Partido Liberdade e Refundação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Liberdade e Refundação
Libertad y Refundación
Presidente Manuel Zelaya
Fundação 26 Junho de 2011
Sede Tegucigalpa, Honduras
Ideologia Socialismo democrático[1]
Socialismo do século XXI[2]
Integração latino-americana
Anticapitalismo[3][4][2]
Populismo de esquerda
Bolivarianismo[5]
Chavismo[6]
Espectro político Esquerda
Ala jovem Juventud Libre
Afiliação internacional Foro de São Paulo
Cores Vermelho
Página oficial
http://www.libre.hn/

Partido Liberdade e Refundação (em castelhano: Libertad y Refundación, Libre) é um partido político Hondurenho de esquerda.[7] Fundado em 2011 pela Frente Nacional de Resistência Popular (FNRP), uma coalizão de organizações de esquerda contrárias ao Golpe de Estado em Honduras de 2009.[7]

O partido possui um forte caráter anticapitalista, contrário ao livre mercado[2] e ao modelo econômico neoliberal, mantendo um compromisso de estabelecer um sistema econômico de esquerda alternativo.[3][4]

O ex presidente Manuel Zelaya vem liderando o partido desde sua desfiliação do Partido Liberal e filiação com a esquerda latino-americana seguindo os eventos do golpe de 2009. Sua esposa Xiomara Castro de Zelaya foi a candidata escolhida pelo partido para as eleições de 2013 já que de acordo com a constituição seu marido não estava autorizado a concorrer a um segundo mandato.[8]

Ao menos 18 candidatos, pré-candidatos, líderes de campanhas e membros de famílias associados ao Libre foram mortos entre Junho de 2012 e Outubro de 2013 na Honduras.[9]

Divisões[editar | editar código-fonte]

Há ao menos cinco grandes alas dentro do Partido Liberdade e Refundação.[10]

  • Movimento 28 de Junho
  • Movimento de Resistência Popular
  • Povo Organizado em Resistência
  • Força de Refundação Popular
  • Movimento 5 de Julho

Referências

  1. Dawn Paley (10 December 2013). «In Honduras Election, the People's Will Is Hushed but Not Silenced». The Nation. Consultado em 28 de março de 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  2. a b c http://www.resumenlatinoamericano.org/2015/04/29/manuel-zelaya-los-estados-unidos-orquestaron-el-golpe-de-estado-en-honduras/
  3. a b https://www.elheraldo.hn/pais/581815-214/libre-propone-conducir-a-honduras-al-socialismo-y-derogar-la-constitucion
  4. a b http://www.laprensa.hn/especiales/eleccionesgenerales/noticias/326926-255/libre-insiste-en-una-nueva-constituci%C3%B3n
  5. Torre, Carlos de la (10 April 2017). «Hugo Chávez and the diffusion of Bolivarianism». Democratization. 0 (7): 1271–1288. ISSN 1351-0347. doi:10.1080/13510347.2017.1307825  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. http://www.albatv.org/La-complejidad-de-la-geopolitica.html
  7. a b Dana Frank (22 de maio de 2012). «Honduras: Which Side Is the US On?». The Nation. Consultado em 29 de julho de 2012 
  8. «El oficialista Juan Orlando Hernández encabeza la elección de Honduras». CNN Mexico. 24 November 2013. Consultado em 28 de março de 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  9. Karen Spring (October 21, 2013). «Context of the Honduran Electoral Process 2012: Incomplete list of Killings and Armed Attacks Related to Political Campaigning in Honduras» (PDF). Rights Action. Consultado em 16 de novembro de 2013  Verifique data em: |data= (ajuda)
  10. «Movimientos de tres partidos políticos a la cacería de votos». La Tribuna. 20 May 2012. Cópia arquivada em 10 October 2014  Verifique data em: |arquivodata=, |data= (ajuda)