Partido da República

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Partido da República
Número eleitoral 22
Presidente Antonio Carlos Rodrigues[1]
Fundação 26 de outubro de 2006 (11 anos)
Registro 19 de dezembro de 2006 (10 anos)[2]
Sede Brasília
Ideologia Republicanismo
Nacionalismo
Liberalismo social[3]
Conservadorismo fiscal
Espectro político Centro-direita
Antecessor PRONA e
PL
Membros  (2016) 796 764[4]
Deputados federais (2014)[5]
40 / 513
Vereadores (2012)[6]
3 110 / 56 810
Cores      Azul

     Vermelho

Página oficial
www.partidodarepublica.org.br
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

Partido da República (PR) é um partido político brasileiro fundado em 26 de outubro de 2006, homologado no Tribunal Superior Eleitoral no dia 21 de dezembro de 2006. Seu último presidente nacional foi Alfredo Nascimento, que renunciou em 17 de abril de 2016, após votar pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff.[7]

História[editar | editar código-fonte]

A nova sigla uniu dois partidos: o Partido Liberal (PL) e o Partido da Reedificação da Ordem Nacional (PRONA), que se fundiriam para atingirem a cláusula de barreira (derrubada pelo Supremo Tribunal Federal, no final de 2006) e poderem gozar de todos os direitos que estariam reservados aos partidos que atingirem porcentagem de votos superior a 5% dos votos, até então exigida.

Diagrama da origem histórica do partido
Partido Geral dos Trabalhadores
(PGT) 1995–2003
Partido Social Trabalhista
(PST) 1996–2003
Partido Liberal
(PL) 1985–2006
Partido de Reedificação da Ordem Nacional
(PRONA) 1989–2006
Partido da República
(PR) 2006–presente
Fonte: Tribunal Superior Eleitoral[8][9]

Referências

  1. Zero Hora. «Deputado Alfredo Nascimento renuncia à presidência do PR e vota pelo impeachment». Consultado em 16 de março de 2016 
  2. Tribunal Superior Eleitoral (TSE). «TSE - Partidos políticos registrados no TSE». Consultado em 7 de novembro de 2015 
  3. fundadores do PR. «História do PR»  Texto "http://www.partidodarepublica.org.br/partido/historia_do_pr.html" ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda);
  4. Tribunal Superior Eleitoral (abril de 2016). «Filiados». Consultado em 8 de maio de 2016 
  5. «Bancada da Eleição de 2014 para Deputado Federal (Titulares)». Câmara dos Deputados. Consultado em 3 de fevereiro de 2015 
  6. «Vereadores Eleitos no País em 2012». G1 
  7. «Cusparada de Jean Wyllys e outros 12 momentos marcantes da votação do impeachment - BBC Brasil». BBC Brasil. Consultado em 18 de abril de 2016 
  8. TSE. «Histórico de partidos». Consultado em 26 de outubro de 2016 
  9. «Resolução n.º 21374/2003». www.tse.jus.br. Consultado em 26 de outubro de 2016 

</noinclude>

O PL tinha por marca registrada o famoso Coro dos Escravos Hebreus da ópera Nabucco de Giuseppe Verdi, o Va Pensiero. Álvaro Valle, deputado fluminense que fundou o partido, era fã de óperas. O PL tinha como principal bandeira o Imposto Único. O número a ser adotado pelo Partido da República é o mesmo que era utilizado pelo PL: 22,[1] sendo excluído número 56 utilizado pelo Prona.

Principais membros[editar | editar código-fonte]

Pode-se dizer que, pela quantidade de políticos das mais diversas ideologias, o PR se classifica como um "partido pega-tudo", por incluir nomes conservadores, liberais, populistas, da bancada evangélica ou da classe artística, bem como líderes, ex-membros de grandes e poderosas searas políticas.

Seus principais nomes são o ex-deputado José Marcos de Lima (atual secretário-geral do PR em Pernambuco e Secretário de Saneamento da Prefeitura da cidade do Recife), o deputado pernambucano Inocêncio de Oliveira, o ex-ministro dos Transportes Alfredo Nascimento, o ex-governador do estado do Mato Grosso Blairo Maggi, o senador pelo Espírito Santo Magno Malta, o ex-prefeito da mais populosa cidade do ES, Vila Velha, Neucimar Fraga, o Ex-Governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho e sua esposa a ex-governadora do Rio de Janeiro e ex-prefeita de Campos dos Goytacazes, Rosinha Garotinho, o ex-governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda e o atual Ministro dos Transportes, César Borges.

O PR tem também em suas fileiras o deputado federal mais votado em 2010, o humorista Tiririca (PR-SP). A legenda também tem iniciativas que apoiam a criação de outros partidos, como o Partido Militar Brasileiro.[2]

Corrupção[editar | editar código-fonte]

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou um balanço em 4 de outubro de 2007, com os partidos com mais parlamentares cassados por corrupção desde 2000. O PR ocupa a sétima posição no ranking, com dezessete cassações, atrás do DEM, PMDB e PSDB, PP, PTB e PDT.[3] O Partido também recebeu doações de campanha de empreiteiras privilegiadas pela sua administração na pasta do Ministério dos Transportes.[4]

Participação e desempenho eleitorais[editar | editar código-fonte]

Desempenho nas eleições parlamentares federais[editar | editar código-fonte]

Legislatura Eleitos  % AC AL AM AP BA CE DF ES GO MA MG MS MT PA PB PE PI PR RJ RN RO RR RS SC SE SP TO Diferença
55.ª (2015-2018)
40 Não disponível 0 1 1 1 3 2 1 0 2 0 5 0 0 1 1 1 1 2 4 1 1 3 0 1 1 6 1 Não disponível
54ª (2011-2015)
40 7,80 0 1 1 0 3 2 2 0 1 1 7 1 2 1 1 2 0 1 7 1 0 1 0 0 1 4 0 +15
53ª (2007-2011)
25 4,87 0 0 0 0 3 1 0 1 1 0 6 0 1 0 2 1 0 2 2 1 0 1 0 0 0 3 0 -10
52ª (2003-2007)
35 6,82 0 1 3 0 0 2 0 1 0 1 6 0 1 1 2 1 0 1 3 0 0 1 1 0 1 9 0 +21
51ª (1999-2003)
14 2,73 0 0 1 0 1 0 0 0 2 2 4 0 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 3 0

Considera-se os Deputados eleitos pelo PL, pelo PRONA, pelo PST e pelo PGT, partidos incorporados ao PR.

Fonte: Portal da Câmara dos Deputados - Bancada na Eleição.

Participação nas eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

Ano Candidata a Presidente Candidato a Vice-presidente Coligação Votos  % Colocação
2014 Dilma Rousseff (PT) Michel Temer (PMDB) PT, PMDB, PSD, PP, PR, PROS, PDT, PCdoB e PRB 54.495.459 51,64
2010 Dilma Rousseff (PT) Michel Temer (PMDB) PT, PMDB, PR, PSB, PDT, PCdoB, PSC, PRB, PTC e PTN 55.752.529 56,05

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Partidos políticos registrados, Tribunal Superior Eleitoral, consultado em 25 de julho de 2007 .
  2. Fundador do Partido Militar será candidato pelo PR, aliado de Dilma
  3. «Desde 2000, 623 políticos foram cassados. DEM lidera ranking». O Globo. Consultado em 11 de julho de 2010 
  4. «Doadores do PR receberam R$ 1 bi via Transportes, diz jornal». Terra Networks. 6 de julho de 2011. Consultado em 14 de fevereiro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]