Patriota (Brasil)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Partido Ecológico Nacional)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Patriota
"Brasil acima de tudo, Deus acima de todos"
Número eleitoral 51
Presidente Adilson Barroso
Fundação 9 de agosto de 2011 (7 anos)
Registro 19 de junho de 2012 (6 anos)[1]
Sede Barrinha, SP
Ideologia
Espectro político Extrema-direita[6][7]
Religião Cristianismo[8]
Membros  (2016) 68 687[9]
Deputados federais (2014)[10]
5 / 513
Deputados estaduais (2014)
15 / 1 060
Cores
Página oficial
patriota51.org.br
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

O Patriota (PATRI) é um partido político brasileiro. Obteve seu registro definitivo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 19 de junho de 2012. Seu código eleitoral é o 51.[11] Em 2017, após enquete eletrônica, o comando nacional do partido deixou a designação de fundação Partido Ecológico Nacional (PEN),[12][13][14] renomeação esta autorizada pelo TSE em 26 de abril de 2018.[15]

Junto com o PRTB e o PSL ,é considerado um dos poucos partidos de Extrema-direita do Brasil.[16]

História

O partido foi fundado em 9 de agosto de 2011. O presidente do Partido está ligado à Assembleia de Deus.,[17] mas o Partido acolhe filiados de todos os credos. Para a eleição presidencial de 2014, o partido tinha interesse em atrair a candidatura de Marina Silva, caso o registro do partido REDE Sustentabilidade não obtivesse sucesso. Entretanto, a política optou pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), uma vez que seu partido somente obteve o registro eleitoral no Tribunal Superior Eleitoral no ano seguinte.

Consequentemente o partido acabou entrando para a coalizão Muda Brasil, liderada pelo PSDB, partido do então candidato a presidência Aécio Neves e naquele ano o PEN só conseguiu eleger dois parlamentares e Adilson Barroso, presidente e fundador do partido, não conseguiu o número necessário de votos para se eleger ao cargo de deputado federal.[18][19]

Em 2016, o Partido Ecológico Nacional protocolou ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a prisão em segunda instância, como também fez a Ordem dos Advogados do Brasil. O entendimento favorável à possibilidade de prisão obtido em fevereiro foi mantido em outubro, ou seja, foi aprovado em duas ocasiões por maioria dos ministros.[20] A sentença foi vista pela sociedade como uma aliada na luta contra a impunidade,[21][22] tendo apoio da Associação dos Juízes Federais do Brasil, Associação Nacional dos Procuradores da República, Associação dos Magistrados do Brasil, Procuradoria-Geral da República, juiz federal Sérgio Moro e procuradores da Operação Lava Jato.[23][24]

Logo do partido antes de mudar de nome

No segundo semestre de 2017, após o Partido Social Democrata Cristão (PSDC) negar interesse em filiar o político Jair Bolsonaro, este e o partido anunciaram a filiação dele ao PEN. Somado a isso, foi posta no perfil do partido no Facebook uma enquete para sugerir um novo nome para o PEN. Dentre as cinco opções dadas, havia a continuação do nome, a homenagem ao Partido de Reedificação da Ordem Nacional (PRONA) e outras três novas denominações: Pátria Amada Brasil (PAB), Patriotas e Republicanos.[19][25] Em 10 de agosto o comando nacional optou pela nova denominação: Patriota.[12] Em 26 de setembro de 2017, o PEN entrou com pedido de alteração de nome e sigla junto ao TSE.[26][27] A autorização pelo TSE foi obtida em 26 de abril de 2018 e em rejeição à contestação da organização política Patriotas (de sigla PATRI também) que busca registrar-se como partido político no tribunal.[15][28][29]

Após um conflito interno, em janeiro de 2018 Jair Bolsonaro desistiu de se filiar ao Patriota e optou por se filiar ao Partido Social Liberal, apesar disso o partido manteve a proposta de mudança de nome e estatuto,além do partido ter falado na possibilidade de dois outros membros do partido se candidatarem a presidência da república,estes incluem o próprio Adilson Barroso e o cirurgião plástico Dr Rey, filiado ao partido desde 2014.[30] Em 2018, o partido anunciou a pré-candidatura do ex-bombeiro e deputado Cabo Daciolo à presidência[31] .

Organização

Programa partidário

Originalmente fundado em 2011 como um partido de ambientalista, o partido mudou completamente suas ideologias e convicções, para atender as vontades políticas de Jair Bolsonaro e de seus filhos.[14] Em seu estatuto, o partido posiciona-se contra o aborto, a legalização das drogas e a favor da redução da maioridade penal e do uso de armas de fogo.[32]

O partido também defende o aumento no investimento das forças armadas e a segurança publica e a adoção do modelo econômico Liberal para ajudar no desenvolvimento econômico do país .[33] O Patriota também defende o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel e uma aproximação ainda maior do Brasil nas relações diplomáticas com Israel.[34]

Com a candidatura de Cabo Daciolo,deputado conhecido por suas posições extremamente radicais ,o partido adotou uma nova agenda religiosa e militarista ,se posicionando fortemente contra o estado laico e pela substituição da constituição de 1988 por uma nova constituição de caráter religioso[35].

Controvérsias

Nome e estatuto

Logo após a instituição do novo estatuto partidário do Patriota, muitos políticos e militantes não concordaram com alguns preceitos. O deputado Walney Rocha (PEN-RJ) e o deputado Júnior Marreca (PEN-MA), este último aliado do governador do Maranhão Flávio Dino (PCdoB), atacou a regra que proibia que candidatos do partido se aliassem com partidos de extrema-esquerda, e chegaram a protocolar uma ação judicial que barrava a instituição do novo estatuto.[36] O novo nome do partido também gerou controvérsias, principalmente porque já existia um partido em formação chamado "Patriotas" no plural, o que levou muitos internautas a acessarem o site do Patriotas achando que era do Patriota. Essa confusão levou o fundador do partido em formação a entrar com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral para tentar impedir a renomeação do partido.[36]

Participação e desempenho eleitorais

Eleições gerais de 2014

O PEN apoiou o candidato Aécio Neves (PSDB) à presidência da República, compondo a coligação Muda Brasil com as siglas PMN, SD, DEM, PTN, PTB, PTC e PTdoB. A candidatura ficou em segundo lugar no primeiro turno, obtendo 34 897 211 votos (33,55%). No segundo turno, numa disputa acirrada, Aécio obteve 51 041 155 votos (48,36%), perdendo para Dilma Rousseff do PT e da coligação Com a Força do Povo.[carece de fontes?]

A partir das eleições gerais de 2014, o PEN conseguiu eleger dois deputados federais em todo o país, sendo os dois deputados no estado do Maranhão, André Fufuca e Júnior Marreca.[37]

Já para o cargo de deputado estadual, o PEN elegeu 15 nomes em todo o país em 2014, sendo quatro pelo estado da Paraíba: Dr Bruno Gonçalves (CE), Luzia de Paula (DF), Dr. Rafael Favatto (ES), Feliciano Filho (SP), Paulo Correa Jr (SP), Raimundo Santos (PA), Branco Mendes (PB), Edmilson Soares (PB), Ricardo Marcelo (PB), José Aldemir (PB), Laerte Gomes (RO), Ricardo Rios (MA), Fred Costa (MG), Lidio Lopes (MS) e Odilon (RR).[38]

Nas eleições estaduais, o PEN participou de várias coligações amplas, ajudando a eleger onze governadores e nove senadores de diversos partidos, que compõem o governo federal ou que fazem oposição a ele.

Candidatos majoritários apoiados pelo PEN em 2014[39]
Legenda: em azul estão os candidatos eleitos.
UF Governador e vice Senador Coligação
AC Tião Viana (PT) Perpétua Almeida (PCdoB) PEN / PDT / PRB / PT / PSL / PTN
PSDC / PHS / PSB / PRP / PPL
PCdoB / PROS / PTB
Nazaré Araújo (PT)
AL Coronel Goulart (PEN) Coronel Brito (PEN) PEN
Capitão Bulhões (PEN)
AM José Melo (PROS) Omar Aziz (PSD) PEN / PV / PROS / PSL / PTN
PRP / PSDB / PRTB / PHS / PTC
DEM / PR / PSC / PSD / SD / PTdoB
Henrique Oliveira (SD)
AP Bruno Mineiro (PTdoB) Promotor Moisés (PEN) PEN / PV / PTdoB / PRB / PR
PHS / PROS / PSDC / PTN
Aline Gurgel (PR)
BA Tadeu da Luz (PRTB) Marcelo Evangelista (PEN) PEN / PRTB
Antônio Neto (PRTB)
CE Camilo Santana (PT) Mauro Filho (PROS) PEN / PV / PP / PDT / PT / PTC / SD
PTB / PRB / PSL / PHS / PMN / PSD
PTdoB / PROS / PRTB / PPL / PCdoB
Izolda Cela (PROS)
DF Agnelo Queiroz (PT) Geraldo Magela (PT) PEN / PT / PP / PMDB / PRB / PHS
PRP / PPL / PTN / PTdoB / PSC
PV / PROS / PTC / PSL / PCdoB
Tadeu Filippelli (PMDB)
ES Paulo Hartung (PMDB) Rose de Freitas (PMDB) PEN / PMDB / SD / DEM
PSDB / PROS / PRP
César Colnago (PSDB)
GO Marconi Perillo (PSDB) Vilmar Rocha (PSD) PEN / PV / PPS / PDT / PTdoB
PSL / PR / PP / PHS / PMN / PROS
PRB / PTC / PSDB / PSD / PTB
José Eliton (PP)
MA Lobão Filho (PMDB) Gastão Vieira (PMDB) PEN / PSC / PMDB / PSL / PSDC
PRP / PTN / PMN / PV / PHS
PRTB / PR / PRB / DEM
PSD / PT / PTB / PTdoB
Arnaldo Melo (PMDB)
MG André Alves (PHS) Edilson Nascimento (PTdoB) PEN / PHS / PTdoB / PRP
Major Juares Ferreira (PTdoB)
MS Nelsinho Trad (PMDB) Simone Tebet (PMDB) PEN / PMDB / PSB / PTdoB
PHS / PRB / PRTB / PTN / PSC
Pra. Janete Morais (PSB)
MT Janete Riva (PSD) Rui Prado (PSD) PEN / PSD / PTC / PTN / PRTB / SD
Dr. Aray da Fonseca (PSD)
PA Simão Jatene (PSDB) sem consenso pra
senador na coligação
e sem apoio do PEN
PEN / PSDB / PSB / PMN / SD
PRB / PSC / PTB / PPS / PSD
PP / PTC / PSDC / PTdoB / PRP
Zéquinha Marinho (PSC)
PB Cássio Cunha Lima (PSDB) Wilson Santiago (PTB) PEN / PSC / PSDB / PR / PTB
PSD / SD / PMN / PPS / PTdoB
PTN / PRB / PSDC / PP
Ruy Carneiro (PSDB)
PE Paulo Câmara (PSB) Fernando Coelho (PSB) PEN / PV / PMDB / PCdoB / PTC
PRP / PTN / PR / SD / PPS / PRTB
PSDB / PSD / PPL / DEM / PHS
PSDC / PROS / PP / PSB / PSL
Raul Henry (PMDB)
PI Zé Filho (PMDB) Wilson Martins (PSB) PEN / PMDB / PSDB / PCdoB / PTdoB
PSB / PDT / PTN / PPS / DEM / PSDC
PSL / PMN / PRB / PTC / PSD / PV
Sílvio Mendes (PSDB)
PR Beto Richa (PSDB) Álvaro Dias (PSDB) PEN / PSDB / PROS / SD / PSB / PP
PTB / PSD / PPS / PR / DEM / PSL
PSDC / PMN / PHS / PSC / PTdoB
Cida Borghetti (PROS)
RJ Luiz Fernando Pezão (PMDB) César Maia (DEM) PEN / PMDB / PP / PTB / PSL
PPS / PTN / DEM / PSDC / PRTB
PHS / PMN / PTC / PRP
PSDB / PSC / PSD / SD
Francisco Dornelles (PP)
RN Robinson Faria (PSD) Fátima Bezerra (PT) PEN / PSD / PT / PCdoB
PTdoB / PP / PRTB / PTC
Fábio Dantas (PCdoB)
RO Expedito Júnior (PSDB) Moreira Mendes (PSD) PEN / PSDB / PSDC / PSD / PSC
PHS / PMN / PTdoB / PRB / DEM
Neodi Carlos (PSDC)
RR Chico Rodrigues (PSB) sem consenso pra
senador na coligação
e sem apoio do PEN
PEN / PSB / PMDB / PSDB / PR
PRB / PSD / SD / PROS / PPS
PMN / PSDC / PTdoB / PRTB / PHS
PSL / PPL / PTN / PSC / PRP
Rodrigo Jucá (PMDB)
RS Vieira da Cunha (PDT) Lasier Martins (PDT) PEN / PDT / PV / DEM / PSC
Flávio José Gomes (PSC)
SC Paulo Bauer (PSDB) Paulo Bornhausen (PSB) PEN / PSDB / PP / PSB / PSL
SD / PTN / PPS / PHS
PTC / PRTB / PTdoB
Joares Ponticelli (PP)
SE Eduardo Amorim (PSC) Maria do Carmo (DEM) PEN / DEM / PSL / PP / PTdoB
PV / PTC / PSDB / PTB / SD
PPS / PHS / PMN / PR / PSC
Augusto Franco Neto (PSDB)
SP Geraldo Alckmin (PSDB) José Serra (PSDB) PEN / PSC / PSDB / DEM / PMN
PTdoB / PTC / PTN / SD / PPS
PRB / PSB / PSDC / PSL
Márcio França (PSB)
TO Sandoval Cardoso (SD) Ângelo Agnolin (PDT) PEN / PRB / PP / PDT / PTB / PSC
PSL / PR / PPS / DEM / PRTB / SD
PHS / PTC / PSB / PRP / PSDB
Eduardo Gomes (SD)

Participação do partido em eleições presidênciais

O partido apoiou a coligação "Muda Brasil", liderada por Aécio Neves nas eleições presidenciais de 2014, ficando em segundo lugar junto com os demais partidos. Em 2018, após a filiação de Jair Bolsonaro ao partido não acontecer, o PATRI anunciou Cabo Daciolo como seu primeiro candidato à Presidência da República próprio, não se coligando com nenhum partido.[40]

Ano imagem Candidato a Presidente Candidato a Vice-Presidente Coligação Votos % Colocação
2014
Senador Aécio Neves-2.jpg
Aécio Neves (PSDB) Aloysio Nunes (PSDB) PSDB, SD, PMN, PEN, PTN, PTC, DEM, PTdoB e PTB 51 036 040 48,36 2.º
2018
Deputados cabo Daciolo (PSOL-RJ) e Marcos Reategui (PSC-AP) participam do programa Brasil em Debate (cropped).jpg
Cabo Daciolo Suelene Balduino Nascimento sem coligação a definir a definir a definir

Referências

  1. Tribunal Superior Eleitoral (TSE). «TSE - Partidos políticos registrados no TSE». Consultado em 7 de novembro de 2015. 
  2. [1]
  3. https://www.infomoney.com.br/mercados/politica/noticia/7564951/quem-cabo-daciolo-candidato-nacionalista-que-quer-transformar-brasil-uma
  4. https://www.infomoney.com.br/mercados/politica/noticia/7564951/quem-cabo-daciolo-candidato-nacionalista-que-quer-transformar-brasil-uma
  5. https://www.infomoney.com.br/mercados/politica/noticia/7564951/quem-cabo-daciolo-candidato-nacionalista-que-quer-transformar-brasil-uma
  6. https://www.infomoney.com.br/mercados/politica/noticia/7564951/quem-cabo-daciolo-candidato-nacionalista-que-quer-transformar-brasil-uma
  7. http://patriota51.org.br/a-extrema-direita-evangelica-do-brasil-pode-eleger-o-proximo-presidente-do-pais/
  8. http://patriota51.org.br/a-extrema-direita-evangelica-do-brasil-pode-eleger-o-proximo-presidente-do-pais/
  9. Tribunal Superior Eleitoral (abril de 2016). «Filiados». Consultado em 8 de maio de 2016. 
  10. «Bancada da Eleição de 2014 para Deputado Federal (Titulares)». Câmara dos Deputados. Consultado em 3 de fevereiro de 2015. 
  11. «TSE aprova a criação do 30º partido político do Brasil, o PEN». Folha de S.Paulo. Consultado em 20 de junho de 2012. 
  12. a b «Partido de Bolsonaro vira Patriotas e faz 'live' para anunciar filiação». Estado de Minas. 18 de agosto de 2017. Consultado em 21 de agosto de 2017. 
  13. BOLDRINI, ANGELA. «Bolsonaro escolhe o PEN para se lançar à Presidência em 2018». FOLHAPRESS. Jornal Página 3. Consultado em 30 de agosto de 2017. 
  14. a b Góes, Bruno (8 de agosto de 2017). «PEN será Patriota para dar candidatura a Jair Bolsonaro». Lauro Jardim. O Globo. Consultado em 30 de agosto de 2017. 
  15. a b «Aprovada alteração do nome do Partido Ecológico Nacional (PEN)». www.tse.jus.br. Consultado em 18 de maio de 2018. 
  16. ://politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,o-que-significam-direita-esquerda-e-centro-na-politica,70002314116.amp
  17. SIUDA-AMBROZIAK, R. (2014). A RELIGIÃO E POLÍTICA NO BRASIL CONTEMPORÂNEO – O CASO DAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS DE 2010. Revista del CESLA, [en linea] (17), pp.101-115. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=243333483006
  18. «Presidente do PEN quer dar sigla para Marina se 'Rede' fracassar». Política. Consultado em 1 de agosto de 2017. 
  19. a b Venturini, Lilian (1 de agosto de 2017). «O que é o PEN, partido que quer lançar Bolsonaro à Presidência». Nexo Jornal. Consultado em 1 de agosto de 2017. 
  20. Renan Ramalho (5 de outubro de 2016). «Supremo mantém possibilidade de prisão a condenados em 2ª instância». G1. Globo.com. Consultado em 8 de outubro de 2016. 
  21. Laryssa Borges (5 de outubro de 2016). «Contra impunidade, STF mantém prisão na 2ª instância». VEJA. Abril. Consultado em 8 de outubro de 2016. 
  22. «Julgamento no STF é decisivo para conter a impunidade». O Globo. Globo.com. 5 de outubro de 2016. Consultado em 8 de outubro de 2016. 
  23. «Prisão após condenação em segunda instância recebe elogios». Jornal Nacional. Globo.com. Consultado em 8 de outubro de 2016. 
  24. «STF libera prisão após 2ª instância e condenado será preso mais cedo». Estado de Minas. Consultado em 8 de outubro de 2016. 
  25. Xavier, Renan Melo (31 de julho de 2017). «Depois de anunciar Bolsonaro, PEN lança enquete para mudar de nome». Poder360. Consultado em 1 de agosto de 2017. 
  26. «PEN, futuro partido de Bolsonaro, pede para mudar nome para Patriota». Valor Econômico 
  27. Minas, Estado de (26 de setembro de 2017). «Em busca da filiação de Bolsonaro, PEN formaliza no TSE pedido para virar Patriota». Estado de Minas 
  28. «PEN tem pedido de mudança de nome aprovado pelo TSE e passa a se chamar Patriota» 
  29. «Patriotas acusa Bolsonaro de 'usurpador' - Política - Estadão». Estadão 
  30. [2]
  31. «Cabo Daciolo se lança à Presidência de olho nos debates da TV» 
  32. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome estadao.com.br
  33. [3]
  34. «Bolsonaro: "Se fosse presidente, reconheceria Jerusalém capital de Israel"». 12 de dezembro de 2017 
  35. https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2018-08-10/cabo-daciolo-debate.html
  36. a b «Partido acusa Bolsonaro e PEN de roubar nome de sigla». Rádio Jornal. 22 de novembro de 2017. Consultado em 21 de dezembro de 2017. 
  37. «Deputados Federais». www.pen51.org.br. Partido Ecológico Nacional. Consultado em 1 de agosto de 2017. 
  38. «Deputados Estaduais». www.pen51.org.br. Partido Ecológico Nacional. Consultado em 1 de agosto de 2017. 
  39. «Estatísticas eleitorais 2014». www.tse.jus.br. Consultado em 1 de agosto de 2017. 
  40. https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2018-08-10/cabo-daciolo-debate.html

Ligações externas