Parque Barigui

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Parque Barigui
Vista do Parque Bariqui com a cidade ao fundo.
Localização Santo Inácio e Bigorrilho, Curitiba, Brasil
Tipo Público
Área 1,4 milhão de metros quadrados
Inauguração 1972
Administração Prefeitura de Curitiba

O Parque Barigui (ü) é um parque urbano situado na cidade de Curitiba, capital do estado brasileiro do Paraná.

O parque é um dos maiores da cidade, sendo, também, um dos mais antigos, recebeu o nome do rio Barigui que passa em seu interior e foi represado para formar um grande lago.

O local possui uma via pública que corta o ambiente em duas seções: de um lado existe um bosque e trilhas no meio da mata[1] e do outro lado, o lago, que é habitado por um jacaré[2], assim como aves, capivaras e pequenos roedores.

História e a origem do nome[editar | editar código-fonte]

O parque no inverno
Vista do bar sobre o lago.
Vista do lago.
Geada no Parque Barigui.
Capivaras no Parque Barigui.

O parque foi criado em 1972 e projetado como um "parque linear" com a intenção de conter as enchentes e preservar a mata nativa da bacia do Rio Barigui na região[3].

Na época da fundação do povoado de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, a área aonde se encontra o parque era uma sesmaria pertencente a Baltasar Carrasco dos Reis e algum tempo depois Mateus Leme tomou posse de uma nova sesmaria nesta região[4].

Documentos antigos citam esta localidade com a denominação de Mariqui e o atual nome é uma referência ao próprio rio que atravessa o parque e que significa "rio do fruto espinhoso" em língua indígena, fazendo alusão ao fruto do pinheiro, ou seja, a pinha[5].

Uma tradução alternativa possível para o termo "barigui", no entanto, é "água de mosca", pela junção dos termos tupis mberu ("mosca")[6] e 'y ("água")[7].

Características[editar | editar código-fonte]

  • Área total: 1,4 milhão de metros quadrados.
  • Área do lago: 230 mil metros quadrados.
  • Heliponto.
  • Sanitários públicos e amplos estacionamentos para veículos.

Atrações[editar | editar código-fonte]

  • Pista de grande extensão, em volta do lago e outras partes, para caminhadas e corridas.
  • Equipamentos ao ar livre para ginástica e alongamento.
  • Quiosques com churrasqueiras.
  • Pistas de bicicross e aeromodelismo.
  • Canchas poliesportivas.
  • Pista exclusiva para bicicletas e patins, em volta do lago.
  • Trilhas para caminhadas por dentro dos bosques do parque.
  • Bares e restaurantes.
  • Academia de ginástica.
  • Museu do Automóvel de Curitiba.
  • Centro de Exposições de Curitiba: pavilhão com 10 mil metros quadrados de área e pé-direito de 6 metros, destinado a exposições e convenções.
  • "Salão de Atos" da prefeitura municipal.
  • Sede da "Secretaria Municipal do Meio Ambiente".

Usina hidroelétrica[editar | editar código-fonte]

No dia 4 de outubro de 2019 foi inaugurada uma mini usina hidroelétrica (denominada Usina Nicolau Klüppel, em homenagem ao engenheiro do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba) com capacidade para 21,6 mil kwh/mês. A usina foi instalada num desnível do Rio Barigui existente dentro do parque. Doada pela Associação Brasileira de Pequenas Centrais Hidrelétricas (ABRAPCH), a energia fornecida pela usina será o suficiente para cobrir metade dos custos de energia elétrica que o parque consume, ao mês.[8]

Referências

  1. Trechos do Parque Barigui viram locais de assaltos e prostituição Tribuna do Paraná - acessado em 4 de outubro de 2019
  2. Jacaré morador do Parque Barigui é monitorado por técnicos do Meio Ambiente Notícias Curitiba - acessado em 4 de outubro de 2019
  3. Fabiane Ziolla Menezes (9 de maio de 2010). «Parque Barigui: imóveis valorizados – Gazeta do Povo». Consultado em 9 de maio de 2010 
  4. Infografia Gazeta do Povo (9 de maio de 2010). «Saiba mais – veja mais informações sobre o Parque Barigui – Gazeta do Povo». Consultado em 9 de maio de 2010 
  5. Parque Barigui - dados IPPUC
  6. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 172
  7. http://www.fflch.usp.br/dlcv/tupi/vocabulario.htm
  8. Jornal Tribuna do Paraná (4 de outubro de 2019). «Usina instalada no lago produz metade da energia consumida pelo Parque Barigui». Consultado em 4 de outubro de 2019