Partita para violino No. 2 (Bach)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Chacona. Manuscrito de Bach (início).

A Partita em ré menor para violino solo ( BWV 1004) de Johann Sebastian Bach foi escrita entre 1717 e 1720. É parte de seu ciclo composicional chamado Sonatas e Partitas para violino solo .

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A partita contém cinco movimentos:

Partita No. 2 para violino



Problemas para escutar estes arquivos? Veja a ajuda.
  1. Allemande
  2. Courante
  3. Sarabanda
  4. Giga
  5. Chacona

Com exceção da chacona, os movimentos são tipos de dança da época e eles são freqüentemente listados por seus nomes franceses: Allemande, Courante, Sarabande, Gigue e Chaconne . O movimento final é escrito na forma de variações e dura aproximadamente o mesmo tempo que todos os outros movimentos combinados.

O tempo de execução de toda a partita varia entre 26 e 32 minutos, dependendo da abordagem e estilo do artista.

Fatos interessantes[editar | editar código-fonte]

A professora Helga Thoene sugere que esta partita, e especialmente seu último movimento, foi uma tombeau escrita em memória da primeira esposa de Bach, Maria Barbara Bach (que morreu em 1720), embora essa teoria seja controversa.

Yehudi Menuhin chamou a Chaconne de "a maior estrutura para violino solo que existe". [1]

O violinista Joshua Bell disse que a Chaconne é "não apenas uma das maiores músicas já escritas mas uma das maiores realizações de qualquer homem na história. É uma peça espiritualmente poderosa, emocionalmente poderosa, estruturalmente perfeita". Ele executou a peça em uma performance de rua na L'Enfant Plaza em uma iniciativa do The Washington Post . [2]

Transcrições da Chacona[editar | editar código-fonte]

Chacona
Executada por Ben Goldstein

Transcrição da Chacona por Johannes Brahms para piano somente com a mão esquerda, executada por Martha Golsdtein

Problemas para escutar estes arquivos? Veja a ajuda.
Chacona

Transcrições para piano[editar | editar código-fonte]

Desde o tempo de Bach, várias transcrições da peça foram feitas para outros instrumentos, particularmente para o piano (incluindo os de Ferruccio Busoni, Alexander Siloti e Joachim Raff ), e para o piano somente com a mão esquerda (de Johannes Brahms e Géza Zichy ) .

Johannes Brahms, em uma carta para Clara Schumann em junho de 1877, falou sobre a chacona:

Em um pentagrama, para um pequeno instrumento, o homem escreve um mundo inteiro dos pensamentos mais profundos e sentimentos mais poderosos. Se eu imaginasse que poderia ter criado ou até mesmo concebido a peça, tenho certeza de que o excesso de excitação e de experiência devastadora teria me deixado louco .[3]

Felix Mendelssohn e Robert Schumann escreveram acompanhamentos de piano para a peça.

Carl Reinecke transcreveu a peça para dueto de piano.

Transcrições para órgão[editar | editar código-fonte]

A versão mais antiga para órgão é de William Thomas Best . Outras transcrições são de John Cook, Wilhelm Middelschulte, Walter Henry Goss-Custard (1915-1955) e Henri Messerer (1838-1923).

No prefácio de sua transcrição de 1955, John Cook escreve: "A Chacona é prodigiosamente satisfatória em sua forma original, mas muitos concordam que um único violino só é capaz de sugerir as vastas implicações de grande parte dessa música... Talvez seja razoável supor que Bach teria escolhido o órgão, tivesse ele mesmo transcrito a Chacona, como o instrumento mais adequado à escala de suas idéias... Um bom desempenho no violino pode ser tomado como o melhor guia para a interpretação no órgão - o dois instrumentos não existem sem seus pontos em comum, e ambos eram amados por Bach ".

Transcrições para violoncelo[editar | editar código-fonte]

Há uma transcrição da Chacona para violoncelo solo feita pelo violoncelista Johann Sebastian Paetsch em 2015. Ela foi publicada pela Hofmeister Musikverlag em Leipzig.[4]

Transcrições para violão[editar | editar código-fonte]

A Chacona é frequentemente executada no violão. Marc Pincherle, secretário da Sociedade Francesa de Musicologia em Paris, escreveu em 1930: "Se, no que diz respeito a certas rápidas passagens monódicas, a opinião é dividida entre o violino e o violão como melhor meio, o violão sempre triunfa em passagens polifônicas, isto é, quase ao longo de todo o trabalho. O timbre do violão cria ressonâncias novas e emocionais e gradações dinâmicas insuspeitas naquelas passagens que poderiam ter sido criadas puramente para o violino; como, por exemplo, as variações nos arpejos ". [5]

A transcrição mais conhecida para violão é a transcrição Segovia . Hoje, muitos guitarristas preferem tocar o Chacona diretamente da partitura do violino. [6]

Transcrições para orquestra[editar | editar código-fonte]

Existem várias transcrições da Chacona para orquestras de diferentes tamanhos, incluindo a transcrição de Leopold Stokowski para uma orquestra sinfônica completa. [7]

Outras transcrições[editar | editar código-fonte]

Anne Dudley arranjou a Chacona de Bach para trio de piano, e uma gravação deste arranjo, pelos músicos do Eroica Trio, está em seu álbum Baroque.

Literatura[editar | editar código-fonte]

Em 2005, Joseph C. Mastroianni publicou Chaconne The Novel. Milo, abandonado pelo pai que o apresentou à Chacona, estuda na Espanha há quatro anos para dominar a peça. [8]

Em 2008, Arnold Steinhardt, solista de violino e primeiro violinista do Quarteto de Cordas Guarneri, publicou Violin Dreams, um livro de memórias sobre sua vida como violinista e sobre seu desafio final: interpretar a Chacona de Bach. [9]

Em 2017 Márta Ábrahám e Barnabás Dukay publicaram um livro sobre a Chacona de Bach: Trechos da Eternidade - A Purificação do Tempo e do Caráter, a Realização do Amor e da Cooperação com a Vontade Celestial na Chacona para Violino, de Johann Sebastian Bach .

Referências

  1. Menuhin 2001, 236.
  2. Weingarten 2007.
  3. Schumann & Brahms 1927, 2:16.
  4. Leipzig: Friedrich Hofmeister Verlag, FH 3021, 3 Pieces from BWV 565, 903, 1004, Leipzig 2015, (Editor/Arranger – Johann Sebastian Paetsch), ISMN: 9790203430216
  5. Pincherle 1930.
  6. Berg 2009.
  7. Smith 1990, 243.
  8. Mastroianni n.d.
  9. Block 2007.

Bibliografia

  • Altschuler, Eric Lewin. 2005. "Were Bach's Toccata and Fugue BWV565 and the Ciacconia from BWV1004 Lute Pieces?" The Musical Times 146, no. 1893 (Winter): 77–86.
  • Anderson, Rick. 2002. "Johann Sebastian Bach: Morimur. Hilliard Ensemble; Christoph Poppen. ECM 289 461 895-2, 2001." Notes, second series, 59, No. 1 (September): 145.
  • Berg, Christopher. 2009. "Bach, Busoni, Segovia, and the Chaconne". Pristine Madness [Christopher Berg blog] (10 August) (accessed 20 June 2016)
  • Block, Melissa. 2007. "Violin Dreams': Chasing Bach's Elusive Chaconne". NPR Music (18 January) (accessed 20 June 2016).
  • Erickson, Raymond. 2002. "Secret Codes, Dance and Bach's Great 'Ciaccona'". Early Music America 8, no. 2:34–43.
  • Humphreys, David. 2002. "Esoteric Bach". Early Music 30, no. 2 (May): 307.
  • Mastroianni, Joseph C. n.d. Chaconne: The Novel. The Devil's Advocate (accessed 26 October 2014).
  • Menuhin, Yehudi. 2001. Unfinished Journey, new edition. London: Pimlico. ISBN 978-0-7126-6809-5.
  • Pincherle, Marc. 1930. "Bach and the Guitar".
  • Rich, Alan. 2006. "Morimur: Is There Sex after Bach?" In his So I've Heard: Notes of a Migratory Music Critic, 66–67. Milwaukee: Amadeus. ISBN 1-57467-133-2.
  • Schumann, Clara, and Johannes Brahms. 1927. Letters of Clara Schumann and Johannes Brahms, 1853–1896, 2 vols., edited by Berthold Litzmann. Encore Music Editions. London: E. Arnold; New York: Longmans, Green and Co. Reprinted, Westport, CT: Hyperion Press, 1979. ISBN 0883557614.
  • Silbiger, Alexander. 1999. "Bach and the Chaconne". The Journal of Musicology 17, no. 3 (Summer): 358–85.
  • Smith, William Ander. 1990. The Mystery of Leopold Stokowski. Rutherford, Madison, and Teaneck: Fairleigh Dickinson University Press; London and Toronto: Associated University Presses.
  • Thoene, Helga. 1994. "Johann Sebastian Bach. Ciaconna—Tanz oder Tombeau. Verborgene Sprache eines berühmten Werkes". In Festschrift zum Leopoldfest [15. Köthener Bachfesttage] , 14–81. Cöthener Bach-Hefte 6, Veröffentlichungen des Historischen Museums Köthen/Anhalt XIX. Köthen.
  • Thoene, Helga. 2001. Johann Sebastian Bach, Ciaccona: Tanz oder Tombeau?—Eine analytische Studie. Oschersleben: Ziethen. ISBN 3-935358-60-1.
  • Thoene, Helga. 2003. "Verborgener Klang und verschlüsselte Sprache in den Werken für Violine solo von Johann Sebastian Bach". In AnsBACHwoche, Almanach: 25 Juli bis 3. August 2003, 22–35. Ansbach: Bachwoche Ansbach GmbH.
  • Weingarten, Gene. 2007. "Pearls Before Breakfast" (article text only); includes video. Washington Post Magazine (April 8; accessed September 18, 2011).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]