Partido Socialista Revolucionário (Portugal)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Partido Socialista Revolucionário
px25
Líder Francisco Louçã
Fundação 1978
Dissolução 27 de fevereiro de 2008
Sede Portugal Portugal
Rua da Palma, 268
110-394 Lisboa
Ideologia Socialismo revolucionário
Trotskismo
Espectro político Extrema-esquerda
Publicação Combate Operário
Revista Combate
Sucessor Bloco de Esquerda
Afiliação internacional Secretariado Unificado da Quarta Internacional
Cores Grená
Página oficial
combate.info

O Partido Socialista Revolucionário (PSR) foi um partido político português trotskista criado em 1978, durante o congresso em que a Liga Comunista Internacionalista (LCI) se fundiu com o Partido Revolucionário dos Trabalhadores (PRT) e integrou um conjunto de militantes de várias correntes trotskistas. Em 1979 (no contexto de uma cisão na IV Internacional) grande parte dos militantes do ex-PRT abandonaram a organização.

Em 1983 concorreu às eleições legislativas em coligação com a UDP, então frente eleitoral de um movimento marxista-leninista, o PC(R). Os resultados eleitorais são desastrosos.

Em 1985, depois de um recuo organizativo, o PSR ganha novo alento, iniciando campanhas antimilitaristas e anti-racistas, especialmente dirigidas à juventude.

Em 1987 participa nas eleições para o Parlamento Europeu, integrando nas suas listas candidatos independentes.

Nesse mesmo ano e mantendo a linha de colaboração com independentes, inicia a publicação da Revista Combate em novo figurino.

Os principais líderes foram Francisco Louçã, Alfredo Frade, Helena Lopes da Silva, Heitor de Sousa e José Falcão.

Em 1999, juntamente com a UDP e a Política XXI, esteve na origem da criação do Bloco de Esquerda.

Em 2006 extinguiu-se enquanto partido político, transformando-se na Associação Política Socialista Revolucionária (APSR). Em 2013, o XIX Congresso da APSR aprovou a sua extinção enquanto corrente dentro do BE[1] A maioria da extinta associação decidiu juntar-se à tendência interna do BE denominada Socialismo enquanto que uma minoria se juntará com outros bloquistas formando a Plataforma Anti-capitalista [2].

Resultados Eleitorais[editar | editar código-fonte]

Eleições legislativas[editar | editar código-fonte]

Data Votos % +/- Deputados +/- Status Notas
1979 36 978 0,6 (9.º)
0 / 250
Extra-parlamentar
1980 60 496 1,0 (8.º) Aumento0,4
0 / 250
Estável Extra-parlamentar
1983 25 222 0,4 (8.º)
0 / 250
Estável Extra-parlamentar Aliança com União Democrática Popular
13 327 0,2 (11.º) Baixa0,8 Estável Extra-parlamentar
1985 35 238 0,6 (8.º) Aumento0,4
0 / 250
Estável Extra-parlamentar
1987 32 977 0,6 (7.º) Estável
0 / 250
Estável Extra-parlamentar
1991 64 159 1,1 (6.º) Aumento0,5
0 / 230
Estável Extra-parlamentar
1995 37 638 0,6 (6.º) Baixa0,5
0 / 230
Estável Extra-parlamentar

Eleições europeias[editar | editar código-fonte]

Datas Votos % +/- Deputados +/-
1987 29 009 0,5 (9.º)
0 / 24
1989 31 775 0,8 (8.º) Aumento0,3
0 / 24
Estável
1994 17 780 0,6 (7.º) Baixa0,2
0 / 25
Estável

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «PSR aprova extinção e adesão a nova corrente política do BE». Público. 25 de março de 2013. Consultado em 25 de março de 2013. 
  2. «Juntar forças na corrente "Socialismo"» (pdf). Combate.info. Associação Politica Socialista Revolucionária. Consultado em 25 de março de 2013. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.