Parque Estadual Dunas de Natal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para o conjunto habitacional de Natal, veja Pajuçara (Natal). Para o parque de Salvador, veja Parque das Dunas (Salvador).
Parque das Dunas
Logo do Parque das Dunas
Localização do Parque das Dunas (área verde) em Natal.
Localização Av. Alm. Alexandrino de Alencar, s/n, Tirol, Natal, RN,  Brasil
Tipo Público
Área 1.172 hectares
Inauguração 22 de novembro de 1977 (38 anos)
Administração Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente

O Parque Estadual Dunas de Natal "Jornalista Luiz Maria Alves", mais conhecido simplesmente como Parque das Dunas ou Bosque dos Namorados, é uma reserva de 1.172 hectares de Mata Atlântica situada no coração da cidade de Natal, capital do estado brasileiro do Rio Grande do Norte.[1] É administrado pelo Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente (Idema).[2]

Criado através do Decreto Estadual nº 7.237 de 22 de novembro de 1977, o Parque das Dunas foi a primeira unidade de conservação ambiental implantada no estado do Rio Grande do Norte. É parte integrante da reserva da biosfera da Mata Atlântica reconhecida pela UNESCO e, por isso, declarada Patrimônio Ambiental da Humanidade. O parque distribui-se por vários bairros da zona sul e leste da cidade, se estendendo ao longo da Via Costeira, onde abriga também o Centro de Convenções de Natal.

Considerado o segundo maior parque urbano do Brasil[3] [4] [5] (superado apenas pela Floresta da Tijuca), exerce uma grande importância na regulação do clima local, contribuindo com a recarga do aqüífero subterrâneo, fixação das dunas e purificação do ar, além de ser uma paisagem belíssima para a cidade.

Foi eleito o 5º melhor parque da América do Sul para se visitar em 2013, segundo o site de viagens TripAdvisor.[6]

História[editar | editar código-fonte]

Vista aérea da cidade com o Parque das Dunas em destaque (grande área verde próxima ao oceano).

O parque foi construído pelo governador Cortez Pereira, que buscava dotar a capital do Rio Grande do Norte de locais agradáveis para os turistas.[7]

O terreno era de propriedade pública e utilizado pela CAERN, a Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte, até aquele momento. O bosque foi finalmente inaugurado em 1975, já no final do mandato de Cortez Pereira, e foi projetado pelo arquiteto Aírton Vasconcelos.[7]

Na década de 1990, o parque seria restaurado na gestão do governo Garibaldi Alves.[7]

Atrativos[editar | editar código-fonte]

Entrada do Bosque dos Namorados.

O acesso ao Parque das Dunas se dá pelo Bosque dos Namorados, que tem uma área de aproximadamente 7 hectares com mais de 1300 árvores representando 50 espécies nativas da Mata Atlântica. São diversos os atrativos que se pode conhecer através do Bosque dos Namorados.

Trilhas[editar | editar código-fonte]

Existem três trilhas no Parque das Dunas, divididas por níveis de dificuldade, e que permitem ao visitante conhecer um pouco mais sobre a fauna e a flora do parque. São elas:

  • Trilha Perobinha, com extensão de 800 metros e duração de 40 minutos, recomendada para crianças a partir de 5 anos de idade e adultos sedentários.
  • Trilha Peroba, com percurso de 2.400 metros e duração aproximada de 1 hora e 30 minutos, recomendada para adolescentes e adultos.
  • Trilha Ubaia-Doce, com extensão de 4.400 metros e duração de 2 horas e 30 minutos, recomendada para pessoas com bom preparo físico.

Centro de visitantes[editar | editar código-fonte]

Vista das dunas pelas trilhas.

O Centro de Visitantes é o local de informação e orientação de todas as atividades do parque. O Centro ainda abriga a Administração do parque, auditório, sala de exposição, enfermaria e lanchonete, além da Biblioteca Luiz Emigdio de Mello Filho, especializada na área de meio ambiente.

Centro de pesquisa[editar | editar código-fonte]

Centro de pesquisas

O Centro de Pesquisa é formado por pesquisadores e estagiários das áreas de ciências biológicas e possui dois laboratórios: um de botânica, composto por herbário, carpoteca e xiloteca, e um de zoologia, contendo exemplares de animais conservados em vidros com álcool e formol ou empalhados, viveiros com cobras e aranhas, além de informações sobre a biodiversidade do parque.

Próximo ao Centro de Pesquisa existe ainda a Unidade de Mostra de Vegetação Nativa das Dunas, que dispõe de canteiros com exemplares de orquídeas, bromélias, aráceas e cactáceas, entre outras, alem do Viveiro Parque das Dunas, com produção de mudas de árvores nativa para plantio no parque e doação a escolas.

Parque infantil[editar | editar código-fonte]

Flora do Parque das Dunas.

Situado bem no meio do Bosque dos Namorados, o parque infantil contava com 20 brinquedos educativos que atende as crianças de diversas faixas etárias. Os brinquedos foram retirados para a compra de novos. Foram construídos caminhos pela área para pedestres, divididos entre a "trilha dos répteis" e a "trilha das aves", identificáveis pelos desenhos em mosaico ao longo de cada um.

Além dos brinquedos, existe também uma área com várias mesas para piquenique e uma área de jogos com mesas para damas e xadrez, um anfiteatro ao ar livre para eventos e um lago artificial.

Oficina de educação ambiental[editar | editar código-fonte]

A Oficina de Educação Ambiental e Artes busca ampliar o conhecimento sobre o meio ambiente, tanto dos visitantes quanto dos moradores das proximidades do parque, através de atividades artísticas, lúdicas e culturais.

Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SOUZA, Itamar. Nova História de Natal. 2 ed. Natal: Departamento Estadual de Imprensa, 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]