Partido do Progresso (Noruega)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Partido do Progresso
Fremskrittspartiet
Framstegspartiet
Líder Siv Jensen
Fundação 8 de abril de 1973
Sede Karl Johans gate 25
0159 Oslo,  Noruega
Ideologia Nacional-conservadorismo[1]
Conservadorismo liberal[2][3]
Anti-imigração[4]
Liberalismo económico[5][6][7]
Populismo de direita[8]
Espectro político Direita[9][10][11]
Publicação Fremskritt
Ala jovem Juventude do Partido do Progresso
Membros  (2018) 20.000[12]
Storting
27 / 169
Conselhos condados[13]
83 / 728
Conselhos municipais[14]
889 / 10 781
Sami Parlamento da Noruega[15]
2 / 39
Cores Azul (azul escuro)
Página oficial
www.frp.no

O Partido do Progresso (em norueguês Fremskrittspartiet e Framstegspartiet, FrP) é um partido nacionalista norueguês posicionado à direita dos demais partidos representados no Stortinget, o parlamento da Noruega.[16] É liberal no plano econômico e conservador no plano social, sendo frequentemente considerado por seus oponentes e por observadores políticos como pertencente à direita populista ou à extrema direita.[17][18]

Defende a redução de impostos, o livre mercado, a desregulamentação da economia e a descentralização do Estado.[19] Defende também o estabelecimento de limites mais estritos à imigração. Em matéria de política externa, é favorável a uma cooperação mais intensa com a OTAN, os Estados Unidos e Israel, e pretende um maior controle da ajuda governamental aos países em desenvolvimento.

Actualmente dirigido por Siv Jensen actual Ministra das Finanças, o partido obteve 16,3% dos votos e 29 deputados nas Eleições parlamentares na Noruega em 2013, e, pela primeira vez entrou num governo, coligando-se ao Partido Conservador.[20]

Em 22 de julho de 2011, um antigo militante do Partido do Progresso foi principal suspeito de um duplo atentado que matou pelo menos 91 pessoas em Oslo e na ilha de Utøya. "Entristece-me ainda mais saber que esta pessoa já esteve connosco", declarou Siv Jensen. O suspeito, identificado como Anders Behring Breivik, foi filiado ao FrP entre 1999 e 2006. Ele também participou da juventude do FrP (a FpU), entre 2002 e 2004.[18]

Resultados Eleitorais[editar | editar código-fonte]

Eleições legislativas

Data CI. Votos % +/- Deputados +/- Status
1973 6.º 107 784
5,0 / 100,0
4 / 155
Oposição
1977 7.º 43 351
1,9 / 100,0
Baixa3,1
0 / 155
Baixa4 Extra-parlamentar
1981 5.º 109 564
4,5 / 100,0
Aumento2,6
4 / 155
Aumento4 Oposição
1985 6.º 96 797
3,7 / 100,0
Baixa0,8
2 / 157
Baixa2 Oposição
1989 3.º 345 185
13,0 / 100,0
Aumento9,3
22 / 165
Aumento20 Oposição
1993 6.º 154 497
6,3 / 100,0
Baixa6,7
10 / 165
Baixa12 Oposição
1997 2.º 395 376
15,3 / 100,0
Aumento9,0
25 / 165
Aumento15 Oposição
2001 3.º 369 236
14,6 / 100,0
Baixa0,7
26 / 165
Aumento1 Oposição
2005 2.º 582 284
22,1 / 100,0
Aumento7,5
38 / 169
Aumento12 Oposição
2009 2.º 614 724
22,9 / 100,0
Aumento0,8
41 / 169
Aumento3 Oposição
2013 3.º 463 560
16,3 / 100,0
Baixa6,6
29 / 169
Baixa12 Governo
2017 3.º 444 683
15,2 / 100,0
Baixa1,1
27 / 169
Baixa2 Governo

Referências

  1. Heywood, Andrew (2017). Political Ideologies: An Introduction. [S.l.]: Palgrave Macmillan. p. 93 
  2. «Norway – Political parties». Norwegian Social Science Data Services. Consultado em 22 de março de 2010 
  3. Wolfram Nordsieck (2013). «Parties and Elections in Europe: Norway». www.parties-and-elections.eu. Parties and Elections in Europe 
  4. BBC News (2018). «Holiday with ex-beauty queen costs Norway minister his job». www.bbc.com 
  5. Herbert Kitschelt (1997). The Radical Right in Western Europe: A Comparative Analysis. University of Michigan Press. pp. 154–155.
  6. Jens Rydgren (2013). Class Politics and the Radical Right. Routledge. p. 108.
  7. Widfeldt 2014, p. 94-95.
  8. http://www.parties-and-elections.eu/norway.html
  9. Alberto Nardelli and George Arnett (19 de junho de 2015). «Why are anti-immigration parties so strong in the Nordic states?». The Guardian. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  10. Jacob Furedi (26 de agosto de 2016). «Burkini ban: Norway's right-wing Progress Party calls for full-body swimsuit to be outlawed». The Independent. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  11. Stine Jacobsen and Terje Solsvik (14 de setembro de 2015). «Norway's anti-immigrant party set for worst election result in 22 years». Reuters. Consultado em 11 de setembro de 2017 
  12. «Hvert fjerde Frp-medlem meldte seg inn på grunn av Sylvi Listhaug». Bergens Tidende (em Norwegian). 27 de abril de 2018 
  13. «Valg 2011: Landsoversikt per parti» (em Norwegian). Ministry of Local Government and Regional Development. Consultado em 18 de setembro de 2011 
  14. «Framstegspartiet». Valg 2011 (em Norwegian). Norwegian Broadcasting Corporation. Consultado em 18 de setembro de 2011 
  15. https://web.archive.org/web/20140317021549/http://www.valgresultat.no/bz5.html. Consultado em 23 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 17 de março de 2014  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  16. Normalmente, na Noruega, distinguem-se os "liberais" centristas (liberalere) dos "liberalistas" (liberalister), que estariam mais à direita no espectro político. No preâmbulo do seu programa, o Partido do Progresso identifica-se como liberalister.
  17. La machine populiste, por Jean-Pierre Krief. Dailymotion, 2007.
  18. a b Suspeito militou no partido de direita durante 7 anos Arquivado em 24 de abril de 2014, no Wayback Machine.. DN Globo/ Lusa
  19. Noruega: O Partido do Progresso na frente das sondagens[ligação inativa]. Novopress, 19 de junho de 2008.
  20. «Norway election: Conservative Erna Solberg triumphs». BBC News (em inglês). 10 de setembro de 2013 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]