Pai da pátria (Roma Antiga)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Pater Patriae)
Ir para: navegação, pesquisa

Pai da pátria[1] [2] (em latim: pater patriae) é um título honorífico latino que significa "Pai da Pátria". Existe também o correspondente, mãe da pátria (em latim: mater patriae), reservado às mulheres.

História romana[editar | editar código-fonte]

Como todos os títulos oficiais da República Romana e do Principado, a honra de ser chamado de pai da pátria era conferido pelo senado. Foi concedido pela primeira vez ao grande orador e estadista senatorial Marco Túlio Cícero, por sua posição na supressão da Segunda Conspiração Catilina durante seu consulado em 63 a.C.

Foi novamente concedido a Júlio César que, como ditador vitalício, era o senhor único da república romana e de seu império.

O senado concedeu o título a César Augusto (r. 27 a.C.–14 d.C.) em 2 a.C., mas não sendo nem importante para a legitimação do governo, nem para seus poderes legais, não se tornou parte regular das honras imperiais, ao contrário de imperator, césar, augusto, príncipe do senado, pontífice máximo e poder tribunício (tribunicia protestas). De acordo com o historiador Suetônio, ao sucessor de Augusto, Tibério, foi oferecido este título, mas ele o recusou[3] .

O senado depois conferiu o título a vários imperadores romanos, muitas vezes apenas após vários anos de governo ou se o novo imperador fosse particularmente estimado pelos senadores, como é o caso de Nerva (r. 96–98). Por isso, muitos dos imperadores de vida curta nunca receberam o título.

A honra era sujeita à aprovação da pessoa homenageada, que poderia declinar. Suetônio registra no seu trabalho Vidas dos Doze Césares que foi o que Nero (r. 54–68) fez quando a honra lhe foi oferecida durante o primeiro ano de seu reinado, por causa de sua juventude. Era tradicional à pessoa honrada, em um sinal de humildade, adiar a honra por algum tempo depois de conferida. Adriano adiou por onze anos, por exemplo[4] .

Lista cronológica dos pais da pátria romanos[editar | editar código-fonte]

Note que exceto Cícero e Júlio César, todos os outros listados são considerados imperadores romanos.

Referências

  1. Collares 2010, p. 53
  2. Vizentin 2005, p. 36
  3. http://penelope.uchicago.edu/Thayer/E/Roman/Texts/Suetonius/12Caesars/Tiberius*.html#26
  4. Birley, Anthony. "Marcus Aurelius: A Biography." Yale University Press: New Haven, CT, 1987, p. 57

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Collares, Marco Antonio. Representações do senado romano na Ab Urbe Condita Libri de Tito Lívio: livros 21-30. [S.l.]: UNESP, 2010. ISBN 8579830966
  • Vizentin, Marilena. Imagens do Poder em Sêneca. [S.l.]: Atelie Editorial, 2005. ISBN 8574803103