado ponto, por volta do ano de 1997, ideias começaram a divergir[16][2]. Nesse momento, David Belle e Sébastien Foucan se afastam do grupo original que também era composto pelos primos de David, Châu Belle-Dinh e Williams Belle (que residiam em Sarcelles), os dois irmãos Yahn e Frederic Hnautra (moradores de Lisses), e seus amigos David Malgogne, Malik Diouf, Guylain N'guba Boyeke, Laurent Piemontesi, Charles Perrière[1][18][2][16]. Mais tarde David Belle e Sébastien Foucan também seguiriam caminhos separados por divergências em seu modo de pensar e treinar[1][16][2].

David Belle participou de um remake hollywoodiano de B-13, lançado com o nome Brick Mansions (Bairro 13, no Brasil) no ano de 2014 onde contracena com Paul Walker (1973-2013) da franquia Velozes e Furiosos[1], e recentemente esta divulgando a série Brutal: Taste of Violence.

Os membros remanescentes dos Yamakasi, fundaram a Parkour Generations, considerada atualmente a maior autoridade em se tratando de Parkour e Art du déplacement no mundo[14]. A Parkour Generations também é responsável pela qualificação A.D.A.P.T. (Art du Déplacement And Parkour Teaching), reconhecida por traceurs pelo mundo todo e pelo governo britânico[18][14].

Sébastien Foucan continuou a divulgação de sua visão da prática e ainda esta atuante no mundo do Parkour e do Free running[1]. Além do documentário Jump London[18][14] ele atuou como vilão no filme 007-Cassino Royale (2006)[1] e posteriormente no filme "The Tournament" (em português "Vingança entre Assassinos"), como o assassino Anton Bogart. Também apareceu no videoclipe da canção Jump, e acompanhou a cantora Madonna em sua tourné de 2006 Confessions Tour[1]. Atualmente ele tem sua própria academia de Free running e é o presidente da Parkour UK.

Prática[editar | editar código-fonte]

Sem limitações de espaços para ser praticado, o Parkour é acessível a todos, possibilitando o autoconhecimento do corpo humano e mente como o desenvolvimento da força, resistência, coordenação motora e equilíbrio, ao mesmo tempo que desenvolve a concentração, força de vontade, determinação e coragem — qualidades que favorecem o bem estar e a qualidade de vida, educando crianças, jovens e adultos ávidos por novas experiências.

É essencial lembrar que Parkour demanda treino e dedicação, bem como uma adequada orientação por parte de praticantes experientes, sendo assim é imperativo que, ao adentrar a prática, o iniciante busque instrução por meios de praticantes ou grupos ou até mesmo academias. Vídeos da internet ou tutoriais, são, de longe o último recurso para conhecer a modalidade. É necessário ser criterioso quando se busca informação sobre o Parkour.

Equipamentos[editar | editar código-fonte]

Parkour oferece grande liberdade de movimento e custo mínimo para ser praticado, sendo recomendados roupas e calçados que sejam confortáveis para os praticantes como:

Não são utilizados protetores de cotovelo, protetores de joelho, capacete ou luvas para a prática. O objetivo é conhecer e fortalecer o próprio corpo, pois este já oferece todas as possibilidades de salva-guarda necessárias para a prática da modalidade. Propõe-se inclusive que deve haver treinos sem calçados e com os pés em contato direto com as superfícies onde se pretende treinar para melhorar a sensibilidade com a qual os movimentos são realizados.

Exercícios[editar | editar código-fonte]

O Parkour demanda uma prática de treinamento tanto físico quanto mental. Dessa forma é necessário observar os elementos dos exercícios de tonificação e fortalecimento muscular, como: agachamentos, abdominais, flexões, puxadas em barras e outros. Muitos praticantes agregam à sua pratica, elementos da calistenia e da musculação, visando o fortalecimento. A repetição constante dos movimentos básicos traz polimento à técnica e molda o praticante, preparando-o para novos desafios e movimentações mais complexas.

Também é recomendado que o praticante tenha comprometimento com a sequência de treinos, bem como assiduidade, ou seja, que este estruture e treine constantemente suas técnicas, bem como tenha em mente que o fortalecimento é parte fundamental para a melhora das condições físicas, além de preparar o praticante para desafios mais complexos.

Acidentes[editar | editar código-fonte]

Parkour requer não somente absoluta concentração e consciência sobre seus corpo e o ambiente onde você irá se movimentar, mas também é necessário preparo físico e mental[19][18]. Se em situação de treinos outdoor é necessário sempre uma avaliação de distância, de sua capacidade e risco ao qual você estrá incorrendo. O conjunto mental é combinado ao controle e poder do corpo e da mente[18]. Os praticantes costumam adotar a seguinte frase para descrever parte de sua prática: "é ridículo procurar liberdade e acabar quebrado numa cadeira de rodas". Mesmo assim, o Parkour é uma arte que requer disciplina, treinando sua mente com bom-senso[19], e respeitando seus limites[18]. Desse modo, acidentes podem ser amenizados ou até evitados[18].

Recentemente tem crescido o número de acidentes relacionados à prática, devido a fatores como superexposição pelas mídias sociais e um número crescente de autoproclamados praticantes que frequentemente deixam de lado os aspectos morais da prática[17][2]. Devido a se subestimarem os riscos da prática e à excitação dos jovens em fazer algo incrível que viram dos amigos, colegas ou vídeos na TV ou internet[17]. Infelizmente, as palavras de David Belle acerca de que "o excesso mata..."[19] e a remissão do mesmo David mencionando o ensinamento de seu avô: "Você precisar usar, e não abusar!"[19] se tornaram reais. Alguns exemplos:

  • O praticante de Free running, Pavel Kashin, morreu em julho de 2013, quando estava gravando seu novo vídeo no topo de um prédio quando resolveu fazer um backflip na sacada. O movimento saiu do eixo e ele despencou da altura em que se encontrava[23][24].
  • Em setembro de 2013, dois praticantes de Free runing do grupo Storror, Max Cave de 21 anos e Luke Harty de 19 foram alvejados por terem invadido propriedade privada. O autor dos disparos pensou que se tratavam de assaltantes. Os garotos foram levados para um hospital e não tiveram sequelas dos tiros[25][26][27][28].
  • Carlos Lopez, um dublê de filmes como Hunger Games e fanático por Parkour morreu no dia 2 de outubro de 2014, em Lisboa, quando tentou saltar da varanda do hotel onde estava hospedado para uma varanda contígua, caindo de uma altura de 16 metros[29][30][31].
  • Em 30 de outubro de 2014, um garoto de 13 anos morreu ao cair do sétimo andar de um prédio em Thessaloniki, região norte da Grécia[32][33].
  • O garoto de apenas 12 anos, Gabriel Luan Rodrigues Santana morreu em agosto de 2016 ao cair através de um telhado em Vitória-ES. A queda acarretou traumatismo craniano no garoto, o qual veio a óbito[34].
  • O campeão russo de xadrez Yuri Yeliseyev, de 20 anos, morreu em novembro de 2016, após cair da varanda do apartamento em que morava, que fica no 12º andar de um prédio em Moscou[35][36].
  • O praticante de Free running e Parkour Nye Frankie Newman, de 17 anos morreu em janeiro de 2017, em um "acidente" no metrô de Paris. O grupo do qual fazia parte garante que ele não estava "surfando" no trem durante o acidente. Porém, vídeos postados pelo grupo datados do dia anterior mostram os próprios integrantes realizando o surf de trem[37][38][39][40][41][42][43][44].
  • Os vídeos publicados pelos irmãos Piologo, da série Partoba[45], são compilações de acidentes, em sua maioria realizados por praticantes de Parkour e Free running. Já existem 33 edições da série[45], ou seja, a recente falta de comprometimento e cuidado com a prática tem sido campo fértil para vídeos de praticantes que menosprezam a prática.

Invasões e depredação[editar | editar código-fonte]

Outro problema que tem se tornado recorrente são as invasões de propriedades privadas ou estruturas de prédios abandonados, geralmente áreas que oferecem periculosidade aos praticantes para simplesmente gravar vídeos visando divulgação posterior na internet em busca de reconhecimento. Isso vai na contramão dos valores relacionadas ao respeito a si e a outrém, tão prezados pelos fundadores[19], bem como o respeito a propriedade alheia.

É necessário ressaltar que qualquer prática corporal e de exercícios físicos estão sujeitas a acidentes e a ideia central do Parkour é a de fortalecer o corpo e a mente, fazendo-os durar a longo prazo, isso significa ter uma vida de treino longeva e sem lesões. Muitas organizações ao redor do globo tem realizado esforços de conscientização da prática visando a conservação física do praticante e também dos locais onde são realizadas as práticas. Um exemplo é a 'Leave No Trace' (não deixe marcas, em português), iniciativa da Parkour Visions que preza pela conservação dos ambientes onde os traceurs realizam seus treinos, deixando-os como estavam inicialmente, ou, em caso de danificar algo, arcar com os custos de sua recuperação ou manutenção[46][47][48].

Na cultura popular & Entretenimento[editar | editar código-fonte]

O Parkour ganhou o mundo por meio das mídias, inicialmente pela TV, depois ganhou força pelo cinema e explodiu como fenômeno pela internet. Existem produções de todos os tipos e a cada ano diferentes canais de comunicação auxiliam na divulgação da modalidade.

  • (1997) Neste ano foi veiculada a primeira reportagem televisiva com David, Sebastien, Chau, Yanh e outros praticantes no canal francês France 2 (ou Stade 2).
  • (2000) O filme Táxi 2, sobre motoristas de táxi que se envolvem em tramas policias como sequestros, acidentes, criminosos procurados e afins com a aprticipação dos membros do grupo Yamakasi.
  • (2000) No videoclipe 'it's my life', da banda Bon Jovi, o protagonista tentar alcançar a namorada em um túnel e para isso usa de técnicas de Parkour.
  • (2000) a película francesa Rios Vermelhos (Les rivières pourpres, no original), estrelada por Jean Reno, tem cenas de Parkour.
  • (2001) O filme Yamakasi - Les samouraïs des temps modernes (Yamakasi - Os samurais dos tempos modernos, em português), apresenta os membros do grupo Yamakasi os quais são as personagens principais.
  • (2002) David Belle estrela um comercial da BBC para o programa Rush Hour[18].
  • (2002) No filme Intervenção Divina, David Belle atua como atirador.
  • (2002) No filme Femme Fatale dirigido por Brian De Palma, David Belle interpreta um policial francês contracenando com Antonio Banderas e a linda Rebecca Romijn.
  • (2003) O filme Ong-Bak mostra no seu início cenas de Parkour com o ator Tony Jaa fugindo de bandidos dentro de uma feira.
  • (2003) O documentário Jump London, uma produção do Channel 4 do Reino Unido aborda a prática do Parkour e do Free running[14].
  • (2003-2012) Na série portuguesa 'Morangos Com Açúcar - Série V', transmitida diariamente na TVI, o Parkour é apresentado como o desporto principal, praticado por três personagens protagonistas.
  • (2004) Jean Reno volta a ação com a continuação Rios Vermelhos 2: anjos do apocalipse (Les rivières pourpres 2 - Les anges de l'apocalypse , no original). O filme contém diversas cenas onde são realizadas perseguições utilizando Parkour. Nesta continuação David Belle e Cyril Rafaelli realizam as cenas de Parkour, atuando como dublês.
  • (2004) O filme 'B-13' ou '13º Distrito' (Banlieue 13) mostra David Belle, que encarna a personagem Leito, em várias cenas de Parkour[18].
  • (2004) Na continuação, os Yamakasi retornam com o filme 'Yamakasi - os filhos do vento' (Yamakasi - les fils du vent, no original) também há cenas de Parkour e Free running.
  • (2004) O filme The Great Challenge, mostra um grupo de jovens lutadores franceses vai para Bangcoc a fim de montar uma academia. O filme tem como protagonistas os integrantes do grupo Yamakasi.
  • (2005) O documentário Jump Britain uma produção do Channel 4 do Reino Unido aborda a prática do Free running[18][14].
  • (2005) No filme Carga Explosiva 2, estrelado por Jason Stathan, David Belle realiza e coordena ações como dublê.
  • (2006) No filme Casino Royale há cenas de Parkour, com Sébastien Foucan logo nas primeiras cenas de ação.
  • (2006) Madonna exibiu extensivamente o Free running em seus videoclipes das músicas Hung Up e Jump.
  • (2006) No videoclipe de David Guetta Vs The Egg, Love Don't Let Me Go, há alguma demonstração da prática.
  • (2006) O curta metragem francês Un monde meilleur (Um mundo melhor), dirigido por Igor Pejic, apresenta David Belle como um mercenário que busca o paraíso longe das batalhas.
  • (2007) O documentário Geração Yamakasi é considerado como maior documentário já realizado sobre os praticantes originais do Parkour e do Art du déplacement. Obrigatório para qualquer um que queira se iniciar na prática da modalidade.
  • (2008) Lançamento do documentário Projeto Pilgrimage (Pilgrimage Project) idealizado e produzido por Duncan Germain com aprovação de David Belle. É considerado por muitos praticantes de Parkour, especialmente os mais velhos como o maior guia sobre a prática já produzido.
  • (2008-...) No mangá brasileiro Turma da Mônica Jovem, Cascão é um praticante de Parkour e tem um vídeo de Parkour no Youtubo (paródia baseada no Youtube).
  • (2008) No filme 'O Justiceiro em zona de guerra' (Punisher: War Zone, no original) há três praticantes de Parkour trabalhando como entregadores.
  • (2008) No videoclipe 'It's Not My Time' da banda 3 Doors Down, um praticante com alguma espécie de poder pré-cognitivo usa técnicas de Parkour para ganhar tempo a fim de tentar evitar um desastre de carro.
  • Nas séries de vídeo jogos 'Assassin's Creed', 'Batman: Arkham Asylum', 'Batman: Arkham City', 'Mirror's Edge', 'Mirror's Edge 2' e 'Prince of Persia', os personagens jogáveis, fazem uso do Parkour, andando por cima dos telhados das cidades, saltando muros, etc.
  • (2008) O filme Missão Babilônia (Babylon A.D.), dirigido por Mathieu Kassovitz e estralado por Vin Diesel. Com participação de David Belle e outros traceurs.
  • (2008) No filme francês J'reviens (sem tradução e lançamento no Brasil), estão no filme membros da antiga e da nova geração dos Yamakasi: Damien Buffard, Malik Diouf, Antoine Dupré, Alexandre Lopoka e Charles Perrière.
  • (2009) Na novela Cama de Gato a abertura é realizada por pessoas fazendo Parkour, formando uma "cama de gato".
  • (2009) O filme 'B-13 ULtimato' (Banlieue 13 - Ultimatun) trás a dupla explosiva David Belle, que encarna novamente Leito, em várias cenas de Parkour em conjunto com Cyril Rafaelli.
  • (2010) No filme Aposta Radical (Skills) existem muitos comentários sobre o Parkour, com participação de Marcus "Zyrken" Gustafsson.
  • (2010) O filme Príncipe da Pérsia: As Areias do Tempo, David Belle realiza o trabalho como coordenador e coreógrafo de movimentos. O filme é repleto de cenas com Parkour.
  • (2011) O filme Fuga Alucinante (Freerunner) mostra um praticante de parkour correndo contra o relógio para atravessar a cidade na tentativa de salvar sua namorada e a si próprio.
  • (2012) O mangá R.u.N. (Remember ur Nature) trata de adolescentes praticantes de Parkour e Free running na cidade de Tóquio.
  • (2013) No filme Run (Street Run, no Brasil) existem cenas extensivas da prática do Parkour. Os dublês do filme são da equipe Tempest Freerunning e da equipe Storm Freerun. O Filme, embora repleto de referências, foi considerado por muitos praticantes de Parkour, como o pior filme já feito sobre a prática.
  • (2013) No filme A Familía, David Belle interpreta Mezzo, uma personagem secundária. O filme, que foi dirigido por Luc Besson, recebeu boas críticas contém nomes de peso do cinema como Robert De Niro, Michelle Pfeiffer e Tommy Lee Jones.
  • (2014) O filme '13º Distrito' (Bricks Mansions), um remake hollywoodiano de Banlieue 13, trás David Belle interpretando o presidiário Lino, em parceria com Paul Walker.
  • (2015) O filme Tracers, traz uma bela e misteriosa mulher ajuda que usa o Parkour para realizar roubos ajuda um mensageiro de bicicleta a escapar da máfia chinesa.
  • (2015) A empresa Techland contrata David Belle para ser o coordenador de movimentos e modelo do jogo Dying Light: good night, good luck.
  • (2016) A mini-série de 10 episódios, Brutal: Taste of Violence (a ser lançada) traz David Belle e o Yamakasi Charles Perrière como atores e escritores do episódios.

Movimentos[editar | editar código-fonte]

Movimentos básicos[editar | editar código-fonte]

Sinonímia Descrição
francês inglês português
Atterrissage, ou réception /a.tɛ.ʁi.saʒ/, /ʁe.sɛp.sjɔ̃/ Landing Aterrissagem / aterragem Amortecimento suave a fim de evitar lesões articulares
Équilibre /e.ki.libʁ/ Balance Equilíbrio Equilíbrio em barras ou muros
Équilibre du chat /e.ki.libʁə.dy.ʃa/ Cat balance Equilíbrio do gato Equilíbrio em movimento quadrupedal como um gato.
Franchissement /fʁɑ̃.ʃis.mɑ̃/ Underbar, jump through Por baixo da barra Passa-se por baixo do obstaculo — geralmente por baixo de uma barra — ao invés de o saltar ou o sobrepor. Qualquer passagem por frestas também é chamado de Underbar no Brasil.
Roulade [ʁu.lad] Roll Rolamento Rolamento evasivo a fim de amortecer, ou criar embalo após um amortecimento
Passe muraille [pas my.ʁaɪ] Climb Up/Wall Climb Passagem de muros ou paredes "Chuta-se" a parede de forma que de impulso para cima e agarra-se com a(s) mão (s)e sobe-se o muro.
Passement [pas.mɑ̃] Vault Salto/Pulo Termo geral para sobrepor um obstáculo usando apenas os membros superiores.
Lâché /la.ʃe/ Dismount, swinging jump Desmonte Soltar-se de um lugar para cair em outro.
Demi-tour /də.mi.tuʁ/ Turn vault A partir da virada Saltar sobre o obstáculo e agarrar em duas mãos, e ficar do outro lado de forma que o corpo faça um giro de 180°, geralmente terminado em desmonte.
Saut contraire /so.kɔ̃.tʁɛʁ/ Reverse vault Passagem de obstáculo reversa Saltar sobre o obstáculo apoiando as duas mãos de forma que o corpo faça um giro de 360°.
Saut de chat /so.də.ʃa/ Cat leap Salto do gato Salto feito para se fixar em um lugar pendurando com as mãos.
Saut de bras /so.də.bʁa/ Cat jump/pass, (king) kong vault Pulo do gato Salto em que se "mergulha" sobre o obstáculo, em que as mãos, no fim, tocam o obstáculo e em seguida as pernas passam entre os braços e é feita a aterrissagem.
Saut de fond /so.də.fɔ̃/ Drop, kitty Drop, kitty Deixar o corpo cair levemente após um salto, geralmente em direção a um local mais baixo.
Saut de détente /so.də.de.tɑ̃t/ Gap jump Salto com distância Salto com velocidade de um local para outro ponto ou local, passando por uma "fenda", normalmente seguido de rolamento.
Saut de précision /so.də.pʁe.si.zjɔ̃/ Precision jump Salto de precisão Salto estático de um objeto para outro objeto ou ponto específico, geralmente uma borda ou lugar pequeno.
Planche /plɑ̃ʃ/ Muscle up ou climb-up Subida Subida usando os braços, sem ajuda das pernas, como o exercício de barra
Tic tac /tik.tak/ Tic tac Tic tac "Chuta-se" um obstáculo ou objeto, usando o impulso para atingir o segundo local, ou ainda, para um terceiro ou quarto.

Outros movimentos[editar | editar código-fonte]

David Belle o fundador do Parkour, no "The New Yorker Festival".
  • Kash Vault
  • Handed Vault
    • One Handed Vault
    • Two Handed Vault
  • Cat-To-Cat
  • Wallrun (corrida na parede)
  • Monkey (passar o corpo entre os braços, apoiando no obstáculo)
  • Monkey stall
  • Jump (saltar de um lugar para outro)
  • Big Jump (pulo alto)
  • Lazy vault
  • Lazy turn
  • Gate
  • Speed vault (um salto rápido e ágil)
  • Frog (pula-se se o obstáculo passa entre as pernas)
  • vault down (baseado no lazy vault)

Fusão de movimentos e avançados[editar | editar código-fonte]

Há também fusão de movimentos.

  • Monkey to Precision - consiste em um monkey com aterrissagem em precisão;
  • Monkey to Cat - um monkey visando terminar em um cat leap;
  • Diving Roll - rolamento mergulhado, em português.
  • Wallrun - To - Cat
  • Kong - to - precision consiste em um kong vault" com aterrissagem em precisão;
  • Double kong - apoio duas vezes das mãos no obstaculo.
  • Triple kong - apoio três vezes no obstaculo, e assim em diante.
  • Roullete - Rolamento para trás finalizando virando um 180.

Movimentos estéticos[editar | editar código-fonte]

São movimentos que têm sua utilidade questionada. Estão intimamente ligados ao Free running.

  • Dash Vault (com utilidade)
  • 360° Underbar (com utilidade)
  • 360° Catleap
  • Flip Vault (também mortal e back flip)
  • Reverse Vault (com utilidade)
  • Railspring
  • Handspring
  • Palmspin
  • Tic Tac 360°
  • Screwdriver (king kong acompanhado com giro 360°)
  • Butterfly (mortal com apoio da mão)
  • Dash bomb (dash acompanhado com um frontflip)
  • Backflip (mortal de costas)
  • Frontflip (mortal para frente)
  • Wall spin (giro em parede)
  • Fly dragon
  • Invert vault
  • Barell
  • Jump Cat 360º
  • Cat to cat

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r PEIXOTO, Bruno (9 de maio de 2014). «B13 - Banlieue 13 - #NEMFUDENDO». Gorila Branco 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ANGEL, Julie Margareth. [www.luminpdf.com/viewer/i569S3u5wJT6n5rHu Ciné Parkour: a cinematic and theoretical contribution to the understanding of the practice of parkour.]. Brunel University: Screen Media Research Centre, 2011. Página visitada em 19 de janeiro de 2017.
  3. SANTOS, Edilson Laurentino dos. [repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12843 A EDUCAÇÃO DO CORPO NAS DÉCADAS DE 30 E 40: fragmentos do Método Natural de Georges Hébert na Educação Física Brasileira.]. Recife: [s.n.], 2012. Página visitada em 19 de janeiro de2017.
  4. Press Association (10 de janeiro de 2017). [www.theguardian.com/sport/2017/jan/10/uk-first-country-recognise-parkour-sport «UK becomes first country to recognise parkour as a sport»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). The Guardian. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  5. [parkour.uk/full-application-submitted-for-recognition-with-the-uk-sports-councils/ «Full Application submitted for Recognition with the UK Sports Councils»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). parkouruk. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  6. [parkour.uk/parkour-freerunning-officially-recognised-as-a-sport/ «Parkour/Freerunning officially recognised as a sport!»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). parkouruk. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  7. [www.itv.com/news/2017-01-10/free-running-recognised-as-official-sport-in-britain-by-uk-sports-councils/ «Parkour recognised as official sport in Britain by UK Sports Councils»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). ITV News. 10 de janeiro de 2017 
  8. [www.bbc.com/sport/38567616 «United Kingdom first to recognise parkour as official sport»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). BBC Sport. 10 de janeiro de 2017. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  9. BRIGSTOCK-BARRON, Rory (10 de janeiro de 2017). [www.mirror.co.uk/sport/other-sports/parkour-now-officially-sport-after-9598198 «Parkour now officially a sport after United Kingdom becomes first country to recognise it»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). Mirror. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  10. [www.sportni.net/news/parkour-takes-giant-leap-to-become-officially-recognised-sport/ «Parkour takes Giant Leap to become Officially Recognised Sport»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). Sport Northern Ireland. 10 de janeiro de 2017. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  11. [www.independent.ie/world-news/and-finally/parkour-becomes-worlds-newest-sport-after-official-recognition-from-uk-35356759.html «Parkour becomes world's newest sport after official recognition from UK»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). Independent. 10 de janeiro de 2017. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  12. [www.afpe.org.uk/physical-education/parkourfreerunning-officially-recognised-as-a-sport/ «Parkour/Freerunning officially recognised as a sport»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). Association of Physical Education. 10 de janeiro de 2017. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  13. [www.blackmambaelite.com/2017/01/10/parkourfreerunning-officially-recognised-sport/ «Parkour/Freerunning officially recognised as a sport»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). BLACK MAMBA. 10 de janeiro de 2017. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  14. a b c d e f [parkourgenerations.com/parkours-road-recognition/ «Parkour's Road to Recognition»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). Parkour Generations. Consultado em 21 de janeiro de2017 
  15. TUBINO, Manoel José Gomes. [www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/123456789/130/livro%20tubino.pdf?sequence=5 ESTUDOS BRASILEIROS SOBRE O ESPORTE: ênfase no esporte-educação]. Maringá: Editora da Universidade Estadual de Maringá, 2010. Página visitada em 21 de janeiro de 2017.
  16. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s LA FAIGE, Sabine Gros. [www.luminpdf.com/viewer/LD5f8x55PFZ9ZyZ8B David Belle - PARKOUR]. França: [s.n.], 2009. Página visitada em 19 de janeiro de 2017.
  17. a b c d e CAMARGO, Leonardo (16 de dezembro de 2010). «1 parte - Entrevista de David Belle para Sebastien Foucan para o canal freerunningTV.com». Parkour Brazil 
  18. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x «Parkour Hystory». Parkour Generations. Consultado em 20 de janeiro de 2017 
  19. a b c d e f g ROCHA, Eduardo (1 de agosto de 2009). «David Belle - Eu Salto de Telhado em Telhado - 2009». Duddu Rocha 
  20. a b CAMARGO, Leonardo (18 de janeiro de 2011). «2 parte - Entrevista de David Belle para Sebastien Foucan para o canal freerunningTV.com». Parkour Brazil 
  21. a b c d e SOARES, Carmen Lúcia. (setembro de 2003). "[pulodogato.parkour.com.br/wp-content/uploads/2010/03/Georges-H%C3%A9bert-e-o-M%C3%A9todo-Natural.pdf GEORGES HÉBERT E O MÉTODO NATURAL: NOVA SENSIBILIDADE, NOVA EDUCAÇÃO DO CORPO]". Revista Brasileira de Ciências do Esporte 25 (1): 21-39. Visitado em 19 de janeiro de 2017.
  22. a b SOARES, Carmen Lúcia. (5 de março de 2015). "Uma educac¸ão pela natureza: o método de educac¸ão física de Georges Hébert". Revista Brasileira de Ciências do Esporte 37 (2): 151–157. DOI:http://dx.doi.org/10.1016/j.rbce.2014.11.016. Visitado em 19 de janeiro de 2017.
  23. ROCHA, Eduardo (7 de julho de 2013). «Russo morre treinando no topo de prédio». Pulo do Gato – Parkour no Brasil. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  24. «RUSSO MORRE TREINANDO FREE RUNNING». Parkour Brazil. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  25. [www.parkourbrazil.com/2013/09/praticantes-de-free-running-sao-baleados.html «PRATICANTES DE FREE RUNNING SÃO BALEADOS»] Verifique valor |url= (ajuda). Parkour Brazil. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  26. «Builder jailed for shooting two free runners climbing on roof he suspected of being burglars». DAILY MAIL REPORTER. 6 de novembro de 2013. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  27. STRETCH, Euan (7 de novembro de 2013). «Builder SHOT two free runners practising on rooftops he thought were burglars». Mirror news. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  28. AGENCIAS (7 de novembro de 2013). «Builder shot free runners on rooftop». The Telegraph. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  29. NOTÍCIAS AO MINUTO (3 de outubro de 2014). «Duplo de 'Hunger Games' morre em Lisboa ao saltar de varanda». NOTÍCIAS AO MINUTO. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  30. «Dublê de 'Jogos vorazes' morre ao pular entre dois prédios em Portugal». G1. 3 de outubro de 2014. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  31. «Dublê de 'Jogos vorazes' morre ao fazer salto de prédio». EXTRA. 3 de outubro de 2014. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  32. TSAGARI, Daphne (31 de outubro de 2014). «Youngster Dies While Parkouring in Thessaloniki». GREEK REPORTER. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  33. «Thessaloniki: Boy, 13, dies during Parkour jumping». Keep Talking Greece. 30 de outubro de 2014. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  34. «Morte de menino chama atenção para a prática do Parkour». FOLHA VITÓRIA. 30 de agosto de 2016. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  35. «Russo campeão de xadrez morre ao cair do 12º andar». Veja.com. 20 de novembro de 2016. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  36. «A trágica morte de campeão russo de xadrez que caiu de prédio ao praticar parkour». BBC BRASIL. 28 de novembro de 2016. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  37. G1 (4 de janeiro de 2017). [g1.globo.com/mundo/noticia/praticante-ingles-de-parkour-morre-em-acidente-no-metro-de-paris.ghtml «Praticante inglês de parkour morre em acidente no metrô de Paris»] Verifique valor |url= (ajuda). G1 mundo. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  38. G1 (5 de janeiro de 2017). [www.agoramt.com.br/2017/01/jovem-de-17-anos-praticante-de-parkour-morre-em-acidente-no-metro-de-paris/ «Jovem de 17 anos praticante de parkour morre em acidente no metrô de Paris»] Verifique valor |url= (ajuda). AGORA MATO GROSSO. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  39. «Praticante de parkour morre em acidente no metro de Paris» (em português (Portugal)). Diário de Notícias. 05 de janeiro de 2017. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  40. G1 (4 de janeiro de 2017). [www.reportersaopaulo.com.br/praticante-ingles-de-parkour-morre-em-acidente-no-metro-de-paris/ «Praticante inglês de parkour morre em acidente no metrô de Paris»] Verifique valor |url= (ajuda). REPÓRTER SÃO PAULO. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  41. JONES, Stephen (5 de janeiro de 2017). [www.mirror.co.uk/news/world-news/shocking-footage-parkour-group-riding-9567519 «Shocking footage of parkour group riding Paris metro a month before member Nye Newman killed in accident»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). MIRROR. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  42. OPPENHEIM, Maya (5 de janeiro de 2017). [www.independent.co.uk/news/people/nye-frankie-newman-dead-freerunner-parkour-paris-metro-death-dies-accident-train-surfing-claim-a7510551.html «Nye Frankie Newman dead: British freerunner dies in 'accident' on Paris metro»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). The Independent. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  43. PARRIS-LONG, Adam (4 de janeiro de 2017). [news.sky.com/story/british-freerunner-nye-frankie-newman-dies-in-accident-on-paris-metro-10717589 «British freerunner Nye Frankie Newman dies in 'accident' on Paris metro»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). SKY NEWS. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  44. NEWTON, Jennifer; SUMMERS, Chris (4 de janeiro de 2017). [www.dailymail.co.uk/news/article-4086792/British-freerunner-20-killed-accident-Paris-Metro-friends-deny-trainsurfing-died.html «Daredevil British freerunner, 17, was spotted between two wagons moments before he was killed on Paris Metro»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). DailyMailOnline. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  45. a b [irmaospiologo.com.br/category/videos/partoba/ «Partoba»] Verifique valor |url= (ajuda). Irmãos Piologo. desde 1995. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  46. PARKOUR VISIONS (15 de abril de 2013). «Leave No Trace» (parkourvisions.org/projects/leave-no-trace/) (em inglês). Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  47. GOWAN, Kurt (27 de abril de 2011). «Parkour on Campus- A Persuasive Essay» (em inglês). DeVry University: AMERICAN PARKOUR. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
  48. BAFFORD, Tenedra. [verticalfloormag.com/?p=72 «Without a Trace - A U.S. Forest Service slogan inspires traceurs to preserve their training grounds.»] Verifique valor |url= (ajuda) (em inglês). VERTICAL FLOOR. Consultado em 21 de janeiro de 2017 

Ligações externas

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Parkour
Wikilivros
O Wikilivros tem um livro chamado Parkour
Wikilivros
O Wikilivros tem um livro chamado Parkour