Parlamentarismo regencial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Parlamentarismo regencial é o sistema de governo que possui o Parlamento como instituição do governo e manutenção dos três poderes, e que possui um Regente vitalício que é um homem ou mulher do país que tenha preparo educacional e cultural suficiente para receber o Poder moderador do Estado, e fazer decisões no Estado sem burocracia, e quando necessário, intervir em questões do Poder executivo, Poder legislativo e Poder judiciário.

No parlamentarismo regencial, o Regente Vitalício não deve ser necessariamente um pertencente de uma família com títulos de nobreza, porém, precisa ter cultura e educação suficiente para fazer o Poder Moderador funcionar como um poder que intervenha no Estado de forma que melhore a qualidade de Vida e outras áreas do Estado.

Qualquer outro uso do Poder Moderador pelo Regente Vitalício é considerado crime contra a pátria, e em seu caso, leva à condenação de pena de morte ou prisão perpétua.

Portanto, no Parlamentarismo Regencial o Regente Vitalício deve, acima de tudo, atuar de forma que haja melhorias e principalmente, para impedir que os outros Poderes e seus representantes não façam o mesmo.

Educação do Regente Vitalício[editar | editar código-fonte]

O Regente vitalício deve ter o mínimo de educação que se pode considerar necessária para ter condições de governar com o Poder Moderador e usá-lo de forma que funcione como um poder que realmente equilibre as forças no Estado, e que haja seriedade nos serviços prestados pelos outros poderes.

Portanto, uma educação privilegiada é necessária, e somente com essa educação que se pode vir a se tornar o Regente Vitalício.

Poder Vitalício[editar | editar código-fonte]

Uma vez Regente Vitalício, o regente tem direito de permanecer em seu posto até a sua morte, porém, seu posto não é hereditário, e o outro Regente Vitalício será o que for claramente o mais preparado para desempenhar tal função.

Enquanto está no cargo, o Regente Vitalício deve usar o poder moderador que é reservado somente a ele para questões políticas, e para fazer decisões sem burocracia, evitando assim que os processos burocráticos atrasem decisões e conclusões.

O Regente pode também julgar um representante Parlamentar e expulsá-lo do Parlamento caso haja algum caso que essa ação seja necessária.

O uso do poder moderador em outras áreas que não seja a política é proibido, e caso haja algum caso desse tipo, o Regente Vitalício estará praticando um crime contra a pátria.

Parlamento[editar | editar código-fonte]

O Parlamento e suas funções são iguais ao Parlamentarismo e Parlamentarismo Monárquico, porém, sua atuação será complementada com o Regente Vitalício, e ambos terão como função zelar pelo funcionamento do Estado e a democracia e liberdade de seu povo, uma vez que o Parlamentarismo Regencial não tira o direito dos cidadãos do Estado como o direito de expressão e de informação e outros.

Onde o Sistema é adotado[editar | editar código-fonte]

O Parlamentarismo Regencial é uma ideia nova, e nenhum País no mundo usa esse sistema, porém, seu modo de Governo poderá agradar os adeptos de movimentos como pró-monarquia e pró-parlamentarismo e também agradar os que não participam destes movimentos mas zelam pela democracia e direitos de todo cidadão.

Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.