Partido da Refundação Comunista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Partido da Refundação Comunista
Partida della Rifondazione Comunista
Líder Maurizio Acerbo
Fundação 1991
Ideologia Comunismo
Socialismo
Marxismo
Ecossocialismo
Pacifismo
Espectro político Esquerda
Antecessor Partido Comunista Italiano (minoria)
Membros  (2015) 17.053
Afiliação nacional Poder para o Povo
Afiliação europeia Partido da Esquerda Europeia
Grupo no Parlamento Europeu Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde
Camera dei Deputati
0 / 650
Senado
0 / 315
Parlamento Europeu
1 / 73
Parlamentos Regionais
1 / 917
Cores Vermelho

O Partido da Refundação Comunista (em italiano Partito della Rifondazione Comunista, PRC ou simplesmente Rifondazione Comunista) é um partido político da esquerda reformista italiana, pacifista e ligado aos movimentos sociais. Foi fundado em 1991, por antigos membros do extinto Partido Comunista Italiano.

Seu principal representante é Fausto Bertinotti, atual presidente da Câmara dos deputados, que foi secretário do partido por 12 anos (1994 - 2006). O atual secretário nacional, desde 2 de abril de 2017, é Maurizio Acerbo.[1]

Fundação e primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 1991, quando o Partido Comunista Italiano (PCI) transformou-se no Partido Democrático da Esquerda (PDS) sob a liderança de Achille Occhetto, dissidentes contrários à dissolução do PCI, liderados por Armando Cossutta, lançaram o Movimento pela Refundação Comunista. No mesmo ano, o partido Democracia Proletária (DP), de extrema-esquerda, dissolveu-se, e seus membros se juntaram aos dissidentes do PCI, formando uma frente communista. Em dezembro, o PRC foi constituído oficialmente, e Sergio Garavini foi eleito seu secretário. Nas eleições gerais de 1992, o partido obteve 5,6% dos votos.

Garavini renunciou ao cargo de secretário em junho de 1993 e foi substituído, em janeiro de 1994, por Fausto Bertinotti, um sindicalista da Confederação Geral Italiana do Trabalho (CGIL), que havia deixado o PDS alguns meses antes. Nas eleições de 1994 o PRC integrou a coligação Aliança dos Progressistas, liderada pelo PDS, e obteve 6,1% dos votos. Em junho de 1995, um grupo de dissidentes, liderados por Lucio Magri e Famiano Crucianelli, formou o Movimento dos Comunistas Unitários (MCU), que acabou por se fundir com o PDS, sendo um dos membros fundadores do partido Democratas de Esquerda (DS), em fevereiro de 1998.

A liderança de Bertinotti foi um ponto de virada para o PRC, que saltou para 8.6% dos votos nas eleições de 1996, as quais o partido disputou em uma frouxa aliança com a coalizão de centro-esquerda L'Ulivo. Após as eleições, o PRC decidiu apoiar o primeiro gabinete Prodi, mas logo aumentou a tensão dentro da coalizão e do partido. Em outubro de 1998, o PRC ficou dividido entre aqueles que queriam retirar o apoio ao governo Prodi, liderados por Bertinotti, e aqueles que desejavam manter a aliança, liderados por Cossutta, o presidente do partido. O comitê central apoiava a linha de Bertinotti, mas Cossutta e seus seguidores decidiram apoiar Prodi. Os votos dos aliados não foram suficientes, e o governo perdeu um voto de confiança no Parlamento. Os dissidentes, que controlavam a maioria dos deputados e senadores, acabaram se dividindo e formando um agrupamento comunista rival - o Partido dos Comunistas Italianos (PdCI), que imediatamente se juntou ao primeiro gabinete liderado por Massimo D'Alema, líder dos Democratas de Esquerda e primeiro pós-comunista a exercer o cargo de Presidente do Conselho de Ministros (equivalente a primeiro-ministro).

Consolidação e crescimento[editar | editar código-fonte]

Depois de firmar-se como o maior partido comunista da Itália, o PRC começou a ampliar seu escopo visando tornar-se um catalizador de movimentos sociais e o principal representante do movimento antiglobalização na Itália. O partido também forjou novas alianças, no âmbito continental, e contribuiu decisivamente para a fundação do Partido da Esquerda Europeia, em maio de 2004. Depois de perder a maior parte da sua representação parlamentar, o PRC lutou por sua existência e foi afinal recompensado pelos eleitores, superando o PdCI, tanto nas eleições parlamentares europeias de 1999 (4.3% a 2.0%) como nas eleições gerais italianas de 2001 (5.0% a 1.7%).

Em 11 outubro de 2004, foi constituída uma coalizão de centro-esquerda (mais uma vez liderada por Romano Prodi) denominada Grande Alleanza Democratica (depois rebatizada, mais sobriamente, como L'Unione),[2] uma ampliação de L'Ulivo que incluía Italia dei Valori (partido de orientação liberal) e também o PRC. Em abril de 2005, Nichi Vendola, um político abertamente gay e um dos líderes emergentes do partido, elegeu-se presidente da região da Apúlia, tendo sido o único presidente regional ligado ao PRC.

Nas eleições gerais de 2006, o PRC era parte de L'Unione, uma coalizão de partidos de centro-esquerda que superou, por estreita margem, a Casa da Liberdade, de centro-direita, tendo obtido 5,8% dos votos. Após a eleição, Bertinotti, eleito presidente da Câmara dos Deputados, foi substituído por Franco Giordano na secretaria do partido. Foi a primeira vez que o PRC participou de um governo, integrando o Gabinete Prodi II, com Paolo Ferrero como ministro da Solidariedade Social e mais sete vice-ministros. A decisão de participar do governo de coalizão de centro-esquerda e, principalmente, de votar pelo refinanciamento da presença militar italiana no Afeganistão, além do envio de tropas ao Líbano, atraiu críticas de setores da extrema-esquerda europeia,[3] provocando a cisão de vários grupos, incluindo o Partito Comunista dei Lavoratori (Partido Comunista dos Trabalhadores), o Partito di Alternativa Comunista (Partido da Alternativa Comunista) e a Sinistra Critica (Esquerda Crítica). Prodi, cuja maioria era fraca e fragmentada, acabou por renunciar em janeiro de 2008.

Resultados Eleitorais[editar | editar código-fonte]

Eleições legislativas[editar | editar código-fonte]

Câmara dos Deputados[editar | editar código-fonte]

Data CI. Votos % +/- Deputados +/- Status Coligação
1992 5.º 2 204 641
5,6 / 100,0
35 / 630
Oposição
1994 6.º 2 343 946
6,1 / 100,0
Aumento0,5
39 / 630
Aumento4 Oposição
1996 5.º 3 213 748
8,6 / 100,0
Aumento2,5
35 / 630
Baixa4 Apoio parlamentar
2001 5.º 1 868 659
5,0 / 100,0
Baixa3,6
11 / 630
Baixa24 Oposição
2006 5.º 2 229 464
5,8 / 100,0
Aumento0,8
41 / 630
Aumento30 Governo
2008 6.º 1 124 298
3,1 / 100,0
Baixa2,7
0 / 630
Baixa41 Extra-parlamentar A Esquerda - O Arco-Íris
2013 7.º 765 172
2,3 / 100,0
Baixa0,8
0 / 630
Estável Extra-parlamentar Revolução Civil
2018 Poder para o Povo

Senado[editar | editar código-fonte]

Data CI. Votos % +/- Deputados +/- Status Coligação
1992 5.º 2 171 950
6,5 / 100,0
20 / 315
Oposição
1994 Aliança dos Progressistas
18 / 315
Baixa2 Oposição
1996 4.º 934 974
2,9 / 100,0
10 / 315
Baixa8 Apoio parlamentar
2001 3.º 1 708 707
5,0 / 100,0
Aumento2,1
4 / 315
Baixa6 Oposição
2006 5.º 2 518 361
7,4 / 100,0
Aumento2,4
27 / 315
Aumento23 Governo
2008 6.º 1 053 228
3,2 / 100,0
Baixa4,2
0 / 315
Baixa27 Extra-parlamentar A Esquerda - O Arco-Íris
2013 8.º 549 987
1,8 / 100,0
Baixa1,4
0 / 315
Estável Extra-parlamentar Revolução Civil

Eleições europeias[editar | editar código-fonte]

Data CI. Votos % +/- Deputados +/- Coligação
1994 6.º 2 004 716
6,1 / 100,0
5 / 87
1999 7.º 1 391 595
4,3 / 100,0
Baixa1,8
4 / 87
Baixa1
2004 4.º 1 969 776
6,1 / 100,0
Aumento1,8
5 / 78
Aumento1
2009 6.º 1 037 862
3,4 / 100,0
Baixa2,7
0 / 72
Baixa5 Lista Comunista e Anticapitalista
2014 6.º 1 108 457
4,0 / 100,0
Aumento0,6
1 / 73
Aumento1 A Outra Europa com Tsipras

Referências

  1. Rifondazione comunista, Maurizio Acerbo segretario è un investimento sul futuro. Il Fatto Quotidiano, 5 de abril de 2017.
  2. Treccani. Partiti politici. Por Leonardo Rapone. Enciclopedia Italiana. VII Appendice (2007).
  3. Megan Trudell (4 de janeiro de 2007). «Rifondazione votes for war». International Socialism 



Ícone de esboço Este artigo sobre um partido político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.