Parque da Mônica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Parque da Monica)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Parque da Mônica
Localização São Paulo, SP,
Curitiba, PR,
Rio de Janeiro, RJ
 Brasil
Website www.parquedamonica.com.br
Proprietário Maurício de Sousa Produções
Aberto em 10 de janeiro de 1993 (Shopping Eldorado)
18 de julho de 1998 (Shopping Estação)
10 de novembro de 2000 (Shopping Città América)
4 de julho de 2015 (Shopping SP Market)
Fechado em 16 de fevereiro de 2010 (Shopping Eldorado)
2000 (Shopping Estação)
19 de janeiro de 2005 (Shopping Città América)
Antigos nomes Parque do Gugu e O Mundo da Xuxa (Shopping SP Market)
Área 10.000m² (Shopping Eldorado)
6.000m² (Shopping Estação)
10.000m² (Shopping Città América)
15.000m² (Shopping SP Market)
Atrações 20 (Shopping Estação)
30 (Shopping Città América)
22 (Shopping SP Market) no total
1 (Shopping SP Market) montanhas-russas

O Parque da Mônica é um parque de diversão temático com os personagens criados por Maurício de Sousa. O primeiro parque havia sido idealizado por Maurício em 1993 no Shopping Eldorado paulistano, tendo funcionado até fevereiro de 2010 ao encerrar definitivamente as suas atividades devido a problemas contratuais com os administradores do shopping e a dívidas.[1] Desde então, Maurício esteve em negociações para reabrí-lo em outro local.[2] Um novo Parque abriu no Shopping SP Market no dia 4 de julho de 2015,[3] na localização do extinto O Mundo da Xuxa.[4] Em 17 anos de atividades, até 2010, o parque recebeu mais de 9 milhões de visitantes. [5]

Além do parque paulistano, já houve duas filiais: uma no shopping Città América carioca que funcionou de 2000 a 2005, e outra no Shopping Estação curitibano que funcionou de 1998 a 2000. Houve também um parque menor chamado Estação Turma da Mônica, inaugurado em 2004 em Campinas.[6] Além dos parques no Brasil, Maurício abriu em 2010 a primeira filial internacional do parque na cidade de Luanda, capital de Angola.

Foi lançado também em 1993, em conjunto com o primeiro parque um gibi mensal cuja primeira história de cada revista se passava no parque, a Revista Parque da Mônica.[7] A publicação também era utilizada para divulgar as novidades e novas atrações do parque. Após a mudança para a editora Panini em 2007, o gibi passou a se chamar Turma da Mônica: Uma aventura no Parque da Mônica.[8] Com o fim do estabelecimento no Shopping Eldorado, a revista mudou de nome mais uma vez para apenas Turma da Mônica e as histórias de abertura deixaram de ser ambientadas no parque.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Shopping Eldorado (1993-2010)[editar | editar código-fonte]

Ao criar o Parque da Mônica, Maurício de Sousa tinha o propósito de trazer de volta o "quintal perdido" de antigamente, ainda que com árvores e grama de plástico, para as crianças habituadas ao pouco espaço para brincar de uma metrópole como a cidade de São Paulo.[9][10] O parque abriu no Shopping Eldorado no dia 10 de janeiro de 1993, foi o primeiro parque temático e indoor do Brasil, naquela época o ingresso custava cerca de US$ 8 (Cr$ 112 mil).[11][12] O investimento inicial foi de US$ 10 milhões.[13] Além da Maurício de Sousa Produções, a RTS Empreendimentos e Participações cuidava da administração do parque e nos primeiros anos a Rede Globo fez parte da sociedade.[14][15] O parque ocupava uma área interna de 10 mil metros quadrados divididos em 3 pisos, dos quais 1.000 m² da área central recebiam iluminação natural; tinha capacidade para 2.500 pessoas.[9][16] Uma média de 50 mil pessoas por mês visitavam o parque, sendo que 62% do público vinha da cidade de São Paulo, 16% da Grande São Paulo, 14% do interior paulista e 8% de outros estados.[16] Um total de 200 funcionários trabalhavam no local. Além das atrações, o parque também promovia eventos diversos, principalmente nas épocas de Natal, festas juninas, Carnaval e férias.[carece de fontes?]

No dia 16 de fevereiro de 2010, o parque abriu pela última vez no Shopping Eldorado.[2] Alguns meses antes, fora anunciado que o Parque da Mônica não teria mais seu espaço no shopping. Em nota, foi dito que o parque não atendia mais a expectativas do shopping e que este buscava alternativas para atrair consumidores mais atualizados. Durante uma entrevista para o jornal Folha de S.Paulo, em 2013, Maurício de Sousa revelou que outro fator que o levou a fechar o parque foi a dívida gerada para montá-lo.[17] No ano de seu fechamento ela chegava a 40 milhões de reais, por causa de juros e impostos. Ainda que o parque se pagasse e operasse no azul, apenas em 2007 a receita fora de 15 milhões de reais,[16] o lucro não era o bastante para pagar essa dívida. Entretanto, após renovar sua equipe e com um programa de recuperação fiscal do governo brasileiro, Maurício de Sousa conseguiu regularizar a situação de sua empresa.[18] Posteriormente, a administração do shopping cedeu a área para a rede internacional de parques temáticos Kidzania.[19]

Desde o fechamento do parque, alguns brinquedos estiveram disponíveis em alguns shoppings por tempo determinado, em um revezamento. Alguns brinquedos dos levados a outros shoppings foram o Carrossel do Horácio, a Cidade dos Carrinhos, o Bate-Pneu e a Fórmula Zuum.[20]

Shopping SP Market (2015-presente)[editar | editar código-fonte]

Em 5 de março de 2015, foi noticiado que o novo Parque da Mônica reabriria no Shopping SP Market. O parque substituiu O Mundo da Xuxa, que fechara no começo do mesmo ano.[21] O novo empreendimento é uma parceria entre o Grupo São Joaquim, que administra o Shopping SP Market e a Maurício de Sousa Produções, com direção de Mauro Sousa, filho de Maurício.[22][23] Para o novo parque, foi feito um investimento de cerca de R$ 38 milhões para compra de novas atrações e reforma das antigas e do local.[23] Maurício e a equipe responsável por criar o novo parque mantiveram a proposta original de ser um lugar para trazer de volta o quintal de antigamente, buscando um lugar com menos foco em tecnologia, onde crianças possam correr e se exercitar.[24] Manteve-se também o conceito de ser um parque voltado para toda a família, com atrações interativas e educativas.[23] Por ocupar uma área superior a 15.000 m² (50% maior do que a área do anterior), o novo parque é considerado o maior parque temático coberto da América Latina e pode receber ao mesmo tempo até 3.000 visitantes.[25] A inauguração ocorreu em 4 de julho de 2015 com uma cerimônia de abertura e a presença de Maurício de Sousa com a sua família, representantes do Grupo São Joaquim e convidados para conhecer e experimentar as atrações do novo parque.[26] No dia seguinte, 5 de julho de 2015, o parque abriu para o público geral.[25]

Atrações[editar | editar código-fonte]

O parque possui atualmente 22 atrações, sendo elas:

  • Vila da Mônica: formada pelas atrações Casa da Mônica, onde é possível andar por ambientes da residência da personagem, Quarto do Cebolinha, a Piscina de Bolinhas do Cascão, a Cozinha da Magali e o Ateliê da Marina. Além disso, nesta área existem alguns quiosques que vendem alimentos e outros itens.[27][23]
  • Roda-Gigante da Turma: uma pequena roda-gigante com 6 gôndolas para 4 pessoas cada. Está localizada no meio da Vila da Mônica.[27][23]
  • Montanha-Russa do Astronauta: uma montanha-russa familiar de aço, fabricada pela Intamin AG. O trem possui 12 carros, com 2 pessoas em cada um, podendo chegar a até 40 quilômetros por hora. Os trilhos têm uma extensão total de 320 metros, atingindo 9,5 metros de altura no ponto mais alto.[28][27][23]
  • Horacic Park: brinquedo do tipo Splash em que os visitantes passeiam a bordo de barcos que percorrem o ambiente pré-histórico dos personagens da Turma do Horácio.[27][23]
  • Parquinho: atração tematizada com os personagens da Turma da Mônica Baby com atividades para crianças menores de 3 anos, que proporcionam a interação com os pais e o estímulo motor e cognitivo.[27][23]
  • Carrossel da Mata: carrossel tematizado com os personagens da Turma da Mata.[27][23]
  • Ce-bolinhas: os participantes devem atirar bolinhas macias e coloridas nos alvos e nos outros jogadores.[27][23]
  • Pescaria do Chico: brinquedo giratório com assentos em forma de peixe.[27][23]
  • Engenheiros do Parque: crianças podem brincar de construir com tijolos de espuma.[27][23]
  • Escalada do Piteco: parede de escalada para até cinco crianças tematizada com a Turma do Piteco.[27][23]
  • Brinquedão da Turma do Chico Bento: um percurso que conta com redes para escalada, túneis e um escorregador.[27][23]
  • Posto do Bidu: atração onde as crianças podem andar em carrinhos.[27][23]
  • Trombada do Louco: atração com o bate-bate clássico.[27][23]
  • Castelo de Príncipes e Princesas: local onde as crianças podem se fantasiar com personagens dos contos de fadas. Atração paga à parte.[27][23]
  • Vale dos Dinossauros: percurso que passa por cima da atração Horacic Park.[27][23]
  • Palco de eventos: espaço para espetáculos ao vivo com os personagens da Turma da Mônica.[27][23]

O Parque da Mônica oferece muitos pontos de alimentação,além de uma loja interna do McDonald's, sendo a única loja da rede no Brasil,que oferece como itens de seu cardápio: pipoca e cachorro-quente.Dentre as outras opções,existe um "food truck" de itens naturas da Go Natural. Existe também a Frutaria da Magali que disponibiliza diversas opções de refeições com frutas,juntamente a isto também existem opções temáticas relacionadas a diversos personagens da Turma.[29]

Outras localidades[editar | editar código-fonte]

Curitiba (1998 - 2000)[editar | editar código-fonte]

Inaugurado em 18 de julho de 1998, no Shopping Estação (que naquela época se chamava Estação Plaza Show), a primeira filial do parque tinha uma área total de 6 mil metros quadrados e 20 atrações.[30][31] O parque era dividido em três áreas temáticas: Mundo Divertido, Mundo Curioso e o Mundo dos Quadrinhos. Algumas das atrações incluíam: Trem do Penadinho, Teatro, o Brinquedão, Laboratório do Franjinha, Bate-Pneu, Karaokê, o Informágica (jogos de video-game) e ainda as casas da Mônica, do Cascão, do Cebolinha, da Magali e do Do Contra.[31][32] Os ingressos custavam 15 reais para pessoas de até 12 anos, 12 reais entre 13 e 20 anos e 5 reais para aqueles com mais de 20 anos.[30] O parque fechou em 2000.

Rio de Janeiro (2000 - 2005)[editar | editar código-fonte]

No dia 10 de novembro de 2000, foi aberta uma filial do Parque da Mônica no Rio de Janeiro, no Shopping Città América, na Barra da Tijuca.[33] O empreendimento foi uma sociedade entre a Maurício de Sousa Produções, a Rede Globo e o Grupo Agenco/Opportunity, com um investimento inicial de 10 milhões de reais.[34] Assim como sua versão de São Paulo, o parque carioca era todo coberto e climatizado, dispunha de 10 mil m² de área de lazer, além de lojas, lanchonetes, fraldário e ambulatório. Com um foco na faixa etária de 1 a 12 anos, entre as 26 atrações disponíveis estavam a Casa da Mônica, Casa do Cebolinha, do Cascão, da Magali, do Louco , do Franjinha , do Nimbus e do Do Contra, Casa na Árvore do Cebolinha, Bolo da Magali , Bate-Pneu, Trem do Penadinho, Palco de eventos, Praça da Turma , Quintal da Turma, Cinema 3D, Estúdio de TV, Postinho do Bidu, Brinquedão Aquático do Cascão, Sala Cibernética, Teatrinho de Fantoches, Vila da Mônica, Cidade dos Carrinhos e Games do Astronauta.[35] Na época da abertura do parque o valor dos ingressos era de 20 reais para crianças e 14 reais para adultos.[33] Em 2001 aconteceu um acidente no parque: o Aerotrem, um pequeno trem suspenso que era uma das principais atrações, caiu sobre o Bate-bate e feriu 17 crianças, duas delas de forma grave. O parque abriu novamente alguns dias após a retirada da atração defeituosa. Apesar do parque operar no vermelho desde a inauguração, ele continuou funcionando por mais quatro anos até que os sócios (que não eram os mesmos da unidade de São Paulo) resolveram retirar seus investimentos. Em 19 de janeiro de 2005, o Parque da Mônica fechou as portas no Rio.[9][36]

Campinas (2004 - ?)[editar | editar código-fonte]

Este era um miniparque indoor que iniciou suas operações em 9 de julho de 2004 no Shopping Campinas em Campinas, São Paulo. Foi feito um investimento de 1,5 milhão de reais no empreendimento.[6] O parque foi instalado em uma réplica de uma estação de trem que foi construída na parte externa do centro comercial, com uma área total de 1,2 mil metros.[37] Havia mais de 15 atrações voltadas ao público infantil, alguns exemplos eram o Labirinto do Louco, a Minicidade dos Carrinhos, o Postinho do Cebolinha, o Brinquedão do Horácio e o Engenheiros.[38] A estação Turma da Mônica encontra-se fechada atualmente.

Luanda, Angola (2010 - ?)[editar | editar código-fonte]

Em 2010, a Maurício de Sousa Produções inaugurou a primeira filial internacional do Parque da Mônica na cidade de Luanda, capital de Angola. O empreendimento foi licenciado para investidores locais, com custo de implantação estimado em 8 milhões de reais.[39][40] Instalada no Shopping Belas, essa filial do parque tinha cerca de 600 metros quadrados,[41] algumas das atrações eram o Spacebus, o Barcossauro, uma espécie de barco viking, e jogos eletrônicos da Turma da Mônica. Havia ainda uma versão reduzida do Brinquedão e do Engenheiros.[39] Aparentemente essa filial também fechou alguns anos depois de sua abertura, já que seu site oficial foi desativado e no momento não existem informações sobre a Pracinha da Turma da Mônica no site do Shopping Belas.

Referências

  1. Morris Kachani (28 de julho de 2013). «Mauricio de Sousa conta como deu a volta por cima após Dividas com Parque da Mônica». Consultado em 10 de março de 2015 
  2. a b «Parque da Mônica, sucesso dos anos 90, encerra atividades». Guia da Folha Online. 16 de fevereiro de 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2010 
  3. «Criançada feliz, Parque da Mônica vai voltar». Estadão. 6 de março de 2015. Consultado em 7 de março de 2015 
  4. «Parque da Mônica será reaberto em shopping da Zona Sul de SP». G1. 6 de março de 2015. Consultado em 7 de março de 2015 
  5. Bárbara Öberg (1 de junho de 2017). «Parque da Mônica reabrirá em shopping. Relembre as principais atrações». Consultado em 13 de junho de 2018 
  6. a b «Parque da Mônica será aberto no dia 9 de julho». 2 de julho de 2004. Consultado em 14 de março de 2015 
  7. «Leve meu parque para sua casa (Divulgação, pg18)». O Globo (22/01/1993) 
  8. «Turma da Mônica Aventura no Parque da Mônica - ed. 40». Consultado em 14 de março de 2015 
  9. a b c Cíntia Costa. «História do Parque da Mônica». Consultado em 10 de março de 2015 
  10. Cyntrão, Rita. «Crianças: sozinhas e muito felizes». O Globo (28/01/1993) 
  11. «Parque da Mônica. Nossa história. (Wayback Machine)». Consultado em 11 de março de 2015 
  12. «Parque da Mônica». Folha de S.Paulo (07/01/1993) 
  13. «Turma da Mônica». Folha de S.Paulo (28/11/1992) 
  14. Morris Kachani (28 de julho de 2013). «Mauricio de Sousa conta como deu a volta por cima após Dividas com Parque da Mônica». Consultado em 10 de agosto de 2014 
  15. Elaine Cotta (11 de fevereiro de 2010). «Mauricio de Sousa fecha Parque da Mônica sem definir novo local». Consultado em 14 de março de 2015 
  16. a b c Cíntia Costa. «Parque da Mônica em números.». Consultado em 14 de março de 2015 
  17. Morris Kachani (28 de julho de 2013). «Mauricio de Sousa conta como deu a volta por cima após Dividas com Parque da Mônica». Consultado em 10 de março de 2015 
  18. Morris Kachani (28 de julho de 2013). «Mauricio de Sousa conta como deu a volta por cima após Dividas com Parque da Mônica». Consultado em 10 de março de 2015 
  19. «Espaço do antigo Parque da Mônica dá lugar a parque infantil educativo». 19 de dezembro de 2014. Consultado em 11 de março de 2015 
  20. «Parque da Turma da Mônica chega ao Monte Carmo». Consultado em 10 de março de 2015 
  21. Meriane Morselli (5 de março de 2015). «Parque da Mônica vai reabrir no Shopping SP Market». Consultado em 10 de março de 2015 
  22. «'Falta espaço para crianças brincarem em SP', diz filho de Mauricio de Sousa - 10/05/2015 - sãopaulo - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 19 de julho de 2015 
  23. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s «» Mauricio de Sousa anuncia a inauguração do novo Parque da Mônica para junho deste ano». Turma da Mônica. Consultado em 19 de julho de 2015 
  24. «Parque da Mônica não será altamente tecnológico, diz Mauricio de Sousa - 28/04/2015 - Folhinha - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 19 de julho de 2015 
  25. a b «» O novo Parque da Mônica já está aberto!». Turma da Mônica. Consultado em 19 de julho de 2015 
  26. «Mauricio de Sousa inaugura o novo Parque da Mônica». Consultado em 19 de julho de 2015 
  27. a b c d e f g h i j k l m n o p «Parque da Mônica». Parque da Mônica. Consultado em 19 de julho de 2015 
  28. «O Mundo da Xuxa - Parque da Mônica (São Paulo, São Paulo, Brazil)». rcdb.com. Consultado em 19 de julho de 2015 
  29. [1]
  30. a b «A viagem». Consultado em 10 de março de 2015 
  31. a b «Pais também podem brincar.». Folha de S.Paulo. Folhinha. (25/07/1998) 
  32. «Parque da Mônica Curitiba (Wayback Machine)». Consultado em 10 de março de 2015 
  33. a b Berta, Ruben. «Com as portas abertas para a garotada». O Globo (09/11/2000) 
  34. Moragas, André. «Rio vai ganhar parque temático da Turma da Mônica no mês de Maio». O Globo (13/01/2000) 
  35. «Parque da Mônica - RJ». Turismo em Números. Consultado em 10 de março de 2015 
  36. «Cebolinha, adeus». O Globo (20/01/2005) 
  37. «Entrevista com Maurício de souza». Consultado em 14 de março de 2015 
  38. Gustavo Brigatti. «Parque temático no Campinas Shopping pretende animar as férias da garotada». Consultado em 14 de março de 2015 
  39. a b «Maurício de Sousa leva a Mônica a Angola.». 29 de outubro de 2010. Consultado em 11 de março de 2015 
  40. «Maurício de Sousa ao vivo». 22 de outubro de 2010. Consultado em 11 de março de 2015 
  41. «'Parque da Mônica' ganhará versão na capital angolana». 15 de fevereiro de 2008. Consultado em 11 de março de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]