Partido Liberal (Portugal)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Partido Liberal é um antigo partido político português que foi criado em 28 de Maio de 1974 por dissidentes da Convergência Monárquica, que não concordaram com a criação do PPM[1].

Fará o seu primeiro comício a 15 de Agosto no Teatro São Luís, tem no jornal o "Tempo Novo" o seu órgão de informação e teria ligações com movimentos africanos que se opunham à descolonização[2].

Entre os seus elementos mais destacados contam-se o tenente-coronel António Luís Marques de Figueiredo e José Harry de Almeida Araújo que acabaria por ser o secretário-geral[3].

Para se apresentar às primeiras eleições nacionais fez uma coligação eleitoral com o Partido do Progresso (PP / MFP) e o Partido Trabalhista Democrático Português (PTDP), denominada Frente Democrática Unida (FDU). E que, na sequência da chamada Crise Palma Carlos[4], eles mais o Movimento Popular Português (MPP), no dia 10 de julho, apresentam ao Presidente da República uma resolução conjunta para denunciar o isolamento a que estão obrigados, quer em termos de expressão através dos meios de comunicação, quer em termos de representação no Governo provisório[5].

Nesse sentido, para mostrar o seu desagrado será o grande coordenador e o centro da preparação da manifestação gorada, chamada de «maioria silenciosa», planeada para 28 de Setembro desse mesmo ano para apoiar a política moderada do presidente da república António Spínola[6]. Acto que terá levado à sua extinção [7] pelo anti-democrático governo.

Referências

  1. Partido Liberal (1974), Antologia do Pensamento Político Português, por José Adelino Maltez, Centro de Estudos do Pensamento Político, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa
  2. Spinolismo: Viragem Política e Movimentos Sociais, por Francisco Felgueiras Bairrão Ruivo,Tese de Doutoramento em História Contemporânea, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Julho, 2013, pág. 386
  3. Spinolismo: Viragem Política e Movimentos Sociais, por Francisco Felgueiras Bairrão Ruivo,Tese de Doutoramento em História Contemporânea, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Julho, 2013, pág. 386
  4. Spinolismo: Viragem Política e Movimentos Sociais, por Francisco Felgueiras Bairrão Ruivo,Tese de Doutoramento em História Contemporânea, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Julho, 2013, pág. 387
  5. As Direitas Radicais na Transição Democrática Portuguesa (1974-1976), Riccardo Marchi, Ler História, nº 63, 2012, posto online no dia 09 Abril 2015, consultado no dia 13 Dezembro 2016
  6. Spinolismo: Viragem Política e Movimentos Sociais, por Francisco Felgueiras Bairrão Ruivo,Tese de Doutoramento em História Contemporânea, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Julho, 2013, pág. 382, 385 e 386
  7. Do CDS ao CDS-PP: o Partido do Centro Democrático Social e o seu papel na política portuguesa, por Richard A. H. Robinson* Análise Social, vol.xxxi, (138), 1996, 958

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.